“Wikipédia” adventista

Igreja espera lançar ainda neste ano a plataforma que reunirá mais de dez mil verbetes sobre o adventismo
Equipe da Adventist World
Reunião da comissão editorial da nova Enciclopédia Adventista on-line, em janeiro, foi a última antes do lançamento do projeto, previsto para meados de 2020. Foto: ASTR

No fim de janeiro, os membros da comissão da Enciclopédia dos Adventistas do Sétimo Dia se reuniram pela quinta vez na sede da denominação, em Silver Spring, Maryland, Estados Unidos. O objetivo foi discutir o andamento do projeto, previsto para ser lançado durante a próxima assembleia da Associação Geral, que ocorrerá nos dias 25 de junho a 4 de julho, em Indianápolis.

A ideia de ter um site no estilo da Wikipédia que reunisse informações sobre o adventismo e que fosse atualizado por voluntários de todo o mundo nasceu com base em uma proposta feita em 2010 pelo Ministério da Adventist Review.

A primeira enciclopédia adventista foi publicada em inglês em 1966. Por já estar bastante desatualizada,  a liderança mundial adventista entendeu que havia a necessidade de uma nova plataforma que refletisse “o tremendo crescimento e a maturidade da igreja, bem como as mudanças na dinâmica global e na recepção da informação”, conforme expôs o Departamento de Arquivos, Estatísticas e Pesquisa em um comunicado por ocasião do lançamento do projeto.

Durante o Concílio da Primavera de 2015, a Comissão Executiva da Associação Geral destinou 1,6 milhão de dólares para o projeto. A canalização desses recursos possibilitou a estruturação de um espaço on-line que reunirá o registro oficial da história e do trabalho dos adventistas. “Esse projeto da igreja mundial resultará em cerca de dez mil artigos sobre história, eventos, temas importantes, organizações, entidades, instituições e pessoas ligadas ao adventismo. Além disso, disponibilizará informações complementares como fotografias, vídeos e documentos originais”, informa Dragoslava Santrac, editora executiva da nova Enciclopédia Adventista.

O acesso à plataforma será gratuito, garantindo a disseminação global do conteúdo. Dragoslava informa que os editores recorreram a teólogos, historiadores, pesquisadores de diversas áreas, professores, estudantes e membros especializados em determinados assuntos. A editora executiva esclarece que “as fontes tradicionais dos artigos da enciclopédia têm sido os arquivos das igrejas locais, obituários, anuários, boletins, publicações da igreja, coleções privadas de cartas missionárias e diários, materiais de áudio e vídeo, entrevistas e dados históricos das tradições orais”.

“Esse é um projeto apaixonante que vai render dividendos para a igreja por muitos anos”, disse Barry Oliver, ex-presidente da Divisão do Sul do Pacífico e um dos colaboradores do projeto. Ele esclarece que foi tomado muito cuidado para garantir a precisão das informações em cada verbete. “Além de consultar fontes primárias, sempre que possível os autores buscaram pessoas relacionadas diretamente com o item descrito”, ele destacou à Adventist Review.

Outro ponto ressaltado por Oliver é o fato de a igreja, representada por um número significativo de autores dos artigos, ter a oportunidade de participar do processo. “Só no Sul do Pacífico, aproximadamente 140 autores escreveram 620 artigos sobre pessoas, instituições, ministérios, entidades administrativas e questões enfrentadas pela igreja e seus membros”, Oliver comenta.

SAIBA +

Dragoslava Santrac, editora da nova ESDA. Foto: reprodução do site da Adventist World

Leia a seguir uma entrevista com a doutora Dragoslava Santrac, editora da nova Enciclopédia Adventista do Sétimo Dia, adaptada do site da Adventist World.

A primeira edição da Enciclopédia Adventista do Sétimo Dia (ESDA, na sigla em inglês) foi lançada há mais de 50 anos e revisada há duas décadas. Quais mudanças ou informações adicionais serão incluídas nesse novo projeto?

A nova enciclopédia não é uma simples atualização da Enciclopédia Adventista do Sétimo Dia, mas um projeto totalmente novo. Algumas pessoas podem perguntar: “Por que não apenas atualizar a enciclopédia atual? Por que uma nova enciclopédia?” Escrever novos artigos para a ESDA não sugere reescrever a história, embora isso envolva a correção de informações imprecisas, se houver na enciclopédia atual. Além de informações atualizadas, as pesquisas trarão uma nova perspectiva que falará às gerações contemporâneas de adventistas. Os autores verificarão as fontes antigas e incluirão novos materiais relevantes. A igreja se desenvolveu muito nas últimas cinco décadas. Então, a nova enciclopédia procurará abranger esse crescimento. Estamos fazendo muitas pesquisas novas e esperamos que pelo menos a edição impressa da enciclopédia tenha mais de 8,5 mil artigos, o que é quase o dobro da enciclopédia atual. Mas primeiro estamos nos concentrando em uma edição on-line, que está prevista para ser lançada na Assembleia da Associação Geral de 2020. Será um site gratuito que poderá ser expandido e atualizado ano a ano à medida que a igreja crescer.

De que maneira ela apresentará uma visão mais ampla do adventismo?

Serão incluídos dados históricos de regiões do mundo que não haviam sido contempladas nos verbetes. Além disso, embora os autores das edições anteriores tenham tentado apresentar informações de abrangência internacional, alguns acham que ela foi escrita principalmente da perspectiva norte-americana. Portanto, estamos contando com a experiência de milhares de acadêmicos, professores e autores em todo o mundo. Cerca de vinte editores assistentes e outros colaboradores de todas as 13 divisões e da sede administrativa da igreja para o Oriente Médio e o Norte da África também estão trabalhando conosco nesse projeto. Outra vantagem do envolvimento mundial é que os editores assistentes podem coletar materiais em suas igrejas locais, como cartas e diários que os membros mantêm e nunca pensam em compartilhar, a menos que lhes sejam solicitados. Eles também podem realizar entrevistas com parentes de pioneiros ou com pessoas que conhecem eventos históricos específicos. Infelizmente, essas informações podem desaparecer se não forem feitos registros escritos. 

Que impacto essa participação têm nas igrejas locais?

Muitas igrejas estão percebendo que o que foi feito ou aconteceu na comunidade local é importante para a história do adventismo. As pessoas que vivem em áreas remotas às vezes se sentem separadas da igreja mundial. Esse projeto está ajudando a se sentirem parte de uma comunidade global. Isso eleva o projeto da ESDA de um nível intelectual para um nível espiritual, porque está afetando e mudando as pessoas. Queremos que os membros saibam que não são apenas pessoas como Tiago White e José Bates que fizeram a diferença; muitos hoje continuam fazendo a diferença nas igrejas locais.

Como você define o objetivo da nova enciclopédia?

Queremos que a enciclopédia forneça uma imagem ampla da liderança de Deus ao Seu povo ao longo da história. Então poderemos ver onde todos nós nos encaixamos. Creio que ela também irá ajudar a promover a força e a identidade das pessoas e da igreja como comunidade. Quando vemos o desenvolvimento gradual e o desdobramento dos propósitos de Deus ao longo da história, percebemos que vamos superar quaisquer desafios e problemas atuais que possamos estar enfrentando. Deus está no controle!

Que outros departamentos da Associação Geral e entidades externas estão envolvidos no projeto?

Nossos parceiros institucionais incluem o Ellen G. White Estate, o Centro de Pesquisa Adventista da Universidade Andrews, a Biblioteca Digital Adventista, os Ministérios Adventistas de Revisão, o Instituto Internacional Adventista de Estudos Avançados (AIIAS), o Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), a Universidade Friedensau, na Alemanha, a Universidade de Oakwood e a Universidade Adventista de Washington (EUA). Todas essas instituições estão nos ajudando em um papel consultivo e fornecendo feedback de revisão por pares.

Como é possível colaborar com a produção da nova Enciclopédia Adventista?

Convidamos pesquisadores, professores, estudantes e membros com experiência em diversos assuntos – não apenas acadêmicos de áreas como história e teologia – a contribuir com artigos sobre tópicos que ainda não foram cobertos. Também estamos abertos para receber ajuda em outras áreas, como revisão por pares, revisão, realização de entrevistas para coletar informações históricas com base nas tradições gerais e envio de cartas, fotografias e outros objetos relevantes ligados à missão adventista. Também estamos dispostos a considerar novas pesquisas e artigos que não fizeram parte do planejamento inicial. Esse projeto não é apenas para estudiosos; é para todos.

Veja também

Vírus letal

A vacina para o patógeno mais perigoso da história da humanidade.