Mudança de planos

Você está enfrentando os desafios com ansiedade, frustração e desânimo ou com coragem, esperança e fé?

Erton Köhler
Foto: Adobe Stock

O ano começou com muitas expectativas e deverá terminar cheio de incertezas. Mesmo conhecendo as profecias dos últimos dias, ninguém imaginava que tudo aconteceria como aconteceu. Os cidadãos comuns, além de autoridades, empresários, comerciantes, educadores e profissionais de saúde, viram seus planos desabarem e o mundo virar de cabeça para baixo. A igreja também teve que se reorganizar, mudar projetos, reduzir despesas, usar mais intensamente os recursos virtuais e fortalecer o atendimento espiritual, repensar a forma de fazer missão e ampliar os projetos de solidariedade.

A Bíblia abre nossos olhos e nos ajuda a entender como Deus lida com crises que frustram planos e tornam incerto o futuro. Um dos exemplos marcantes está em Atos 16, quando a igreja experimentava grande crescimento (16:5) e planejava alcançar a Ásia. Mas repentinamente Deus mudou tudo.

Paulo e sua equipe já estavam preparados para o novo projeto missionário quando foram “impedidos pelo Espírito Santo” (16:6). Mudaram de rota, indo para a Bitínia, e novamente “o Espírito de Jesus não permitiu” (16:7). Todos os planos já tinham sido frustrados, quando veio um chamado sobrenatural para a Macedônia (16:8, 9), um dos maiores países da Europa.

Desde o seu chamado para o ministério, Paulo havia aprendido a aceitar as mudanças radicais do Senhor. Por isso, quando Deus fez o ajuste de planos, ele e sua equipe não tiveram dúvida: “imediatamente, procuramos partir”, “concluindo que Deus nos havia chamado” (16:10). Os resultados foram impressionantes: a mensagem se espalhou pela Europa e, em seguida, pelo mundo.

Em Filipos, o apóstolo e sua equipe começaram a compreender os planos de Deus. Entenderam que Sua especialidade não é fechar portas, mas abri-las. Nessa cidade, encontraram Lídia, uma próspera empresária que serviu de grande apoio ao crescimento da igreja. Paulo e Silas também foram presos, enfrentaram um terremoto, cuidaram dos presos, mas por fim batizaram o carcereiro e sua família. Era apenas o começo de uma história cheia de bênçãos, milagres e crescimento.

Os resultados ficaram mais claros dez anos depois, quando Paulo estava preso em Roma e aguardava sua execução. Ele decidiu olhar para trás, escrever uma carta aos filipenses, recordar a maneira pela qual Deus havia dirigido toda a história e registrar lições que não deveriam ser esquecidas e que podem nos ajudar a enfrentar as mudanças de planos hoje.

No primeiro capítulo, Paulo lembra que todas as dificuldades precisam ser enfrentadas com gratidão (Fp 1:3). Ela é o combustível da fé, pois, quanto mais somos gratos pelo passado, mais renovamos a confiança no futuro. Também nos desafia a encarar as crises com alegria (1:4). Por isso, repete 19 vezes a importância de termos “alegria no Senhor”, aquela que não vem pela falta de problemas, mas pela presença de Cristo. Ele ainda nos chama a descansar no cuidado do Senhor, que sempre completa Sua obra (1:6) e oferece as melhores oportunidades através das maiores dificuldades. Convida também a priorizarmos “o avanço do evangelho” (1:12), como aconteceu em seus dias, quando a mensagem alcançou o centro do poder da época (4:22). Se a missão vai ganhar, não importa o que vamos perder.

No último capítulo, Paulo renova a certeza de que Deus sempre está no comando. A jornada não foi fácil, mas o Senhor é nossa força (4:13). Somos chamados a viver pela fé e não ser consumidos pelo medo. A não viver pelo que vemos, mas pelo que cremos. Finalmente, o idoso apóstolo concluiu seu aprendizado com a certeza de que o cuidado de Deus é mais importante do que qualquer mudança de planos, pois o Senhor sempre suprirá cada uma de nossas necessidades (4:19).

ERTON KÖHLER é o presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

(Artigo publicado na seção Bússola da edição de julho de 2020 da Revista Adventista)

Veja também

Balanço da pandemia

Líder fala sobre os reflexos da crise sanitária no adventismo sul-americano.