A arquitetura também prega

Mais do que uma questão estética, um bom projeto arquitetônico pode contribuir para tornar nossas igrejas mais atrativas e eficazes na transmissão da mensagem
MÁRCIO TONETTI
Arquiteto e urbanista, Ricardo Rossi é membro da Igreja Adventista do Unasp, campus São Paulo. Foto: Carlos Mancini

Uma das atividades preferidas de Ricardo Rossi na infância era montar os bloquinhos de lego que ganhava dos pais. Por isso, desde os 11 anos ele já dizia que queria ser arquiteto. Hoje, com mais de 25 de profissão, o paulistano que nasceu e cresceu a poucos metros da Avenida Paulista é considerado uma referência no mundo da arquitetura, assinando projetos bastante conceituados no Brasil e no exterior. Em janeiro, por exemplo, a revista Casa Vogue deu destaque ao projeto arquitetônico que ele desenvolveu para uma escola adventista em Ulan Bator, capital da Mongólia. Nesta entrevista, o arquiteto e urbanista, que é membro da Igreja do Unasp, campus São Paulo, e se dedica a compartilhar a fé especialmente através da distribuição de literatura para clientes e outras pessoas com quem tem contato em grandes eventos de arquitetura e decoração, fala sobre as tendências desse universo e dá dicas de como tornar nossos templos mais relevantes.

Como as mudanças sociais e os desafios urbanos se refletiram nas tendências da arquitetura?

 Com a revolução tecnológica, os projetos arquitetônicos passaram a valorizar a automação. A nova forma de as pessoas consumirem conteúdo também causou impacto. A preferência pelo digital fez com que as bibliotecas fossem, aos poucos, se tornando elementos meramente decorativos nas casas modernas. Por sua vez, a necessidade de um mundo mais sustentável tem demandado projetos que causem menor impacto ao planeta. Assim, a escolha dos materiais, o uso de energias limpas e a reutilização da água, só para citar alguns aspectos, ganharam importância na construção civil.

As transformações culturais e as mudanças na paisagem religiosa também parecem ter levado algumas igrejas a repensar o estilo dos templos.

Sem dúvida. O mundo mudou bastante e as pessoas estão cada vez mais secularizadas e exigentes. Tem sido um desafio atraí-las para a igreja. Por isso, a arquitetura de um templo importa muito hoje em dia. Novas formas têm sido pensadas para minimizar as barreiras.

Era isso que você tinha em mente quando projetou a sede do Espaço Alpha, comunidade adventista de um bairro nobre de Manaus?

 A preocupação nesse caso foi criar uma estrutura que mostrasse que a Igreja Adventista é diferente. Ao chegar no templo, a pessoa vai se deparar primeiramente com uma série de serviços: livraria, restaurante, day spa, escola de artes, espaço para a prática de exercícios e circuito que possibilita ter uma experiência sensorial com os oito remédios naturais. Esses pontos de contato têm uma finalidade evangelística, buscando criar afinidade e levar a pessoa a querer conhecer mais sobre os adventistas. As igrejas menores oferecem espaço limitado para um projeto ousado assim, mas podem pensar no que está ao seu alcance.

O projeto arquitetônico do Espaço Espaço Alpha foi estruturado a partir do conceito de uma igreja que serve a comunidade. Imagem: Divulgação

De que maneiras o design de uma igreja pode “pregar”?

 Um projeto arquitetônico bem pensado ajuda a preparar as pessoas para receber a mensagem. Um ambiente organizado, belo e funcional proporciona conforto visual, físico, emocional e espiritual. Além disso, creio que o design moderno de um templo diz muito sobre a atualidade da nossa mensagem.

Também existe relação entre arquitetura e adoração?

 O tipo de iluminação, a temperatura do ambiente, as cores, tudo isso pode influenciar positiva ou negativamente na adoração. Uma evidência de que uma coisa está ligada à outra é o fato de que o próprio Deus, o Arquiteto do Universo, “assinou” o projeto do templo israelita e Se preocupou com cada detalhe.

O que é essencial no projeto arquitetônico de qualquer templo adventista?

 Os projetos arquitetônicos das nossas igrejas devem ter um padrão mínimo de acabamento e estética. Isso é fundamental para que, ao se depararem com qualquer templo adventista, as pessoas vejam organização e respeito a Deus.

(Entrevista publicada na edição de abril de 2019 da Revista Adventista)

Veja também

A Revolução Francesa e a formação do adventismo

Como a “mãe das revoluções”, que teve início há 230 anos, despertou o interesse pelo estudo do livro do Apocalipse que culminou no surgimento da igreja.