Os próximos cinco anos

A escolha de Ted Wilson reflete a tendência conservadora da maior parte da igreja mundial

Na reunião de trabalho de sexta-feira, dia 3 de julho, a única do dia, por ser véspera do sábado, foram aprovados seis itens da agenda: a limitação do número de delegados aos que já estavam próximos aos microfones; o relatório da secretaria, apresentado por G. T. Ng (leia o texto “A igreja diante do espelho” aqui) e a não utilização de votos secretos para a eleição de oficiais apontados pela Comissão de Nomeações, pois os dispositivos eletrônicos de votação não funcionaram como se esperava. As áreas de algumas Divisões sofriam com a falha, possivelmente por interferência do sinal de wi-fi do ginásio Alamodome. Além disso, alguns delegados pareciam não utilizá-lo adequadamente. Havia diferença até entre o número de aparelhos e o de votantes exposto na tela.

chamada-home-Primeiro-dia-da-assembleia-mundial-é-marcado-pela-busca-da-unidadeO último item foi um dos mais importantes, a aprovação do nome indicado pela Comissão de Nomeações para a presidência da Associação Geral, Ted N. C. Wilson. Aliás, quando Ted foi nomeado, Nancy, a esposa, foi encontrada na sala de oração da assembleia. Nos plenários, após 37 minutos de discussões, procedeu-se à votação. O presidente reeleito teve o apoio de 90% dos delegados. Após isso, o pastor Ted Wilson e a esposa Nancy se apresentaram na plataforma, sendo aplaudidos em pé pelos delegados e pela multidão nas arquibancadas.

O pastor Ted Wilson se dirigiu ao público reunido, com as seguintes palavras: “É com um respeito muito acatado e com humildade que nós dois estamos diante de vocês, diante de Deus, e aceitamos essa responsabilidade.” Em seguida, apresentou a tônica de sua nova gestão: (1) ênfase maior em Cristo e sua justiça; (2) ênfase na fidelidade dos membros; (3) o envolvimento de cada membro da igreja na missão. Na coletiva de imprensa, concedida pouco depois, afirmou que sua maior prioridade seria a terceira.

Em entrevista à Adventist Review, Nancy afirmou: “Sinto o mesmo que naquele dia há cinco anos. (…) Estou contente porque temos o Senhor para nos apoiar. É seu poder, sua força, sua igreja.” O pastor Ted Wilson compartilhou: “É um convite extremamente desafiador, para o qual ninguém se sente preparado. Ninguém pode exercer essa função a não ser pela condução direta e guia do Senhor.”

A ênfase de Wilson na humildade e na dependência de Deus não é exagerada nem apenas gentil. Diante dos enormes desafios ao cumprimento da missão da igreja e à perda de membros, assim como as dificuldades tanto internas quanto externas, o presidente mundial da Igreja Adventista precisará mais do que nunca da sabedoria do alto. A igreja votou pela continuidade, pelos valores mais tradicionais do adventismo e em rejeição às tendências progressistas e às pressões sociais que afetam todo o mundo religioso, incluindo a igreja reunida em San Antonio.

Diogo Cavalcanti é pastor, jornalista e editor de livros na CPB. Ele é o enviado especial da Revista Adventista para a assembleia mundial em San Antonio

Diogo Cavalcanti View more

Diogo Cavalcanti
Coordenador da editoria de livros na Casa Publicadora Brasileira