Encontro de editores

Brasileiros e argentinos se reúnem na sede sul-americana da Igreja Adventista para discutir desafios comuns do trabalho editorial
Cerca de 70 brasileiros e argentinos participaram do 4º Encontro Sul-Americano de Editores realizado na sede continental da igreja, em Brasília (DF), nos dias 21 a 23 de março. Foto: Jorge Márcio de Oliveira

O mundo tem mudado bastante e novas tendências culturais, sociais e teológicas surgem a cada momento. Essas questões emergentes representam, evidentemente, um grande desafio para o trabalho editorial na atualidade. Por isso, a cada dois anos as editoras adventistas do Brasil e da Argentina e a sede continental da denominação têm promovido o Encontro Sul-Americano de Editores, evento que discute tendências editoriais e teológicas, visando manter a relevância e identidade do trabalho editorial.

Na quarta edição do evento, realizada em Brasília (DF) nos dias 21 a 23 de março, o auditório da sede administrativa sul-americana recebeu um grupo de cerca de 70 servidores da Casa Publicadora Brasileira (CPB) e da Asociación Casa Editora Sudamericana (ACES). “O tema que escolhemos,  A Palavra Eterna em uma Sociedade em Mudança, reflete bem o momento em que vivemos e a mensagem que queríamos destacar”, comenta o pastor Marcos De Benedicto, editor-chefe da CPB.

Foram discutidos assuntos de natureza mais teológica, mas também questões ligadas à prática editorial. Num dos painéis, os convidados falaram de suas preferências literárias e do estilo que procuram seguir na hora de transcrever as ideias para o papel ou o computador. Em outro momento, a pauta tocou em questões mais preocupantes, como o futuro da indústria gráfica. Um dos pontos da discussão foi a necessidade de encontrar meios de integrar a mídia física e a digital. Apesar de a maioria das pessoas ainda preferir ler livros em papel, os hábitos de consumo de informações estão mudando e é preciso encontrar novos meios de tornar o conteúdo atrativo especialmente para as novas gerações no mundo virtual, como explorou o pastor e jornalista Diogo Cavalcanti, coordenador da editoria de livros denominacionais da CPB.

Bill Knott, diretor executivo da Adventista Review e da Adventist World: “Se fizermos bem o nosso trabalho, vamos minimizar a importância da mídia alternativa”. Foto: Márcio Tonetti

Por sua vez, o editor associado da Adventist Review, Gerald Klingbeil, trouxe a debate a importância da sensibilidade aos temas do momento. Isso implica pensar mais na realidade dos leitores, conforme ele ressaltou. Ao mesmo tempo, discutiu-se a necessidade de equilíbrio nas publicações ao tratar de temas sensíveis, como ressaltou Bill Knott, editor executivo da Adventist Review e da Adventist World.

Já o pastor Erton Köhler, líder sul-americano da igreja, exortou os participantes a escreverem mais sobre aquilo que a igreja não está acostumada a ouvir. “Escrever sobre o que eles já ouvem, falar sobre o que eles já conhecem para dar um pouco mais de profundidade é bom. Mas falar sobre o que eles não estão ouvindo em outro lugar é uma necessidade. Nossos materiais precisam dar o que, infelizmente, nossos púlpitos não estão dando”, ele sublinhou ao falar sobre a necessidade de publicações que reforcem as crenças fundamentais do adventismo.

Temas de natureza mais teológica, que incluíram reflexões sobre reinterpretações da Bíblia e a radicalização no adventismo, ficaram a cargo dos teólogos Alberto Timm e Artur Stele. “As palestras tiveram um bom nível e tocaram em temas importantes para a formação do editor”, avalia Wendel Lima, editor associado da Revista Adventista e editor da Conexão 2.0.

“Nunca aprendi tanto em tão pouco tempo. Foi realmente um privilégio poder assistir às palestras e absorver todo o conteúdo que estava sendo apresentado!”, acrescenta Edna Vieira, revisora associada da área de didáticos.

Editoras adventistas sul-americanas e sede continental da igreja têm investido na formação de editores. Foto: Márcio Tonetti

A possibilidade de reunir editores das duas instituições da igreja a cada dois anos permite ver que há desafios comuns a ser enfrentados e discutir soluções conjuntas, conforme destaca Estela de Aranda, que trabalha com didáticos e é editora da revista Mis Amigos (versão hispana da Nosso Amiguinho) na ACES. “Apesar de as editoras terem públicos diferentes e trabalharem em idiomas distintos, a missão é a mesma”, conclui o pastor Marcos Blanco, chefe de Redação da editora adventista da Argentina.

Para saber mais a respeito do que foi discutido no 4º Encontro Sul-Americanos de Editores, leia a matéria que será publicada na versão impressa em abril.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

VEJA OUTRAS IMAGENS DO EVENTO

Veja também

“O juízo começa pela casa de Deus”

Dissertação faz análise exegética de passagem bíblica utilizada pelos adventistas para defender a crença no juízo investigativo