Momento crítico

Qual deveria ser a atitude da igreja quando o impensável acontece em seus domínios?
Marcos De Benedicto
Foto: Adobe Stock

Crises. Quem não tem? Só quem está morto. Por isso, se você está lendo este texto, é sinal de que já enfrentou e enfrenta crises. Assim como elas atingem as pessoas, afetam também governos, empresas e igrejas. Na verdade, o próprio mundo começou com uma crise e terminará com outra. E a igreja cristã nasceu em meio a uma crise externa (perseguição) e outra interna (divisão teológica sobre a inclusão e a exclusão de pessoas no grupo), como registra o livro de Atos (6, 12, 15).

Entidades idealizadas no Céu e localizadas na Terra, compostas por cidadãos do futuro ainda vivendo no presente, igrejas são terrenos férteis para crises. Quando a igreja toma posições erradas, provê respostas erradas, se comporta de maneira errada e adota uma agenda errada, as crises aparecem. Se perguntássemos a um membro de qualquer denominação qual é a pior crise de sua igreja hoje, as respostas poderiam incluir dificuldade financeira, escassez de liderança, queda do número de membros, declínio da espiritualidade e imoralidade. Motivos para crises não faltam, pois há um departamento no inferno trabalhando dia e noite para idealizá-las.

A Igreja Católica, por exemplo, atravessa um de seus piores momentos. Se não bastasse a crise vocacional e de fé, alguns tradicionalistas insatisfeitos com a política do Vaticano até se perguntam se o papa é mesmo católico! Além disso, há os gravíssimos escândalos sexuais. Numa carta endereçada ao “povo de Deus” em 20 de agosto de 2018, o papa Francisco reconheceu a magnitude da dor causada aos mais vulneráveis pelo abuso sexual e de poder. E condenou a cultura do “clericalismo”, que permite o abuso e ainda tenta escondê-lo, mantendo silêncio.

Entretanto, não devemos apenas olhar criticamente para outros quintais. Temos nossos próprios problemas. Na área de teologia, o adventismo tem enfrentado várias crises, algumas surgidas e nutridas nos extremos da fé, como explora a matéria de capa. Naturalmente, o autor poderia mencionar outros casos relacionados a indivíduos ou instituições. As crises sempre irrompem quando as pessoas seguem caminhos errados e a igreja falha em ser igreja.

A igreja, em qualquer de suas formas, dá muito trabalho para Deus, embora também proporcione alegrias. Não é fácil gerenciá-la. O importante é que, apesar das crises, ela será vitoriosa (Mt 16:18). Resiliente, a igreja triunfa sobre as forças da morte não por ser invencível, mas por ser redimida, purificada e impulsionada por Deus. Enquanto a igreja estiver unida a Cristo, ela não perderá o rumo. “Haverá crises nesta causa”, diz Ellen White (Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 498). Contudo, se tivermos uma “ação pronta e decisiva”, os triunfos serão gloriosos. “Movimentos rápidos no momento crítico frequentemente desarmam o inimigo.”

No fundo, a questão não é a existência de crises, mas como as encaramos. Por isso, em palestras motivacionais virou lugar-comum dizer que os ideogramas chineses para “crise” (wei-ji) significam “perigo” e “oportunidade”, se bem que ji indica mais propriamente um “ponto crítico” em que as coisas acontecem do que “oportunidade”. A crise é a catalisadora da transformação. Para melhor ou pior, grandes crises desencadeiam enormes mudanças. Ninguém sai delas do mesmo jeito. Porém, será que aproveitamos nossas crises? Se a dor da crise não levar a uma fé mais robusta, a uma esperança mais forte e a uma vida mais santa, ela foi inútil. Assim, aproveite as crises para crescer.

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

(Editorial da edição de outubro de 2019)

Veja também

“O juízo começa pela casa de Deus”

Dissertação faz análise exegética de passagem bíblica utilizada pelos adventistas para defender a crença no juízo investigativo

  • Rafael Souza

    Simplesmente espetacular! Da gosto de ler homens de Deus como Pr. Marcos, refletindo o momento difícil do planeta terra com tão grande espectro espiritual e bíblico. Uma poderosa centeia do Espirito de Deus ainda inunda nossa vida pessoal, a Igreja e suas Instituições na terra, movendo homens, mulheres, jovens e crianças a superar todos os obstáculos impostos pelas circunstancias desfavoráveis e mesmo os dardos inflamados do inimigo, que buscam influenciar negativamente o testemunho de Jesus Cristo na Terra. Digo eu como disse Jesus: “Não Temas”.