Profecias para nosso tempo

Livro auxiliar da Lição da Escola Sabatina ajuda a igreja a entender as predições bíblicas mais importantes para o adventismo
Adriana Seratto
Foto: Divulgação CPB

O contexto mundial, permeado de conflitos, egoísmo e falta de amor, faz com que um dos livros mais estudados e debatidos da Bíblia em todos os tempos – o de Daniel – receba cada vez mais atenção, tornando-se relevante não apenas para entender as profecias reveladas no tempo do autor bíblico, mas para retratar o Deus que está no controle da igreja e do mundo.

Mesclando história e profecia, a mensagem do profeta desafia o leitor a entender o significado histórico e espiritual de feras híbridas, sonhos misteriosos e números simbólicos, como as 2.300 tardes e manhãs (Dn 8:14) e as 70 semanas (Dn 9:24-27). Em O Livro de Daniel, recentemente lançado pela CPB (2019, 135 páginas, R$ 22,60), esse desafio se torna mais fácil e instigante.

Nessa obra, escrita pelo teólogo brasileiro Elias Brasil de Souza, que trabalha como diretor do Instituto de Pesquisa Bíblica (BRI, em inglês) da sede mundial adventista, a divisão de 13 capítulos segue basicamente a estrutura do livro bíblico. O material oferece chaves de interpretação, informações históricas e literárias, análises textuais e aplicações para a atualidade. Você também pode contar com uma interpretação segura das profecias de Daniel, de acordo com uma perspectiva historicista.

Produzido para complementar a Lição da Escola Sabatina dos adultos deste primeiro trimestre de 2020, o livro tem importância por si só e poderá ser guardado para consultas posteriores e utilização em estudos bíblicos e sermões. Enxergar o Deus todo-poderoso dos tempos de Daniel nas páginas sagradas certamente enriquecerá a visão espiritual do leitor e o ajudará a se preparar melhor para os desafios futuros. ]

ADRIANA SERATTO, graduada em Letras e pós-graduada em Estudos Adventistas, é revisora de livros na CPB

TRECHOS

“Para entender o livro de Daniel, precisamos ter um conhecimento que vai além da história e das datas relacionadas às suas profecias; devemos lê-lo para aprender sobre o Deus que Se revelou em suas narrativas e profecias” (p. 14).

“Nossa esperança deve estar na pessoa e obra de Jesus Cristo. Por meio de Sua vida, morte e ressurreição, Ele estabeleceu uma ponte entre o Céu e a Terra. Na cruz, Ele despojou ‘os poderes e as autoridades’ e ‘fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz’ (Cl 2:15, NVI). Ele subiu ao Céu para ministrar em nosso favor e permanece como nossa esperança” (p. 133).

(Resenha publicada na edição de janeiro de 2020 da Revista Adventista)

LEIA TAMBÉM

A catedral de Notre-Dame e as profecias

Veja também

Ministério dos surdos

Saiba como a igreja na Espanha tem se destacado na evangelização dos deficientes auditivos.