Cura moderna

Voluntários ajudam a devolver a visão a milhares de indianos que sofrem de catarata
Marcos Paseggi
Dezenas de vizinhos do Colégio Adventista de Calcutá foram operados de catarata num mutirão coordenado por um oftalmologista que percorre as regiões rurais da Índia. Foto: Adventist World

Segundo a mídia local, as tardes de junho costumam ser as mais quentes do ano em Calcutá, na Índia. Isso porque a estação de chuvas ocorre somente no fim do ano.

Localizada numa região central, a poucos quarteirões do centro memorial em que Madre Teresa de Calcutá está sepultada, funciona uma clínica de saúde temporária e comunitária onde não há descanso. Nessas oportunidades, o Colégio Adventista de Calcutá, na Park Street, se transforma numa verdadeira “­colmeia” humana. Quando chegam, as pessoas têm olhares ansiosos e esperançosos; ao saírem, rostos agradecidos e aliviados.

No interior da escola, após passar pela recepção, onde cada pessoa é registrada, pessoas de todas as idades esperam pacientemente em filas para conseguir uma consulta médica ou odontológica gratuita. Cada escritório e sala de aula são adaptados como consultórios de várias especialidades de saúde disponíveis.

Unidos por uma necessidade comum, as diferenças desaparecem. Hindus, muçulmanos e cristãos procuram a mesma coisa: saúde e bem-
estar. À medida que a noite se aproxima, o sol desaparece atrás das lojas de luxo e das bananeiras que revestem a Park Street.

No entanto, a falta de vento parece tornar o ar ainda mais pegajoso e sufocante. Ali, somente o ar-condicionado da Igreja Adventista proporciona algum alívio aos voluntários da clínica de saúde, líderes da igreja e visitantes.

Entre eles, um grupo se destaca. De óculos escuros, eles estão sentados nos bancos, imóveis e em completo silêncio. A maioria faz parte dos 260 vizinhos que passaram por uma cirurgia de catarata havia poucos dias. A proteção nos olhos se deve ao fato de que precisam se acostumar novamente à luminosidade.

Em junho, o pastor Ted Wilson, presidente da sede mundial da denominação, esteve em Calcutá e falou para o grupo. “Hoje você está ganhando uma nova vida, um novo começo, e eu estarei orando para que você possa começar a cuidar de sua vida física e espiritual”, disse o líder.

“Uma abordagem abrangente de saúde é a chave para alcançar o coração das pessoas”, garantiu Jacob Prabhakar, líder do ministério de apoio Olhos para a Índia (eyesforindia.org.au). “Louvamos a Deus por essa iniciativa que uniu voluntários de todos os hospitais para um objetivo comum”, completou.

Prabhakar, que é adventista, é um cirurgião oftalmológico de renome mundial que dirige clínicas de triagem de olhos nas comunidades rurais em toda a Índia. Na sua opinião, essas iniciativas são sinais de uma tendência que está apenas começando. “Isso é apenas o começo do que podemos fazer em nome do povo. Devemos repetir esse processo em muitas cidades indianas”, sugere ele com esperança.

Prabhakar nasceu numa pequena vila na costa leste indiana e se define como “um simples servo que está servindo pessoas”. Em parceria com o Ruby Nelson Memorial Hospital, instituição adventista na qual trabalha, ele já operou até 300 pessoas num mesmo dia.

Os líderes adventistas locais pretendem replicar a expe-
riência de Calcutá. Estima-se que, por ano, milhões de indianos tenham sua visão comprometida por não receberem tratamento médico adequado para a catarata. “Deus abençoa todos os esforços que fazemos por Ele, mesmo quando a tarefa é enorme. Servir dessa maneira pode impressionar as pessoas e ajudá-las a ver que o Senhor tem reservado algo ainda maior para elas”, incentivou o pastor Ted Wilson.

MARCOS PASEGGI é editor de notícias da revista Adventist World

(Matéria publicada na edição de janeiro de 2020)

Veja também

Estrutura funcional

Cinco dicas para desenvolver uma cultura organizacional inovadora.