Peregrinação adventista

Maestro dá algumas razões para você se planejar para assistir pessoalmente a uma assembleia mundial

o-que-vi-na-assembleia-1

Se é dever do muçulmano ir pelo menos uma vez na vida a Meca, acompanhar uma assembleia mundial da igreja é um privilégio adventista com “P” maiúsculo. Por isso, considero-me duplamente abençoado: estive em Utrecht (1995) e em Atlanta (2010). Quem participa de um evento desse porte e com esse significado, sempre testemunha algum impacto positivo. Comigo não foi diferente.

Música. A assembleia de 1995, pelo fato de ser feita fora dos EUA, na Holanda, reuniu menos pessoas no último sábado do que de costume, cerca de 30 mil. Porém, ouvir essa multidão cantando “Oh, que esperança, vibra em nosso ser”, em diversas línguas, foi algo inesquecível. Na assembleia de Atlanta, perto de 65 mil pessoas lotaram o ginásio e o impacto foi ainda maior.

Diversidade. Desperta a curiosidade o mosaico multicolorido das vestes, dos idiomas, das músicas, da pele, dos costumes e dos métodos evangelísticos empregados pelo nosso povo ao redor do planeta. Nesse quesito, os estandes das instituições são um universo à parte, porque mostram de maneira mais pitoresca a multiplicidade de métodos de pregação, despertando em quem os visita, o interesse pela missão em terras distantes.

Em muitos momentos, meu orgulho de ser brasileiro foi ofuscado pela variedade de nações representadas, mostrando que somos uma pequena amostra de um corpo bem mais completo. Encontrei adventistas de cantos longínquos do planeta, os quais pude chamar de irmãos, e tive a alegria de imaginar que vou morar com eles no Céu.

Desfile das delegações. Realizado na última noite da assembleia, é um momento único, quando cada país é representado por sua bandeira, levada por alguns líderes e delegados, normalmente vestidos com trajes típicos. No meu caso, foi nesse momento, em ambas as assembleias, que pude extravasar todo o santo orgulho de minha alma verde-amarela. Mas foi um sentimento novamente abafado e equilibrado pela alegria de ver outros irmãos, de outras nações, expressando amor semelhante ou mesmo mais entusiasta por sua terra natal do que o meu.

Organização. Num encontro desse porte, para que tudo funcione bem, são milhares de detalhes e tarefas feitas por um exército de colaboradores e voluntários. E, acreditem, sempre funciona!

Conversões. Os testemunhos e os números sobre o avanço da missão nos quatro cantos do planeta são evidências de que, embora ainda haja muito por fazer, a ordem de Jesus sobre a evangelização mundial (Mt 28:18-20) não está estagnada, mas perto de ser completada.

Por fim, compartilho dois pensamentos que suponho sempre pairar na mente de quem participa de uma assembleia mundial da igreja: como será o cântico dos remidos na Nova Terra? E seria essa a última grande reunião do povo de Deus antes da volta de Jesus?

O coração de todos parece bater em uníssono, num compasso de expectativa e de desejo para que ele volte logo e nos leve para uma eterna assembleia lá no Céu. Quanto tudo terminou, minha vontade foi de clamar como o profeta de Patmos: “Amém. Ora vem Senhor Jesus!” (Ap 22:20).

José Newton é maestro e diretor da Musicasa, divisão de produtos artísticos da CPB

  • Joseph

    Um dos meus sonhos é estar presente em uma Assembleia Geral! Outro é conhecer Israel, a Terra Santa! Oro para que Deus os torne realidade!