Paternidade em transição

Com a mulher no mercado de trabalho, o homem deixou de ser o único provedor da casa, mas seu papel como pai ainda é indispensável
DAVID DEFOE
Nossa tarefa é ajudar nossos filhos a desenvolver confiança e inspirar neles o senso de estima, resiliência e coragem para enfrentar um mundo que não costuma se impressionar nem com os melhores esforços. Crédito da imagem: Fotolia

Uma das maiores alegrias que um homem pode sentir é a de segurar pela primeira vez seu filho recém-nascido no colo. Contemplar os olhinhos preciosos de seu bebê, pegar suas mãozinhas enrugadas com um só dedo ou escutar o doce som de seu chorinho… Essa é uma das experiências mais recompensadoras – e assustadoras – que se pode ter.

Junto com a euforia do momento, quase que instantaneamente surge um senso esmagador de responsabilidade. Em meio ao momento milagroso, os pais reconhecem que passam a ser responsáveis por uma vida que, naquele instante, nada pode fazer para se proteger, expressar seus sentimentos ou cuidar de suas necessidades básicas.

É impossível desconsiderar o impacto de um pai responsável na vida dos filhos. E não importam as condições dessa paternidade, se elas ocorrem num contexto familiar mais próximo ou distante dos ideais de Deus, o pai influencia muito no desenvolvimento espiritual, emocional e físico do filho.

OS TEMPOS MUDARAM

Por diversos fatores, a paternidade passou por mudanças colossais nos últimos 40 anos. Tendências culturais, fatores econômicos, acontecimentos históricos e movimentos em favor da igualdade entre os gêneros contribuíram para isso. Esse processo fez com que o pai deixasse de ser uma figura de autoridade preocupada com o sustento, o controle, a disciplina, o poder e a formação de valores, para assumir uma postura de apoio e de maior envolvimento emocional.

Em grande medida, essas transformações ocorreram por fatores econômicos. Desde a década de 1960, cada vez mais mulheres têm entrado no mercado de trabalho. De acordo com dados do departamento estatístico dos Estados Unidos, 64% das mães de crianças com menos de seis anos trabalhavam fora de casa em 2011. Em lares de renda dupla, a criação dos filhos costuma ser compartilhada e se espera dos homens maior participação nas atividades domésticas.

Essa alteração tirou o pai de seu papel primário de provedor e o envolveu nas atividades básicas de cuidado dos filhos. Por isso, não é incomum hoje ver homens nas reuniões da escola dos filhos, em casa com as crianças durante o dia ou realizando tarefas até então restritas às mães.

Procurando entender essas transformações, há anos pesquisadores estudam se existe relação entre as diferenças de gênero e a teoria do apego do psicólogo britânico John Bowlby, a qual sugere que bebês e filhos pequenos sejam condicionados a buscar proximidade com o cuidador que mais satisfaz sua necessidade de sobrevivência e segurança. Estudos mostram que o vínculo emocional mais próximo antes desenvolvido apenas com a mãe, agora também começa a ser construído com o pai.

Diante desses novos desafios, cada vez mais os homens têm buscado orientação de como exercer a paternidade numa cultura em transição. Livros e mais livros estão sendo escritos sobre esse novo contexto, e os homens consomem essas informações porque agora, mais do que nunca, criar filhos se tornou um esforço conjunto. Como então é possível ser um bom pai nesse processo de transformações?

SEJA PRESENTE

Os lares com pais e mães solteiros representam uma epidemia crescente na América do Norte e ao redor do mundo. Nos Estados Unidos, algumas pesquisas apontam que os filhos cujos pais se encontram por perto, vivendo em casa, tendem a apresentar menos problemas de conduta e abuso de álcool e drogas, bem como maior nível de autonomia e confiança.

No entanto, alguns efeitos negativos alarmantes se tornam aparentes quando os pais se ausentam da vida dos filhos. Segundo o National Center for Fathering (Centro Nacional da Paternidade), 20 milhões de filhos vivem atualmente nos Estados Unidos em lares sem a presença do pai. Entre as famílias brancas, esse número triplicou (18,3%) entre a década de 1960 e a de 2010. Mas, em relação ao mesmo período, os lares hispanos (26,3%) e dos negros (48,5%) apresentaram dados mais preocupantes.

Além disso, as pesquisas indicam correlações entre comportamento negativo e consequências psicossociais sobre essas crianças. O impacto do pai ausente parece ter desdobramentos na estabilidade econômica, no desempenho escolar, no abuso de álcool e drogas, na saúde física e emocional, na criminalidade e na sexualidade. Embora seja inconsistente atribuir tais estatísticas a um fator somente, é difícil negar a importância da presença do pai no desenvolvimento dos filhos.

ENVOLVA-SE

Há uma grande diferença entre estar em casa e estar “com” os filhos. Essa questão remonta a uma velha pergunta: é mais importante a quantidade ou a qualidade de tempo passada com as crianças? A resposta é: ambas. Na verdade, os pais precisam de engajamento. É preciso interagir intencionalmente com os filhos, não perdendo oportunidades de brincar, aprender e estabelecer uma conexão emocional com eles.

Engajar-se significa ser acessível e responsável. Acessibilidade tem que ver com o nível de comunicação com os filhos. Não diz respeito apenas à dedicação de tempo, mas à capacidade de ouvir sem julgar. Avalie se vocês costumam ter conversas significativas. Quando isso não ocorre, os filhos tendem a encontrar outras pessoas para conversar. Ellen White, pioneira adventista, aconselhou os pais a se aproximarem dos filhos na resolução dos problemas cotidianos. Dessa forma, as crianças enxergariam a orientação deles como algo sagrado (Signs of the Times, 6 de dezembro de 1877).

Por sua vez, responsabilidade no exercício da paternidade tem que ver com proporcionar aos filhos os recursos que eles precisam para ser bem-­sucedidos na vida. Isso não significa apenas prover bens materiais, mas valores e habilidades emocionais que sirvam de ferramentas para a sobrevivência dos filhos no mundo. Já na segunda metade do século 19, Ellen White escreveu que a luta dos homens por dinheiro e status era o maior desafio para que priorizassem a formação dos filhos. “Se o pai deseja que seus filhos desenvolvam um caráter harmonioso, sejam uma honra para ele e uma bênção para o mundo, ele tem uma obra especial a fazer” (Signs of the Times, 20 de dezembro de 1877).

DESENVOLVA A CONFIANÇA

Uma das minhas especialidades clínicas é o aconselhamento em situações de luto. Muitas vezes, peço a meus pacientes que façam um gráfico com seu histórico de perdas. Você ficaria surpreso ao descobrir quantas pessoas citam a perda de confiança como a primeira decepção da vida. Isso ocorre, por exemplo, quando o cachorro de estimação da criança morre e é ­substituído por um parecido, na tentativa dos pais de esconder do filho o ocorrido. Ou quando há um divórcio e a mãe diz para a criança que o pai saiu de férias, sendo que ele nunca mais voltará.

Foto: Fotolia

Nossa tarefa é ajudar nossos filhos a desenvolver confiança e inspirar neles um senso de estima, resiliência e coragem para enfrentar um mundo que não costuma se impressionar nem com os melhores esforços. Isso só pode ser feito com incentivo, amor incondicional e apoio. Os filhos precisam aprender que são aceitos a despeito daquilo que fazem; e que são aplaudidos até mesmo quando caem, porque ousaram tentar.

Talvez o que possa inspirar os pais nessa longa caminhada seja aplicar o segundo princípio proposto por Stephen Covey no livro Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes: “comece com o fim em mente”. O destino que desejamos para nossos filhos é a salvação eterna e nosso objetivo de curto prazo é ajudar para que eles desenvolvam a capacidade de viver por conta própria. Por isso, ao longo do caminho precisamos manter o foco naquilo que eles mais necessitam em cada fase (ver quadro “Participe de cada etapa”). Nossa tarefa não é tomar decisões por eles, mas influenciá-los para que façam as melhores escolhas.

Os pais têm a tarefa importante de ser líderes e sacerdotes do lar. Eles precisam se fazer presentes na vida dos filhos e se engajar no desenvolvimento integral de suas crianças. À medida que o modelo de paternidade continua a mudar e o papel dos pais se expande, faria bem lembrar de uma citação de Ellen White: “O mundo não necessita tanto de grandes mentalidades como de homens bons, que serão uma bênção em seu lar” (O Lar Adventista, p. 38).

SAIBA +

PARTICIPE DE CADA ETAPA

O envolvimento do pai é importante em todas as fases de desenvolvimento do filho. Saiba quais são as necessidades básicas das crianças e como ajudá-las em seu desenvolvimento.

0 a 2 anos. A criança precisa de proteção física. Ela transita por um mundo com o qual só se conecta por meio de formas e cores que ainda não sabe definir nem apreciar.

 

3 a 6 anosOs filhos se interessam pelo funcionamento das coisas, porque estão buscando encontrar sentido na realidade que os cerca. Nessa fase, o papel do pai é lidar com o bombardeio de “porquês” e estimular o espírito de descoberta do filho.

 

7 a 12 anos. Essa é a etapa em que eles passam por picos de crescimento. O pai precisa desenvolver uma comunicação aberta. Com o processo da puberdade, eles lutarão para construir a própria identidade. Por isso, é importante trabalhar com a autoafirmação dos filhos quando eles se depararem com dúvidas sobre a própria capacidade.

 

13 a 18 anos. É a fase da busca pela aceitação num grupo. Os adolescentes costumam valorizar mais a opinião dos colegas do que a dos pais. É nessa época também que os filhos buscam estabelecer seu sistema de crenças e descobrir sua vocação profissional. O pai deve incentivar o filho a tomar as próprias decisões.

 

19 a 30 anos. Na etapa da “decolagem”, os filhos desejam intimidade nos relacionamentos e propósito no seu engajamento na vida. É importante permitir que eles consolidem sua autonomia.

 

DAVID DEFOE é conselheiro clínico licenciado e pastor da Igreja Adventista New Life, em Gaithersburg, Maryland (EUA)

(Este artigo foi publicado originalmente na edição de agosto de 2017 da Revista Adventista)

LEIA TAMBÉM

Pai que ama brinca

Veja também

Milagre nas Filipinas

Como a mensagem transmitida pela Rádio Mundial Adventista alcançou um grupo de soldados rebeldes no …