Tempo de planejar

Cem líderes sul-americanos dedicam cinco dias para avaliar e direcionar o programa da igreja para 2019
A Comissão Diretiva Plenária da sede sul-americana da Igreja Adventista foi realizada em Brasília (DF) nos dias 4 a 8 de maio. Foto: Igreja Adventista do Sétimo Dia / Flickr

Liderar pessoas e organizações não é fácil, sobretudo, quando se tratam de 2,5 milhões de fiéis, milhares de templos, centenas de escolas e dezenas de instituições espalhadas por oito países sul-americanos. Essa complexidade se torna mais evidente nas discussões e decisões de uma comissão diretiva da sede sul-americana da Igreja Adventista.

Ontem à tarde, dia 8 de maio, terminou mais um desses encontros semestrais em Brasília (DF). Reunidos desde o dia 4, cerca de cem líderes da denominação apresentaram relatórios, lançaram novos materiais e projetos, testemunharam batismos e pararam para discutir temas delicados, como o desafio da apostasia, da fidelidade nos dízimos e ofertas e caminhos para o discipulado. O investimento nesse tempo para reflexão, avaliação e planejamento resultou em votos e planos que devem ajudar as igrejas locais em sua caminhada.

Pastor Marlon Lopes, tesoureiro da Divisão Sul-Americana, apresenta novo aplicativo que oferece diversos serviços aos membros. Foto: Igreja Adventista do Sétimo Dia / Flickr

Na área de materiais, a denominação apresentou várias novidades, como o aplicativo 7me (Seven Me), já disponível para os sistemas Android e iOS. O recurso facilita a realização de operações no sistema de secretaria e tesouraria das igrejas. Com ele, por exemplo, é possível o membro pedir sua transferência para outra congregação, conferir como o orçamento de sua igreja tem sido administrado e transferir pelo app seu dízimo e oferta, ganhando assim em praticidade e segurança.

Os líderes também conheceram em primeira mão a Bíblia Missionária, uma edição em que estudos bíblicos e estudos para pequenos grupos foram organizados no rodapé das páginas, trazendo assim mais agilidade para o instrutor. À comissão foi dada a oportunidade também de folhear a revista Liberdade, um periódico institucional que apresenta a visão e o trabalho da Igreja Adventista na área de liberdade religiosa. Esse material será utilizado por pastores no contato com autoridades políticas, legislativas e jurídicas, além de lideranças religiosas, para promover o diálogo sobre direito de crença. O portfólio Esperança Viva também ganhou uma versão atualizada. O material tem sido usado como recurso para apresentar a igreja e suas ações na América do Sul.

Tomando como base a revista Vida e Saúde, publicação pioneira no Brasil no mercado de promoção da saúde, os líderes sul-americanos aprovaram que todas as ações da igreja neste segmento, como as feiras, corridas e cursos de culinária sejam divulgados com a marca “vida e saúde” (para saber mais, clique aqui). A ideia é fortalecer esse nome e alinhar as ações à filosofia de saúde adventista. Está previsto também promover maior integração entre a revista e o programa de TV que levam o mesmo nome.

A comissão diretiva ainda contemplou nomeações, como a do jornalista Wagner Cantori para a nova função de diretor de conteúdo da Rede Novo Tempo de Comunicação. O objetivo é que ele integre a distribuição dos conteúdos produzidos nas várias frentes de atuação da emissora: rádio, TV, web e gravadora. Por fim, foram apresentados relatórios da tesouraria e secretaria, que mostraram números desafiadores na área do discipulado e fidelidade no uso dos recursos pessoais. Mais detalhes sobre essas estatísticas e a cobertura completa dessas reuniões administrativas você acompanha na versão impressa da Revista Adventista de junho.

WENDEL LIMA é editor associado da Revista Adventista

Veja também

Os adventistas e a guerra

O centenário do Dia do Armistício, que simbolizou o fim da Primeira Guerra Mundial, é lembrado hoje. O que podemos aprender com a posição e o testemunho dos adventistas nesse conflito que marcou a história?

  • Roger Willian Cabral

    A igreja deveria investir na capacitação dos pastores, anciãos e oficiais para que exista mais (e de maior qualidade) pregações expositivas. Isso sim resolveria muitos problemas da/na igreja.