Crianças em risco

Campanha da ADRA Alemanha chama atenção para ameaças à infância
Sabine Eisenmann
Foto: ADRA in Germany / Adventist World

O filme atinge a sua alma. Mostra crianças que vivem em zonas de guerra e na pobreza. Meninos que manuseiam armas e carregam pedras que mal conseguem levantar. Meninas que nem sequer têm 10 anos de idade e são forçadas a se casar. Onde quer que haja pobreza e miséria, os que mais sofrem são as crianças.

A Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) na Alemanha, sediada em Weiterstadt, pretende combater esses problemas por meio de vários projetos e campanhas. Entre outros, a ADRA irá destacar localmente, por meio da distribuição de cartazes em Weiterstadt e arredores, uma campanha mundial anunciada recentemente.

O filme, com cenas deprimentes sobre as circunstâncias das crianças, é parte da campanha. A ADRA vê essa iniciativa como algo importante para um mundo melhor.

Não devemos subestimar o valor da educação. Ela continua sendo uma ferramenta importante para resgatar as pessoas da pobreza. “Este é um direito humano e, portanto, um direito das crianças”, diz Christian Molke, diretor administrativo e porta-voz da ADRA Alemanha.

“Se todas as meninas terminassem o ensino médio, haveria menos gravidez precoce, menor mortalidade infantil, menos casamentos infantis e renda mais alta do que é a realidade quando as mulheres que não conseguem estudar”, explica Molke. Para proporcionar acesso à educação para todas as crianças do mundo, é necessário construir escolas em áreas de conflito e catástrofes e em países em desenvolvimento.

“Toda criança. Em todo lugar. Na escola.” Esse é o slogan da campanha atual lançada pela ADRA Internacional em muitos países da sua rede global para chamar a atenção para essa necessidade.

A ADRA também se preocupa com a formação profissional e o socorro após desastres. Somente na Somália, a organização está construindo doze instituições educacionais como parte de um projeto em andamento. Presente em 140 países, a ADRA também participa de projetos educacionais na Albânia, Tailândia, Sérvia e Etiópia.

Não há nenhum link para doação nos cartazes. “Mas o objetivo da campanha não é ajudar a construir escolas?”, pergunta Molke. “Nossos projetos também são financiados por doações. Primeiro, porém, queremos criar uma conscientização sobre o problema. Só quando as pessoas perceberem o quão bem elas estão e que existe miséria de verdade no mundo é que entenderão que temos muitas vantagens e oportunidades para ajudar, e que só então o mundo será um lugar melhor.”

Na ADRA, um mundo melhor começa na mente. “Essa é a nossa missão e a longa maratona que assumimos de bom grado”, diz Molke. Em 2018, a ADRA na Alemanha recebeu mais de 24 milhões de euros. A maior fonte de recursos foi do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, com 8,7 milhões de euros, seguido de perto pela Europe Aid e pelo Gabinete de Desenvolvimento e Cooperação da Comissão Europeia.

SABINE EISENMANN escreveu em colaboração com a ADRA Alemanha e Adventist World

(Texto publicado na edição de setembro de 2019 da Revista Adventista/Adventist World)

ASSISTA

Veja também

Doador de longa data

Enfermeiro de Loma Linda que doa sangue há 45 anos é homenageado nos Estados Unidos.