Tempo para avaliar e retomar o fôlego

Nesta semana, a liderança da igreja no estado de São Paulo se reuniu para prestar constas sobre o que foi feito nos últimos cinco anos e escolher quem estará à frente da União Central Brasileira no próximo quinquênio  
Os pastores Domingos José de Sousa (à dir.) e Emmanuel Oliveira Guimarães, presidente e secretário, respectivamente, foram reeleitos para mais um período de cinco anos. Foto: União Central Brasileira

Há cada cinco anos, as sedes administrativas estaduais da igreja se reúnem em assembleia para prestar contas e decidir quem serão os líderes do próximo quinquênio. Foi o que aconteceu nesta semana na União Central Brasileira, sede da denominação para o estado de São Paulo.

O território paulista é subdividido em oito Associações (sedes regionais): Paulistana (que atende a região central de São Paulo), Paulista Central, Paulista Sudoeste, Paulista Sudeste, Paulista do Vale (responsável pela região do Vale do Paraíba), Paulista Sul, Paulista Oeste e Paulista Leste. Essas regiões administrativas hoje concentram 271 mil adventistas que congregam em 2.045 mil igrejas e grupos. Essas congregações são atendidas por 636 pastores. De 645 cidades paulistas, 481 têm presença adventista, o que corresponde a 93% dos municípios. Em cinco anos, foram inaugurados 231 novos templos e grupos, e a expectativa é ter mais 91 até o início do próximo ano.

A educação adventista também tem uma forte presença no estado. São mais de 71 mil alunos, incluindo os que estudam nos três campi do Centro Universitário Adventistas de São Paulo (Unasp). O corpo docente é formado por 2.506 professores espalhados pelas 85 unidades de ensino. Já foram adquiridos 27 novos terrenos para a construção de novas escolas nos próximos cinco anos. Como resultado desses esforços e investimentos, o número de alunos cresceu 17,6%.

Ao longo dos últimos cinco anos, a igreja no território paulista criou e desenvolveu muitos projetos. Um exemplo foram as Feiras Vida e Saúde. Mais de 2 mil foram organizadas em shoppings, escolas, praças e clubes. No campo da assistência social, a Ação Solidária Adventista (ASA) beneficiou mais de 73 mil pessoas em projetos como a Campanha do Agasalho, Dia da Compaixão, Recolta, Mutirão de Natal, entre outros. Além disso, a ADRA manteve 27 projetos que atenderam 3.217 crianças e adolescentes, 7.419 desempregados e 493 pessoas em situação de rua.

Pensando nas novas gerações, a igreja buscou fortalecer o clube de desbravadores, que cresceu cerca de 40% no período. No ano passado, um campori reuniu 23 mil pessoas de todas as regiões do estado em Barretos. Outro programa que se fortaleceu foi a Missão Calebe. Mais de 50 mil jovens participaram do projeto de voluntariado. Devido a esse trabalho, 20.297 pessoas foram batizadas no Batismo da Primavera, que ocorre todos os anos no mês de setembro.

A União Central Brasileira também manteve projetos de atendimento às famílias refugiadas no centro de São Paulo. Um deles foi a Base Gênesis, que atendeu 378 famílias sírias desde sua inauguração, em 2015. Além deles, 6.980 pessoas foram atendidas na região da Praça da Sé.

Ao mesmo tempo que a igreja procurou atender os de fora, também buscou cuidar dos de dentro. Um exemplo disso foi a realização de 85 encontros para casais e treinamentos para mais de 700 noivos.

Em relação às finanças, o número de dizimistas regulares cresceu 68% entre 2014 e 2018 e o número de doadores voluntários regulares aumentou 52%. Apesar da crise financeira, algumas instituições adventistas também ampliaram sua estrutura e influência no mercado. O Hospital Adventista de São Paulo, por exemplo, está terminando a nova ala e deve inaugurar em breve novos apartamentos, uma UTI para adultos, a UTI neonatal e pediátrica e o centro oncológico. Nos próximos meses, será reativada a maternidade. No total, o estabelecimento soma 90 leitos. O SPA Médico Cevisa também inaugurou novas áreas de tratamentos, incluindo o espaço para hidroterapia, um centro de estética e espaços cobertos para exercícios físicos. Em 2015, o Cevisa recebeu o registro CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde) e se tornou parte da Instituição Paulista de Promoção à Saúde (IPAPS).

Próxima gestão

O próximo quinquênio já começou e os desafios continuam sendo os mesmos: cuidar de gente. Esse tem sido o foco da igreja na América do Sul e a base do programa da igreja no estado de São Paulo. “A matéria-prima de Deus são as pessoas. E a minha missão é cuidar delas com amor. Afinal, o que seria do ser humano sem uma família e sem Deus?”, afirma o pastor Domingos José de Sousa, que foi reeleito para liderar a denominação no território paulista.

Com base nesse conceito, os adventistas paulistas estão concentrados no programa “Desafio 1=1”. “O ser humano se aproxima do Divino através da comunhão. Quando eu tenho uma bênção, não posso guardar só para mim. Precisamos ir atrás de outras pessoas. Só assim vamos cumprir a ordem de Cristo, que é pregar o evangelho”, explica o pastor Domingos. Para fazer esse programa dar certo, os líderes pretendem fortalecer as ações que já existem e criar novos projetos. O Saiba Mais, por exemplo, é uma nova ferramenta de estudos bíblicos. Além do kit físico de estudos bíblicos e a Bíblia especial, foi lançada uma plataforma on-line com temas contemporâneos vinculados aos estudos, que podem ser acessados pelo smartphone. “Esse projeto está alinhado às diretrizes da Igreja Adventista mundial. Nós seremos o povo que conhece e entende a Bíblia”, promete Sousa.

O pastor Domingos diz que se sente muito grato e feliz pela oportunidade de servir a igreja por mais um período. Porém, ele afirma que, ao olhar para frente, vê que há muito por fazer. Por isso, ele termina dizendo: “Nós não convertemos pessoas, mas Deus pode nos usar para fazer isso. Então, até Ele voltar será um mais um até que toda Terra O conheça. Avancemos!”

JHENIFER COSTA é jornalista e atua na equipe da assessoria de comunicação da sede da Igreja Adventista para o estado de São Paulo

Veja também

Teste para a unidade

A igreja é uma família com espaço para diferenças de cultura e opinião, desde que não comprometam  a teologia, o estilo de vida e a missão.