Pandemia, religião e periferias

A responsabilidade cristã em relação àqueles que vivem à margem da sociedade, mas que agora estão no centro da crise de saúde pública
MÁRCIO TONETTI E WENDEL LIMA

O novo coronavírus entrou no país por meio das classes média e alta. Porém, é na periferia das grandes metrópoles que ele tem causado maior impacto. Falta de acesso ao saneamento básico, casas empilhadas e muita gente morando sob o mesmo teto tornam esses ambientes mais favoráveis ao contágio. É nessas “quebradas”, gíria que muitos moradores da periferia usam para definir onde vivem, que o episódio de hoje entra para mostrar o trabalho de uma ONG adventista que atende duzentas crianças em duas comunidades do Rio e a resposta da igreja nas regiões mais afetadas pela Covid-19 na cidade de São Paulo. Também entrevistamos um pesquisador que estudou a relação da Igreja Adventista com uma favela paulistana.

Assine o podcast: Anchor | Spotify | Breaker | Google Podcasts | Pocket Casts

DESCRIÇÃO

Veja também

O paradoxo das pandemias

Ao longo dos séculos, pragas dizimaram populações, mas também aceleraram o crescimento do cristianismo de maneiras surpreendentes. Por que e como isso ocorreu?