Curando há sete décadas

O Hospital Adventista do Pênfigo, em Campo Grande (MS), se tornou conhecido por ser uma referência na área dermatológica, mas hoje atende 20 especialidades
CHARLISE ALVES
A instituição de saúde adventista completou 70 anos de existência. Foto: Hospital Adventista do Pênfigo

A comemoração dos 70 anos do Hospital Adventista do Pênfigo incluiu uma feira de saúde na comunidade e uma corrida de rua. A intenção foi mostrar que seu papel vai além do tratamento de doenças

história do Hospital Adventista do Pênfigo, em Campo Grande, está bastante entrelaçada com a da cidade sul-mato-grossense. A instituição que completa 70 anos em 2019 deu nome a bairros e logradouros. Além disso, o legado de médicos e gestores que por ali passaram também é reconhecido e lembrado no município.

Por exemplo, o nome de Gunter Hans, que liderou a instituição adventista por 14 anos, é prestigiado em departamentos de grandes hospitais e universidades, e identifica uma conhecida avenida de Campo Grande. Além de viabilizar a construção de uma moderna e ampla estrutura hospitalar com 60 leitos, equipada com centro cirúrgico, radiologia e gabinete dentário, nas décadas de 1960 e 1970 o ilustre dermatologista investiu em uma escola e em uma capela com o objetivo de oferecer atendimento integral aos pacientes. Outra grande contribuição do doutor Gunter foi a adaptação da fórmula da pomada à base de piche que era usada no tratamento do fogo selvagem. Esse trabalho, feito em parceria com pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), melhorou a segurança e a tolerância ao medicamento.

Foi nesse mesmo período que o HAP deu um passo importante para se tornar uma referência internacional na área dermatológica. Nessa época, estudos científicos já mostravam que o fogo selvagem era uma doença autoimune, mas a medicina ainda dava os primeiros passos no tratamento da doença. Ao introduzir a corticoterapia, a instituição inovou o método e, gradualmente, passou a ser procurada por pessoas de diversas regiões do Brasil e até de outros países.

Ao longo de sete décadas de existência, a instituição, que teve início com a busca incessante do pastor Alfredo Barbosa para encontrar a cura e aliviar o sofrimento da esposa, Áurea, vítima da doença conhecida popularmente como fogo selvagem (cientificamente denominada de pênfigo foliáceo), cresceu e se modernizou. Com a diminuição da incidência de pênfigo, os médicos perceberam a necessidade de transformar o hospital dermatológico em hospital geral. Hoje a instituição oferece atendimento em mais de 20 especialidades. Atualmente o HAP também é referência em ortopedia na região de Campo Grande.

Em 2007, a igreja adquiriu a unidade que fica no centro da cidade (antiga maternidade Pró-Matre). A Unidade Matriz também foi reformada com o objetivo de ampliar o atendimento. Além disso, foram inaugurados outros serviços na Unidade Centro e áreas de Diagnóstico por Imagem, com reformas significativas nas recepções, pronto atendimento e internações nas duas unidades.

Celebração do 70º aniversário do Hospital Adventista do Pênfigo incluiu uma feira de saúde na comunidade e uma corrida de rua. A intenção foi mostrar que seu papel vai além do tratamento de doenças. Foto: acervo HAP

Em 70 anos de história, 26 diretores médicos e administrativos passaram pelo HAP. Alguns deles foram homenageados durante um culto de ação de graças realizado no fim de maio. A instituição também celebrou a data promovendo o estilo de vida saudável por meio de uma feira de saúde e de uma corrida que reuniram cerca de 1,5 mil pessoas.

“É muito bom saber que o hospital faz parte de Campo Grande e que ambos cresceram juntos para benefício da saúde da população”, afirma Everton Martin, diretor administrativo da instituição.

CHARLISE ALVES é jornalista e atua como assessora de comunicação do Hospital Adventista do Pênfigo

(Esta notícia foi publicada originalmente na edição de julho de 2019 da Revista Adventista)

Veja também

Momento crítico

Qual deveria ser a atitude da igreja quando o impensável acontece em seus domínios?