Prévia do Céu

Com apenas 10 anos de idade, ela visitou a assembleia na Holanda e se encantou com o evento que aumentou seu respeito pela igreja

Review-1995-Holanda-3

Créditos da imagem: Adventist Review

Dizem que a primeira impressão é a que fica. No caso da minha primeira visita a uma assembleia mundial da igreja, foi exatamente o que aconteceu: nunca apagarei da minha memória, ainda que juvenil (na época eu tinha 10 anos), a cena vívida de centenas de pessoas bem vestidas, caminhando para a entrada do pavilhão, com a Bíblia na mão, sob uma enorme faixa, que dizia: Welcome, Seventh-day Adventists! (“Bem-vindos, adventistas do sétimo dia!”).

Sempre me emociona relembrar: a sensação foi uma pálida prévia do que será ver as multidões dos salvos sendo recebidas com um “bem-vindos” de Cristo na Nova Jerusalém.

E é realmente uma sensação de prévia do Céu tudo o que ocorre numa convenção como essa. São dez dias de reuniões administrativas, é verdade, mas até para uma criança é muito esclarecedor ver a igreja em movimento organizacional, usando de bom senso representativo, respeito democrático e dependência de Deus, como acontece em todos os dias da sessão da Associação Geral.

Apesar de o auditório em que ocorreu a assembleia de Utrecht, na Holanda, ser limitado e todos os dias termos que lutar para achar lugar para sentar em família, nada nos tirou a alegria de estar lá! As músicas, as roupas, as línguas, tudo tão internacional e colorido! A emoção de saber quem são os novos oficiais no momento em que são escolhidos, o encontro com “celebridades” adventistas de todo o mundo e, é claro, os inúmeros brindes que você ganha nos estandes de ministérios e instituições, num universo à parte da assembleia e sem fim. Tudo é impressionante!

Para uma menina que cresceu amando a igreja de seus pais, viver dez dias intensos de adventismo internacional foi um privilégio. Depois dessa experiência, passei a ter mais respeito e carinho pelo movimento adventista mundial.

Hoje, 20 anos depois, louvo a Deus pela forma maravilhosa como ele tem dirigido essa igreja desde sua organização. Sei que ele a guiará pela fase mais escura da História, até vermos no Céu nosso Senhor Jesus, não com uma grande faixa de boas-vindas, mas com seus grandes braços abertos para nos levar para casa!

Marisa Ferreira é jornalista, designer gráfico e natural de Portugal. Depois de trabalhar na CPB, ela está se preparando para servir como missionária na Turquia

Quão grande és Tu

Relatório apresentado por Israel Leito, presidente reeleito da Divisão Interamericana, no dia 6, destacou a integridade dos membros e a participação deles na missão

Esta igreja em Santo Domingo, República Dominicana, é uma das centenas de novos templos inaugurados ao longo dos últimos cinco anos. Crédito: União Dominicana

Esta igreja em Santo Domingo, República Dominicana, é uma das centenas de novos templos inaugurados ao longo dos últimos cinco anos. Crédito: União Dominicana

“Cantem ao Senhor, todas as terras! Proclamem a sua salvação dia após dia! Anunciem a sua glória entre as nações, seus feitos maravilhosos entre todos os povos! Pois o Senhor é grande e muitíssimo digno de louvor, ele deve ser mais temido que todos os deuses” (1Cr 16:23-25).

Ao refletir sobre este quinquênio, a Divisão Interamericana (Inter-American Division — IAD) só pode concluir que foi ricamente abençoada pelo Senhor. Por meio de seu Espírito, ele operou maravilhas nos 42 países que formam a América Central. Sua graça é tão ampla, o amor que manifesta a seus filhos é tão grandioso, sua misericórdia ao salvar centenas de milhares neste território é tão sublime, que nenhum superlativo é suficiente para proclamar a plenitude de sua glória. Só nos resta exclamar: “Meu Deus, quão grande és Tu”.

A cada sábado, ao abrirmos as portas de mais de 20 mil igrejas para que quase 4 milhões de membros e seus amigos entrem para adorar, seus louvores entoam, ecoando o refrão: “Senhor, quão grande és Tu”. Nosso coração bate em uníssono enquanto reconhecemos a grandeza de nosso Senhor e humildemente dizemos: “Obrigado, ó Deus, por nos amar sem medida”.

1007relatorio-iad-seminario

O Seminário Teológico Interamericano é reconhecido pela Associação de Escolas Teológicas e concede diplomas que são validados em todo o mundo. Crédito: Seminário Interamericano de Teologia

Sua obra dá testemunho da realidade dessas palavras inspiradas de Ellen White: “Não há limites à utilidade daquele que, pondo de parte o próprio eu, abre margem para a atuação do Espírito Santo no coração, e vive uma vida inteiramente consagrada a Deus” (Serviço Cristão, p. 194).

Concentrados no crescimento e no avanço da obra de Deus, crendo nessas palavras inspiradas de Ellen White, a administração da Divisão Interamericana, em dependência e confiança completas na guia divina, se propôs a alcançar vários objetivos durante esse período de cinco anos.

Melhor preparo dos pastores

Depois de receber o mais elevado reconhecimento concedido a um seminário teológico, o Seminário Interamericano de Teologia (Inter-American Theological Seminary — IATS) foi formalmente estabelecido. Depois de trabalhar por muitos anos e depender de outras instituições de ensino, o Senhor foi misericordioso com nossa Divisão ao permitir que o IATS recebesse a aprovação, a certificação e o credenciamento da Associação de Escolas Teológicas.

Além do Seminário Teológico Adventista da Universidade Andrews, poucas instituições adventistas alcançaram esse nível de reconhecimento. De agora em diante, os estudantes que concluírem seus estudos no IATS receberão um título credenciado reconhecido em todo o mundo. Agradecemos à administração e ao colegiado do IATS por permitirem ser usados pelo Senhor. Seu trabalho árduo beneficiará os pastores de nossa Divisão.

Educação online

Percebemos a orientação divina por meio da consolidação da Herbert Fletcher University (HFU), uma das poucas instituições adventistas de ensino do mundo a oferecer cursos totalmente online. Quando essa universidade estiver em pleno funcionamento, abençoará milhares de profissionais que poderão avançar em sua educação sem precisar deixar seu lar ou emprego. Toda a documentação já foi enviada para as autoridades, com a perspectiva de aprovação formal e inauguração dessa universidade online. Expressamos calorosos agradecimentos a todas as instituições que patrocinaram a HFU, ajudando no custeio de seus diplomas até aqui.

Além de oferecer cursos acadêmicos, a HFU também conta com instrução online informal para todos os líderes das igrejas. Eles podem receber capacitação em suas áreas específicas de responsabilidade congregacional e, assim, atuar com maior eficiência. Com a ajuda do Espírito Santo, prestarão um serviço mais eficaz à igreja.

Milhares de holofotes

Esse período de cinco anos testemunhou um crescimento impressionante na organização de novas congregações. Em 2010, os líderes lançaram o desafio de transformar todos os grupos informais existentes e qualificados em igrejas organizadas. Contudo, se o desafio fosse apenas transformar os grupos já existentes em igrejas organizadas, significaria o fim do crescimento e só atenderia os lugares em que existe presença adventista estabelecida.

Por isso, em seguida, os membros foram desafiados a fixar o estandarte do Príncipe Emanuel em lugares em que não havia presença adventista consolidada. Pela graça de Deus e mediante sua orientação, temos vencido esse desafio. Atualmente temos praticamente o mesmo número de grupos do que no início do quinquênio, isso depois de transformar a maioria dos grupos anteriores em igrejas organizadas.

A Divisão Interamericana designou 2013 como o “ano dos leigos”, resultando no acréscimo de milhares de novos membros à igreja. Crédito: Comunicação IAD

A Divisão Interamericana designou 2013 como o “ano dos leigos”, resultando no acréscimo de milhares de novos membros à igreja. Crédito: Comunicação IAD

Organizar para vencer

Com o aumento do número de membros, foi necessário fundar locais de adoração e isso requer a construção de mais templos. Com o crescimento do total de igrejas e grupos, surge a necessidade correspondente de novas sedes administrativas para coordenar o trabalho. Na verdade, esse processo produziu um aumento significativo nos campos locais, tanto Associações quanto Missões.

Alguns anos atrás, a Divisão Interamericana contava com cerca de 60 campos locais, a maioria deles com o status de Missão. Hoje temos 122 campos locais, quase todos com o status de Associação.

Esse crescimento exponencial de campos locais exigiu uma estratégia para prover liderança no nível das Uniões. Enquanto a Divisão Interamericana possuía 12 Uniões poucos anos atrás, a maioria com o status de União-Missão, hoje são 24 Uniões, o dobro! A maioria delas tem status de União-Associação e outras estão no processo de alcançá-lo.

Visão: Um milhão

No início do quinquênio, os líderes se reuniram e fizeram planos para batizar, no mínimo, um milhão de pessoas ao longo desse período de cinco anos. “Visão: Um milhão” se tornou a palavra de ordem. Hoje é mais que um slogan. Pela graça de Deus, a Divisão Interamericana batizou mais de um milhão de pessoas nos últimos cinco anos, culminando com uma festa batismal de toda a Divisão em um evento transmitido via satélite a partir de Trinidad, no Caribe, este ano.

O cristão interamericano completo

Na América Central, cremos nas palavras de João ao expressar o ideal de um cristão completo: “Oro para que você tenha boa saúde e tudo corra bem, assim como vai bem a sua alma” (3Jo 2). Os cristãos equilibrados devem: (1) prosperar socialmente, (2) ter boa saúde e (3) demonstrar valores cristãos fortes.

Cristãos de boa conduta. Muito tem sido feito na América Central para ajudar os adventistas a entender que, na sociedade em que vivem, devem ser os melhores vizinhos, os melhores cidadãos, os colegas de trabalho mais confiáveis e os amigos mais leais da humanidade. Devem procurar viver como cristãos verdadeiros. Programas como “Abrace uma Cidade”, “Dê um Sorriso” e outros causaram grande impacto em várias comunidades. E somente mediante a intervenção divina é possível que quase 4 milhões de pessoas tenham um testemunho tão impecável.

Cristãos saudáveis. Durante esse quinquênio, programas e iniciativas atraentes de saúde foram lançados em muitos lugares da Divisão Interamericana. Programas como “Quero Viver com Saúde” foram adaptados por alguns governos para despertar a consciência da necessidade de levar uma vida saudável como questão de prioridade nacional. Os profissionais adventistas se uniram a líderes civis na promoção de um estilo de vida saudável para todos. Muito tem sido feito para manter a igreja com o foco na mensagem de saúde e em seu impacto sobre a vida das pessoas, da igreja e da comunidade. Os pastores foram conclamados a proclamar essa grande verdade.

Cristãos morais. Quando João disse “como vai bem a sua alma”, deveria ter nossos dias em mente. Tantas coisas competem pela nossa atenção! A degradação dos padrões morais aceitos em geral pode desviar muitos com facilidade. Mas o Senhor mantém a prosperidade espiritual de seu povo. A Divisão Interamericana não olha nem para a direita, nem para a esquerda, pois sabemos em quem temos crido; e a prosperidade de nossa alma, a certeza da salvação, é nossa maior prioridade.

1007relatorio-iad-ultima

Um educador físico faz uma série de exercícios com as pessoas em Monterrey, Nuevo Leon, México, como parte da iniciativa “Quero Viver com Saúde”. Crédito: IAD/Aljafet Chable

Generosidade

A fidelidade financeira da igreja na América Central é notória. Os membros acreditam na obra do Senhor. A igreja confia em seus líderes. A generosidade de nossos membros faz a igreja progredir em sua missão não só em nossa região, mas também em outras partes do mundo. Nossa contribuição com ofertas missionárias em comparação com os dízimos é uma das mais altas do mundo adventista.

A Divisão Interamericana continua prestando forte apoio aos esforços missionários da igreja por meio da doação liberal. Isso só pode ser atribuído à confiança absoluta em Deus, às bênçãos do Senhor à sua igreja e à dedicação de seus membros.

A devolução fiel dos dízimos é prática estabelecida da vida da igreja. Isso não acontece por planejamento ou estratégias humanas, porque a questão de devolver os dízimos com fidelidade é estritamente pessoal e particular entre os cristãos e o Senhor.

A página impressa

Um dos meios que o Senhor tem dado para sua igreja cumprir a missão é o trabalho dos colportores-evangelistas. De manhã, de tarde e de noite, esses homens e mulheres de Deus, cheios do Espírito Santo, batem às portas, alcançam as pessoas para o Senhor e, acima de tudo, deixam literatura cheia de verdade dentro dos lares.

Depois de anos sem dedicar atenção suficiente a esse ministério tão importante, a Divisão Interamericana transformou fez da obra de publicações uma prioridade. Maneiras de motivar, apoiar e direcionar os colportores-evangelistas têm sido restauradas e aperfeiçoadas. A colportagem deixou de ser importante apenas para alguns, na medida em que toda a igreja tem se dedicado a fortalecer essa missão relevante e necessária. Medidas têm sido tomadas para que todo colportor-evangelista fiel receba o devido reconhecimento e os benefícios que a igreja pode oferecer.

A força da união

A igreja não está dividida, pois temos promessas que garantem que as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Comissionada pelo Senhor a ir, pregar e ensinar (Mt 28:19, 20), a igreja na América Central reconhece o valor e a contribuição de todos os seus membros para o avanço da missão. É por isso que todo o ano de 2013 foi dedicado ao reconhecimento da contribuição dos membros leigos, culminando com um dia especial no qual os anciãos das igrejas locais puderam batizar aqueles que haviam levado pessoalmente aos pés de Jesus.

Que grande alegria para os membros leigos! Que bênção foi para a igreja quando os anciãos de todo o território da Divisão Interamericana, apoiados pelos pastores, batizaram milhares de pessoas. A igreja não é servida apenas pelos ministros. Os pastores têm sua parcela de responsabilidade; mas a igreja pertence a seus membros e cada um deles é importante para o cumprimento da missão.

Os líderes da igreja têm a oportunidade de receber treinamento informal para o cumprimento da missão. Dezenas de milhares se esforçaram para concluir cursos a fim de servir melhor ao Senhor e sua igreja. O uso da tecnologia permitiu que milhões de membros assistissem a essa formatura pela internet.

Nosso louvor nunca terá fim; nunca deixaremos de expressar nossa gratidão. Nosso único desejo é ser mais semelhantes a Cristo e servi-lo todos os dias. Por esse privilégio dizemos: “Grandes coisas o Senhor tem feito” e continua a fazer por sua igreja na Divisão Interamericana e ao redor do mundo. [Fonte: Adventist ReviewTradução: Cecília Eller Rodrigues

ASSISTA AO VÍDEO APRESENTADO PELA DIVISÃO INTERAMERICANA NA ASSEMBLEIA

Missão em meio aos desafios

Relatório apresentado por Bruno Vertallier, então presidente da Divisão Intereuropeia, no dia 6, destacou o uso da mídia de massa e das instituições de saúde na missão

relatorio-divisao-intereuropeia-foto-1

A cruz no centro do Congresso Europeu da Juventude, realizado em agosto de 2013, em Novi Sad, Sérvia.

Criada em 1971 a partir de territórios até então administrados pelas Divisões Central Europeia e Transmediterrânea, a Divisão Intereuropeia (EUD) supervisiona a obra da Igreja Adventista do Sétimo Dia em 20 países do centro, sul e leste da Europa.

A saúde assumiu o palco principal no Congresso de Saúde da EUD, realizado em Praga, em abril de 2013.

A saúde assumiu o palco principal no Congresso de Saúde da EUD, realizado em Praga, em abril de 2013.

Essa Divisão, destino do primeiro missionário adventista do sétimo dia, tem uma história que inclui um ex-padre, Michael Belina Czechowski, o qual se tornou adventista nos Estados Unidos e começou a pregar dos três anjos na Europa em 1864. Aliás, a congregação que ele organizou em Tramelan, em 1867, ficou conhecida como a igreja adventista mais antiga da Europa.

Foi na Europa que o cristianismo emergiu ao longo dos séculos; foi na Europa que o protestantismo nasceu. Hoje a Europa é secularizada. Mas embora as pessoas rejeitem o tradicionalismo e a institucionalização, elas anseiam por ouvir sobre Deus e sua Palavra.

De sua sede em Berna, na Suíça, a Divisão provê inspiração para seis Uniões e cinco Uniões de igrejas. Suas editoras na Áustria, Bulgária, República Tcheca, França, Alemanha, Itália, Romênia, Eslováquia, Espanha, Suíça e em Portugal publicam em 18 idiomas. As atividades vistas nessa Divisão são resultado do compromisso comum em cumprir a missão que Jesus ordenou 2 mil anos atrás: ir e fazer discípulos.

Projetos que identificam a Divisão Intereuropeia

Em essência, nossa Divisão é uma colcha de retalhos. Os idiomas, as culturas e as tradições de toda a região são muito diferentes. Por isso, é enorme o desafio de nossas igrejas se apresentarem para as pessoas de forma clara para elas. Todavia, enquanto a missão continua, temos o orgulho de apresentar a vocês algumas das experiências que aconteceram ao longo do último quinquênio.

Os membros da igreja são nossas melhores testemunhas e estão ávidos por aprender e ouvir histórias acerca de como a missão tem sido realizada em outros lugares. Bobbio Pellice, lugar bem conhecido no antigo território valdense (norte da Itália) e com uma forte história no cristianismo, foi escolhido para receber o programa “Seja Meu Discípulo”. Ted Wilson e sua esposa, Nancy, estiveram entre os convidados que incentivaram os membros a descobrir seu potencial para a missão.

relatorio-divisao-intereuropeia-foto-3

Os meios de comunicação desempenham um papel significativo na missão da Divisão Intereuropeia. Membros da equipe do programa Faith.Simple [Fé.Simples] durante a primeira série evangelística online em 2011. Crédito: EUD

A Convenção Interministérios em Rimini, no mar Adriático, foi uma oportunidade especial para os membros da igreja com sólido interesse em pregar o evangelho. Bill Knott, Ella Simmons, Willie e Elaine Oliver, servidores da Associação Geral, bem como os líderes de nossa Divisão, compartilharam experiências e mensagens para motivar os participantes. Grande parte do tempo de nossas reuniões foi dedicado à oração pela presença do Espírito Santo. O público foi desafiado a compartilhar a fé em países nos quais o secularismo e o pós-modernismo afetam a espiritualidade da população.

A distribuição do livro O Grande Conflito foi incentivada. Nossos membros receberam recomendações claras acerca de como apresentar a obra às pessoas da comunidade, explicando que alguns capítulos poderiam despertar questionamentos significativos na jornada religiosa dos leitores, uma vez que muitos na Europa têm um modo único de abordar as questões espirituais e costumam se mostrar relutantes quando suas crenças são desafiadas.

Nossas crianças, adolescentes e jovens encontraram formas criativas de expressar a fé. Acampamentos e congressos jovens, bem como outras reuniões, são ocasiões excelentes para compartilhar a fé, não só para os amigos da igreja, mas também para os colegas de fora. Como me sinto animado quando ouço o testemunho vivo deles!

Em nossa sociedade europeia, não é fácil convidar as pessoas para participar de conferências a fim de ouvir uma mensagem sobre Deus. Portanto, o evangelismo nos meios de comunicação é proeminente, permitindo que a mensagem entre nas casas por intermédio do rádio, da TV e de canais na internet. Por meio de emissoras de rádio e da TV Hope, temos uma ampla gama de meios para comunicar o evangelho a nossos conterrâneos. Cursos bíblicos, revistas e outras literaturas afins são desenvolvidos com um quê de praticidade ao contar a maravilhosa história do único Deus.

O Ministério de Relações Públicas existe para se relacionar com outros grupos religiosos e com as esferas mais elevadas de líderes mundiais. Nas universidades e na ONU têm havido diversas oportunidades de levar ao conhecimento das pessoas o engajamento de nossa igreja na área da liberdade de consciência. Em Genebra, sede europeia da ONU, nossa presença permite uma reflexão mais profunda sobre a defesa da liberdade religiosa e o respeito pelas minorias, qualquer que sejam as convicções religiosas individuais.

O envolvimento contínuo do Ministério da Mulher tem sido uma boa oportunidade para muitas adventistas encontrarem seu papel dentro da igreja. Causas como “Quebrando o silêncio”, campanha contra a violência doméstica dirigida às mulheres; “Flor do deserto”, campanha contra a mutilação genital feminina e o apoio médico e psicológico em nosso Hospital Waldfriede, em Berlim, têm dado à igreja a oportunidade de estar presente na arena pública. Esse envolvimento dá bons motivos para os jornalistas escreverem artigos positivos acerca das ações da Igreja Adventista.

Por meio do Ministério de Saúde, realizamos duas conferências mundiais sobre bem-estar, uma em Genebra e outra em Praga. Esses eventos, que se tornaram possíveis graças ao envolvimento de Peter Landless, Viriato Ferreira e Valerie Dufour, proporcionaram a oportunidade de trazer de volta à igreja o foco na mensagem adventista de saúde em sua totalidade. Ao apoiar a dimensão da saúde em nossa igreja na Divisão, demonstramos nossa gratidão pelo impacto que o Hospital Waldfriede, em Berlim, Alemanha, e a Clínica La Lignière, na Suíça, exercem sobre a comunidade na qual se encontram inseridos.

A Divisão Intereuropeia em números

De 2010 a 2015, a Divisão trabalhou na estabilização do crescimento de membros em seu território. Em 2010, havia 177.668 membros; ao fim de 2014, o total cresceu para 178.460, um crescimento líquido de 792 membros. Embora não seja um crescimento avassalador, somos gratos pela vida de cada pessoa que decidiu seguir a Cristo. Louvamos a Deus porque, ao longo dos últimos cinco anos, 19.936 pessoas se uniram à igreja pelo batismo; 20.530 foram transferidas para nosso território, ao passo que 21.458 se mudaram dele.

Os participantes do Congresso de Discipulado Infantil, em Florença, Itália, em 2014. Eles aprenderam que não há limite de idade para ser discípulo.

Os participantes do Congresso de Discipulado Infantil, em Florença, Itália, em 2014. Eles aprenderam que não há limite de idade para ser discípulo.

Durante o último quinquênio, a Divisão passou por um processo de reorganização. Em dezembro de 2011, os países africanos e asiáticos do território passaram a pertencer à recém-organizada União Norte-Africana Oriente Médio. Por causa disso, o nome da Divisão Euro-Africana mudou para Divisão Euroasiática (ainda reconhecida pela sigla EUD).

Por meio de estudos estatísticos e outros métodos de avaliação, as necessidades da igreja na Europa foram identificadas. Os programas para jovens e crianças, as iniciativas de saúde voltadas para as áreas de família e educação aumentaram significativamente a fim de atender essas necessidades.

Um forte aumento também foi registrado no número de jovens que dedicam tempo para o serviço voluntário na Europa e em outros países. Os missionários aposentados foram substituídos e outros começaram a servir nos campos missionários. Hoje os líderes e membros da igreja na Divisão são mais bem preparados e informados. Nossa oração é que o compromisso deles com Deus, sua igreja e sua missão também aumente.

Relatório da situação e do desenvolvimento financeiro da Divisão

O espírito de sacrifício que Cristo exemplificou na própria vida nos motiva a seguir seu exemplo. A fim de alcançar a população dos países da Divisão com a mensagem do amor de Deus e de sua segunda vinda, o total relativamente pequeno de membros precisa fazer enormes sacrifícios. Agradecemos a Deus o compromisso constante dos membros da igreja na Divisão para apoiar a missão da igreja com dízimos e ofertas.

Desde 2008, as consequências da crise financeira impactaram substancialmente a Igreja Adventista na Divisão. Apesar disso, durante o quinquênio, os dízimos cresceram 4%, o equivalente a quase 103 milhões de euros, que correspondem a 6% dos dízimos mundiais (com base em números de 2013).

Embora o dízimo de algumas Uniões tenha crescido até 18%, em outras, sobretudo na Itália, em Portugal e na Espanha, chegou a cair 16%. Somos gratos porque, com a ajuda de Deus, a Divisão tem conseguido ajudar as Uniões envolvidas a lidar com essa situação. Sabemos que a crise financeira não acabou e dependemos da orientação do Espírito Santo para nos ajudar a navegar através desses tempos difíceis.

Os membros da igreja na Divisão continuam a ver a missão como uma elevada prioridade. Embora representem apenas 1% do total de membros da igreja mundial, eles doam cerca de 10% das ofertas missionárias. Temos presenciado a redução de 5% nas ofertas mundiais per capita desde 2010.

relatorio-divisao-intereuropeia-foto-5

A ativista Waris Dirie na abertura do Centro Flor do Deserto no Hospital Waldfriede, em Berlim, Alemanha, em setembro de 2013. O centro presta suporte às vítimas da circuncisão feminina. Crédito: EUD

A Divisão tem a alegria de apoiar muitas iniciativas missionárias como a iCOR (Igreja de Refúgio), unidades de ação da Escola Sabatina, KID (Crianças em Discipulado), centros de influência e projetos missionários em nossas Uniões.

Há desafios financeiros para custear esses projetos e iniciativas, bem como o funcionamento de nossas muitas instituições, incluindo escolas, o Hope Channel, editoras e etc. A manutenção de oito seminários teológicos/universidades para um total de 178 mil membros é um forte sinal do compromisso de toda a Divisão com a educação superior e a formação teológica.

O mesmo pode ser dito em relação aos ministérios de publicações e meios de comunicação. Agradecemos a Deus por ter nos abençoado no passado com um modo especial de conservar e avançar nossa missão a fim de alcançar as pessoas da Europa com o evangelho usando todos os meios disponíveis. Ainda assim, precisamos procurar constantemente oportunidades de usar os meios a nós confiados da maneira mais eficaz, a fim de sermos encontrados como mordomos fiéis do nosso Senhor.

Conclusão

A Divisão Intereuropeia enfrenta diversos desafios. São dificuldades reais. São graves e muitas. Não podem ser resolvidas com facilidade. Nossa Divisão se localiza no berço do secularismo, pós-modernismo e individualismo. A despeito dos números não atraentes e dos graves problemas, a Igreja Adventista está enfrentando, sem temor e com o apoio poderoso do Espírito Santo, as dificuldades representadas por uma densa selva de ideologias e religiões presentes no cenário cultural da Europa.

Em meio à desorientação, ao medo e à confusão, a Igreja Adventista faz ouvir sua voz em alto e bom som. Escolhemos a esperança em lugar do medo, a unidade de propósito em vez de conflitos e discórdias. Permanecemos fiéis aos mandamentos do Senhor e verdadeiros a nossos princípios bíblicos fundamentais.

Temos a esperança de que o Senhor continuará a abençoar sua igreja na Divisão e veremos feitos maravilhosos operados por seu poder.

Trabalhemos juntos e aguardemos ansiosos o agir de Deus em nosso favor, pois “há uma grande obra a ser feita em nosso tempo e não nos damos conta nem da metade daquilo que o Senhor está disposto a fazer por Seu povo” (Ellen G. White, Review and Herald, 4 de junho de 1889).

O Senhor abençoará nosso humilde compromisso e, desse período de escuridão, um dia mais claro surgirá. O Senhor Jesus certamente virá! [Fonte: Adventist ReviewTradução: Cecília Eller Nascimento]

Assista também à apresentação do relatório no vídeo abaixo

Declaração reafirma a confiança na Bíblia como revelação infalível e universal da vontade de Deus

Documento votado nesta segunda, dia 6, ressalta a relevância da Bíblia para qualquer tempo e cultura

declaracao-Biblia-homeAlém de eleições e ajustes no Manual da Igreja e nas crenças fundamentais dos adventistas, os quase 2.600 delegados que se reúnem em San Antonio, Texas, desde o dia 2, votaram hoje à tarde um documento que reafirma a confiança da igreja na Bíblia como revelação de Deus.

Basicamente, a declaração trata de quatro pontos: (1) reconhecimento de que a Bíblia é a infalível expressão da vontade de Deus; (2) reafirmação de que as Escrituras oferecem orientação para os dilemas intelectuais e éticos da atualidade, como a tentativa de redefinição do casamento; (3) reconhecimento de que a Bíblia tem relevância para qualquer tempo e cultura; e (4) compromisso de estimular o estudo diário das Escrituras, especialmente entre os novos conversos e mais jovens.

Até o próximo sábado, dia 11, os delegados estarão envolvidos em outros debates e decisões administrativas, doutrinárias e de aplicação prática para a denominação. Leia a seguir a declaração na íntegra.

RESOLUÇÃO SOBRE A BÍBLIA SAGRADA

Nós, delegados da assembleia da Associação Geral em San Antonio, Texas, reafirmamos nosso compromisso com a autoridade da Bíblia como a revelação infalível de Deus e de sua vontade. Nela, Deus revelou seu plano para redimir o mundo mediante a encarnação, vida, morte, ressurreição, ascensão e mediação de Jesus Cristo. Por ser um registro fidedigno dos atos de Deus na história desde a criação até a nova criação, repleto de instruções doutrinárias e éticas, as Escrituras moldam a experiência intelectual e prática dos cristãos.

Reconhecemos que as Escrituras oferecem uma perspectiva divina para avaliar os desafios intelectuais e éticos do mundo contemporâneo. Considerando as redefinições atuais de instituições estabelecidas por Deus, como o casamento, por exemplo, o compromisso com a revelação escrita de Deus permanece mais necessário do que nunca. Somente a cosmovisão bíblica de um Deus amoroso que batalha para redimir a criação do pecado e do mal provê uma estrutura coerente para a compreensão da realidade e para a obediência à lei de Deus.

Reafirmamos que, em meio à desesperança e ao relativismo do mundo contemporâneo, a Bíblia apresenta uma mensagem de esperança e certeza que transcende tempo e cultura. As Escrituras dão a certeza de que, em Jesus, nossos pecados foram perdoados e a morte foi derrotada. As Escrituras também anunciam que ele logo voltará para dar fim ao pecado e recriar o mundo. Enquanto aguardamos a consumação de todas as coisas, a Bíblia nos chama a ter uma vida santa e a nos tornar arautos do evangelho eterno, aproveitando cada oportunidade e todos os recursos para anunciar as boas-novas por palavras e ações.

Considerando a importância das Escrituras, os benefícios de seu estudo para a igreja e os desafios impostos pelo mundo contemporâneo, os delegados da Associação Geral, em assembleia, apelam a todos os adventistas do sétimo dia que leiam e estudem a Bíblia todos os dias, em atitude de oração. Além disso, por causa dos desafios especiais enfrentados por novos conversos e jovens, insistimos para que cada cristão busque maneiras de compartilhar a Bíblia com esses grupos de maneira especial e promova a confiança deles na autoridade das Escrituras. Também apelamos aos pastores e pregadores que baseiem seus sermões no texto bíblico e transformem cada sermão em uma oportunidade para exaltar a autoridade e a relevância da Palavra de Deus.

Que mostremos a beleza, o amor e a graça de nosso Senhor Jesus Cristo revelada nas Escrituras. Que nossos pensamentos e ações estejam de acordo com a esperança bíblica do breve retorno de Jesus, nosso Senhor. [Wendel Lima, equipe RA]

Quem mexeu em nossas doutrinas?

Teólogo explica a necessidade de periodicamente a igreja revisar sua declaração de crenças

Mudanças editoriais nas crenças adventistas, que estão sendo votadas pela assembleia em San Antonio, foram propostas durante o Concílio Anual realizado nos Estados Unidos no ano passado. Foto: Ansel Oliver

Mudanças editoriais nas crenças adventistas, discutidas na assembleia em San Antonio, foram propostas durante o Concílio Anual realizado na sede mundial da igreja no ano passado. Foto: Ansel Oliver

Um dos importantes itens da agenda da assembleia mundial em San Antonio (EUA) é a revisão da declaração de crenças fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia, cuja publicação em português se intitula Nisto Cremos. Algumas das 28 crenças fundamentais que figuram nesse livro foram objeto de discussão na manhã e tarde de hoje, dia 6. As revisões mais importantes, porém, ocorreram em duas crenças: “A Criação” (nº 6) e “Matrimônio e Família” (nº 23).

É possível que você, se for um adventista, tenha se incomodado com a ideia de que a assembleia poderia estar votando a “mudança das doutrinas da igreja”. Embora essa inquietação seja justificável num primeiro momento, ao você entender como se dá esse processo, poderá constatar a seriedade com que a Igreja Adventista lida com as verdades bíblicas e confirmar sua confiança na Palavra de Deus. Para tanto, é preciso responder a duas perguntas: (1) o que é uma crença?; e (2) o que é uma declaração de crenças? Espero, ao fim desse artigo, ter explicado também se uma crença e uma declaração de crença podem mudar.

Pode uma crença mudar?

No contexto cristão, crença pode ser definida como a convicção ou compreensão acerca da realidade, a partir das “lentes” oferecidas pela Bíblia. Nesse sentido, doutrinas se referem à uma determinada realidade descrita pela Bíblia, como o conceito que temos sobre Deus, a criação, o grande conflito e a lei. É importante também fazer uma distinção entre a realidade em si e a compreensão acerca dela. A primeira é sempre mais profunda e abrangente do que a segunda. Ou seja, na medida em que estudamos as Escrituras, nós adquirimos uma compreensão cada vez mais ampla das verdades bíblicas, mas a realidade delas ainda vai muito além da nossa compreensão. Por isso, dizemos que nosso entendimento é parcial e progressivo.

Ao ler a Bíblia, é possível perceber como Deus lida com esse processo de progressão cognitiva dos seres humanos na compreensão de realidades espirituais, um processo tanto do desenvolvimento de indivíduos, quanto de um desenvolvimento histórico. Jesus, por exemplo, não informou os discípulos acerca de coisas que eles ainda não podiam “suportar” ou entender (Jo 16:12). Nova luz viria com o tempo por influência do Espírito Santo (Jo 16:13). Num contexto mais amplo, histórico, temos o exemplo das profecias dadas para Daniel, que seriam compreendias apenas em certa época (Dn 8:26-27; 12:4, 8-9). Desse modo, o próprio Daniel não foi capaz de entender plenamente o significado da revelação que ele recebeu. Nesse caso, é possível falar não apenas de uma revelação progressiva, mas também de uma compreensão progressiva (o conhecimento profético se multiplicaria no tempo do fim de acordo com Daniel 12:4) acerca das realidades espirituais.

Portanto, uma crença não se refere a um “produto final” ou credo imutável. Elas tratam de realidades cuja a compreensão humana ainda não esgotou. Isso significaria que uma crença pode ser revisada? Sim, na medida em que haja uma compreensão mais ampla das realidades espirituais, derivada do estudo das Escrituras. Note que uma compreensão mais ampla não requer a rejeição do conhecimento prévio. Antes, a ampliação pressupõe a presença de um conhecimento anterior que passa a se conectar com outras ideias que dão mais profundidade a esse conhecimento. Pense, por exemplo, na ampliação que Jesus ofereceu da compreensão da lei mosaica no sermão da montanha (Mt 5:21-48). Essa ampliação não contraria a revelação do Antigo Testamento, mas demonstra que sua aplicação é bem mais abrangente que a compreensão oferecida pelos líderes religiosos daquela época.

Pode uma declaração de crença mudar?

No entanto, existe outro elemento que precisa ser considerado. A declaração ou expressão de crenças. Uma crença pode ser expressada em diferente formas, ênfases ou estilos. Se existe distinção entre a realidade crida e a crença, o mesmo ocorre entre a crença e sua expressão. Um quadro geral da sequência dessas distinções seria: (1) realidade – (2) crença – (3) declaração. Em outras palavras, a crença não é a compreensão final e definitiva da realidade, assim como a declaração não é a expressão final e definitiva da crença. As limitações de uma declaração de crença estão relacionadas ao caráter dinâmico da linguagem, ou seja, as palavras e expressões ganham novo sentido com o tempo.

E se uma declaração de crença não é clara e inteligível, acaba distorcendo a mensagem original ou não comunicando nada. Logo, ela perde sua utilidade, pois acaba não sendo compreendida pelos membros (público interno), nem pelos que não são adventistas (público externo), mas desejam conhecer as doutrinas da igreja por meio de uma fonte confiável e oficial. Para quem pesquisa com seriedade o que acreditamos, um material como esse pode ajudar a minimizar ou a evitar a má compreensão sobre nossas crenças.

Tendo em vista a importante função de uma declaração de crenças, a editora adventista de Battle Creek, Michigan, publicou em 1872 uma “sinopse de nossa fé” em 25 proposições. Revisado e ampliado para 28 proposições, esse documento apareceu no Yearbook denominacional em 1889. Uma declaração de 22 doutrinas fundamentais foi impressa no Yearbook de 1931. E em 1980, a assembleia mundial em Dallas votou um sumário mais abrangente de 27 crenças fundamentais. Esse sumário corresponde ao texto atual do Nisto Cremos, com a adição da crença “Crescendo em Cristo”, aprovada em St. Louis, em 2005 (veja a introdução do Nisto Cremos).

Em realidade, essas revisões da expressão do pensamento doutrinário adventista em 1872, 1889, 1931, 1980 e 2005 não representam uma mudança na crença, mas ajustes na declaração que resume e sistematiza o que acreditamos. Essas mudanças vão desde ajustes editoriais até a inclusão de uma ou mais crenças, que em sua essência não eram novas para a igreja.

A denominação entende que revisões das declarações de crença podem ser esperadas “numa assembleia da Associação Geral, quando a igreja é levada pelo Espírito Santo a uma compreensão mais completa da verdade bíblica ou encontra melhor linguagem para expressar os ensinos da Santa Palavra de Deus.” (Nisto Cremos, p. 4, grifos acrescentados). Perceba que essa citação contempla dois tipos de revisão: da crença (no caso de uma compreensão mais ampla) e da expressão ou declaração da crença (no caso de uma linguagem mais adequada).

Em geral, as revisões adotadas se referem mais ao segundo tipo, como foi o caso das revisões aprovadas hoje em San Antonio. A igreja não mudou sua compreensão doutrinária. Contudo, na sociedade atual, visões seculares com respeito à origem do universo e à natureza do matrimônio têm penetrado vários círculos religiosos, que passam a utilizar uma linguagem doutrinária mais geral (e até mesmo ambígua) para acomodar essas visões. Em absoluto contraste a essa tendência, a sugestão de revisão da declaração das crenças fundamentais 6 e 23 teve o objetivo de imprimir uma linguagem mais clara e explícita que reflita de forma inequívoca a compreensão bíblica adventista: de que a semana da criação foi real/literal e de que o matrimônio é entre homem e mulher. Portanto, em vez de se tratar de mudança de conteúdo, a revisão foi um ajuste de redação a fim de tornar mais claro o que a igreja sempre acreditou.

Adriani Milli é professor de Teologia no Unasp e aluno do Ph.D. em Teologia Sistemática na Universidade Andrews (EUA)

Em mais um dia de eleições, assembleia define líderes da Associação Geral e divisões

A assembleia mundial da igreja nomeou nesta segunda-feira, 6 de julho, os líderes que atuarão como vice-presidentes da Associação Geral. Uma das mudanças mais significativas foi a redução do número de líderes para a função. Em vez de 9, agora serão apenas 6 vice-presidentes, seguindo o modelo que era adotado pela igreja até 1990. O que justifica a mudança, segundo explicou o pastor Ted Wilson, é ao fato de que algumas instituições não mais estarão sob supervisão da Associação Geral. No quadro de diretores de departamentos houve poucas alterações. Dos 12 departamentais votados até agora, apenas dois são novos na função: Ganoune Diop, que substitui John Graz, e Duane Mckey, que substitui Jonathan Kuntaraff.

Além dos nomes votados para essas funções, o plenário da assembleia também nomeou um brasileiro e um chileno para a equipe da Associação Geral: Gerson Santos, como secretário associado, e Magdiel Perez, atual secretário da Divisão Sul-Americana, que exercerá a função de assessor especial do presidente da Associação Geral.

A agenda do dia contemplou ainda a definição dos presidentes das 13 divisões. Seis deles permanecem no cargo. Entre os reeleitos está o presidente da Divisão Sul-Americana, pastor Erton Köhler (confira aqui a entrevista concedida à Revista Adventista após a reeleição).

Confira abaixo a relação dos líderes eleitos nesta segunda-feira:

Vice-presidentes da Associação Geral

os-6-vice-presidentes-no-palco-da-assembleia

Número de vice-presidentes caiu de 9 para 6. Mudança se deve ao fato de que algumas instituições não mais estarão vinculadas à Associação Geral. Foto: Adventist Review

Artur Stele (reeleito)

Abner De Los Santos

Ella Simmons (reeleita)

Geoffrey Gabriel Mbwana (reeleito)

Guillermo Biaggi

Thomas Lemon

Diretores de departamentos da Associação Geral

os 12 diretores de departamentos eleitos

Até agora foram eleitos 12 dos 15 diretores de departamentos. Foto: Adventist Review

Ministério de Capelania – Mario Ceballos (reeleito)

Ministério da Criança – Linda Mei Lin Koh (reeleita)

Comunicação – Williams Costa Jr. (reeleito)

Educação – Lisa Beardsley-Hardy (reeleita)

Ministério da Família – Willie Oliver (diretor) e Elaine Oliver (diretora associada) – reeleitos

Ministério da Saúde – Peter Landless (reeleito)

Associação Ministerial – Jerry Page (secretário) e Janet Page (secretária associada) – reeleitos

Relações Públicas e Liberdade Religiosa – Ganoune Diop (substitui John Graz)

Ministério Pessoal – Duane Mckey (substitui Jonathan Kuntaraff)

Ministério da Mulher – Heather-Dawn Small (reeleita)

Ministério Jovem – Gilbert Cangy (reeleito)

Auditoria – Paul Douglas (reeleito)

 

Presidentes das divisões

os-13-presidentes das divisoes no palco da assembleia

Dos 13 presidentes de divisões, 6 foram reeleitos. O pastor Erton Köhler foi um deles. Foto: Adventist Review

Divisão Centro-Leste Africana – Blasious Ruguri (reeleito)

Divisão Euro-Asiática – Michael Kaminski

Divisão Interamericana – Israel Leito (reeleito)

Divisão Norte-Americana – Daniel Jackson (reeleito)

Divisão do Pacífico Norte-Asiático – Jairyong Lee (reeleito)

Divisão Sul-Americana – Erton Kohler (reeleito)

Divisão do Sul do Pacífico – Glenn Townend

Divisão Sul-Africana Oceano Índico – Paul Ratsara (reeleito)

Divisão do Pacífico Sul-Asiático – Leonardo Asoy

Divisão Intereuropeia – Mario Brito

Divisão Centro-Oeste Africana – Elie Weick-Dido

Divisão Sul-Asiática – Ezras Lakra

Divisão Transeuropeia – Raafat Kamal (reeleito)


CONFIRA O QUADRO GERAL DE ELEIÇÕES DA ASSEMBLEIA

Novos desafios no velho continente

Pastor explica o que significa liderar igrejas multiétnicas na Europa, onde diferentes culturas e gerações convivem sob o mesmo teto

rickson1Nunca havia pensado em trabalhar no exterior. Na verdade, nem gostava da ideia. Porém, Deus tinha outros planos para mim. Fui tocado para viver essa experiência quando um amigo de quarto no internato me disse que estava indo para a África como missionário. Isso foi em 1997 e nunca mais voltei. Encontrei minha outra metade no campo missionário. Cláudia e eu fomos então tocados por Deus para seguirmos no campo missionário, só não sabíamos onde.

Chegamos à Suíça e pouco a pouco Deus nos mostrou que tinha planos para nós na Europa. Ambos terminamos nossos estudos em Teologia em Collonges-sous-Salève, na França, e trabalhamos sete anos em Paris, onde plantamos duas igrejas. Já estamos há quatro anos servindo na Suíça. Nossos filhos nasceram aqui e em todo esse período fomos apenas três vezes ao Brasil. Mesmo morando em um país desenvolvido, com grande qualidade de vida, somos missionários aqui. Foi por isso que somente em 2014 eu pude, finalmente, apresentar minha esposa e filhos para minha família, depois de 13 anos de casamento. Além do desafio financeiro, criar os filhos na Europa com os valores adventistas é muito mais complicado do que na África ou no Brasil.

Quanto ao evangelismo aqui com brasileiros, a questão não é simples. Primeiramente, porque nenhuma das 28 igrejas de fala portuguesa da Europa é exclusivamente brasileira. Em Genebra, por exemplo, existem muitos portugueses. Em Paris, por sua vez, há fortíssima presença de cabo-verdianos, enquanto em Zurique predominam os latino-americanos. Por isso, essas igrejas étnicas são chamadas de luso-brasileiras ou latinas. É o caso da minha congregação. Além de ter funções administrativas, lidero a Igreja Luso-Hispânica de Neuchâtel. Trata-se de uma pequena comunidade formada por sete nacionalidades (brasileiros, portugueses, colombianos, franceses, cubanos, suíços e venezuelanos) e onde o programa é realizado em três línguas.

rickson3Além da diversidade idiomática e cultural, o segundo desafio é o da tradição eclesiástica. Apesar de acreditarem nas mesmas doutrinas, os membros da minha congregação possuem vivências diferentes de igreja. Nesse contexto, coisas pequenas podem tornar-se debates teológicos acalorados. Soma-se a isso os hábitos eclesiásticos do adventismo europeu que, se for mais ao norte do continente, tende a ser mais “liberal”; enquanto no sul, a tendência é mais “conservadora” ou “tradicionalista”. Acredite, isso pode render uma boa dor de cabeça para um pastor!

A terceira peça na compreensão desse quebra-cabeça é o fator geracional. Os que chegaram adultos na Europa, a primeira geração, e ensinaram a língua portuguesa em casa para os filhos, vão esperar que o programa da igreja seja em português. Enquanto os que educaram os filhos apenas na língua local, vão ter outra expectativa. Mas esse não é o maior desafio quanto à idade. Muitos filhos da segunda geração de migrantes costumam não se identificar com o país de origem dos pais e, às vezes, o que é pior, nem com a igreja e os valores religiosos dos pais. Na melhor das hipóteses, eles participam de uma igreja nativa e, na pior delas, abandonam a fé.

A Igreja Adventista na Europa tem buscado alternativas para essa situação. Um culto na língua local dirigido pelos jovens ou em horário simultâneo ao dos adultos tem sido o caminho mais utilizado. Na verdade, estamos caminhando para ter igrejas de etnia brasileira, mas de fala francesa, alemã ou inglesa. Essa experiência tem sido realizada em Paris com jovens romenos. Se for positiva, poderá servir de modelo para outras congregações do continente.

O quarto e último desafio que percebo é quanto ao futuro do fluxo migratório. Se uma igreja étnica está recebendo constante número de imigrantes, a primeira geração, é provável que ela mantenha características muito semelhantes às da igreja do país do qual essas pessoas migraram. Porém, a situação no país de origem se torna mais vantajosa do que na Europa. A tendência é essa comunidade enfraquecer ou fechar. Essa foi a experiência de uma igreja de imigrantes iugoslavos em Paris. Sem novas pessoas migrando para a região, uma congregação étnica tende a envelhecer e a perder sua segunda e terceira gerações para as igrejas nativas. Por isso, o desafio é a transmissão de valores de uma geração para outra, de modo que, ainda que o estilo da igreja mude, a fé seja mantida.

Concluo dizendo que não é fácil sair do Brasil para viver o adventismo no exterior. Muitas vezes, as pessoas não pensam nas consequências dessa decisão em longo prazo. É claro que a riqueza cultural e a estabilidade político-financeira que os países europeus podem oferecer são muito boas, porém, tem que se pesar os prós e contras. E é nesse contexto que os pastores brasileiros, como missionários, procuram fazer a diferença. Nossas famílias sofrem muito, o trabalho é desgastante e mesmo que você esteja no primeiro mundo, financeiramente você acaba vivendo à margem de uma sociedade nada espiritual.

Por isso, quem trabalha aqui ou deseja vir para cá, precisa ter claro na mente o amor pela missão. Se isso está bem resolvido para o pastor e sua família, os desafios podem ser vencidos, porque eles sabem a quem servem e por que servem. Por favor, ore pelo ministério adventista com imigrantes no lindo continente europeu!

Rickson Nobre é secretário-executivo, diretor do departamento de comunicação e pastor de igreja na Associação Suíça de língua francesa e italiana.


 

Para saber+

Entrevista do pastor Rickson Nobre para a Revista Adventista de novembro de 2009

Conselho Europeu de Língua Portuguesa

Água e óleo

O evolucionismo teísta tenta misturar o que é impossível conciliar: Bíblia e evolução

origens

Mudanças editoriais na crença da criação foi um dos itens da agenda da assembleia mundial da igreja nesta segunda-feira, 6 de julho.

Num diálogo, é sempre mais cômodo concordar com o interlocutor. Às vezes, para evitar a discussão, há até quem “concorde” com aquilo de que discorda. Infelizmente, há muitos cristãos – e, mais infelizmente ainda, até mesmo adventistas do sétimo dia – optando por essa via fácil. A fim de evitar o debate, tentam misturar óleo e água, criando um simbionte aberrante; uma teoria que se compõe de péssima ciência com péssima teologia. E ela se chama evolucionismo teísta.

Mas, afinal de contas, por que não seria possível misturar a crença num Deus criador com a teoria da evolução? Por que não admitir que Deus possa ter criado a matéria por meio do Big Bang e dado início ao processo evolutivo? Simples, não? Na verdade, parece simples, mas não é.

Se partirmos da premissa de que Deus é o Criador, mas se utilizou de processos evolutivos para trazer a vida como a conhecemos à existência, a primeira a ser atingida por esse raciocínio “conciliatório” é a Bíblia. Vejamos por quê.

A Palavra de Deus deixa clara nossa responsabilidade diante do Criador. Mas se a espécie humana é o resultado final do acaso e da evolução através das eras cronológicas, temos nós qualquer responsabilidade diante de um poder mais elevado? De acordo com o Dr. Siegfried Schwantes (Colunas do Caráter, p. 205), “que estímulo há para se forjarem caracteres nobres e se praticarem atos heroicos numa filosofia que não reconhece outra lei que não a da selva, nem outra sanção que não a sobrevivência do mais forte?”

Se a espécie humana evoluiu, teria significado o importante conceito “todos são criados iguais”? E como a regra áurea “fazei aos outros o que quereis que vos façam” encontra significado na sociedade, se a “sobrevivência dos mais aptos” tem sido responsável por trazer a humanidade ao seu presente estado de inteligência superior? As duas ideias não parecem ser compatíveis.

Como se pode ver, a teologia bíblica é atingida bem no centro se rejeitarmos o relato da Criação. Importantíssimas doutrinas da Bíblia dependem desse relato. Por exemplo: a Bíblia afirma que a morte ocorreu como resultado do pecado (Gn 2). E na carta de Paulo aos Romanos, lemos que “por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte” (5:12). Mas a evolução ensina que a morte existiu desde o princípio, muito antes que houvesse um ser humano. Em outras palavras: a morte não é resultado do pecado.

Nesse caso, qual é o significado teológico da vida e da morte de Jesus? Paulo diz: “Como pela desobediência de um só homem [Adão] muitos se tornaram pecadores, assim também por meio da obediência de um só muitos se tornarão justos” (Rm 5:19). Por que precisamos de redenção e libertação? Se não houve um Jardim do Éden, com sua árvore da vida, qual é o futuro que Apocalipse 22 descreve para os remidos? Se as rochas da crosta terrestre já estivessem cheias de restos fossilizados de bilhões de animais, e mesmo de formas hominídeas que pareciam homens, então o próprio Deus é diretamente responsável por ter criado o sofrimento e a morte, não como julgamento pela rebelião, mas como fator integral da sua obra de criação e governo soberano. E isso significa caos teológico!

O quarto mandamento da lei de Deus diz: “Lembra-te do dia do sábado para o santificar, seis dias trabalharás e farás toda a tua obra, mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus […] porque em seis dias fez o Senhor os Céus e a Terra e o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado e o santificou” (Êx 20:8-11). Além de ser um mandamento e um sinal distintivo entre o Senhor e seu povo (Ez 20:20), o sábado comemora a obra criadora de Deus, em seis dias literais. Cristo confirmou esse mandamento guardando-o (Lc 4:16). A Bíblia assegura que na Nova Terra (Ap 21) também será observado o sábado (Is 66:23). Pela teoria evolucionista teríamos que ignorar também esse importante conceito bíblico que é uma evidência de nosso amor ao Criador (Jo 14:15), memorial da criação e selo de obediência e fidelidade a Deus.

Como se pode ver, evolução e criação é uma mistura impossível. A tentativa de conciliação (talvez para se evitar maiores discussões) acaba originando uma teoria amorfa e ilógica. A criação não pode ser provada em laboratório, é verdade. Mas a evolução biológica (especialmente a abiogênese) também não. No fundo, tudo é uma questão de fé. De minha parte, prefiro crer no Deus Criador Todo-poderoso, a crer no acaso e no tempo como fatores “desencadeadores” da vida.

Michelson Borges é jornalista, mestre em Teologia e editor da revista Vida e Saúde na CPB


Saiba +

Entenda o histórico da redação acerca da crença sobre a criação e por que os ajustes editoriais propostos reafirmam a rejeição da igreja ao evolucionismo teísta

Sentimento comum

Depois de ser marcado pela assembleia na Holanda, ele decidiu voltar nas reuniões seguintes

ra-1995-homeEm 1995, na condição de membro da igreja e visitante, acompanhei a 56ª Assembleia da Associação Geral em Utrecht, Holanda. Aquela experiência foi marcante e enriquecedora para mim, o que me motivou a estar presente nas sessões seguintes: Toronto (2000), St. Louis (2005), Atlanta (2010), e agora em San Antonio (2015). Em Utrecht, pude ver algumas coisas e entender um pouco melhor a abrangência das atividades da igreja, da qual sou membro há mais de 50 anos.

Primeiramente, destaco o conteúdo dos sermões durante aquele evento, que conclamaram os membros para compreender mais profundamente a missão da igreja e a necessidade urgente e individual de consagração e busca do poder do Espírito Santo, elementos essenciais de capacitação para a proclamação da mensagem do terceiro anjo (Ap 14:9-11). Recordo ainda a ênfase dada em três carências básicas da igreja: Bíblia (revelação), oração (comunhão) e testemunho (ação).

Naquela ocasião, ao ver o plenário formado pelos 2.321 delegados representando os adventistas espalhados em diferentes partes da Terra, fiéis que formam um organismo vivo e atuante em favor de uma mesma mensagem, fui levado a imaginar a primeira assembleia da igreja realizada em Battle Creek, Michigan. Foi em maio de 1863 que 20 delegados formaram o embrião de um movimento organizado que, sob o manto da bênção de Deus e sua especial orientação, haveria de crescer e se multiplicar de modo a congregar pessoas em todas as partes do mundo.

Durante os dias de reuniões, percebi também as grandes responsabilidades que pesam sobre os ombros dos líderes quando tratam dos delicados temas relacionados ao foco e à missão da igreja, seu crescimento e manutenção da unidade doutrinária.

Também fiquei impressionado ao ver a beleza e consistência da estrutura funcional de uma assembleia mundial, cujos trabalhos são conduzidos num processo de estrita ordem, sob a égide da representatividade e transparência.

Outra coisa que apreciei bastante foi a participação dos momentos de louvor juntamente com dezenas de milhares de pessoas de diferentes idiomas, culturas e trajes, mas que, por meio, da união de suas vozes formaram um grande coral, num espetáculo de rara beleza em que foi possível compartilhar o sentimento de que tínhamos a mesma fé e esperança.

Divonzir Ferelli é gerente das livrarias da CPB

Deus é fiel, suas promessas são certas

Leia o relatório financeiro apresentado pelo ex-tesoureiro mundial da igreja, Robert Lemon, referente aos últimos cinco anos

Foto: ANN

Segundo Roberto Lemon, que deixa o cargo para se aposentar, a igreja tem priorizado investimentos na chamada Janela 10/40. Foto: ANN

Desde que Wayne Hooper escreveu a letra e a melodia da música tema da assembleia da Associação Geral de 1962, “Oh! Que Esperança!” se tornou o hino favorito dos adventistas. Já tivemos outras músicas temas das assembleias mundiais ao longo dos anos, mas essa passou a fazer parte de todas das quais participei. A esperança no breve retorno de Jesus é o profundo anseio de todo cristão verdadeiro.

“Oh! Que esperança! Vibra em nosso ser. Pois aguardamos o Senhor. Fé possuímos que Jesus nos dá. Fé nas promessas que nos fez. Eis que o tempo logo vem e as nações aqui e além, bem alerta, vão cantar: Aleluia! Cristo é rei! Oh! Que esperança! Vibra em nosso ser. Pois aguardamos o Senhor.”

Desde seus primórdios, a Igreja Adventista do Sétimo Dia prega o breve retorno de Cristo. Nossa esperança não diminuiu. Estamos cinco anos mais perto do que quando nos encontramos em Atlanta para a assembleia da Associação Geral de 2010. Aqueles que são pais já devem ter ouvido os filhos perguntarem: “Já estamos chegando em casa?”. Nós, filhos de Deus, somos impacientes e, com frequência, perguntamos: “Já estamos chegando em casa?”

A resposta de Jesus se encontra na última parte de João 14:3: “Voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver” (NVI).

Deus é fiel, ele provê para sua igreja

Em nosso relatório para a assembleia da Associação Geral de 2010, louvamos ao Senhor por sua condução e observamos que, “depois de superar um dos períodos financeiros mais tumultuados dos últimos 75 anos, conseguimos ver com clareza a orientação divina e nos alegramos pela fidelidade de seus filhos”.

Este quinquênio foi de recuperação econômica, mas ainda vivemos neste mundo de incertezas. Mais uma vez, louvamos ao Senhor por ter abençoado e provido para sua igreja de maneira maravilhosa.

Dízimos e ofertas

Ao longo dos últimos cinco anos, os dízimos anuais ao redor do mundo cresceram 31%, de 1,85 bilhões de dólares em 2009 para 2,43 bilhões em 2014. As ofertas missionárias mundiais aumentaram 38% no último quinquênio, passando de 64,2 milhões de dólares em 2009 para 88,9 milhões em 2014. Em 2010, relatamos que, no período de 1975 a 2005, as ofertas missionárias mundiais, depois de permanecerem praticamente estáticas em torno de mais ou menos 50 milhões de dólares por ano, haviam alcançado 64 milhões em 2009, um aumento de 28%. Durante o mesmo período, 1975 a 2009, os dízimos cresceram de 398 milhões de dólares para 1,85 bilhões, um aumento de 365%. Neste quinquênio também testemunhamos um aumento substancial em ofertas missionárias das sedes administrativas (divisões) fora da América do Norte. No fim de 2014, as ofertas missionárias mundiais ultrapassaram 88,9 milhões de dólares. Louvamos ao Senhor por essa bênção! Nos últimos anos, tem havido uma mudança no padrão de doação, mais voltado para projetos, que têm estimulado o interesse em missões e sido uma bênção para essas áreas. Somos gratos a Deus por isso!

Mas um dos desafios de depender demais da doação para projetos é que a atenção dada a eles costuma ser curta. Quando surgem novas áreas de interesse, o apoio muda a ênfase, frequentemente deixando a organização local (quando há uma) sozinha para dar continuidade ao evangelismo sem recursos suficientes. Há casos em que se perde quase todo o progresso feito. A necessidade de um programa forte de ofertas missionárias que possa sustentar grandes iniciativas de longo prazo é cada vez mais importante ao nos concentrarmos na Janela 10/40. O aumento recente na doação de ofertas missionárias é de importância vital.

Dízimos extraordinários

Ao relembrarmos o grande tumulto financeiro de 2008 e 2009, só podemos louvar a Deus por sua bênção especial na forma de um grande total de dízimos extraordinários recebidos em 2007. Deus sabia que haveria necessidades especiais e proveu para elas sem nem mesmo pedirmos. Ele abençoou a fidelidade dos envolvidos e permitiu que novas iniciativas fossem empreendidas mesmo durante esse período econômico difícil.

A maioria dos recursos foi destinada às diversas iniciativas e projetos, muitos deles focalizando a Janela 10/40. Eles serão usados durante cinco a dez anos para espalhar o evangelho. O restante ainda não utilizado será empregado após a avaliação da viabilidade de longo prazo de tais iniciativas e projetos, sobretudo na Janela 10/40.

Uma vez que o total extraordinário de dízimos dificultaria a comparação com as informações financeiras de anos passados e futuros, estamos registrando esses dízimos e as despesas relacionadas a ele em separado das operações regulares, muito embora os números estejam combinados nas declarações financeiras auditadas.

grafico2

 

Entradas, gastos e patrimônio líquido da Associação Geral

Durante o quinquênio, o fundo operacional da Associação Geral (excluindo os dízimos extraordinários e recursos direcionados pelo doador) teve uma renda total (entrada e ganhos) de 1,075 bilhão de dólares e a despesa total de 999 milhões. O patrimônio líquido total do fundo operacional regular da Associação Geral (excluindo os dízimos extraordinários e recursos direcionados pelo doador) teve um aumento de 162 milhões de dólares para 246 milhões, e o capital de giro (excluindo os dízimos extraordinários), em 31 de dezembro de 2014, totalizava 224 milhões de dólares, 104% do montante recomendado nos Regulamentos Eclesiástico-Administrativos da Associação Geral.

Investimentos

A Associação Geral detém fundos e investe neles para uma série de propósitos. A comissão diretiva criou uma política que recomenda um nível mínimo de capital de giro. Esse montante corresponde a 45% da renda operacional irrestrita de um ano, ajudando a controlar oscilações temporárias na economia. Também auxilia a custear as necessidades de fluxo de caixa para verbas, salários e outras despesas mensais do orçamento, que devem ser pagas ao longo do ano, muito embora só recebamos a maior parte dos recursos no fim do ano.

A Associação Geral investe recursos alocados e restritos, delimitados pelos doadores e pela comissão diretiva, em projetos e iniciativas. Muitos deles se estendem ao longo de vários anos ou necessitam de tempo para ser concluídos. Além disso, a Associação Geral conta com fundo de doações, fundo de dízimos extraordinários, fundo de depreciação e fundos de crédito, acordos de renda vitalícia, doações de caridade, anuidades, etc., que necessitam de investimentos. Os fundos da Associação Geral costumam ser usados no ano em que são recebidos, mas alguns precisam ser mantidos por um tempo a fim de honrar alguns compromissos. O investimento em fundos da Associação Geral é feito de maneira conservadora.

Em janeiro de 2008, cerca de 87% dos fundos da Associação Geral correspondiam a investimentos de renda fixa (títulos e investimentos semelhantes) e 13% em ações. O declínio dos mercados financeiros em 2008 cobrou seu preço nos investimentos da Associação Geral, mas graças ao Senhor, entre 2008 e 2009, o retorno total dos investimentos (renda proveniente de lucros, dividendos etc., bem como os ganhos e as perdas acima ou abaixo do mercado em investimentos) da combinação de todos os fundos alcançou 4,4%.

Isso significa um aumento médio de cerca de 2,2% ao ano. Provavelmente o impacto mais duradouro da recessão tenha sido a mudança no nível dos lucros que indivíduos e organizações podem esperar dos investimentos. Em muitas partes do mundo, os investimentos (sem incluir as ações) costumavam proporcionar retorno de 5 a 7% com regularidade. Os números agora estão mais próximos de 1 a 3%. Isso exerceu grande impacto sobre os lucros em cima do capital de giro, aposentadoria e outros fundos.

 

grafico3

Efeito da flutuação da taxa de câmbio

As mudanças na taxa de câmbio sempre foram um desafio para organizações que trabalham com moedas diferentes. É difícil mostrar um retrato fiel dos dízimos e das ofertas ao redor do mundo, pois é possível que um aumento na moeda local apareça como diminuição quando convertido para dólares norte-americanos. É claro que os desafios não se limitam aos relatórios, mas também ao montante recebido de fato.

O orçamento da Associação Geral tem por base em dólares norte-americanos e suas verbas e compromissos financeiros são feitos principalmente nessa moeda. Ao planejar o orçamento do ano seguinte, precisamos presumir que as taxas de câmbio permanecerão relativamente estáveis. No entanto, se os dólares norte-americanos se fortalecem em relação a outras moedas importantes, isso significa que entrarão menos dólares na Associação Geral, mas aumentará o montante em moeda local para as organizações que receberem suas verbas em dólares norte-americanos.

Como as flutuações na economia nem sempre estão em harmonia com os momentos de recebimento de renda e de gastos, existe a necessidade de manter determinado nível de recursos à mão o tempo inteiro. Tais fundos são chamados de capital de giro. Dependendo da natureza da organização, a porcentagem da renda operacional anual necessária para operar com tranquilidade varia. Em 2002, 75% da renda recebida pela Associação Geral ainda provinha da Divisão Norte-Americana e cerca de 25% eram provenientes das outras Divisões, os quais eram sujeitos às flutuações nas taxas de câmbio. Em 2014, mais de 50% dos dízimos e das ofertas recebidos pela Associação Geral vieram de outras moedas que não o dólar norte-americano, estando sujeitos às flutuações.

O montante equivalente a 20% da renda anual irrestrita era considerado um nível adequado de capital de giro para a Associação Geral, mas a volatilidade muito maior da economia e das taxas de câmbio levou a Associação Geral a aumentar aos poucos essa porcentagem, chegando a 45% atualmente. Essa porcentagem está programada para aumentar 1% por ano até chegar a 50%. Isso permite à Associação Geral manter recursos suficientes para custear seus compromissos orçamentários mesmo com flutuações em suas entradas no curto prazo. Seria muito prejudicial para o trabalho ao redor do mundo se a Associação Geral precisasse cortar verbas no meio do ano depois que as divisões já fizeram compromissos contando com os recursos enviados pelo orçamento da Associação Geral.

O dólar norte-americano se fortaleceu substancialmente em 2014, até março de 2015, em relação a muitas das principais moedas do mundo. Isso reduziu o montante de dólares que entra na Associação Geral e, além de ter afetado 2014, terá um grande impacto sobre 2015 e é possível que posteriormente também. Apenas para colocar essa realidade em perspectiva, as seis moedas a seguir representam quase 70% das entradas da Associação Geral provenientes de fora dos Estados Unidos. Ao lado de cada uma delas, encontra-se listado o declínio percentual do valor da moeda em relação do dólar norte-americano entre janeiro de 2014 e março de 2015.

info-relatorio-tesouraria-4

Operações da AG durante 2014

Durante 2014, os dízimos e as ofertas missionárias que chegaram à Associação Geral foram 0,7% menores em comparação com o ano anterior, por causa da diminuição de 0,5% de dízimos da Divisão Norte-Americana. Esse decréscimo fez parte do ajuste programado de 8 para 6% de dízimos brutos. A despeito disso, a Associação Geral teve um aumento nos fundos operacionais (excetuando os dízimos extraordinários e os fundos direcionados pelo doador) de 7,8 milhões de dólares. Esse aumento foi resultado do funcionamento abaixo do orçamento previsto em várias das áreas principais e de ter sido levado em conta o decréscimo programado ao planejar o orçamento de 2014.

Durante o quinquênio

A Associação Geral continua a direcionar mais recursos para os territórios da Janela 10/40. As recomendações da Comissão de Revisão de Verbas de 2009 para o realinhamento das verbas e recursos missionários interdivisões foram colocadas em prática, dando mais ênfase à obra na região da Janela 10/40.

A Associação Geral começou a transição de um ajuste da porcentagem de dízimos da Divisão Norte-Americana para o orçamento da Associação Geral, envolvendo uma redução de 8 para 6% ao longo de determinado período. O índice atual de contribuição da Divisão Norte-Americana é de 7%, em comparação com 2% das outras divisões.

O canal de televisão Hope Channel foi estabelecido como uma instituição separada da Associação Geral em 2012. Antes disso, era um centro de custos dentro das declarações financeiras da Associação Geral.

A fim de atender com mais eficiência os aspectos de seleção, recursos humanos e logística dos missionários de status interdivisão, uma série de funções antes abordadas em separado pela secretaria e tesouraria foi combinada em uma área hoje conhecida como Recursos e Serviços Pessoais Internacionais.

A Associação Geral mantém o compromisso de reduzir ao mínimo o crescimento de sua equipe de funcionários a fim de permitir que o crescimento ocorra nos campos. Embora o total de membros tenha aumentado de 8,8 milhões em 1995 para 18,5 milhões em 2014, o número de funcionários da Associação Geral cresceu apenas de 282 para 288.

Deus é fiel, ele prometeu voltar

A serva do Senhor, Ellen White, escreveu: “Passando em revista nossa história, percorrendo todos os passos de nosso progresso até ao estado atual, posso dizer: ‘Louvado seja Deus!’ Quando vejo o que Deus tem executado, encho-me de admiração por Cristo e de confiança nEle como dirigente. Nada temos a recear quanto ao futuro, a não ser que nos esqueçamos do caminho pelo qual Deus nos tem conduzido” (Vida e Ensinos, p. 204).

Que emoção ela deve ter sentido ao ver como o Senhor nos tem conduzido. Nós também podemos dizer “louvado seja Deus” ao ver “o que Deus tem executado”. Sim, estamos chegando ao lar. Nossa oração é a mesma de João, o revelador: “Amém. Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22:20, NVI). [Fonte: Adventist Review / Tradução: Cecília Eller Nascimento]