Assembleia vota nomes de secretários e tesoureiros das 13 divisões ao redor do mundo

Divisão Sul-Americana tem um novo secretário. Tesoureiro foi reeleito para os próximos cinco anos 

novo-secretaria-executivo-da-divisao-sul-americana-homeNa sessão administrativa desta quinta-feira, 9 de julho, a assembleia mundial da igreja votou os nomes dos secretários e tesoureiros das 13 divisões da organização ao redor do globo. No caso da sede adventista para oito países sul-americanos, quem assume a função de secretário-executivo deixada pelo pastor Magdiel Pérez, que foi eleito para ser assessor especial do pastor Ted Wilson (saiba mais nessa entrevista), é o peruano Edward Heidinger. Ele atuava como presidente da União Peruana do Norte.

Heidinger, de 36 anos, é natural de Puerto Inca e cursou Teologia e Administração. Ele começou seu ministério como pastor distrital em Tarapoto (2004-2005) e em Moyobamba (2006). Logo depois, atuou como líder dos departamentos de Missão Global, Ministério Pessoal e Escola Sabatina. Em 2008, foi nomeado diretor de Mordomia Cristã, Saúde e Evangelismo da União Peruana do Norte, além de responder pela área ministerial, que atende os pastores e suas famílias. Nessa região, também teve a oportunidade de trabalhar como secretário.

Em 2012, o pastor Edward Heidinger deixou o seu país de origem para servir a igreja na sede sul-americana da denominação, localizada em Brasília. Na ocasião, desempenhou a função de assistente da presidência, até ser nomeado para presidente da União Peruana do Norte em 2013, onde trabalhava até agora. Ele é casado com Susana Delgado e tem dois filhos.

Tesouraria

Tesoureiro-da-Divisao-Sul-Americana-e-reeleito-pela-assembleiaNa tesouraria da Divisão Sul-Americana não houve mudanças. O pastor Marlon Lopes, de 56 anos, foi reeleito para o próximo quinquênio. Natural de Porto Alegre, Marlon Lopes é casado com Leni dos Reis Lopes e tem três filhos e dois netos. Graduado em Ciências Contábeis, cursou estudos em Teologia e completou a pós-graduação em Gestão Empresarial. Iniciou sua trajetória em 1978 como caixa e, depois, foi contador do Instituto Adventista Cruzeiro do Sul. Desde então, foi eleito tesoureiro em várias associações, no Instituto Adventista Paranaense e na União Sul-Brasileira. Foi diretor da Rede Novo Tempo e, na época, também apresentou o programa Saldo Extra. Desde 2010, exerce a função de tesoureiro da Divisão Sul-Americana. [Equipe RA, da redação / Com informações de Felipe Lemos e Diogo Cavalcanti, e fotos de Leônidas Guedes]

CONFIRA TAMBÉM A LISTA DE SECRETÁRIOS E TESOUREIROS ELEITOS PARA AS DEMAIS DIVISÕES

Divisão Centro-Leste Africana

  • Secretário: Allain G. Coralie
  • Tesoureiro: Jerome Habimana (reeleito)

Divisão Euro-Asiática

  • Secretário: Viktor V. Alekseenko
  • Tesoureiro: Brent Burdick (reeleito)

Divisão Interamericana

  • Secretário: Elie Henry (reeleito)
  • Tesoureiro: Filiberto M. Verduzco (reeleito)

Divisão Norte-Americana

  • Secretário: G. Alexander Bryant (reeleito)
  • Tesoureiro: G. Thomas Evans (reeleito)

Divisão do Pacífico Norte-Asiático

  • Secretário: (ainda não foi eleito)
  • Tesoureiro: German Lust

Divisão Sul-Americana

  • Secretário: Edward Heidinger
  • Tesoureiro: Marlon Lopes (reeleito)

Divisão do Sul do Pacífico

  • Secretário: Lionel H. Smith (reeleito)
  • Tesoureiro: Rodney G. Brady (reeleito)

Divisão Sul-Africana Oceano Índico

  • Secretário: Solomon Maphosa (reeleito)
  • Tesoureiro: Goodwell Nthani (reeleito)

Divisão Sul-Asiática

  • Secretário: Measapogu Wilson
  • Tesoureiro: (ainda não foi eleito)

Divisão Intereuropeia

  • Secretário: Barna Magyarosi
  • Tesoureiro: Norbert Zens (reeleito)

Divisão Centro-Oeste Africana

  • Secretário: Kings­­­­­­­­ley Chukwuemeka Anonaba
  • Tesoureiro: Emmanuel S. D. Manu (reeleito)

Divisão do Pacífico Sul-Asiático

  • Secretário: Saw Samuel (reeleito)
  • Tesoureiro: Max W. Langi

Divisão Transeuropeia

  • Secretário: Audrey Anderson (reeleito)
  • Tesoureiro: Nenad Jepuranovic (reeleito)

Veja também o infográfico das eleições

Missão extrema

Relatório apresentado pelo pastor Erton Köhler, no dia 7, mostrou a disposição da igreja de chegar aos rincões da América do Sul

Em vista aérea, o último grande Campori Sul-Americano reuniu 35 mil desbravadores em Barretos (SP). Créditos: DSA

Em vista aérea, o último grande Campori Sul-Americano reuniu 35 mil desbravadores em Barretos (SP). Créditos: DSA

Nos últimos cinco anos, a palavra que marcou o cumprimento da missão na Divisão Sul-americana foi “extremo”. Colocar em prática a comissão bíblica dada por Jesus de “ir”, significa, em muitos casos, dirigir-se a extremos geográficos com dedicação e influência, usando recursos para o progresso do reino de Deus neste mundo. Esta é uma causa fundamentada na grande esperança da segunda vinda de Jesus e tem como base os três alicerces do discipulado: comunhão, relacionamento e missão.

Na área da comunhão, a igreja agiu por meio de programas voltados para o desenvolvimento e a consolidação do hábito de buscar o Senhor na primeira hora do dia. Nos últimos cinco anos, mais de um 1 milhão de pessoas participou do Seminário de Enriquecimento Espiritual, que está agora na quinta fase. Outra iniciativa é o Projeto Maná. Seu alvo é incentivar o estudo diário da Lição da Escola Sabatina. Ao fim do quinquênio, tínhamos 1.010.083 exemplares dos guias de estudo da Bíblia nas mãos de nossos membros.

Na área de relacionamento, nosso foco foi o fortalecimento dos pequenos grupos. Atualmente, contamos com 83.056 pontos de esperança, que reúnem semanalmente membros e visitantes nos lares.

No âmbito da missão, os membros foram desafiados a usar seus dons para conduzir pessoas a Jesus. Nos últimos cinco anos, 1.115.974 pessoas foram batizadas. Além disso, cerca de 15 mil voluntários e 3 mil pastores receberam treinamento no projeto escolas de evangelismo.

Indo além

Ir ao extremo! Essa postura é vista de maneira prática na vida das pessoas que não se satisfazem em fazer somente o que é esperado. Elas vão além. Gente como Ezequiel Zabala, de oito anos de idade. Influenciado por uma professora da Escola Adventista de Santa Cruz de La Sierra, Bolívia. Ezequiel limpou banheiros e vendeu gelatina. Por meio dessas atividades, conseguiu ganhar dinheiro suficiente para comprar quatro caixas de livros A Grande Esperança a fim de distribuir em seu bairro. “Minha professora disse que ninguém terá uma coroa sem estrelas no Céu”, recorda ele.

Desde 2006, a distribuição de livros missionários tem sido realizada de maneira sistemática. Um livro de alta qualidade, com mais de cem páginas, a um preço inferior a cinquenta centavos de dólar é disponibilizado para ser entregue. Envolvidos e cheios de poder, os membros da igreja distribuíram 130 milhões de livros impressos e já houve pouco mais de 32 milhões de downloads da versão digital.

O território da Divisão Sul-americana tem cerca de 320 milhões de habitantes; logo, a distribuição alcançou um terço da população total.

info-relatorio da DSA

Mais congregações

Hector Pérez é outra pessoa que não poupou esforços para levar as páginas de esperança aos outros. Sargento das Forças Armadas Argentinas, ele desafiou o clima inóspito da Antártida e compartilhou o livro A Grande Esperança com todos que estavam com ele na base científica à qual bem poucas pessoas têm acesso.

Ezequiel e Heitor fazem parte dos 2.329.245 adventistas do sétimo dia da Divisão Sul-americana. O número de membros cresceu 12,8% nos últimos cinco anos. Os adventistas dos oito países que compõem a Divisão Sul-Americana estão espalhados por 25.942 igrejas e grupos, liderados por um exército de 4.409 pastores.

No plantio de igrejas, também vemos extremos: 6.444 congregações adventistas foram fundadas, representando um crescimento de 18,65% no número de novas igrejas no último quinquênio. Jorge Caldas, cego que mora no Estado do Rio de Janeiro, não se intimida pela deficiência que o acompanha há 16 anos. Ele persevera em uma rotina de estudos bíblicos e visitas missionárias. Além disso, encontra forças para realizar ocasionais campanhas evangelísticas. Foi responsável pela fundação de quatro novas congregações adventistas.

Por haver um projeto intencional e planejado de plantio de igrejas, essas congregações são fundadas com apoio financeiro, forte ênfase missionária e administrativamente maduras. “É um crescimento sólido, com base em relatórios e registros precisos e sistematizados, que nos dão uma ideia real de como estamos nos saindo e para onde estamos indo”, explica Magdiel Peréz, secretário-executivo da Divisão.

Mais tecnologia, menos fronteiras

O impacto extremo também acontece quando as fronteiras geográficas são alcançadas e ultrapassadas. Alguém que entendeu esse conceito foi o voluntário Roberto Roberti, de São Paulo. Em um ano, ele conseguiu dar estudos bíblicos para mais de 2 mil pessoas. E tudo aconteceu online. Roberto faz mais do que apenas enviar arquivos ou links com informações sobre a Bíblia. Ele está sempre em contato com sua classe de alunos, ávidos pelo conhecimento. Um grande grupo de voluntários também o ajuda nessa tarefa.

Por meio da internet, da televisão, do rádio ou da página impressa, o evangelho voa alto na América do Sul. A Rede Novo Tempo de Comunicação terminou os últimos cinco anos com mais de 100 milhões de acessos a seus websites e blogs. No site da Novo Tempo, mais de 634 mil alunos participaram de estudos bíblicos online e 693.334 pedidos de oração foram recebidos no portal da instituição e em suas mídias sociais, que contam com mais de 7 milhões de seguidores. A televisão e o rádio falam a um público potencial de 170 milhões de espectadores, com 81 horas semanais de programas inéditos nos dois idiomas. E 855.211 estudos bíblicos foram enviados pelo correio ao longo dos últimos cinco anos.

Revistas, livros e DVDs produzidos pela Casa Publicadora Brasileira e pela Aces (a casa publicadora sul-americana em língua espanhola) chegam a milhares de casas por meio do trabalho de mais de 3.500 colportores-evangelistas de tempo integral e 10.600 colportores estudantes. O número de livros e revistas vendidos neste período foi de 52.525.571, que representam 322.712.840 milhões de dólares. Como resultado do trabalho do Ministério de Publicações, 14.843 pessoas foram batizadas no último quinquênio. O site oficial da Divisão Sul-Americana, desenvolvido tanto em português quanto em espanhol, contou com 35 milhões de acessos a suas páginas ao longo dos últimos cinco anos.

Escolhidos e preparados pela igreja da América do Sul, 28 famílias de missionários são dedicadas para servir em lugares onde o cristianismo exerce pouca ou nenhuma influência. Créditos: DSA

Escolhidos e preparados pela igreja da América do Sul, 28 famílias de missionários são dedicadas para servir em lugares onde o cristianismo exerce pouca ou nenhuma influência. Créditos: DSA

Instituições que servem

Na perspectiva da Divisão Sul-Americana, suas instituições dão exemplo de evangelismo extremo. É nos detalhes que é notada a preocupação de uma empresa com os valores espirituais.

A Superbom (indústria alimentícia brasileira) e a Granix (indústria alimentícia argentina), estabelecidas no Brasil e na Argentina, e administradas pela Divisão, têm um total de 1.152 funcionários que cumprem a missão por meio da fabricação de alimentos saudáveis. Entre os produtos manufaturados, há o suco de uva 100% puro, sem aditivos químicos, em harmonia com os princípios bíblicos de saúde. Isso chamou a atenção da professora universitária Maria Auxiliadora de Oliveira.

Maria Auxiliadora queria provar que todas as empresas mentem sobre o uso de substâncias prejudiciais em seus produtos na descrição dos rótulos de suas caixas e garrafas. Por isso, ela ficou surpresa com a veracidade da informação compartilhada pelo nosso produto. Conhecida como Dora, ela descobriu que os rótulos são verídicos. Descobriu também que, por trás do produto, há uma igreja. E por trás dessa igreja, aprendeu sobre Deus da maneira mais extrema. No rótulo de cada um dos produtos aparece o nome da Igreja Adventista do Sétimo Dia e o website evangelístico, www.esperanca.com.br em português e www.esperanzaweb.com em espanhol. Ela foi batizada e hoje é uma adventista do sétimo dia.

O cumprimento da missão também é o foco das 870 instituições educacionais sul-americanas, com seus 299.466 alunos, além da comunidade de pais que também se beneficia da educação cristã. Soma-se a isso 20 instituições de saúde, como clínicas, centros de vida saudável e hospitais que vão a extremos na missão. “Não estamos aqui apenas para lucrar e ter instituições estáveis como um fim em si mesmas. Toda a nossa renda é investida em evangelismo”, garante Marlon Lopes, tesoureiro da Divisão Sul-Americana. Os dados revelam que os adventistas do sétimo dia da América do Sul aumentaram em 50,2% sua fidelidade nos dízimos e deram 102,1% ofertas a mais do que no quinquênio anterior.

Pessoas que fazem a diferença

Ruth Tesche, ou “Mãe Ruth”, como é mais conhecida essa missionária do Sul do Brasil, incorporou em sua vida diária a expressão “ama a teu próximo”. Ela vai a extremos e arrisca a própria vida para salvar outras pessoas. Ruth dedica tempo para ajudar espiritualmente detentos e seus familiares. Ela passa de 12 a 15 horas todos os dias em contato com prisioneiros de todos os tipos. Ruth faz parte do grupo de pessoas que vivem o amor de Cristo por meio de atos de bondade.

Outro grupo, formado por mais de 100 mil jovens, faz o bem de maneiras diferentes. São os participantes da Missão Calebe. Esses jovens dedicam as férias para servir a comunidade e fazer evangelismo.

Em 2014, dezenove jovens do projeto Um Ano em Missão provocaram uma verdadeira revolução espiritual na cidade de Montevidéu, Uruguai. Em 2015, 24 jovens estão fazendo a diferença no Rio de Janeiro. O projeto, espalhado pelas Uniões, envolve hoje outros 402 jovens. Esses rapazes e moças deixam para trás, por um ano, suas atividades de trabalho e estudos, a fim de se dedicarem completamente ao evangelho.

Os voluntários e profissionais da ADRA também chegam a extremos no cuidado dispensado a 2.645.868 pessoas necessitadas, provendo não só alimento e roupas, mas também suporte espiritual para ajudá-los a sobreviver em meio a tempos tão difíceis.

O clube de aventureiros cresceu 45,24% e o de desbravadores teve um crescimento de 15,23% no último quinquênio. Eles são responsáveis por manter toda uma geração conectada com Deus, com a natureza e com o serviço às outras pessoas. Um exército formado por 192 mil desbravadores e 75 mil aventureiros está sendo preparado para liderar a igreja. O último grande campori sul-americano contou com a presença de mais de 35 mil desbravadores na cidade de Barretos (SP), Brasil.

 

Mais de 4 mil pastores se reuniram no Concílio Ministerial da Divisão Sul-Americana, em Foz do Iguaçu (PR), em 2011. Créditos: DSA

Mais de 4 mil pastores se reuniram no Concílio Ministerial da Divisão Sul-Americana, em Foz do Iguaçu (PR), em 2011. Créditos: DSA

Em terras difíceis

Mas desafiar os limites pode ser muito mais ousado do que pensamos. Neste quinquênio, a Divisão enviou 28 famílias de missionários, escolhidas e preparadas pela igreja, para ir a países onde o cristianismo exerce pouca ou nenhuma influência sobre a sociedade.

Jesus Cristo se tornou um de nós na maior demonstração de ir a extremos quando assumiu a humanidade e morreu a fim de que cada ser humano possa ter a vida eterna. Os discípulos e apóstolos não pouparam esforços e entregaram a própria vida para que mais pessoas aprendessem sobre a salvação.

Na história da Igreja Adventista do Sétimo Dia, também encontramos o mesmo nível de compromisso. Pessoas foram ao extremo de sua capacidade e possibilidade financeiras para proclamar o breve retorno de Jesus.

A Divisão Sul-Americana reconhece o trabalho dos missionários pioneiros neste território no passado e, hoje, retribui ao mundo, enviando famílias para realizar em outros lugares o que um dia foi feito pela América do Sul. A Divisão Sul-Americana continua a fazer evangelismo extremo. [Fonte: Adventist ReviewTradução: Cecília Eller Nascimento

Assista ao vídeo apresentado durante o relatório sul-americano

O futuro da missão

Igreja brasileira deve atentar para a diversidade de métodos e para os novos fluxos migratórios

o-futuro-da-missaoEm 2014, pelo décimo ano consecutivo, mais de 1 milhão de pessoas se tornaram adventistas no intervalo de um ano. Esse crescimento fez a denominação atingir a marca de 18,5 milhões de fiéis e ser considerada a quinta maior denominação cristã do mundo, segundo a revista Christianity Today. Diante desses números, a possibilidade de evangelizar as nações e ver o retorno de Cristo em nossos dias parece estar mais próximo hoje do que nunca antes na história.

No entanto, o cenário das missões está sendo afetado por vários fatores que devem influenciar nossas estratégias e métodos de trabalho. São variáveis demográficas, econômicas, políticas, tecnológicas, culturais e religiosas. Esse panorama em mutação inclui as mudanças que têm ocorrido na compreensão e prática do evangelismo nos últimos cinco anos no Brasil. Estamos diante de desafios e oportunidades únicas para a missão.

Visão ampliada

Na medida em que a possibilidade de completar a grande comissão (Mt 28:18-20) se torna uma realidade, os estrategistas de missões estão aprendendo a ver o mundo com outros olhos. Com isso, o paradigma do simples alcance de países e geografias tem sido substituído pelo da evangelização de grupos etno-linguísticos. Textos como o chamado de Deus a Abraão para que ele fosse uma bênção para todas as nações (Gn 12:3) e a visão de João sobre a diversidade cultural da grande multidão de salvos (Ap 7:9) têm ajudado a igreja a enxergar o globo como Deus enxerga: dividido em grupos étnicos, em grego, panta ta ethn?.

Perceber essas nuances da evangelização e colocar o foco nesses grupos têm sido a tendência mais notável e significativa da estratégia missionária da Igreja Adventista na América do Sul nos últimos anos. Ao investir na evangelização de cegos, surdos, ciganos, tribos urbanas, grupos étnicos e segmentos específicos da população, a igreja reconhece a necessidade de diversificar suas abordagens a fim de que o evangelho eterno circunde o globo. O despertamento para esse cenário vem em hora oportuna, porque a missão adventista se vê desafiada a responder a três tendências mundiais que se verificam também no Brasil: urbanização, migração e internacionalização.

Urbanização

Se o adventismo começou na zona rural nos Estados Unidos do século 19, hoje ele é desafiado a comunicar o evangelho eterno para uma audiência do século 21 que majoritariamente vive nas cidades. Se em 1950, havia 83 cidades no mundo com uma população de mais de 1 milhão, hoje são 280, e 14 que excedem 10 milhões.

Ao mesmo tempo em que o contexto urbano exige dos seus habitantes um ritmo acelerado de vida com o foco na sobrevivência e no consumo, as metrópoles são ambientes propícios para novas experiências, inclusive religiosas. São nas grandes cidades também que muitas pessoas podem ser alcançadas de uma só vez. Apesar da aglomeração urbana, as metrópoles não são monolíticas, mas sim um labirinto de comunidades etnicamente distintas e com estratos sociais e econômicos diversificados que desafiam qualquer abordagem tamanho único. Assim, para que o mundo seja evangelizado, as cidades devem ser alcançadas.

Migração

Estima-se que 125 milhões de pessoas vivem fora dos seus países de origem, de forma permanente, e outros como uma força de trabalho temporário. Nos séculos 18 e 19, a migração fluiu de países mais ricos para os mais pobres; agora, o fluxo é de regiões menos desenvolvidas para as mais desenvolvidas. Segundo o jornal El Pais, Quase 57.300 imigrantes ilegais chegaram à Europa só no primeiro trimestre de 2015.

O Brasil também está na rota dos fluxos migratórios. Temos recebido novos trabalhadores de Bangladesh, Gana, Senegal, Haiti e Bolívia, em uma das maiores ondas migratórias já registradas no país. As ruas das principais cidades do Brasil estão cheias de cores, sons e cheiros de dezenas de diferentes culturas asiáticas, andinas, africanas e árabes.

Com isso, já não podemos mais falar em alcançar outras culturas, se negligenciarmos os estrangeiros descrentes que estão do outro lado da rua. Será que estamos atentos à essa nova realidade? Temos recebido os refugiados e imigrantes de braços abertos ou os enxergamos como invasores de nossas igrejas e bairros? Em alguns casos, grupos que são altamente resistentes ao evangelho em seus países de origem, podem ser muito receptivos num ambiente urbano longe de suas raízes. Além disso, o contato intencional com essas comunidades poderia servir de treino para missionários que desejam atravessar o mar e servir em contextos mais desafiadores.

Globalização

Se no passado a rota das missões saia do mundo desenvolvido para o subdesenvolvido, do ocidente para o oriente e do norte para o sul, hoje é de qualquer lugar para qualquer lugar. De acordo com Todd Johnson, professor do Gordon-Conwell Theological Seminary (EUA), dos 400 mil missionários enviados em 2010, 34 mil partiram do Brasil, o segundo país no ranking liderado pelos Estados Unidos com 127 mil missionários enviados.

Uma das portas que se abrem com a globalização é para a participação de escolas, igrejas e agências missionárias em missões de curta duração. Congregações paulistanas como a de Moema e o Unasp, campus São Paulo, têm feito isso por meio de seus estudantes e profissionais voluntários. Apesar dos cuidados que devem ser tomados com esses projetos para que não se tornem meras viagens de turismo ou de intercâmbio cultural, o envolvimento de pessoas nesse tipo de iniciativa só tem aumentado. As vantagens são que as missões de curta duração podem envolver pessoas até então sem treino e experiência ministerial no trabalho de Deus, liberando assim os missionários mais experientes para trabalhos mais específicos. Ao que parece, somente uma grave crise financeira inibiria esse fluxo.

Futuro

Hoje, essas três tendências representam grandes desafios e oportunidades para a Igreja Adventista que não podem ser ignorados. A primeira lição a ser aprendida é que não existe só um método para a evangelização. Com a globalização, precisamos desenvolver abordagens que não ofendam, mas que atraiam diversos povos ao evangelho. Isso significa que atendimento de saúde, aulas de inglês, séries públicas de evangelismo e pequenos grupos que enfatizam o discipulado podem ser métodos úteis para contextos distintos, e não necessariamente para todos os contextos.

Em segundo lugar, o sucesso da empreitada missionária não pode ser medida apenas pelo número de batismos. Numa reunião realizada em 2013, líderes revelaram que a igreja perdeu um em cada três membros ao longo dos últimos 50 anos. Além disso, para cada 100 pessoas que a Igreja Adventista batiza ao redor do mundo, ela perde 43 membros antigos. http://www.christianitytoday.com/gleanings/2013/december/seventh-day-adventists-assess-why-1-in-3-members-leave-sda.html Portanto, o evangelismo bem-sucedido deve deixar de ser mensurado apenas em termos de “números de batismos” ou de quantos “vieram à frente”, mas em crescimento real que se traduz na multiplicação de discípulos.

Felizmente, a missão é a prioridade de Deus, e assim permanecerá até a volta de Cristo. Os desafios que a Igreja Adventista enfrenta podem tornar-se cada vez mais difíceis, mas Deus transcende a todas eles. É nossa crença de que Deus proverá as habilidades e dons necessários para o desafio de alcançar os povos do mundo. Essa é a agenda de Deus; e pode tornar-se cada vez mais a nossa também. A missão é obra de Deus. O mundo é a esfera de sua missão. E a igreja é sua parceira no reino vindouro.

Emílio Abdala é doutor em Ministério pela Universidade Andrews (EUA) e diretor de Missão Global na sede paulista da Igreja Adventista


VEJA TAMBÉM

Relatório da Divisão Sul-Americana apresentado na assembleia mundial da igreja nesta terça-feira, 7 de julho