O papel da lei

Sem cair numa abordagem legalista, livro apresenta o significado e a relevância dos Dez Mandamentos para a sociedade atual
Glauber Araújo

Embora Einstein não pretendesse que sua teoria da relatividade geral provocasse mudanças filosóficas e morais, parece que a melhor palavra para descrever a maneira como as pessoas pensam e se comportam 100 anos depois seja relativismo. Embora a maioria dos filósofos critique o relativismo moral, isto é, a ideia de que não existe um padrão moral absoluto, a sociedade e a cultura contemporânea, em geral, não apenas se simpatizam com esse conceito, mas o promovem. Na sociedade pós-moderna, poucos têm disposição para obedecer ou se submeter às regras impostas por uma autoridade ou instituição. Para muitos, obediência é sinônimo de restrição à liberdade. Nos dias de hoje, a necessidade de regras é interpretada como tirania, opressão e totalitarismo. Qualquer critério ou norma preestabelecida é questionada. Ironicamente, o antigo slogan “é proibido proibir”, que iniciou essa onda de liberalismo, ainda aponta para o paradoxo que existe em qualquer sociedade na qual o indivíduo é senhor de si mesmo e não presta conta a um superior: faço o que desejo, mesmo que fira o direito do outro.

Mais do que nunca, uma compreensão clara e relevante da importância da lei de Deus é necessária para a sociedade moderna. Diferentemente dos caprichos defendidos pela individualidade humana, os Dez Mandamentos revelam a norma absoluta à qual todo ser humano deve se conformar. Transcendendo geografias, gerações e contextos, a lei de Deus se sobrepõe a qualquer relativismo moral que o ser humano possa ter fabricado. Além de apontar para a justiça divina, ela revela um aspecto sobre Deus que poucos percebem: Sua graça. Embora sejam aparentemente contraditórias, a justiça de Deus e Sua graça se complementam na lei de Deus.

Com esse objetivo, a CPB está lançando o livro Sem Lei Não Tem Graça (2018, 156 p.), no qual os autores Ivan Saraiva e Milton Andrade discutem, de maneira atraente e estimulante, o significado e a relevância dos Dez Mandamentos para a sociedade atual. Cada capítulo revela um aspecto novo sobre o mandamento divino. Enriquecido por experiências pessoais e a contribuição de estudiosos da Bíblia, cada mandamento é discutido de maneira a atrair o leitor para a necessidade e os benefícios obtidos por meio da obediência constante à lei de Deus.

Considerando que nos últimos anos a Bíblia tem sido alvo de crítica e censura, uma obra que defende a moralidade bíblica e apresenta sua relevância diante dos problemas da sociedade atual é não somente bem-vinda como também necessária.

Para os que desejam apresentar o Decálogo de uma forma ­contemporânea e relevante a seus amigos e familiares, esta obra certamente servirá como uma boa introdução.

TRECHO

“A lei revela o erro, a graça transforma o pecador. A lei mostra a sujeira, a graça limpa. A lei revela o ‘não’ que protege, a graça revela o ‘sim’ que salva. A lei foi escrita pelo dedo de Deus, a graça foi escrita com o sangue de Jesus” (p. 156).

GLAUBER ARAÚJO é pastor, mestre em Ciências da Religião e editor de livros denominacionais na CPB

(Resenha publicada originalmente na edição de março de 2018)

Veja também

“O juízo começa pela casa de Deus”

Dissertação faz análise exegética de passagem bíblica utilizada pelos adventistas para defender a crença no juízo investigativo