Abra os olhos

Confie no invisível e esteja certo de que nossos grandes desafios nos preparam para as maiores vitórias
Foto: Adobe Stock

Deus costuma agir em silêncio, mas algumas vezes abre nossos olhos para entender como Seus milagres acontecem. Foi o que aconteceu nos dias do profeta Eliseu, quando Ben-Hadade, rei da Síria, ameaçava o rei Jorão e se preparava para a guerra contra Israel (2Rs 6).

Com um exército mais forte e estratégias mais eficazes, a derrota do povo de Deus parecia uma questão de tempo. Mas o Senhor agiu e transferiu a crise para o exército sírio. As estratégias de Ben-Hadade começaram a ser descobertas e o ambiente se tornou tenso, até receber a notícia de que o profeta Eliseu era o responsável pelo “vazamento de informações”.

Para resolver o problema, o rei sírio mandou um batalhão de homens, carros e cavalos para atacá-lo. Pela manhã, quando o servo de Eliseu viu a cidade fortemente cercada, se desesperou e perguntou ao profeta: “Ai! Meu senhor! Que faremos?” (2Rs 6:15). O homem de Deus não perdeu a calma nem a confiança: “Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles” (v. 16). E ainda orou: “Senhor, peço-Te que lhe abras os olhos para que veja.” Deus atendeu seu pedido e o moço “viu que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu” (v. 17). Com Seu exército invisível, Deus venceu a batalha e transformou um grave problema numa grande vitória.

As crises e dificuldades nunca deixaram de ameaçar o povo de Deus, apenas passaram a ter outros nomes e personagens através dos tempos. Foram perseguições externas, divisões internas, aparentes derrotas e até risco de extinção. Mas o exército invisível do Senhor enfrentou cada desafio, venceu cada batalha e preservou um remanescente.

O movimento adventista também teve seus capítulos difíceis. Nossa história mostra que, nas primeiras décadas, mesmo com a presença de Ellen White, enfrentamos duras crises teológicas, estruturais e administrativas. Nos anos seguintes, as crises continuaram se repetindo, mas o exército invisível do Senhor nos protegeu, libertou e restaurou. Deus usou cada desafio para nos tornar mais fortes e ensinar a ficar alertas, para que as dificuldades do passado não se repitam.

Por isso, ao enfrentarmos novos desafios que ameaçam nossa unidade, abalam nossa confiança e fragilizam nossa mensagem, precisamos recordar as palavras de Eliseu: “não temas”. Não devemos dar espaço ao medo e à dúvida, pois “o Senhor pode tirar vitória daquilo que, para nós, pode parecer frustração e derrota” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 481).

A causa é do Senhor. Se abrirmos os olhos, veremos que Seu exército invisível continua enfrentando cada desafio, usando meios que não somos capazes de entender e assegurando que “mais são os que estão conosco do que os que estão com eles”. Nosso Deus é especialista em transformar derrotas iminentes em oportunidades evidentes.

Enfrente os desafios denominacionais vendo o invisível. Somos uma igreja formada por gente que tem diferentes expectativas, culturas, sensibilidades e maturidade espiritual. Por isso, o que parece ser solução para alguns é problema para outros, tornando qualquer solução mais difícil do que alguns podem imaginar. Nossa vitória nunca será encontrada em especulações sem fundamento, atitudes críticas ou desvios proféticos. Nem em mensagens alarmistas, perfeccionistas ou catastrofistas apresentadas em livros, sites, blogs, vídeos e redes sociais. Somente o exército invisível de Deus é capaz de enfrentar equilibrada e acertadamente cada batalha e nos tornar vencedores. Deus é a nossa força.

ERTON KÖHLER é o presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

(Texto publicado na seção Bússola da edição de outubro de 2019 da Revista Adventista)

Veja também

Firme na Rocha

Internato carioca completa 80 anos procurando manter vivo o elo entre a fé e o ensino.