Celebrando a missão

Assembleia é marcada por sermões e testemunhos sobre a razão de ser da igreja

sermao de sabado foi proferido pelo pastor GT Ng

Em grande parte, foi o amor pela missão que nos tornou quem somos, uma igreja global e unida. Essa mesma paixão é nossa razão de ser e nossa segurança para o futuro. Num dos dias mais festivos da cultura norte-americana, 4 de julho, Dia da Independência, as delegações festejaram a missão no primeiro sábado da assembleia mundial. Começando por um devocional sobre cristianismo prático, passando pela primeira lição do trimestre que tem como tema os missionários da Bíblia, até os primeiros relatórios das divisões, os olhares se voltaram para a missão.

pastor mark finley na assembleiaA celebração da missão já havia começado na sexta-feira à noite, com o pastor Mark Finley. Em sua mensagem “Por que evangelismo?” analisou a necessidade de a igreja manter acesa a chama da missão, refletindo sobre o interesse de Deus pelo mundo. Falou sobre a vontade divina de que “todos cheguem ao arrependimento e ao pleno conhecimento da verdade” (1Tm 2:4). Ele não quer que ninguém pereça (2Pe 3:9). “Você se preocupa com sua salvação?”, Finley perguntou ao auditório. Reafirmou em seguida que “Deus está muito mais interessado em nossa salvação do que nós mesmos”. Ele também se interessa pelos que estão longe do Pai, pois também os ama e quer salvá-los por nosso intermédio. Não podemos ficar indiferentes, não podemos nos acomodar, insistia o pastor Finley.

Numa sequência de frases eletrizantes e cheias de apelo, Finley abriu seu coração para a igreja mundial reunida ali. Falou de seu pai. “Nos últimos anos passei por momentos muito difíceis na família. Perdi meus pais. Quando fazia minhas séries evangelísticas pelo mundo, sempre ligava para meu pai e dizia: ‘Pai, estou em Copenhague, pai, estou em Tóquio, pai, estou em Moscou. E sempre meu pai me respondia: ‘Estou orando por você, filho’. Meu pai tinha um amor tão desinteressado que se esquecia de si mesmo e orava por mim. É possível que, mesmo ao fechar os olhos na morte, seu último pensamento tenha se concentrado no filho.” Então, afirmou que, se seu pai o amava assim, Deus nos ama muito mais. “Somos compelidos pela graça de Cristo. Não podemos ficar em igrejas confortáveis, não podemos nos entreter uns aos outros. Temos que agir pela salvação das pessoas ao nosso redor.”

Embora sentíssemos sua dor ao falar da perda de seus pais, foi o amor à igreja que fez seus sentimentos virem à tona. Com voz embargada e olhos marejados, fez um tocante apelo à assembleia da igreja mundial para que se unisse pela missão e para a missão. A ideia é que precisamos de unidade para termos missão e, sem o foco na missão, perdemos a unidade.

Transformação e ação

As demais mensagens e encontros só falaram de ação. No devocional de abertura, Sikhu Hlatshwayo, natural do Zimbábue e residente nos Estados Unidos há dez anos, falou sobre a importância de não nos contentarmos com um conhecimento teórico. “Não basta saber que, na Bíblia, o casamento é uma união por toda a vida, sem saber se a Palavra ensina a ter um casamento feliz.” “No evangelismo”, Sikhu disse, “podemos nos distrair com a busca por melhores métodos, enquanto Deus está buscando pessoas melhores.” Mais à frente, comentou: “Não estamos esperando a segunda vinda, mas Jesus”. O foco não está no pensamento abstrato, mas num relacionamento verdadeiro com Deus. Seu apelo foi: descubra como seu conhecimento pode mudar quem você é.

Na Escola Sabatina, dirigida por três apresentadores, com a participação ocasional de professores e crianças, acompanhados de testemunhos em vídeos, discutiu-se o significado e a importância dos missionários – algo mais do que oportuno. O pastor Ted Wilson fez um apelo ao fortalecimento da frequência à Escola Sabatina, dizendo que “quando adultos não vão para a Escola Sabatina, os filhos também não vão. Ele conclamou os líderes de todos os níveis da igreja a reavivar esse ministério”.

Larry Evans apela para que se dê mais atenção à comunidade surda.

Larry Evans apela para que se dê mais atenção à comunidade surda.

O pastor Larry R. Evans, coordenador do Ministério Internacional aos Surdos, falou do trabalho por esse grupo específico, que representa aproximadamente 70 milhões de pessoas ao redor do mundo. Evans contou a história de uma surda que lhe confidenciou em lágrimas que, pessoas de outras denominações haviam dito para ela que os surdos são pessoas endemoniadas cujos espíritos malignos precisam ser expelidos. Ela ficou feliz quando o pastor Evans pregou para ela e outros surdos, que eles que tinham sido criados à imagem de Deus. Aquela mensagem inclusiva trouxe alegria para o coração dela: “Não sou a minha deficiência, tenho uma identidade pessoal, também tenho dons!”

Outro belo testemunho foi sobre o pastor Norman Ferris e sua esposa Ruby, que serviram como missionários nos anos 1940, nas Ilhas Salomão. Entre muitas de suas histórias de amor altruísta, certa vez, Ruby se deparou com duas crianças com malária. Então, as carregou por 10 km para que recebessem atendimento médico. De volta à ilha, décadas depois, em 1999, encontrou uma igreja estabelecida com mais de 1.800 adventistas em dezenas de igrejas.

Também foi relatado o tocante ministério aos leprosos na ilha chinesa de Dongguan, uma colônia de vítimas de hanseníase. Voluntários como a brasileira Sabrina Quadros, vão à ilha para limpar ferimentos e cuidar dos moradores, muitos deles abandonados pela família.

Sem perder o foco

Foi então que o sermão do secretário reeleito da Associação Geral, o cingapuriano G.T. Ng, trouxe uma reflexão sobre a relação entre identidade e missão. “Pensem como grupo, como igreja. Quem vocês são?” – perguntou Ng. Ele pregou que a identidade da igreja só pode ser definida a partir da identidade de Deus. A partir de então, fez um estudo de Daniel 10, em paralelo com Apocalipse 10, 12 e 14, capítulos em que encontrou a identidade da igreja, seu passado e sua mensagem, e concluiu: ”Quero fazer um apelo especial a todos nós. O tempo em que vivemos é um tempo extraordinário. Não temos muitos anos, possivelmente. Um amigo disse outro dia: ‘Se você nunca foi a uma assembleia mundial não deixe de ir a essa, pois não sabemos se será a última’. O mundo está ecologicamente, politicamente e socialmente falido. Não há esperança. Estamos em tempo emprestado”, avaliou.

“Nesta manhã, Deus está nos chamando a um compromisso maior com a missão”, apelou Ng. Sou responsável por mim e por minha esposa, para revolucionar nossas vidas. Precisamos orar pelas pessoas que estão nos blocos religiosos que não conhecemos. Você está disposto a dedicar uma parte importante de suas economias para ajudar a missão, para enviar missionários? Logo não teremos oportunidade de fazer isso, pois o dinheiro desaparecerá. Temos que nos entregar à missão”, enfatizou. Ele também expôs sua preocupação de que “ao discutir coisas que não são importantes, podemos perder de vista a missão da igreja”.

Novidades

Nas reuniões da tarde, com foco na missão, foram apresentadas as novidades nas missões mundiais, destacando ações e centros de influência nas áreas urbanas. Nos prédios de Manila, capital das Filipinas, existem quiosques onde são feitas avaliações de saúde; em Copenhague, capital da Dinamarca, existe uma loja de produtos de segunda mão que funciona como um centro de influência. Berit Elkjaher, uma das líderes do centro, diz que o projeto uniu a igreja, com pessoas de todas as idades, e foi além, atraindo voluntários da comunidade: “Um terço dos voluntários não é adventista. Eles vêm e perguntam se podem ajudar. Ficamos amigos de muitas pessoas e fazemos um trabalho que o pastor não poderia fazer, devido a suas ocupações.”

Outro projeto simples e inovador, o The Sabbath Sofa (“O Sofá do Sábado”), iniciado em Londres, dá a oportunidade de se falar sobre o sábado. Jovens colocam um grande e confortável sofá branco numa passagem de pedestres, com a placa: “Está cansado? Sente-se.” Ao se sentarem, um jovem num estilo cool as cumprimenta e pergunta: “Do que você está cansado(a)?”, e as pessoas abrem seu coração. O jovem então comenta: “Vamos supor que se você pudesse tomar 24 horas de sua vida, do por do sol de sexta ao por do sol de sábado, como seria a sua vida? Vários respondem naturalmente: “Seria incrível!” A partir de então, inicia-se um contato que pode levar pessoas a conhecer a mensagem do descanso sabático. O projeto tem forte presença na internet, especialmente, nas redes sociais e foi realizado na cidade de San Antonio, durante a assembleia mundial.

Há também mensageiros no mundo islâmico. Em países onde é proibido e criminalizado o ato de falar de Cristo ou ler a Bíblia, jovens têm sido encorajados a partir para esses países a fim de estudarem ali. Eles vão para universidades e fazem amizade com os colegas. Quando surge uma oportunidade de compartilhar sua fé, o fazem, como os antigos valdenses faziam. Perguntada sobre qual era sua maior prioridade na faculdade (os estudos ou a missão), uma jovem não identificada por motivo de segurança, disse que sua prioridade era ser missionária. O interlocutor, então, lhe disse, sorrindo: “Então você é como uma agente secreta?”

Histórias fecharam a programação, entre elas, a de um pastor chinês que escreveu sua própria Bíblia por memória, na prisão, e a de um jovem piloto de avião missionário, que assumiu o posto deixado por seu pai, que morreu no cumprimento do dever.

Muitos adventistas hoje demonstram ter o mesmo compromisso pela missão que os pioneiros das missões, mas é preciso que esse espírito contagie ainda mais a igreja global. Missão não é uma tarefa, mera obrigação, mas uma razão de viver, um estilo de vida, que não faz parte da vida cristã, mas é ela própria. Num momento em que as sociedades urbanas em todo o mundo passam por um rápido processo de secularização, a igreja é desafiada a reafirmar sua identidade e cumprir sua missão de todas as formas possíveis. Seu maior tempo e suas melhores energias devem ser canalizadas e dedicadas a isso. Unidos a Cristo e sua missão, estaremos unidos uns aos outros.

Diogo Cavalcanti, enviado especial da Revista Adventista para San Antonio, é pastor, jornalista e editor de livros na CPB

Diogo Cavalcanti View more

Diogo Cavalcanti
Coordenador da editoria de livros na Casa Publicadora Brasileira