Ofertas para a Mongólia

Primeiro internato adventista no país asiático será construído com parte das doações recolhidas até o fim de setembro
O colégio está sendo construído a 56 km da capital Ulan Bator, numa área de 60 mil m². Se as ofertas missionárias forem generosas, o internato poderá ser aberto em meados de 2019 com 84 alunos. Foto: Associação da Mongólia da IASD

Ela é conhecida como a “terra do eterno céu azul” e uma das poucas culturas nômades remanescentes no mundo. Estima-se que 30 a 40% da sua população de 3 milhões de pessoas vivam sem endereço fixo, cuidando de rebanhos. Ali, os que não dependem da atividade agropastoril moram na movimentada e poluída capital Ulan Bator, a mais fria do mundo. Essa é a Mongólia, uma nação asiática em que o adventismo escreve uma bonita história contando com fortes laços com o Brasil.

Os cinco projetos especiais para as ofertas missionárias deste trimestre têm o objetivo de ajudar a missão adventista na Divisão do Pacífico Norte-Asiático, região que inclui Mongólia, China, Japão, Coreia do Norte e do Sul e Taiwan, e onde vivem 1,6 bilhão de pessoas, sendo apenas 3% cristãos.

As doações do mundo todo ajudarão na construção do primeiro internato adventista do país, que está sendo erguido num terreno de 60 mil m2, a cerca de 56 km da capital. Refeitório, dormitórios e quadras do internato estão prontos e custaram 700 mil dólares. Outros 400 mil dólares são necessários para construir as salas de aula e administrativas.

“O custo para se construir na Ásia é bem maior do que na África, por exemplo. Boa parte das nossas despesas até aqui foi com infraestrutura: aquecimento, água e energia elétrica. Temos usado contêiners revestidos para fazer os prédios e diminuir despesas também”, justifica o pastor Diogo Santos, que há pouco mais de um ano serve como missionário na Mongólia.

Ele adianta que o internato deve ser inaugurado em meados de 2019 com 84 alunos. O sonho é que, em cinco anos, a instituição chegue a 500 estudantes e talvez ofereça o ensino superior. Em curto prazo, porém, a ADRA pretende estabelecer uma fazenda-protótipo num terreno vizinho ao do internato para atender a população carente e os alunos do colégio.

Diogo é o vice-diretor de Tusgal, a única escola da denominação no país. Foi aberta em 2009 com quatro professores e 14 alunos. Hoje, a unidade tem 30 professores e funcionários e 147 alunos, sendo 35% adventistas. Ele vê com otimismo o futuro da educação adventista na Mongólia. “Os alunos do internato vão ficar longe da poluição da capital, da violência doméstica, do álcool e do cigarro. Morando cercados pela natureza, esses adolescentes aprenderão os princípios bíblicos que podem mudar a vida deles”, reflete, ecoando o sonho de outros que passaram por lá.

Missionários russos iniciaram a pregação da mensagem adventista na Mongólia em 1926. Contudo, os adventistas retornaram ao país depois do fim do regime comunista, em 1991. O pastor Elbert Kuhn, que coordena o Serviço Voluntário Adventista na sede mundial da igreja, dedicou uma década como missionário no país. Desde então, a sede sul-americana da igreja tem patrocinado o envio de missionários para lá. Rodrigo Assi trabalhou dois anos no país e hoje, além do pastor Diogo Santos, atuam ali o pastor Yure Gramacho e a voluntária Milena Mendes.

LISANDRO STAUT é jornalista e mestrando em Teologia na Universidade Andrews (EUA)

(Publicada na edição de setembro de 2018 da Revista Adventista)

Veja também

Prêmio da educação

Projetos diferenciados desenvolvidos por professores da rede adventista são premiados.

  • ANGELICA CAVALCANTE DE MORAES

    Nesse internato, qualquer criança poderá ser aluno? Ou terá que dispor de recurso financeiro para ser um aluno do internato?