História emocionante

A primeira igreja adventista em solo sul-americano foi organizada na argentina e neste ano ela completa seu 125º aniversário
Erton Köhler

O surgimento da obra adventista no território da Divisão Sul-Americana tem uma história emocionante. Tudo começou em 1890, quando Jorge Riffel chegou à Argentina como missionário de sustento próprio. Ele havia imigrado para a Argentina pela primeira vez em 1880, mas, como teve dificuldades com a agricultura, decidiu mudar-se com a família para os Estados Unidos. Foi em terras americanas, em 1888, que ele conheceu a mensagem adventista e foi batizado. Enquanto a igreja estudava intensamente o tema da justificação pela fé e enfrentava grandes desafios, Deus estava plantando a semente que germinaria em solo sul-americano.

Um ano antes, em 1887, um grupo de imigrantes alemães que havia fugido para a Rússia veio da região do Volga para tentar a vida na Argentina. Entre eles estavam Reinhard Hetze e sua família. A história das duas famílias se encontrou e foi o ponto de partida para o início da obra adventista na Argentina e na América do Sul. Após seu batismo, Jorge Riffel começou a enviar literatura adventista para Reinhard Hetze, despertando seu interesse pela mensagem. Vendo um ambiente positivo para compartilhar a mensagem adventista, Riffel decidiu voltar à Argentina para alcançar os demais imigrantes alemães na província de Entre Rios.

Não demorou para que aproximadamente 60 pessoas se reunissem na casa de Hetze para estudar a Bíblia, registrando assim a primeira reunião adventista e o primeiro programa evangelístico em nosso território. Pouco tempo depois, Hetze foi batizado, seguido por sua família e outros conversos. Mesmo com forte oposição, não desanimaram. Pouco depois, mudaram-se para outra região perto dali, hoje conhecida como Aldeia Jacobi, e intensificaram o trabalho. Estudavam a Bíblia nas casas, batizavam cada sábado e faziam evangelismo.

Na mesma época, a liderança da Igreja Adventista, em Battle Creek (EUA), começou a receber cartas da Argentina falando sobre os resultados do trabalho. Vendo possibilidades de crescimento desse trabalho, decidiu destinar a segunda oferta mundial da Escola Sabatina, recolhida no final de 1890, ao começo da obra adventista no que chamaram de “Missão Sul-Americana”. Frank Westphal, o primeiro pastor, foi enviado para apoiar o trabalho, que avançava rapidamente. Poucos dias depois do encontro com os novos fiéis, ele organizou em 9 de setembro 1894 nossa primeira igreja, próximo da área rural de Crespo, onde está a igreja atual.

Cinquenta anos depois do grande desapontamento, o movimento que parecia ter acabado se expandiu para o sul das Américas. Em 2019 completamos 125 anos desde que a pequena igreja foi organizada, com 36 membros. Essa “igreja mãe” deu origem às 28.341 congregações que temos hoje. O único pastor se multiplicou em 4.823 ministros, e alguns deles são descendentes das cinco gerações daquela igreja pioneira. Os primeiros 36 membros se transformaram em 2.523.015 adventistas. Somente nos últimos 50 anos, nosso número de membros cresceu, proporcionalmente, dez vezes mais que a população sul-americana.

Buscamos a eternidade, mas sempre aprendendo de nossa história, da dedicação dos pioneiros, de sua confiança na direção divina, da profundidade bíblica e do foco intenso no cumprimento da missão. Por isso, a equipe da Divisão Sul-Americana foi a Crespo, onde participou de um culto de ação de graças pelos 125 anos de nossa primeira igreja. Tive o privilégio de apresentar uma mensagem bíblica, batizar Anália e Carmem, e dali nossa equipe já se espalhou por toda a Argentina para fazer parte de mil campanhas de evangelismo. Celebramos nosso começo preparando mais gente para o final.

ERTON KÖHLER é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

(Texto publicado na seção Bússola da edição de novembro de 2019 da Revista Adventista)

Veja também

Firme na Rocha

Internato carioca completa 80 anos procurando manter vivo o elo entre a fé e o ensino.