O Rei

Representante da nova humanidade, Jesus une o Céu e a Terra
Marcos De Benedicto
Ter o filho é ter a vida e poder celebrar o Natal todos os anos. Foto: AdobeStock

No princípio, Deus; depois, a humanidade. Para quem examina os capítulos 1 e 2 de Gênesis com atenção, fica claro que o autor pintou dois painéis magníficos. O primeiro (Gn 1:1–2:3) apresenta um cenário transcendente e grandioso, destacando Deus e a perspectiva do Céu; o segundo (Gn 2:4-25) descreve um panorama mais imanente e intimista, enfatizando o ser humano e o ponto de vista da Terra.

LEIA TAMBÉM:

Devemos comemorar o Natal?

Avançando na história e no cânon bíblico, o que encontramos? O mesmo enquadramento teológico.

No princípio, a Palavra; depois, a Palavra encarnada. Quem analisa o prólogo do evangelho de João em detalhe também percebe que o autor se inspirou no início de Gênesis e pintou dois quadros sublimes. O primeiro retrata o Filho como divino, na eternidade; o segundo descreve Cristo como humano, na história.

“O Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”, declarou João (1:1). “E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós”, ele acrescentou (v. 14). Ao falar desses dois aspectos, o escritor sagrado quis apresentar Jesus como o elo indissolúvel entre a humanidade e Deus, a Terra e o Céu, o passado e o futuro. Ele é Deus em forma humana.

Sucessor de Adão, rei do planeta, Jesus veio como o Homem definitivo, o Herói da nova humanidade. Semente prometida, Descendente destinado a destruir o mal, descrito como Filho de Deus e Filho do Homem, Ele é o Conquistador que redimiu a raça.

Embora seja Rei do Universo, Cristo é apresentado como Filho. Essa metáfora, que encerra um mistério que será objeto de estudo pela eternidade afora, se tornou ainda mais relevante no contexto da guerra cósmica entre o bem e o mal. Na condição de Filho, Ele foi atacado no Céu e na Terra, vencendo em ambos os territórios.

Na compreensão de Ellen White, Lúcifer invejou e questionou a autoridade do Filho, não do Pai. “Foi por buscar exaltar-se acima do Filho de Deus que Satanás pecou no Céu” (O Desejado de Todas as Nações, p. 129). Lúcifer e seus anjos “­rebelaram-se contra a autoridade do Filho” (História da Redenção, p. 15).

Não por acaso, em todos os principais momentos de Sua vida, Cristo foi definido e afirmado como o Filho de Deus: no nascimento (Lc 1:35), no batismo (Lc 3:22), na transfiguração (Lc 9:35), no julgamento (Lc 22:70) e na ressurreição (Rm 1:4). E esse Filho tem que ser exaltado. Porque é o ­Criador. Porque é único. Porque amou até transformar a morte em vida. Embora o título “filho de Deus” fosse usado na antiguidade para designar governantes apontados pelos deuses, só há um verdadeiro Filho de Deus.

Que Jesus é o novo Rei da humanidade, o qual veio para reconstituir/corrigir a história de Adão e resgatar o domínio perdido pelo primeiro rei, está muito claro na narrativa escatológica da Bíblia. A questão é o que faremos em relação a Ele. Os “Seus” não O receberam, comenta João (1:11) com um toque de dramaticidade. Não ser aceito por estranhos é desagradável, mas não ser recebido pela própria família é trágico!

Felizmente, muitos aceitaram o novo Rei na monarquia do coração e foram “feitos filhos de Deus” (v. 12). Você está entre eles? Ter o Filho é ter a vida (1Jo 5:12). E ter a vida, mais do que respirar oxigênio, é poder celebrar o Natal e todos os dias do ano e da eternidade.

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

(Editorial da edição de dezembro de 2019 da Revista Adventista)

VEJA TAMBÉM

Veja também

“O juízo começa pela casa de Deus”

Dissertação faz análise exegética de passagem bíblica utilizada pelos adventistas para defender a crença no juízo investigativo