Louvor na igreja – parte 2: Cante a Bíblia

Soluções para o impasse na hora de selecionar as músicas para o culto
Joêzer Mendonça
Crédito: Fotolia

De manhã, no templo, todos se levantaram ao som da música. Mas nem todos cantaram. A música era bonita e o coro estava bem ensaiado, mas boa parte da congregação não sabia cantá-la, pois ela tinha um estilo sacro pouco habitual. Parecia ser cantada em outro idioma.

Essa descrição se encaixa perfeitamente com os registros históricos sobre a música nas catedrais antes da Reforma Protestante do século 16. Mas também, e infelizmente, retrata algumas situações na igreja contemporânea. Hoje há os que igualmente não cantam porque o “idioma” musical do hinário ou a música do DVD de louvor soam tão antiquados ou desconhecidos quanto o latim naquela época.

Num lugar frequentado por diferentes gerações e por pessoas de diferentes gostos musicais, como costuma ser a igreja, é absolutamente impossível agradar a todos. Por isso, para uma parte da congregação, as músicas escolhidas para a adoração congregacional sempre podem parecer inadequadas. Mas o que não se pode fazer é desprezar uma geração em favor de outra nem favorecer somente o repertório tradicional e excluir as canções mais recentes.

Faço algumas perguntas: por que vários hinos do hinário não entusiasmam uma parte da igreja? E porque tantas canções atuais não animam a congregação a cantar? Não seria porque ambos os repertórios estão numa linguagem diferente para diferentes pessoas?

Pessoas que cresceram ouvindo e cantando hinos tradicionais tanto em seus cultos domésticos quanto nos cultos no templo estão acostumadas com essa linguagem hinológica. Ou seja, para elas, o hinário apresenta a música e a letra adequadas para os momentos de louvor da congregação. Para elas, os cânticos contemporâneos são curtos, repetitivos e monótonos, contrastando com a variedade melódica e temática dos hinos tradicionais.

Por outro lado, pessoas que ouvem e cantam as músicas contemporâneas dos DVDs de ministérios de louvor também se acostumam com essa linguagem. Para elas, esses novos cânticos apresentam a música e a letra adequadas para os momentos de louvor congregacional. Acham que os hinos tradicionais são muito longos e monótonos, contrastando com a simplicidade melódica e temática das canções de louvor contemporâneas.

No segundo texto desta série, apresento algumas atitudes e ações que visam auxiliar a encontrar soluções para o impasse na hora de selecionar as músicas para o culto:

  • Motive a igreja a conhecer a riqueza de conteúdo do hinário. Um exemplo: ao cantar o hino “Quão Grande És Tu”, mostre como a primeira estrofe fala da criação de Deus e que a resposta do ser humano, maravilhado por esse poder que criou a natureza, é dizer “Quão grande és Tu”. Aponte como a terceira estrofe fala da morte de Jesus no Calvário para que você vivesse eternamente, e que a última estrofe é sobre a esperança da volta de Cristo. Como não responder cantando “quão grande és Tu, meu Deus”? A igreja verá como as estrofes desse hino abordam a história da Redenção da criação ao advento. Essa teologia cantada também está presente em outros hinos, como “Sou Feliz com Jesus”.
  • O que cantamos impacta o que cremos. Segundo Erik Routley, estudioso da música sacra, “importa muito o que se canta, porque há a tendência de se acreditar no que dizem os hinos. Uma doutrina incorreta será notada em um sermão; em um hino, e as pessoas tendem a acreditar nela” (Hymns Today and Tomorrow). Por essa razão, é importante providenciar cânticos que promovam a “sã doutrina”, a teologia clara de sua igreja.
  • Promova a ideia de que nenhuma geração possui a exclusividade da boa música. A cada geração, surgem novos compositores antenados com o idioma musical de seu tempo. É incoerente pedir aos compositores de hoje que façam música como se vivessem em 1918, assim como teria sido incoerente pedir aos músicos de 1918 que fizessem hinos como os de Martinho Lutero ou Isaac Watts. Erik Routley acrescenta: “Que fique claro que a arte de escrever um bom cântico não está confinada a eras passadas”. E os bons cânticos também não são de posse exclusiva dos compositores de hoje.
  • Faça várias combinações de repertórios. Os momentos de louvor podem ter pelo menos três modelos: (1) O louvor composto só de cânticos mais novos; (2) O louvor só com músicas do hinário e (3) O louvor que combina os dois repertórios. Veja esses três exemplos de acordo com os respectivos modelos acima: “O Melhor Lugar do Mundo” e “Verei Jesus”; “Bendita Segurança” e “Jesus é Melhor”; “Falar com Deus” e “Porque Ele Vive”, ou ainda com três músicas, como “Não Há o Que Temer”, “Saudade” e “Eu Não Me Esqueci de Ti”. Organize também medleys diminuindo estrofes ou repetições e combinando os diferentes repertórios. Utilize ainda conhecidas músicas de quartetos e corais, ajustando a tonalidade para o canto da congregação.
  • Busque cânticos que cultuem os atributos de Deus e Suas obras. Nos reunimos no templo com o objetivo de prestar um culto a Deus por causa de tudo o que Ele fez, faz e fará por nós. Nós O louvamos pelos Seus atributos de amor, justiça e majestade. Nós O adoramos porque Ele é bom e Sua misericórdia dura para sempre. Esses princípios bíblicos devem constar nas palavras de nossos cânticos de louvor. Como escreveu Larry Hurtado: “O culto cristão pode ser enriquecido pela lembrança do quadro maior dos propósitos de Deus, que se estende para além do nosso tempo e ambiente […] e que promete uma consumação da graça redentora” (At the Origins of Christian Worship, p. 116).

Somos chamados a louvar e adorar “diante do Senhor que nos criou” (Sl 95:6). Mas, definitivamente, precisamos amar mais nosso irmão que louva do que o louvor do nosso irmão.

JOÊZER MENDONÇA, doutor em Musicologia (Unesp) com ênfase na relação entre teologia e música na história do adventismo. É professor na PUC-PR e autor dos livros Música e Religião na Era do Pop O Som da Reforma: A Música no Tempo dos Primeiros Protestantes

Veja também

Receita adventista

O mundo está redescobrindo o sabor das proteínas vegetais.