Respostas diferentes

Muitas vezes, aquilo que chamamos de adversidade, Deus chama de bênção
Erton Köhler
Por mais difícil que seja entender, podemos confiar que Deus sempre tem um plano maior. Foto: Mia Studio

Momentos de crise costumam levantar questões difíceis. Mas elas se tornam ainda mais desafiadoras quando Deus dá respostas diferentes a situações que parecem iguais. Por exemplo, dois membros da igreja enfrentam a mesma doença terminal. Muitas pessoas oram por eles, que buscam todos os tratamentos e tomam os cuidados necessários, mas um é curado e o outro acaba falecendo. Ou poderiam ser dois vizinhos que trabalham na mesma empresa que enfrenta grave crise financeira. Ambos precisam do emprego e são fiéis a Deus, mas um é demitido e o outro promovido. Naturalmente surge a pergunta: por que Deus faz milagres para um e não para o outro?

Essas situações contrastantes também existiam nos tempos bíblicos. Os casos de Tiago e Pedro ilustram bem tal realidade. Ambos eram discípulos de Cristo, tiveram papéis relevantes na igreja cristã primitiva e foram presos por sua fé, mas Tiago foi brutalmente assassinado, enquanto Pedro foi milagrosamente libertado. O capítulo 12 de Atos apresenta as duas histórias em sequência, evidenciando ainda mais o contraste.

Na ocasião, o rei Herodes decidiu perseguir a igreja. Além de confiscar bens dos cristãos, mandou prender o líder Tiago e matá-lo à espada. “A morte de Tiago causou grande dor e consternação entre os crentes”, comenta Ellen G. White. “Quando Pedro também foi preso, a igreja toda se empenhou em jejum e oração” (Atos dos Apóstolosp. 144). Como resultado, Deus enviou um anjo, que o libertou milagrosamente (At 12:6-11).

Por que, em situações tão parecidas, Deus deixou Herodes assassinar Tiago, mas libertou Pedro? Por que não os tratou da mesma forma? Ellen G. White nos ajuda a entender os porquês. Segundo ela, Tiago já havia cumprido sua missão e, por isso, podia descansar, ao passo que “Deus tinha uma obra para Pedro fazer” (Primeiros Escritos, p. 186). Por mais difícil que seja entender, podemos confiar que Deus sempre tem um plano maior.

Quando vemos respostas tão diferentes para situações que parecem iguais, precisamos descansar nos dois maiores atributos do caráter de Deus: justiça e amor. Talvez não recebamos as respostas que buscamos, mas podemos obter a paz e a esperança de que tanto precisamos. Lembremos também que Deus usa o tempo para revelar Suas intenções. Algumas respostas vêm logo. Outras, porém, somente compreenderemos no futuro ou na eternidade. Não podemos culpar a Deus por bênçãos que interpretamos como tragédias. Afinal, Ele não nos abençoa só com coisas positivas. Quando olhamos para a cruz, vemos que a pior forma de condenação se tornou nosso melhor presente de salvação.

Mesmo que os planos do Senhor não estejam claros para você, continue confiando em Seu amor, pois “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8:28). “Deus nunca dirige Seus filhos de maneira diversa daquela pela qual eles próprios haveriam de preferir ser guiados, se pudessem ver o fim desde o princípio”, afirma Ellen G. White (O Desejado de Todas as Nações, p. 224-225).

ERTON KÖHLER é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

(Publicado na edição de outubro de 2018 da Revista Adventista)

Veja também

Teste para a unidade

A igreja é uma família com espaço para diferenças de cultura e opinião, desde que não comprometam  a teologia, o estilo de vida e a missão.