O debate por trás de uma declaração

Entenda o histórico da redação acerca da crença sobre a criação e por que os ajustes editoriais propostos reafirmam a rejeição da igreja ao evolucionismo teísta

assembleia-San-Antonio-2015-02.07-creditos-leonidas-guedes-16A assembleia mundial da igreja tem grandes tarefas à sua frente. Além de nomear a liderança da denominação para os próximos cinco anos, os delegados terão que debater uma proposta que muda um pouco a redação da declaração de crença número 6, relacionada à doutrina da criação. A razão para o ajuste é que a linguagem atual do texto é muito abrangente, dando margem para que o evolucionismo teísta seja considerado um dos possíveis métodos usados por Deus para criar a vida na Terra (clique aqui e leia o artigo “Água e óleo”).

Apesar de a Igreja Adventista do Sétimo Dia, desde sua fundação em 1863, acreditar no relato bíblico das origens (Gn 1-11) – história da criação, dia de descanso, e dilúvio – e de valorizar as contribuições positivas do pensamento iluminista, a igreja jamais referendou o evolucionismo teísta. E isso é algo que precisa ficar claro na redação de nossas crenças.

Nesse contexto, uma pergunta que ouço com frequência é: Por que a igreja teria aprovado o texto atual em 1980, na assembleia de Dallas, sendo que essa redação não representa com precisão aquilo em que os adventistas acreditam? A resposta passa pela compreensão do que levou a igreja a preparar uma declaração de crença sobre criação e qual foi o processo usado para isso (clique aqui e leia o artigo “Quem mexeu em nossas doutrinas?”).

Contexto histórico

A igreja surgiu num período histórico (meados do século 19) de grande turbulência epistemológica, ou seja, época em que estava em debate qual fonte de conhecimento (Bíblia ou ciência) deveria ser considerada a autoridade máxima sobre a questão das origens. Após a publicação do livro Origem das Espécies, por Charles Darwin (em 1859), essa busca por uma base segura de conhecimento se intensificou. Isso fez com que muitos cristãos renunciassem à crença de que a Bíblia é uma fonte confiável sobre a criação do Universo, da Terra e da vida. Ainda que Igreja Adventista tenha mantido sua confiança na revelação divina através desses anos, o fato é que a denominação percebeu a necessidade de formular uma lista de crenças fundamentais. O objetivo principal era (e ainda é) informar agências governamentais e outras entidades sobre aquilo em que igreja acredita e o que ensina.

No entanto, entre os anos 1859 e 1980, as listas de crenças fundamentais da igreja não incluíam uma declaração explícita sobre a criação. Isso mudou na manhã de 25 de abril de 1980, quando a assembleia mundial reunida em Dallas, também no Texas, aprovou a atual redação publicada no livro Nisto Cremos.

Oficialmente, a formulação da declaração dessa crença sobre a criação começou no dia 8 de junho de 1978, quando a sede mundial da igreja aprovou uma comissão para coordenar o processo (X-1535). Logo a X-1535 apresentou o primeiro rascunho de uma declaração sobre criação para os líderes da sede mundial. Essa declaração continha algumas das frases essenciais para a teologia cristã em geral, e particularmente para a teologia adventista. Constavam nela expressões como “crônica confiável da criação do mundo”, “em seis dias literais e consecutivos, Deus criou o mundo” e “dilúvio nos dias de Noé.” Nessa fase, e conforme sugerido por W. J. Hackett, a declaração sobre a criação preparada pela X-1535 estava preservando os pontos cruciais do relato bíblico (Review and Herald, 26 de maio de 1977, p. 2).

O trabalho progrediu e, no dia 4 de março de 1979, Bernard Seton trouxe uma nova versão da declaração para a comissão responsável. Satisfeita com o progresso dos trabalhos do grupo da X-1535, a sede mundial sugeriu que W. Duncan Eva enviasse uma cópia da nova lista de crenças fundamentais para a Universidade Andrews, onde os teólogos daquela época poderiam aperfeiçoar as declarações antes de que a lista fosse publicada na Adventist Review (Revista Adventista dos Estados Unidos).

No documento enviado para análise da Universidade Andrews, na primeira coluna estava a lista com as 22 crenças fundamentais usadas entre 1931 e 1980; na segunda coluna, estava a lista das crenças mostrando algumas revisões e os acréscimos; e, na terceira coluna, apareciam as 22 crenças revisadas. Segundo W. Duncan Eva, nesse documento com três colunas, a declaração sobre a criação aparece como a sétima declaração (saiba mais aqui) A diferença entre a declaração que foi para a universidade e a que voltou é bem visível quando comparadas lado a lado:

Tabela 1 – Comparação

X-1535 Proposta enviada para a Universidade Andrews Declaração que retornou da Universidade Andrews
Que o livro de Genesis contém a única crônica inspirada e confiável da criação do mundo; e que Deus, juntamente com Cristo e o Espírito Santo, é o Criador de todas as coisas. Em seis dias literais o Senhor fez o céu e a terra e todos os seres viventes sobre eles, juntamente com seu meio ambiente. O Senhor então estabeleceu o sétimo dia como o sábado, um memorial perpétuo da sua criação completada. O homem foi criado originalmente à imagem de Deus, mas sua queda em pecado por causa da tentação de Satanás no jardim do Éden resultou na deformação progressiva daquela imagem. Isso também levou à desfiguração do trabalho artesanal na criação e ao dilúvio universal nos dias de Noé. Através de Cristo, Deus irá erradicar o pecado e seus resultados do Universo, e no fechamento da História da humanidade, Ele irá restaurar a perfeição da sua criação em um novo Céu e uma Nova Terra (Gn 1:1-26; Sl 33:6-9; Gn 3:1-24; Êx 20:8-11; Gn 6-8; Ap 21:1-7). Deus e? o Criador de todas as coisas e revelou nas Escrituras o relato autêntico de sua atividade criadora. “Em seis dias, fez o Senhor os Céus e a Terra” e tudo que tem vida sobre a Terra, e descansou no sétimo dia dessa primeira semana (Êx 20:11). Assim, ele estabeleceu o sábado como perpétuo monumento comemorativo de sua esmerada obra criadora. O primeiro homem e a primeira mulher foram formados a? imagem de Deus como obra-prima da Criação, foi-lhes dado domínio sobre o mundo e atribuiu-se lhes a responsabilidade de cuidar dele. Quando o mundo foi concluído, ele era “muito bom”, proclamando a glória de Deus. (Gn 1 e 2; Êx 20:8-11; Sl 19:1-6; 33:6 e 9; 104; Hb 11:3).

De acordo com Fritz Guy, a declaração atual (que foi redigida pelo teólogo Larry Geraty) foi deliberadamente preparada sob a premissa de que a igreja têm vários pontos de vista “sobre a história da vida na Terra. Adventistas, cientistas, teólogos, pastores e outros, têm pontos de vista muito diferentes em relação à idade do Universo, do planeta Terra e da vida na Terra” (leia mais sobre o assunto aqui).

Na assembleia mundial, Larry Geraty explicou que a razão que o levou a usar aquela linguagem foi que, em sua opinião, “criação é muito mais extensa do que apenas origens”. Para enfatizar seu ponto, ele argumentou: “Em um parágrafo sobre a Criação, eu gostaria de testemunhar ao mundo que Deus não meramente dá início às coisas para logo em seguida deixá-las prosseguir sozinhas, como os deístas acreditam. Eu gostaria de incluir atividade criativa, o que inclui não só as origens, mas muito mais” (Review and Herald, 24 de abril de 1980, p. 24). Assim, no dia 25 de abril de 1980, e ainda que vários delegados tenham expressado objeções à linguagem usada para descrever a crença da igreja acerca da criação, a declaração foi aprovada. Como resultado, uma iniciativa positiva como a de formular uma crença sobre criação acabou abrindo portas para controvérsias internas sobre as origens.

Preservando o futuro

Felizmente, depois de 35 anos de controvérsias, e com um compromisso reavivado para reafirmar a interpretação literal dos primeiros capítulos de Gênesis, a assembleia mundial da igreja votou, em 2010, na cidade de Atlanta, reformular essa declaração de crença. Os ajustes editoriais que estão sendo propostos em San Antonio deixam claro que os adventistas rejeitam o evolucionismo teísta; que os dias da semana da criação foram literais, com aproximadamente 24 horas cada; que apenas a vida na Terra, e não o Universo, foi especialmente criada recentemente; e que os primeiros capítulos de Gênesis contêm relatos históricos e não mitologia hebraica. Se aprovada, essa nova declaração irá cumprir com o propósito de expressar aquilo que a igreja como organização mantém com respeito aos ensinos da Bíblia.

Sérgio Silva é aluno do programa de PhD em Teologia na Universidade Andrews (EUA)

Líderes da igreja definem novo diretor financeiro da sede mundial

Juan Prestol-Puesán assumirá a função no lugar do pastor Robert Lemon

Créditos da imagem: Leônidas Guedes

Nascido na República Dominicana, Juan Prestol-Puesán possui vasta experiência como tesoureiro em vários níveis administrativos da igreja. Foto: Leônidas Guedes

A tarefa de administrar os recursos financeiros da igreja no mundo foi confiada a um novo líder. O nome de Juan Prestol-Puesán foi indicado pela Comissão de Nomeações e aprovado na tarde de sexta-feita, 3, pelos delegados da assembleia mundial que acontece em San Antonio, no Texas (EUA). Prestol-Puesán vai assumir a função no lugar do pastor Robert Lemon, que irá se aposentar.

Nascido na República Dominicana, o pastor Prestol-Puesán possui vasta experiência como tesoureiro em diversos níveis administrativos da organização adventista. Além de ter exercido essa função nas divisões Euro Asiática e Norte-Americana, ele trabalhou nos últimos anos como vice-tesoureiro da sede administrativa mundial da igreja.

Cenário desafiador

Juan Prestol-Puesán assume o cargo num contexto de volatilidade dos mercados financeiros ao redor do mundo, o que torna ainda mais desafiadora a missão de gerenciar os fundos da igreja. No entanto, conforme ele acredita, embora as alterações nas taxas de juros, as variações cambiais e as mundanças na economia mundial possam trazer surpresas, a igreja deve seguir confiante em Deus e com o foco na missão. “Temos que confiar no Senhor e, como gestores, trabalhar de maneira cuidadosa e atenta”, enfatizou o novo diretor financeiro em entrevista à Adventist Review.

Outro grande desafio, na opinião dele, são as mudanças demográficas. “A nova geração tem dúvidas sobre como a igreja opera. Não só como a igreja utiliza seus recursos, mas sobre como a igreja vai envolvê-los no ministério”, observou Prestol-Puesán. Por isso, ele disse que irá se comprometer em ouvir esse público. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações da Adventist Review]

Presidente mundial da Igreja Adventista é reeleito

Em discurso após a reeleição, Ted Wilson convocou pastores e membros para se unirem na missão

reeleicao-ted-wilson

Wilson disse que estava preparado para qualquer tipo de decisão que fosse tomada na assembleia. Foto: reprodução Adventist Review

O pastor Ted Wilson continuará exercendo a função de líder máximo dos 18,5 milhões de adventistas no mundo durante os próximos cinco anos. Com a aprovação de cerca de 90% dos delegados, ele foi reeleito na tarde desta sexta-feira, 3, após um momento histórico de observações no plenário da assembleia que durou aproximadamente 40 minutos. Ao ser reconduzido ao cargo, ele foi aplaudido pelo auditório.

Após a decisão, acompanhado da esposa Nancy, Wilson fez um breve discurso no qual convocou pastores e membros para se unirem na missão. O pastor Ted Wilson também prometeu buscar diariamente a direção de Deus para liderar a igreja, assim como procurou fazer ao longo da primeira gestão.

Depois disso, ele seguiu para a tradicional coletiva de imprensa. Na conversa com os jornalistas, destacou que a oração e a missão devem continuar sendo as principais ênfases da igreja no próximo quinquênio.

O homem por trás da função

Até quem discorda da posição do líder mundial adventista sobre a ordenação de mulheres, reconhece que o pastor Ted Wilson é um homem bondoso e apaixonado pelo evangelismo. Quem o descreve assim é o pastor Chad Stuart, líder da Igreja de Spencerville, que fica a 10 km da sede mundial adventista, em Silver Spring, Maryland (EUA).

A entrevista feita por Chad e publicada no site da Adventist Review procura retratar um pouco do homem que está por trás da função. O jovem ministro diz que o presidente da igreja é conhecido por orar com os funcionários do escritório mesmo em meio à sua agenda lotada e de deixar cartões pessoais e flores sobre a mesa de um servidor que está enlutado ou que ficou afastado do trabalho por causa de uma doença. Atitudes como essa mostram a sensibilidade do líder em demonstrar compaixão, cristianismo autêntico e até respeito por quem pensa diferente dele.

Na conversa com Chad, Ted Wilson falou do que sentiu quando foi eleito em 2010 e dos valores que recebeu do pai Neal Wilson, que presidiu a denominação de 1978 a 1990, e das diferenças de personalidade entre os dois. Ressaltou que a igreja não é dirigida por um homem apenas, mas por colegiados, o que exige habilidade para ouvir opiniões diversas. Também destacou que não está nervoso em relação à votação sobre a ordenação feminina ao ministério, porque acredita que Deus está no leme da igreja. “Se o Espírito Santo não estivesse dirigindo esse movimento,
ele teria sido desintegrado há muito tempo”, garantiu.

Por fim, Ted Wilson falou de seu entusiasmo com a distribuição, aos milhões, do livro O Grande Conflito, best-seller adventista de autoria de Ellen G. White. E do seu sonho de ver a igreja trabalhando de forma mais intensa, estratégica e holística nas metrópoles, conforme orientou a mensageria do Senhor há mais de cem anos.

Trajetória

Ted Wilson foi eleito como presidente mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia em julho de 2010 durante a assembleia mundial de Atlanta. Nascido em Takoma Park, Maryland (EUA), em 10 de maio de 1950, o filho do ex-presidente mundial da Igreja Adventista Neal C. Wilson passou parte de sua infância no Egito.

Ele começou sua carreira como pastor em 1974 em New York. Em 1975, se casou com a fisioterapeuta Nancy Louise Vollmer Wilson, com quem teve três filhas.

Wilson serviu como diretor assistente e depois como diretor de Ministérios Metropolitanos em Nova York de 1976 a 1981. Logo depois, passou a servir a igreja na Divisão Sul-Africana Oceano Índico como departamental e secretário-executivo.

Sua trajetória também passa pela Rússia, onde exerceu o cargo de presidente da Divisão Euro-Asiática, com sede em Moscou, entre 1992 e 1996.

Ted Wilson retornou aos Estados Unidos para servir como presidente da Review and Herald Publishing Association, em Hagerstown, Maryland, até sua eleição como vice-presidente mundial da Igreja Adventista em 2000, durante a assembleia de Toronto, no Canadá.

Wilson tem doutorado em Filosofia na Educação pela New York University, mestrado em Divindade pela Andrews University e mestrado em Saúde Pública pela Loma Linda University. Além de Inglês, ele fala francês e um pouco de russo. [Márcio Tonetti e Wendel Lima, equipe RA / Com informações do site adventist.org]


LEIA TAMBÉM

Líder mundial desafia a igreja a seguir adiante


Para saber +

Presidente eleito mais velho

John Byington, 65 anos de idade

Presidente eleito mais jovem

George I. Butler, 37 anos de idade

Presidente reeleito mais vezes

Tiago White, 1865—1867; 1869—1871; 1874—1880

Presidente que exerceu o cargo por mais tempo

Arthur G. Daniells, 21 anos

Presidentes que ficaram menos tempo na função

John Byington, dois anos

John N. Andrews, dois anos

Presidentes não americanos

Ole A. Olsen, Noruega

Charles H. Watson, Austrália

Robert S. Folkenberg, Porto Rico

Jan Paulsen, Noruega

Média de idade dos presidentes quando assumiram o cargo

52,7 anos de idade

Fonte: Adventist Review / Com tradução de Cecília Eller Nascimento

Atividades paralelas

IMG_5537

Entre uma reunião e outra, os participantes da assembleia mundial da igreja aproveitam para visitar os estandes dos expositores, ganhar lembrancinhas e comprar materiais. [Informações e fotos: Marcos De Benedicto]

VEJA OUTRAS IMAGENS DOS ESTANDES

Pela 1ª vez, agenda detalhada da assembleia está aberta ao público

Informações disponibilizadas na internet pela primeira vez na história das assembleias oferecem aos membros da igreja em geral a oportunidade de compreender melhor como são tomadas as decisões em nível mundial

Informações antes restritas os delegados das assembleias mundiais da igreja foram disponibilizadas neste ano ao público por meio do site oficial do evento.

Informações antes restritas os delegados das assembleias mundiais da igreja foram disponibilizadas neste ano ao público por meio do site oficial do evento.

A 60ª Assembleia da Associação Geral traz uma série de novidades: votação eletrônica, um aplicativo para dispositivos móveis, um livro digital para os delegados e ainda a oportunidade de o público em geral ter acesso à agenda da programação antes do evento.

Normalmente, a Secretaria da Associação Geral define a agenda e fornece as informações somente para os delegados. Mas, pela primeira vez na história das assembleias, os detalhes das reuniões de negócios da igreja mundial foram disponibilizados com antecedência na internet para todo o público.

“Até então, somente os delegados tinham acesso a essas informações. Mas neste ano decidimos disponibilizá-las em um website, oferecendo aos participantes a oportunidade de compreender melhor o processo”, afirma Myron Iseminger, secretário associado da Associação Geral.

material foi publicado em PDF no site oficial da assembleia e traz informações de como são eleitos os líderes para cada região do mundo, bem como a respeito das alterações que devem ocorrer no texto de algumas crenças fundamentais e regulamentos do Manual da Igreja.

Ao acessar o site, os internautas têm acesso também ao que vai acontecer em cada um dos dez dias de programação e os horários dessas atividades. Com exceção dos sábados, o início das atividades acontecerá às 8h (10h no horário de Brasília) com o momento devocional, que será seguido de duas reuniões de negócios (a primeira das 9h30 às 12h e a segunda, das 14h às 17h, horário local). Já a programação da noite, com início previsto para as 18h30 (20h30 no horário de Brasília), inclui concerto musical, apresentação de relatórios das divisões e termina com uma reflexão bíblica.

Abaixo, disponibilizamos um resumo do calendário de atividades, que poderá sofrer alterações caso as discussões sobre alguns itens da agenda durem mais tempo do que o previsto.

Quinta-feira – 2/7

Janos Kovacs-Biro, secretário da Associação Ministerial na Divisão Transeuropeia, abre o primeiro dia de atividades com o devocional “Clímax glorioso da história: a promessa do retorno de Jesus”.

A abertura oficial do evento será marcada pela exibição do curta-metragem O que poderia ter sido, cujo objetivo é motivar a liderança da igreja a buscar o Espírito Santo para que a pregação do evangelho seja concluída.

Seguindo a praxe, também será feita a leitura de regulamentos, que abre as sessões de negócios da assembleia. Após esse momento de formalidades, os delegados devem votar uma resolução sobre a Bíblia Sagrada e uma declaração de confiança nos escritos de Ellen G. White.

O item principal da agenda concentra-se na missão da igreja. Os delegados receberão oficialmente 35 novas uniões, que foram abertas desde a última assembleia, em 2010. Trata-se de um número recorde. Em 2010, foram adicionadas 22 novas uniões.

“O elevado número de novas uniões é sem precedentes na história da Igreja Adventista do Sétimo Dia”, disse G.T. Ng, secretário-executivo da Associação Geral. Para ele, isso é “um reflexo da igreja crescendo com velocidade vertiginosa em todo o mundo, particularmente na América Latina e no continente Africano.”

Após o almoço, será formada a comissão de nomeações para a escolha da liderança da Associação Geral, começando pelo presidente da sede mundial. No período da noite, o pastor Ted Wilson apresentará o relatório de sua gestão.

Sexta-feira – 3/7

O devocional da manhã será apresentado por Sikhu Hlatshwayo, uma missionária do Zimbábue nos Estados Unidos. Ela vai falar sobre “Os sinais da segunda vinda de Jesus”.

A sessão de negócios começa com o relatório do secretário da Associação Geral, G. T. Ng. Na sequência, David Trim apresentará o relatório estatístico e o tesoureiro da sede mundial, Robert E. Lemon, dará uma visão geral do estado financeiro da igreja.

Ainda no período da manhã, a comissão de nomeações pode interromper a sessão para anunciar o presidente da AG para o próximo quinquênio. É possível também que secretário e tesoureiro sejam definidos no período da tarde, repetindo o que aconteceu na assembleia de 2010.

Nesse dia, a sessão de negócios deve encerrar mais cedo, por volta das 16h (18h no horário de Brasília), em preparação para o sábado.

Sábado – 4/7

O pregador do sábado é o secretário da Associação Geral, G. T. Ng, que vai falar sobre “A Igreja em missão”. Durante a programação da manhã, os participantes do evento serão convidados a participar de um programa com essa ênfase no período da tarde.

A programação da noite será voltada para a apresentação dos relatórios da Divisão Norte-Americana e da União Norte-Africana Oriente Médio.

Domingo – 5/7

Neale Schofield, CEO da Rede Adventista de Mídia na Austrália, será o orador do culto matutino. O tema do devocional é “O evento surpreendente: a maneira do retorno de Jesus”.

Durante as reuniões de negócios devem ser votadas mudanças editoriais no Manual da Igreja, abrangendo questões como os casos extraconjugais. Os delegados vão considerar a possibilidade de incluir detalhes e definições específicas relativas à conduta sexual. (Leia mais sobre as mudanças propostas)

Também no domingo, serão votadas alterações técnicas feitas na Constituição e Estatuto Social da Associação Geral.

A expectativa é de que nesse dia sejam eleitos os vice-presidentes da sede mundial e associados.

No período da noite acontecerá a apresentação de relatórios das divisões Centro-Leste Africana e Euro Asiática.

Segunda-feira – 6/7

Shian W. O’Connor, presidente da Associação das Ilhas Cayman, no território da Divisão Inter-Americana, dirigirá o devocional da manhã com o tema “Fiel no tempo do fim: preparação para a segunda vinda de Jesus”.

Ao longo de toda a segunda-feira, os delegados devem focalizar a nova redação de algumas das 28 crenças fundamentais dos adventistas. O objetivo é tornar o texto mais claro. Entre essas propostas está a adição da frase “a recente criação de seis dias” na declaração sobre a “Criação”.

Leia mais sobre as atualizações editoriais nas 28 crenças fundamentais dos adventistas (material em inglês)

Veja também a nova proposta de redação das 28 crenças fundamentais (material em inglês)

A comissão de nomeações estará em recesso durante a discussão sobre as crenças fundamentais. Mas é possível que haja eleições de departamentais da AG e presidentes, secretários e tesoureiros de divisões.

À noite, as divisões Intereuropeia e Interamericana apresentarão seus relatórios.

Terça-feira – 7/7

Mathilde Frey, ex-professora de exegese do Antigo Testamento e línguas bíblicas no seminário do Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados (AIIAS), nas Filipinas, será a oradora do culto da manhã. Seu sermão é intitulado “Nunca esquecidos: a promessa do Consolador, que antecede o retorno de Cristo”.

As sessões de negócios devem se encarregar de formalizações legais ao longo de todo o dia.

A previsão é de que nessa data também ocorra a nomeação da maioria dos líderes de departamentos da sede mundial.

Nesse dia, a Divisão Sul-Americana e a Divisão do Pacífico Norte-Asiático apresentarão seus relatórios durante a programação da noite.

Quarta-feira, 8/7

O devocional da manhã, intitulado “O movimento adventista e o retorno de Jesus”, será conduzido por Alain Coralie, secretário adjunto da Divisão Centro-Leste Africana.

A pauta principal do dia será a ordenação de mulheres. Os delegados decidirão se as divisões terão autonomia para ordenar mulheres ao ministério em seus respectivos territórios.

A comissão de nomeações entrará em recesso na ocasião.

A programação da noite contempla a apresentação de relatórios das divisões Sul-Africana-Oceano Índico, Pacífico Sul e Pacífico Sul-Asiático.

Quinta-feira – 9/7

Taj Pacleb, evangelista na Califórnia (EUA), falará sobre o tema “A todo mundo: a proclamação do evangelho antes da vinda de Jesus”.

Serão tratados itens pendentes da agenda e nomeados os auditores e integrantes da comissão ministerial da Associação Geral.

À noite haverá a apresentação dos relatórios das divisões Sul-Asiática, Transeuropeia e Centro-Oeste Africana.

Sexta-feira – 10/7

No penúltimo dia de programação, o devocional será feito por Ron Smith, presidente da União Sul na Divisão Norte-Americana. Ele apresentará o tema “Finalmente em casa: a alegria e plenitude do retorno de Cristo”.

Além de tratar itens pendentes, estão previstos momentos dedicados para a oração.

Sábado – 11/7

Quem proferirá o sermão do último dia da 60ª assembleia será o presidente eleito para os próximos cinco anos.

A ideia é de que, no sábado também seja arrecadada uma oferta especial com o objetivo de financiar projetos de missão em todo o mundo.

Aliás, a missão será o foco desta assembleia do início ao fim. O encerramento, que será no sábado à noite e consiste num dos momentos mais aguardados de uma assembleia, deve passar por mudanças nesse ano para se ajustar mais a essa visão. No lugar do tradicional “Desfile das Nações”, em que as diversas delegações entravam representando as diferentes culturas, o programa irá resgatar a história dos primeiros adventistas batizados em cada país e lembrar os desafios para a pregação do evangelho nas várias regiões do globo. [Equipe RA, da redação / Com informações de Andrew McChesney, da Adventist Review]

Assembleia mundial entra no universo mobile e lança app

Aplicativo reúne informações como agenda, mapas, lista de expositores, além de trazer notícias, fotos e documentos para download

Aplicativo-reune-informacoes-da-assembleia-mundial-que-acontece-em-julho-nos-EUA-3Quem deseja obter informações sobre a 60ª assembleia mundial da Igreja Adventista, que acontece entre os dias 2 e 11 de julho em San Antonio, no Texas (EUA), já tem à disposição também um aplicativo que foi desenvolvido especialmente para o evento.

Para os que irão viajar para San Antonio, a ferramenta pode auxiliar em diversos aspectos. O app traz informações gerais sobre a programação (incluindo horários de cada evento, bem como o currículo dos palestrantes) e permite que o usuário configure a sua própria agenda e seja lembrado das atividades que deseja acompanhar. Além disso, ele oferece mapas da cidade e do local do evento, lista de expositores, endereços de restaurantes e hotéis, contatos para situações de emergência e informações sobre áreas como turismo, transporte e previsão do tempo.

Para aqueles que acompanharão de longe o maior evento da Igreja Adventista em nível mundial, o aplicativo também traz conteúdos úteis. Entre os recursos oferecidos pelo app também estão notícias, documentos para download e galeria de imagens.

O app pode ser baixado gratuitamente, inclusive em português, nas versões para Android e iOS (iPhone). Basta procurar por GC Session 2015. [Márcio Tonetti, equipe RA]