O ser de Deus

Teólogo argentino explica como uma visão distorcida sobre a divindade pode afetar nossa fé
ANDRÉ VASCONCELOS
Foto: ACES

Como é Deus? Durante séculos, os teólogos tentaram responder a essa pergunta por meio da filosofia dualista (teísmo clássico). Hoje, muitos procuram respondê-la através da filosofia moderna (teísmo aberto). Mas será que esses métodos são capazes de nos dar uma resposta satisfatória? Nesta entrevista, o pastor Marcos Blanco, editor-chefe da ACES (editora adventista da Argentina), responde a essa questão destacando a necessidade de uma hermenêutica fundamentada em princípios bíblicos, a fim de obtermos uma compreensão equilibrada sobre Deus e a realidade. Esse foi o tema de sua tese de doutorado, defendida recentemente no Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados, nas Filipinas.

Como o teísmo clássico e o teísmo aberto entendem o ser de Deus?

 Ronald Nash menciona que o teísmo clássico sustenta oito pressuposições filosóficas sobre Deus: “(1) realidade pura, (2) imutabilidade, (3) impassibilidade, (4) atemporalidade, (5) simplicidade, (6) necessidade, (7) onisciência e (8) onipotência”. Por outro lado, o teísmo aberto rejeita energicamente muitas dessas pressuposições, como a atemporalidade, a imutabilidade e a impassibilidade. Essa nova visão acerca de Deus causou um profundo impacto nas teologias protestantes e evangélicas.

Quais são as limitações dos métodos utilizados por ambas as escolas de pensamento para compreender a existência e os atributos da Divindade?

 A principal limitação metodológica dessas escolas é que as duas estão fundamentadas em pressupostos filosóficos sobre Deus e a realidade. O teísmo clássico desenvolveu uma elaborada metodologia que tem como ponto de partida a “teologia natural”, que pode ser vista como a tentativa humana de compreender Deus por meio da realidade, independentemente da revelação divina. Já o teísmo aberto, influenciado pela filosofia moderna, vê a realidade unicamente como temporal.

De que forma a analogia canônica pode ser usada para interpretar as descrições bíblicas de Deus?

 A analogia é um recurso que nos permite evitar essas duas posições extremas. Ou seja, ainda que uma expressão se aplique a Deus e aos seres humanos, não há uma equivalência total de significado (univocidade) entre eles, nem uma disparidade completa (equivocidade). Na analogia canônica, é a própria Bíblia que define em que sentido Deus pode experimentar a realidade.

Quais são os perigos de utilizar pressupostos filosóficos para interpretar as Escrituras?

 A filosofia tem sua origem na mente corrompida do ser humano. Ao utilizá-la para interpretar as Escrituras, estamos deixando que pressuposições estranhas ao texto bíblico se tornem o filtro interpretativo das verdades divinas. Se quisermos compreender essas verdades assim como Deus nos revelou, devemos deixar que a própria Bíblia estabeleça os princípios hermenêuticos que nos guiarão no processo de interpretação.

Como uma visão equivocada da doutrina de Deus pode afetar nossa religiosidade?

 O conceito de atemporalidade, por exemplo, levou o reformador Calvino e outros cristãos a elaborar a doutrina da predestinação, a qual pode afetar profundamente nossa experiência de salvação. Se acreditarmos que Deus é imutável, também teremos que acreditar que nossas ações não afetam Suas ideias e emoções. Por outro lado, quando nos aproximamos das Escrituras com as pressuposições bíblicas adequadas, descobrimos um Deus que Se interessa pelos nossos problemas, sofre conosco e interfere historicamente para nos salvar.

(Esta entrevista foi publicada originalmente na edição de junho de 2019 da Revista Adventista)

Veja também

Dividindo para somar

Conheça as novas sedes adventistas no Brasil.