Cardápio original

Procurar viver bem no presente é um modo de honrar a vida no futuro
Marcos De Benedicto
Crédito: Fotolia

O mundo parece estar cada vez mais interessado em vida saudável, embora a prática não corresponda ao ideal. Nunca se falou tanto em dietas e bem-estar. Por exemplo, no início do ano, com a ajuda de especialistas, a revista U.S. News & World Report apresentou um ranking das 40 melhores dietas para 2018 (veja mais aqui). Para figurar nas primeiras posições, a dieta teria que ser fácil de ser seguida, nutritiva, segura, efetiva para a perda de peso e protetora contra diabetes e doenças do coração.

As cinco primeiras colocadas foram: (1) a dieta DASH, cuja ênfase está nos alimentos que ajudam a baixar a pressão arterial; (2) mediterrânea (empatada com a DASH), que inclui frutas, vegetais, cereais integrais, castanhas e óleo de oliva, entre outros produtos; (3) flexitariana, uma espécie de vegetarianismo flexível, permitindo o consumo ocasional de carne; (4) vigilantes do peso, regime que valoriza o controle de calorias; e (5) mind, que privilegia alimentos saudáveis para o cérebro e, teoricamente, ajuda a evitar o mal de Alzheimer. A dieta vegetariana ficou na décima posição (empatada com a da fertilidade).

O interessante é que, em vários aspectos, todas essas dietas se aproximam do vegetarianismo e de alguns grupos de alimentos enfatizados há muito tempo pela Igreja Adventista. Além de fazer bem para a pessoa, o consumo mais consciente tem levado em conta igualmente o impacto no meio ambiente, como revela a matéria de capa da Revista Adventista deste mês.

Embora seja irreal esperar que todo mundo vá se preocupar com a alimentação saudável, os novos hábitos já estão mexendo com o mercado. Por exemplo, a Nestlé, maior companhia de alimentos do mundo, e a Kraft Heinz, a quarta maior, já revelaram seus planos de investir em novas linhas de produtos mais saudáveis. O desempenho em 2017 forçou essas gigantes, entre outras, a prestar mais atenção ao desejo do consumidor e a repensar seu cardápio de ofertas.

Do ponto de vista bíblico, quando olhamos para a criação e a nova criação, vemos um mundo perfeito, com regime vegetariano e sem degradação ambiental. O plano original de Deus era que o ser humano pudesse comer da árvore da vida e viver eternamente. A localização da árvore da vida no meio do jardim (Gn 2:9), lembrete da nossa finitude e símbolo da nossa dependência, indica sua posição central em termos de geografia e teologia. Isso significa que a vida é um dom de Deus, não uma conquista humana, ainda que com o regime ideal.

Obedecer é fundamental, como indica a localização da árvore do conhecimento do bem e do mal igualmente no meio do jardim (Gn 2:9), a qual serviu de teste para os primeiros representantes da humanidade (Gn 2:16-17; 3). Porém, o que garante mesmo a vida eterna é outra árvore (madeiro da cruz) fincada no meio do planeta, a qual nos devolveu o direito de ter acesso à árvore da vida, que se encontra no paraíso de Deus e cujas folhas servem para a cura das nações (Ap 22:2). Enquanto o dia da dieta original não chega, temos que viver de maneira responsável, antecipando essa realidade gloriosa.

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

(Editorial da edição de junho de 2018)

Veja também

Igreja responde dúvidas sobre documento de conformidade

Diretrizes de como lidar com instituições que não estiverem em conformidade com a Igreja Adventista mundial foram aprovadas nesta semana em reunião administrativa nos EUA.