Deus no comando

Clássico sobre a história do movimento adventista ganha nova edição atualizada
Jessica Manfrim

Marc Bloch, historiador francês de origem judaica, dizia ser possível ter “uma experiência religiosa que nada deva à história”. Bastaria uma iluminação interior para crer em Deus. Mas isso não seria possível para crer no Deus dos cristãos: “O cristianismo é, por essência, uma religião histórica” (Apologia da História, p. 57 e 58).

Bloch acertou. Contudo, além de histórico, o cristianismo é uma religião de “historiadores”, de gente que olha para os acontecimentos a fim de identificar a atuação de Deus ao longo do tempo. Foi o que fizeram, por exemplo, Estêvão (At 7:2-53), Paulo (At 22) e Lucas (Lc 1:1-4). Ellen G. White, pioneira e profetisa adventista, escreveu que identificar a liderança de Deus na trajetória de Sua igreja inspira confiança Nele e o progresso da missão (Eventos Finais, p. 72).

Por reconhecer a importância da recapitulação histórica para a consolidação da fé de um movimento, a CPB está relançando um clássico da história do adventismo em língua portuguesa: A Mão de Deus ao Leme (CPB, 2018, 365 p.). Escrito pelo pastor Enoch de Oliveira e publicado originalmente em 1985, o livro é fruto dos estudos de mestrado do seu autor na Universidade Andrews (EUA). Falecido em abril de 1992, o pastor Enoch foi um apreciado pregador e destacado líder da denominação, chegando a ser presidente da sede sul-americana da igreja e um dos vice-presidentes da sede mundial.

A obra, agora em sua versão revisada, apresenta biografias e estatísticas atualizadas. O livro se propõe a fazer uma análise contextual do ambiente em que surgiu o adventismo no século 19, bem como apresentar algumas explicações históricas e proféticas para a origem e consolidação do movimento.

Na primeira parte da obra, o autor mostra como a herança teológica da Reforma Protestante e a cultura de respeito à liberdade religiosa nos Estados Unidos criaram um contexto favorável para o surgimento do movimento milerita. O pastor Enoch também discorreu sobre a experiência do desapontamento em 1844, bem como sobre as crises e os períodos de crescimento da igreja ao longo de sua história.

A segunda parte da obra é dedicada à biografia de cinco pioneiros do adventismo, enquanto a terceira seção destaca líderes do movimento que, apesar de terem dado grande contribuição, acabaram abandonando a fé adventista. Na quarta parte, por sua vez, o livro discorre a respeito da liderança dos presidentes mundiais da igreja, desde John Byington e Tiago White até Jan Paulsen e Ted ­Wilson. Os dados desta seção foram atualizados pelo pastor e historiador Eugenio Di Dionisio.

O relançamento de A Mão de Deus ao Leme viabiliza o acesso das novas gerações da igreja a esse clássico do adventismo, cujo principal objetivo é mostrar que, por trás de datas, números, fatos e biografias, existe um Deus que está no comando da história e da igreja.

JESSICA MANFRIM é revisora-assistente de livros na CPB

(Resenha publicada originalmente na edição de abril de 2018)

Veja também

“O juízo começa pela casa de Deus”

Dissertação faz análise exegética de passagem bíblica utilizada pelos adventistas para defender a crença no juízo investigativo