No casamento real

Veja qual foi a participação de dois adventistas na cerimônia matrimonial do príncipe Harry e Meghan Markle

Quando Karen Gibson, regente e diretora do Kingdom Gospel Choir, ligou para Paul Lee e perguntou se sua agenda estava livre para o dia 19 de maio, Paul, meio reticente, disse que sim. Logo pensou na data e a conectou ao evento mais importante do Reino Unido no mês de maio (talvez do ano): o casamento do príncipe Harry e Meghan Markle.

O temor de Paul Lee era real. O motivo do contato era justamente convidá-lo para cantar na cerimônia matrimonial do filho mais novo de Lady Di. Após a ligação, que foi acompanhada de eternos segundos de silêncio, a vida de Paul Lee, que além de cantor é assessor da presidência da Igreja Adventista do Sétimo Dia no sul da Inglaterra, e do produtor musical Mark De-Lisser, mudou para sempre.

Lee e De-Lisser foram convidados (ou convocados) pelos próprios noivos, que sabiam muito bem o que queriam: “Eles pediram a música Stand by Me”, conta De-Lisser, que lembra que ainda tentou sugerir algo, mas, evidentemente, sem sucesso.

“Stand by Me” foi escolhida pelo casal por causa da letra que enfatiza o compromisso e a fidelidade no casamento.

Ao compor o arranjo da versão original, a intenção de Mark foi refletir a ênfase de ficar ao lado do cônjuge em todos os momentos, bons e maus, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença, “até que a morte os separe”.

Finalmente, Lee e De-Lisser concluíram juntos os “múltiplos” arranjos para que “Stand by Me” ficasse conforme, principalmente, Markle desejava.

A participação dos músicos adventistas no casamento real fez crescer o número de acessos do site oficial adventista de Londres, possibilitando que muitos conheçam as crenças, a missão e as atividades comunitárias da denominação no Reino Unido de Harry e Markle.

O episódio desta semana da ANN traz imagens do casamento real e entrevistas com Paul Lee e Mark De-Lisser, além de falar de uma campanha evangelística realizada em 161 pontos de pregação no Japão. [Márcio Basso, da ANN]

Veja também

Refúgio para os venezuelanos

O Brasil é a principal porta de entrada dos imigrantes que fogem da crise humanitária que afeta o país vizinho. Saiba o que a ADRA tem feito para ajudar centenas de famílias que estão vivendo em situação crítica.