Vida produtiva

Dicas e exemplos para você ter mais foco, disciplina e minimizar a procrastinação em 2020
Bianca Oliveira
Crédito da imagem: Adobe Stock

Dias atrás, tirei as pilhas do relógio pendurado na parede da minha sala de casa. O tic-tac era alto e estava me incomodando. Eu gostava dele, pois ajudava na decoração do ambiente, mas o ruído de seus ponteiros realmente não estava me agradando. Calei meu relógio às 15h45. E ele não mais me mostrou que minha vida estava passando. Acho que foi esse o real motivo da minha irritação.

Antes de começar a escrever esta matéria, fui atrás do falecido. Estava guardado numa caixa juntamente com outras coisas que julguei irrelevantes. Porém, pegá-lo novamente e ver a hora marcada de seu último suspiro me deu pena. Pena de mim, não dele.

Sempre fui de abraçar um mundo de tarefas e atividades. Vivia em potência máxima a semana inteira, o mês inteiro e até o ano inteiro para dar conta de tudo e de todos. Sentia-me pressionada pelo mundo, com suas infinitas informações de quem eu deveria ser, e pressionada por mim mesma por me importar tanto com essas questões.

Mas num determinado momento, foi o relógio que me tirou as pilhas. Vi-me esgotada. Atolada num lamaçal que estava a ponto de me afogar. Aliás, nessa época ouvi de uma amiga, profissional da área da saúde, algo que me fez refletir. Por causa da correria, eu estava usando pouco mais da metade da capacidade de meus pulmões. Não tinha tempo nem para enchê-los adequadamente. Eu estava querendo parar o tempo para fazer mais coisas; porém, na imaturidade, não estava percebendo que minha própria vida ameaçava parar.

Pode parecer muito poético e pouco prático tudo o que eu disse até aqui. Mas o fato é que o mundo está cada vez mais exigente e infelizmente assim continuará. Por isso, não adianta reclamar da falta de tempo. O melhor a fazer é aprender a lidar com ele.

Pensar sobre o que nos motiva a celebrar um ano realmente novo pode ser um meio de dar adeus à mesmice, aos velhos hábitos que roubam nosso tempo e drenam nossa energia. O ano de 2020 pode começar com pequenos ajustes de rota e de metas para entendermos o que queremos e nos tornarmos mais produtivos, sem o oba-oba de promessas pouco assertivas.

Acho que podemos começar isso agora mesmo, juntos. Vamos lá?

FOCO E DISTRAÇÕES

O que todos os seres humanos têm em comum? Várias coisas, entre elas as 24 horas do dia. Eu, você, sua esposa, seu filho, o presidente, o relojoeiro, a dona de casa, seu pastor. Todos temos a mesma quantidade de tempo.

“É isso que torna a produtividade algo especial. É ela que vai nos ajudar a organizar essas horas que são iguais para todo mundo”, explica Geronimo Theml, autor do livro Produtividade Para Quem Quer Tempo (Gente, 2016) e criador do curso “Produtividade A”, com milhares de alunos espalhados pelo Brasil.

Ao contrário de quem acha que ser produtivo é coisa para gente importante ou ocupada, Theml afirma que “produtividade não significa trabalhar mais nem fazer mais coisas. Significa equilibrar a vida. E existem dois elementos básicos dessa equação: resultado e tempo livre. Pessoas com muito tempo livre e sem resultados não são produtivas. Pessoas com muitos resultados, mas sem tempo livre para aproveitar a vida também não são produtivas”. Portanto, ter uma vida mais produtiva não tem que ver com quantidade e sim com qualidade. “Nossa maior batalha é entre foco e distrações” afirma Theml; “quanto mais eu consigo técnicas de hiper foco, mais eu consigo realizar minhas atividades propostas. O problema é que as pessoas estão cansadas demais, pois desviam o olhar para coisas sem importância e gastam energia com isso. E o mundo exige cada vez mais delas. Mas não dá pra esperar que o mundo mude. A mudança tem que vir de dentro para fora”.

“Ser produtivo não é coisa para gente importante ou ocupada, significa equilibrar a vida, equacionar resultado e tempo livre”

E não precisamos de aplicativos milagrosos para aprender a gerenciar melhor nosso tempo e logo notarmos mudanças. Segundo o especialista em produtividade, uma técnica que pode fazer a diferença é desabilitar as notificações das mídias sociais no seu celular e estipular horários para checar as mensagens. Isso, inclusive, pode ser uma recompensa após a realização de uma tarefa. Aliás, quando você pegou esta revista para ler, deixou de fazer uma série de outras coisas, certo? Alguma coisa deve ter ficado para mais tarde, com certeza! O que fez você postegar outras tarefas
e priorizar ler esta matéria? Isso tem que ver com procrastinação, atitude comum sobre a qual falaremos na sequência.

Antes, porém, pergunto: o que de fato importa para você? Quais são suas prioridades? Em que gostaria de investir mais tempo? Se necessário, pare a leitura e pense um pouco. Pegue papel e caneta e anote, se quiser. Ter a máxima clareza disso é fundamental para quem quer um começo de ano com reais mudanças.

A ROTINA PODE SALVAR VOCÊ

Crédito da imagem: Adobe Stock

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Sabe o que é isso? “Começa muita coisa, termina poucas ou nenhuma. Agita, empolga, depois desaparece. Mas tem um hiperfoco de dar medo!” Essa foi a definição de Conrado Navarro, empreendedor e especialista em finanças pessoais que sofre de TDAH.

Conheço o Conrado. Ele é um profissional incrível e consegue gerenciar uma agenda semanal desafiadora. Exemplo para muitos, inclusive para quem escreve esta matéria. Mas não foi fácil para ele. “Consegui disciplina fazendo uma coisa de cada vez por pelo menos um minuto. Depois cinco. Depois quinze. Trinta. Uma hora. Todo dia. Até hoje eu faço as mesmas coisas, repetidas vezes, quase do mesmo jeito. Com um TDAH sério, e tardiamente diagnosticado, isso se chama sobrevivência”, compartilha Conrado.

O que precisa ser mudado na sua rotina? Se possível, pense nisso agora mesmo e evite deixar para amanhã; afinal, estamos falando da sua vida, e isso sim é urgente!

AMANHÃ EU FAÇO

Procrastinação. Essa palavra, difícil de ser pronunciada, e por vezes até desconhecida, vem do latim “pro”, “à frente” e “cras”, que significa “para amanhã”. No bom e claro português, “depois eu faço”. Afinal, quem nunca “brincou” de adiar uma tarefa por não sentir vontade de ­executá-la naquele momento? Estamos todos juntos nessa. Uns menos, outros mais e outros infinitamente mais, tornando isso, infelizmente, um estilo de vida.

“Procrastinação não é o mesmo que esperar, adiar ou atrasar. Descobri que todo mundo procrastina, mas nem todo mundo é procrastinador”, diferencia o psicólogo Joseph Ferrari, da Universidade DePaul, em ­Illinois (EUA). Ele é autor de um livro lançado em 2010, Still Procrastinating: The No Regrets Guide to Getting It Done (Ainda Procrastinando: O Guia Sem Arrependimentos para Fazer Isso, em tradução livre).

Ferrari pesquisou esse comportamento em diferentes países do mundo para deixar claro que não se trata de uma cultura específica, e sim de uma conduta intrínseca ao ser humano. “É um comportamento considerado tão natural em nossa sociedade que a maioria de nós começa o dia procrastinando, ao apertar aquele botão do despertador que permite ficarmos na cama por mais cinco minutinhos”, exemplifica. “Procrastinamos o tempo todo sem nem mesmo perceber o que estamos fazendo.”

Isso porque estamos numa espécie de piloto automático e que, segundo Theml, corresponde a 40% de tudo o que fazemos. “Hoje a primeira ação do dia de milhares de pessoas é abrir os olhos e pegar o celular. O fato de que isso está acabando com seu tempo, logo pela manhã, é inconsciente e se tornou um comportamento sem avaliação, sem autocrítica.”

Deixar para depois, não cumprir prazos, assumir compromissos além da conta, engavetar sonhos e se enroscar numa vida cheia de adiamentos, tudo isso faz parte do hábito de muitos.

ORGANIZANDO A CASA

Mas por que fazemos planos se não conseguimos agir? Segundo Ferrari, a procrastinação está ligada também à nossa baixa autoestima e insegurança. E, por causa delas, acabamos adiando para evitar o medo de não termos o sucesso esperado em alguma tarefa.

Segundo o consultor executivo David Allen, autor do livro A Arte de Fazer Acontecer (­Sextante, 2016), a produtividade nos torna mais eficientes e mais tranquilos. O livro traz uma explicação detalhada de como podemos organizar nossa agenda de maneira inteligente.

Organizar a vida tem que ver com planejamento e autoanálise. Quais atitudes ­repetitivas você consegue identificar que estão consumindo seu tempo e fazendo você deixar de realizar outras tarefas importantes? Ter clareza disso será o primeiro passo. O segundo é começar devagar.

“Para mudar hábitos ruins começamos com pequenas ações. É como uma academia. No começo você levanta somente uma barra sem peso nenhum, apenas para treinar o exercício, para criar o hábito e a coordenação do movimento. Com o passar do tempo, você conseguirá levantar 20 ou 30 kg de cada lado. […] Muitas pessoas querem mudar de vida da noite para o dia. Elas superestimam o que podem fazer numa semana e subestimam o que podem fazer num ano. Isso desanima e gera frustração.”

CORRE QUE DÁ TEMPO

A dentista Aline, de 30 anos, e o administrador financeiro Guilherme Yoshikawa, de 28, transformaram a corrida nas ruas de Piracicaba (SP) num estilo de vida. Há mais de um ano, eles viram no esporte uma chance de criar o hábito da prática de exercícios físicos. Em 2019, o casal realizou um sonho: concluir uma maratona. Foram 42 km de superação e foco. Muito foco. Mas isso não começou ali, naquela prova. “Eu era extremamente sedentário e me alimentava mal. Foi minha esposa que me convenceu a começar a correr. No começo resisti e reclamava muito, mas depois fui me superando e comecei a ver resultados”, lembra Guilherme.

“Foram meses de preparação para a maratona. No começo eu convenci o Guilherme, mas no fim foi ele quem me ajudou a ser disciplinada. Planejamos uma rotina e seguimos à risca. Ele acorda às 4h40 e eu às 5h30. Meia hora depois já estamos na rua para os treinos. Não é fácil, mas a sensação de cumprir essa tarefa todos os dias é impagável”, diz Aline. Para os dois, correr os uniu ainda mais, pois encontram no esporte mais um ponto em comum e mais tempo para ficarem juntos.

“Os maiores empecilhos para a criação de bons hábitos são aqueles que vão contra a nossa natureza, ou seja, sair da zona de conforto. Quando rompemos com isso, desenvolvemos a disciplina. E isso você só desenvolve praticando. Ninguém nasce disciplinado”, acrescenta Guilherme, que até agora acumulou 1.334 km percorridos.

APRENDA A DIZER NÃO

Aprender a dizer não também pode ser uma habilidade que vai aumentar, e muito, sua produtividade. Os psicoterapeutas norte-americanos Jo Ellen Gryzb e Robin Chandler, autores do livro publicado em 2008, The Nice Factor: The Art of Saying No (“O Fator Gentileza: A Arte de Dizer Não”, em livre tradução), afirmam que dizer “não” é capaz de transformar nossa vida. Mas como fazer isso?

“A arte de dizer não tem tudo que ver com estabelecer limites. Podemos dizer ‘não’ sem realmente usar a palavra ‘não’. A arte está em como você apresenta seus desejos e necessidades a outras pessoas. […] No trabalho, você precisa de sossego para preparar um relatório, então diga às pessoas em seu departamento que você tem uma política de portas abertas, exceto quando a porta está fechada. Você definiu um limite: as pessoas são livres para o interromper quando sua porta estiver aberta; caso contrário, não”, explicam os autores.

Sem produtividade é fácil perder dinheiro, paz, tempo e, o pior de tudo, a chance de desfrutar de uma vida que Deus quer que tenhamos. E que vida é essa? Uma vida de celebração da Sua criação, de relacionamentos saudáveis, de amor e serviço ao próximo e de integridade para com o que nascemos para ser: à imagem e semelhança Dele. Sem tempo, e com uma vida desorganizada,
é mais complicado (ou impossível) vivermos o que de melhor Ele intencionou para nós.

“Sem produtividade é fácil de perder dinheiro, paz, tempo e o pior de tudo, a chance de desfrutar de uma vida que Deus quer que tenhamos”

Para Theml, há uma razão especial para que todo discípulo de Jesus busque uma vida de mais produtividade. “Todos nós, quando criamos alguma coisa, queremos que aquilo dê certo. Seja um livro, um projeto no trabalho ou uma invenção para vender. Mas nos esquecemos de que somos criação de Deus e que existimos para dar certo. E qual é o recurso para darmos certo? O tempo. Quando deixamos de lado o gerenciamento desse presente de Deus, é como se não nos importássemos com Sua criação.”

Comecei este texto contando minha experiência com a falta de tempo, lembra? Pois bem, após toda a frustração, tirei o pé do acelerador e coloquei em prática tudo o que foi apresentado aqui; porém, com a mesma intensidade e vontade de abraçar todas as tarefas de uma vez. Por um momento deu certo, mas percebi que estava voltando aos velhos hábitos.

Talvez eu esteja distante da “Produtividade A” do Gerônimo ou do nível de foco e disciplina do Conrado e do casal Yoshikawa, mas já dei a largada, e quero curtir a jornada aprendendo e praticando. Uma coisa de cada vez, cada uma no seu tempo.

A melhor maneira de evitarmos desilusões no fim de 2020 é planejar com realismo nossas metas e parar de empurrar com a barriga o que sabemos ser o certo, mas deixamos para amanhã. Desejo a você um ano de boas correrias. Correrias que o levem para mais perto dos seus objetivos, sem pressões por querer fazer mais, mas com a consciência de fazer melhor. Mantenha seu foco e faça as pazes com seu relógio, aproveitando cada tic-tac.

PRODUTIVIDADE EM 3, 2, 1...

PRODUTIVIDADE EM 3, 2, 1...

1. Aprenda a respirar. Quando sua mente vier com distrações, tente respirar e preste atenção no seu corpo. Acalmar a mente diminui a impulsividade e aumenta o foco.

2. Divida uma grande tarefa em pequenas atividades. Estabeleça metas menores para terminar um grande projeto. Mapas mentais são uma ótima ferramenta para isso.

3. Não seja duro demais com você. Não cumpriu o prazo desejado? O projeto não saiu como o esperado? Não se culpe, não se puna. Identifique os erros e tente fazer diferente.

4. Pense no “eu” futuro. Antes de sofrer por uma tarefa que nem começou, tente pensar em como você estará assim que terminar essa tarefa. Isso trará mais energia para a execução.

5. Comemore. Após uma tarefa completada, estipule uma pequena recompensa. Por exemplo, 50 minutos de foco numa tarefa podem ser recompensados com 10 minutos nas mídias sociais. Isso lhe trará mais motivação.

Fonte: revista Mente e Cérebro, agosto de 2018

RECURSO PRECIOSO

RECURSO PRECIOSO

Segundo Ellen White, pioneira da igreja, o tempo é o recurso do qual Deus nos pedirá mais conta, pois cada momento é “carregado de consequências eternas”. Por isso, o tempo não deve ser esbanjado (Parábolas de Jesus, p. 182, 183).

Para alguém que escreveu 100 mil páginas ao longo de 70 anos de ministério, Ellen White deve ter praticado aquilo que aconselhou outros. Quando morou em Battle Creek, Michigan (EUA), por exemplo, costumava levantar de madrugada e escrever por duas a três horas até o desjejum. Depois de uma atividade física matinal, voltava para a escrita até a hora do almoço, dedicando as tardes para as tarefas domésticas.

A pioneira falou sobre a necessidade de planejar diariamente a agenda pessoal, evitar a lentidão e aproveitar retalhos de tempo, como o deslocamento em viagens ou quando se aguarda compromissos. Em resumo, ela entendia que o tempo pertence a Deus e deve ser vivido para a glória Dele.

Fonte: Enciclopédia Ellen G. White (CPB, 2018), p. 636 e 637

BIANCA OLIVEIRA é jornalista freelancer e mora no Reino Unido

(Matéria de capa da edição de janeiro da Revista Adventista)

Veja também

Algoritmos evangelísticos

Novas estratégias digitais têm ampliado a influência da igreja no mundo virtual.

  • Vinicius Cristian

    Me senti um TDAH com a agenda, notas e etc. O fato é que precisamos aprender a dominar o tempo e não sermos dominados por ele.