Missão em meio aos desafios

Relatório apresentado por Bruno Vertallier, então presidente da Divisão Intereuropeia, no dia 6, destacou o uso da mídia de massa e das instituições de saúde na missão

relatorio-divisao-intereuropeia-foto-1

A cruz no centro do Congresso Europeu da Juventude, realizado em agosto de 2013, em Novi Sad, Sérvia.

Criada em 1971 a partir de territórios até então administrados pelas Divisões Central Europeia e Transmediterrânea, a Divisão Intereuropeia (EUD) supervisiona a obra da Igreja Adventista do Sétimo Dia em 20 países do centro, sul e leste da Europa.

A saúde assumiu o palco principal no Congresso de Saúde da EUD, realizado em Praga, em abril de 2013.

A saúde assumiu o palco principal no Congresso de Saúde da EUD, realizado em Praga, em abril de 2013.

Essa Divisão, destino do primeiro missionário adventista do sétimo dia, tem uma história que inclui um ex-padre, Michael Belina Czechowski, o qual se tornou adventista nos Estados Unidos e começou a pregar dos três anjos na Europa em 1864. Aliás, a congregação que ele organizou em Tramelan, em 1867, ficou conhecida como a igreja adventista mais antiga da Europa.

Foi na Europa que o cristianismo emergiu ao longo dos séculos; foi na Europa que o protestantismo nasceu. Hoje a Europa é secularizada. Mas embora as pessoas rejeitem o tradicionalismo e a institucionalização, elas anseiam por ouvir sobre Deus e sua Palavra.

De sua sede em Berna, na Suíça, a Divisão provê inspiração para seis Uniões e cinco Uniões de igrejas. Suas editoras na Áustria, Bulgária, República Tcheca, França, Alemanha, Itália, Romênia, Eslováquia, Espanha, Suíça e em Portugal publicam em 18 idiomas. As atividades vistas nessa Divisão são resultado do compromisso comum em cumprir a missão que Jesus ordenou 2 mil anos atrás: ir e fazer discípulos.

Projetos que identificam a Divisão Intereuropeia

Em essência, nossa Divisão é uma colcha de retalhos. Os idiomas, as culturas e as tradições de toda a região são muito diferentes. Por isso, é enorme o desafio de nossas igrejas se apresentarem para as pessoas de forma clara para elas. Todavia, enquanto a missão continua, temos o orgulho de apresentar a vocês algumas das experiências que aconteceram ao longo do último quinquênio.

Os membros da igreja são nossas melhores testemunhas e estão ávidos por aprender e ouvir histórias acerca de como a missão tem sido realizada em outros lugares. Bobbio Pellice, lugar bem conhecido no antigo território valdense (norte da Itália) e com uma forte história no cristianismo, foi escolhido para receber o programa “Seja Meu Discípulo”. Ted Wilson e sua esposa, Nancy, estiveram entre os convidados que incentivaram os membros a descobrir seu potencial para a missão.

relatorio-divisao-intereuropeia-foto-3

Os meios de comunicação desempenham um papel significativo na missão da Divisão Intereuropeia. Membros da equipe do programa Faith.Simple [Fé.Simples] durante a primeira série evangelística online em 2011. Crédito: EUD

A Convenção Interministérios em Rimini, no mar Adriático, foi uma oportunidade especial para os membros da igreja com sólido interesse em pregar o evangelho. Bill Knott, Ella Simmons, Willie e Elaine Oliver, servidores da Associação Geral, bem como os líderes de nossa Divisão, compartilharam experiências e mensagens para motivar os participantes. Grande parte do tempo de nossas reuniões foi dedicado à oração pela presença do Espírito Santo. O público foi desafiado a compartilhar a fé em países nos quais o secularismo e o pós-modernismo afetam a espiritualidade da população.

A distribuição do livro O Grande Conflito foi incentivada. Nossos membros receberam recomendações claras acerca de como apresentar a obra às pessoas da comunidade, explicando que alguns capítulos poderiam despertar questionamentos significativos na jornada religiosa dos leitores, uma vez que muitos na Europa têm um modo único de abordar as questões espirituais e costumam se mostrar relutantes quando suas crenças são desafiadas.

Nossas crianças, adolescentes e jovens encontraram formas criativas de expressar a fé. Acampamentos e congressos jovens, bem como outras reuniões, são ocasiões excelentes para compartilhar a fé, não só para os amigos da igreja, mas também para os colegas de fora. Como me sinto animado quando ouço o testemunho vivo deles!

Em nossa sociedade europeia, não é fácil convidar as pessoas para participar de conferências a fim de ouvir uma mensagem sobre Deus. Portanto, o evangelismo nos meios de comunicação é proeminente, permitindo que a mensagem entre nas casas por intermédio do rádio, da TV e de canais na internet. Por meio de emissoras de rádio e da TV Hope, temos uma ampla gama de meios para comunicar o evangelho a nossos conterrâneos. Cursos bíblicos, revistas e outras literaturas afins são desenvolvidos com um quê de praticidade ao contar a maravilhosa história do único Deus.

O Ministério de Relações Públicas existe para se relacionar com outros grupos religiosos e com as esferas mais elevadas de líderes mundiais. Nas universidades e na ONU têm havido diversas oportunidades de levar ao conhecimento das pessoas o engajamento de nossa igreja na área da liberdade de consciência. Em Genebra, sede europeia da ONU, nossa presença permite uma reflexão mais profunda sobre a defesa da liberdade religiosa e o respeito pelas minorias, qualquer que sejam as convicções religiosas individuais.

O envolvimento contínuo do Ministério da Mulher tem sido uma boa oportunidade para muitas adventistas encontrarem seu papel dentro da igreja. Causas como “Quebrando o silêncio”, campanha contra a violência doméstica dirigida às mulheres; “Flor do deserto”, campanha contra a mutilação genital feminina e o apoio médico e psicológico em nosso Hospital Waldfriede, em Berlim, têm dado à igreja a oportunidade de estar presente na arena pública. Esse envolvimento dá bons motivos para os jornalistas escreverem artigos positivos acerca das ações da Igreja Adventista.

Por meio do Ministério de Saúde, realizamos duas conferências mundiais sobre bem-estar, uma em Genebra e outra em Praga. Esses eventos, que se tornaram possíveis graças ao envolvimento de Peter Landless, Viriato Ferreira e Valerie Dufour, proporcionaram a oportunidade de trazer de volta à igreja o foco na mensagem adventista de saúde em sua totalidade. Ao apoiar a dimensão da saúde em nossa igreja na Divisão, demonstramos nossa gratidão pelo impacto que o Hospital Waldfriede, em Berlim, Alemanha, e a Clínica La Lignière, na Suíça, exercem sobre a comunidade na qual se encontram inseridos.

A Divisão Intereuropeia em números

De 2010 a 2015, a Divisão trabalhou na estabilização do crescimento de membros em seu território. Em 2010, havia 177.668 membros; ao fim de 2014, o total cresceu para 178.460, um crescimento líquido de 792 membros. Embora não seja um crescimento avassalador, somos gratos pela vida de cada pessoa que decidiu seguir a Cristo. Louvamos a Deus porque, ao longo dos últimos cinco anos, 19.936 pessoas se uniram à igreja pelo batismo; 20.530 foram transferidas para nosso território, ao passo que 21.458 se mudaram dele.

Os participantes do Congresso de Discipulado Infantil, em Florença, Itália, em 2014. Eles aprenderam que não há limite de idade para ser discípulo.

Os participantes do Congresso de Discipulado Infantil, em Florença, Itália, em 2014. Eles aprenderam que não há limite de idade para ser discípulo.

Durante o último quinquênio, a Divisão passou por um processo de reorganização. Em dezembro de 2011, os países africanos e asiáticos do território passaram a pertencer à recém-organizada União Norte-Africana Oriente Médio. Por causa disso, o nome da Divisão Euro-Africana mudou para Divisão Euroasiática (ainda reconhecida pela sigla EUD).

Por meio de estudos estatísticos e outros métodos de avaliação, as necessidades da igreja na Europa foram identificadas. Os programas para jovens e crianças, as iniciativas de saúde voltadas para as áreas de família e educação aumentaram significativamente a fim de atender essas necessidades.

Um forte aumento também foi registrado no número de jovens que dedicam tempo para o serviço voluntário na Europa e em outros países. Os missionários aposentados foram substituídos e outros começaram a servir nos campos missionários. Hoje os líderes e membros da igreja na Divisão são mais bem preparados e informados. Nossa oração é que o compromisso deles com Deus, sua igreja e sua missão também aumente.

Relatório da situação e do desenvolvimento financeiro da Divisão

O espírito de sacrifício que Cristo exemplificou na própria vida nos motiva a seguir seu exemplo. A fim de alcançar a população dos países da Divisão com a mensagem do amor de Deus e de sua segunda vinda, o total relativamente pequeno de membros precisa fazer enormes sacrifícios. Agradecemos a Deus o compromisso constante dos membros da igreja na Divisão para apoiar a missão da igreja com dízimos e ofertas.

Desde 2008, as consequências da crise financeira impactaram substancialmente a Igreja Adventista na Divisão. Apesar disso, durante o quinquênio, os dízimos cresceram 4%, o equivalente a quase 103 milhões de euros, que correspondem a 6% dos dízimos mundiais (com base em números de 2013).

Embora o dízimo de algumas Uniões tenha crescido até 18%, em outras, sobretudo na Itália, em Portugal e na Espanha, chegou a cair 16%. Somos gratos porque, com a ajuda de Deus, a Divisão tem conseguido ajudar as Uniões envolvidas a lidar com essa situação. Sabemos que a crise financeira não acabou e dependemos da orientação do Espírito Santo para nos ajudar a navegar através desses tempos difíceis.

Os membros da igreja na Divisão continuam a ver a missão como uma elevada prioridade. Embora representem apenas 1% do total de membros da igreja mundial, eles doam cerca de 10% das ofertas missionárias. Temos presenciado a redução de 5% nas ofertas mundiais per capita desde 2010.

relatorio-divisao-intereuropeia-foto-5

A ativista Waris Dirie na abertura do Centro Flor do Deserto no Hospital Waldfriede, em Berlim, Alemanha, em setembro de 2013. O centro presta suporte às vítimas da circuncisão feminina. Crédito: EUD

A Divisão tem a alegria de apoiar muitas iniciativas missionárias como a iCOR (Igreja de Refúgio), unidades de ação da Escola Sabatina, KID (Crianças em Discipulado), centros de influência e projetos missionários em nossas Uniões.

Há desafios financeiros para custear esses projetos e iniciativas, bem como o funcionamento de nossas muitas instituições, incluindo escolas, o Hope Channel, editoras e etc. A manutenção de oito seminários teológicos/universidades para um total de 178 mil membros é um forte sinal do compromisso de toda a Divisão com a educação superior e a formação teológica.

O mesmo pode ser dito em relação aos ministérios de publicações e meios de comunicação. Agradecemos a Deus por ter nos abençoado no passado com um modo especial de conservar e avançar nossa missão a fim de alcançar as pessoas da Europa com o evangelho usando todos os meios disponíveis. Ainda assim, precisamos procurar constantemente oportunidades de usar os meios a nós confiados da maneira mais eficaz, a fim de sermos encontrados como mordomos fiéis do nosso Senhor.

Conclusão

A Divisão Intereuropeia enfrenta diversos desafios. São dificuldades reais. São graves e muitas. Não podem ser resolvidas com facilidade. Nossa Divisão se localiza no berço do secularismo, pós-modernismo e individualismo. A despeito dos números não atraentes e dos graves problemas, a Igreja Adventista está enfrentando, sem temor e com o apoio poderoso do Espírito Santo, as dificuldades representadas por uma densa selva de ideologias e religiões presentes no cenário cultural da Europa.

Em meio à desorientação, ao medo e à confusão, a Igreja Adventista faz ouvir sua voz em alto e bom som. Escolhemos a esperança em lugar do medo, a unidade de propósito em vez de conflitos e discórdias. Permanecemos fiéis aos mandamentos do Senhor e verdadeiros a nossos princípios bíblicos fundamentais.

Temos a esperança de que o Senhor continuará a abençoar sua igreja na Divisão e veremos feitos maravilhosos operados por seu poder.

Trabalhemos juntos e aguardemos ansiosos o agir de Deus em nosso favor, pois “há uma grande obra a ser feita em nosso tempo e não nos damos conta nem da metade daquilo que o Senhor está disposto a fazer por Seu povo” (Ellen G. White, Review and Herald, 4 de junho de 1889).

O Senhor abençoará nosso humilde compromisso e, desse período de escuridão, um dia mais claro surgirá. O Senhor Jesus certamente virá! [Fonte: Adventist ReviewTradução: Cecília Eller Nascimento]

Assista também à apresentação do relatório no vídeo abaixo

Deus é fiel, suas promessas são certas

Leia o relatório financeiro apresentado pelo ex-tesoureiro mundial da igreja, Robert Lemon, referente aos últimos cinco anos

Foto: ANN

Segundo Roberto Lemon, que deixa o cargo para se aposentar, a igreja tem priorizado investimentos na chamada Janela 10/40. Foto: ANN

Desde que Wayne Hooper escreveu a letra e a melodia da música tema da assembleia da Associação Geral de 1962, “Oh! Que Esperança!” se tornou o hino favorito dos adventistas. Já tivemos outras músicas temas das assembleias mundiais ao longo dos anos, mas essa passou a fazer parte de todas das quais participei. A esperança no breve retorno de Jesus é o profundo anseio de todo cristão verdadeiro.

“Oh! Que esperança! Vibra em nosso ser. Pois aguardamos o Senhor. Fé possuímos que Jesus nos dá. Fé nas promessas que nos fez. Eis que o tempo logo vem e as nações aqui e além, bem alerta, vão cantar: Aleluia! Cristo é rei! Oh! Que esperança! Vibra em nosso ser. Pois aguardamos o Senhor.”

Desde seus primórdios, a Igreja Adventista do Sétimo Dia prega o breve retorno de Cristo. Nossa esperança não diminuiu. Estamos cinco anos mais perto do que quando nos encontramos em Atlanta para a assembleia da Associação Geral de 2010. Aqueles que são pais já devem ter ouvido os filhos perguntarem: “Já estamos chegando em casa?”. Nós, filhos de Deus, somos impacientes e, com frequência, perguntamos: “Já estamos chegando em casa?”

A resposta de Jesus se encontra na última parte de João 14:3: “Voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver” (NVI).

Deus é fiel, ele provê para sua igreja

Em nosso relatório para a assembleia da Associação Geral de 2010, louvamos ao Senhor por sua condução e observamos que, “depois de superar um dos períodos financeiros mais tumultuados dos últimos 75 anos, conseguimos ver com clareza a orientação divina e nos alegramos pela fidelidade de seus filhos”.

Este quinquênio foi de recuperação econômica, mas ainda vivemos neste mundo de incertezas. Mais uma vez, louvamos ao Senhor por ter abençoado e provido para sua igreja de maneira maravilhosa.

Dízimos e ofertas

Ao longo dos últimos cinco anos, os dízimos anuais ao redor do mundo cresceram 31%, de 1,85 bilhões de dólares em 2009 para 2,43 bilhões em 2014. As ofertas missionárias mundiais aumentaram 38% no último quinquênio, passando de 64,2 milhões de dólares em 2009 para 88,9 milhões em 2014. Em 2010, relatamos que, no período de 1975 a 2005, as ofertas missionárias mundiais, depois de permanecerem praticamente estáticas em torno de mais ou menos 50 milhões de dólares por ano, haviam alcançado 64 milhões em 2009, um aumento de 28%. Durante o mesmo período, 1975 a 2009, os dízimos cresceram de 398 milhões de dólares para 1,85 bilhões, um aumento de 365%. Neste quinquênio também testemunhamos um aumento substancial em ofertas missionárias das sedes administrativas (divisões) fora da América do Norte. No fim de 2014, as ofertas missionárias mundiais ultrapassaram 88,9 milhões de dólares. Louvamos ao Senhor por essa bênção! Nos últimos anos, tem havido uma mudança no padrão de doação, mais voltado para projetos, que têm estimulado o interesse em missões e sido uma bênção para essas áreas. Somos gratos a Deus por isso!

Mas um dos desafios de depender demais da doação para projetos é que a atenção dada a eles costuma ser curta. Quando surgem novas áreas de interesse, o apoio muda a ênfase, frequentemente deixando a organização local (quando há uma) sozinha para dar continuidade ao evangelismo sem recursos suficientes. Há casos em que se perde quase todo o progresso feito. A necessidade de um programa forte de ofertas missionárias que possa sustentar grandes iniciativas de longo prazo é cada vez mais importante ao nos concentrarmos na Janela 10/40. O aumento recente na doação de ofertas missionárias é de importância vital.

Dízimos extraordinários

Ao relembrarmos o grande tumulto financeiro de 2008 e 2009, só podemos louvar a Deus por sua bênção especial na forma de um grande total de dízimos extraordinários recebidos em 2007. Deus sabia que haveria necessidades especiais e proveu para elas sem nem mesmo pedirmos. Ele abençoou a fidelidade dos envolvidos e permitiu que novas iniciativas fossem empreendidas mesmo durante esse período econômico difícil.

A maioria dos recursos foi destinada às diversas iniciativas e projetos, muitos deles focalizando a Janela 10/40. Eles serão usados durante cinco a dez anos para espalhar o evangelho. O restante ainda não utilizado será empregado após a avaliação da viabilidade de longo prazo de tais iniciativas e projetos, sobretudo na Janela 10/40.

Uma vez que o total extraordinário de dízimos dificultaria a comparação com as informações financeiras de anos passados e futuros, estamos registrando esses dízimos e as despesas relacionadas a ele em separado das operações regulares, muito embora os números estejam combinados nas declarações financeiras auditadas.

grafico2

 

Entradas, gastos e patrimônio líquido da Associação Geral

Durante o quinquênio, o fundo operacional da Associação Geral (excluindo os dízimos extraordinários e recursos direcionados pelo doador) teve uma renda total (entrada e ganhos) de 1,075 bilhão de dólares e a despesa total de 999 milhões. O patrimônio líquido total do fundo operacional regular da Associação Geral (excluindo os dízimos extraordinários e recursos direcionados pelo doador) teve um aumento de 162 milhões de dólares para 246 milhões, e o capital de giro (excluindo os dízimos extraordinários), em 31 de dezembro de 2014, totalizava 224 milhões de dólares, 104% do montante recomendado nos Regulamentos Eclesiástico-Administrativos da Associação Geral.

Investimentos

A Associação Geral detém fundos e investe neles para uma série de propósitos. A comissão diretiva criou uma política que recomenda um nível mínimo de capital de giro. Esse montante corresponde a 45% da renda operacional irrestrita de um ano, ajudando a controlar oscilações temporárias na economia. Também auxilia a custear as necessidades de fluxo de caixa para verbas, salários e outras despesas mensais do orçamento, que devem ser pagas ao longo do ano, muito embora só recebamos a maior parte dos recursos no fim do ano.

A Associação Geral investe recursos alocados e restritos, delimitados pelos doadores e pela comissão diretiva, em projetos e iniciativas. Muitos deles se estendem ao longo de vários anos ou necessitam de tempo para ser concluídos. Além disso, a Associação Geral conta com fundo de doações, fundo de dízimos extraordinários, fundo de depreciação e fundos de crédito, acordos de renda vitalícia, doações de caridade, anuidades, etc., que necessitam de investimentos. Os fundos da Associação Geral costumam ser usados no ano em que são recebidos, mas alguns precisam ser mantidos por um tempo a fim de honrar alguns compromissos. O investimento em fundos da Associação Geral é feito de maneira conservadora.

Em janeiro de 2008, cerca de 87% dos fundos da Associação Geral correspondiam a investimentos de renda fixa (títulos e investimentos semelhantes) e 13% em ações. O declínio dos mercados financeiros em 2008 cobrou seu preço nos investimentos da Associação Geral, mas graças ao Senhor, entre 2008 e 2009, o retorno total dos investimentos (renda proveniente de lucros, dividendos etc., bem como os ganhos e as perdas acima ou abaixo do mercado em investimentos) da combinação de todos os fundos alcançou 4,4%.

Isso significa um aumento médio de cerca de 2,2% ao ano. Provavelmente o impacto mais duradouro da recessão tenha sido a mudança no nível dos lucros que indivíduos e organizações podem esperar dos investimentos. Em muitas partes do mundo, os investimentos (sem incluir as ações) costumavam proporcionar retorno de 5 a 7% com regularidade. Os números agora estão mais próximos de 1 a 3%. Isso exerceu grande impacto sobre os lucros em cima do capital de giro, aposentadoria e outros fundos.

 

grafico3

Efeito da flutuação da taxa de câmbio

As mudanças na taxa de câmbio sempre foram um desafio para organizações que trabalham com moedas diferentes. É difícil mostrar um retrato fiel dos dízimos e das ofertas ao redor do mundo, pois é possível que um aumento na moeda local apareça como diminuição quando convertido para dólares norte-americanos. É claro que os desafios não se limitam aos relatórios, mas também ao montante recebido de fato.

O orçamento da Associação Geral tem por base em dólares norte-americanos e suas verbas e compromissos financeiros são feitos principalmente nessa moeda. Ao planejar o orçamento do ano seguinte, precisamos presumir que as taxas de câmbio permanecerão relativamente estáveis. No entanto, se os dólares norte-americanos se fortalecem em relação a outras moedas importantes, isso significa que entrarão menos dólares na Associação Geral, mas aumentará o montante em moeda local para as organizações que receberem suas verbas em dólares norte-americanos.

Como as flutuações na economia nem sempre estão em harmonia com os momentos de recebimento de renda e de gastos, existe a necessidade de manter determinado nível de recursos à mão o tempo inteiro. Tais fundos são chamados de capital de giro. Dependendo da natureza da organização, a porcentagem da renda operacional anual necessária para operar com tranquilidade varia. Em 2002, 75% da renda recebida pela Associação Geral ainda provinha da Divisão Norte-Americana e cerca de 25% eram provenientes das outras Divisões, os quais eram sujeitos às flutuações nas taxas de câmbio. Em 2014, mais de 50% dos dízimos e das ofertas recebidos pela Associação Geral vieram de outras moedas que não o dólar norte-americano, estando sujeitos às flutuações.

O montante equivalente a 20% da renda anual irrestrita era considerado um nível adequado de capital de giro para a Associação Geral, mas a volatilidade muito maior da economia e das taxas de câmbio levou a Associação Geral a aumentar aos poucos essa porcentagem, chegando a 45% atualmente. Essa porcentagem está programada para aumentar 1% por ano até chegar a 50%. Isso permite à Associação Geral manter recursos suficientes para custear seus compromissos orçamentários mesmo com flutuações em suas entradas no curto prazo. Seria muito prejudicial para o trabalho ao redor do mundo se a Associação Geral precisasse cortar verbas no meio do ano depois que as divisões já fizeram compromissos contando com os recursos enviados pelo orçamento da Associação Geral.

O dólar norte-americano se fortaleceu substancialmente em 2014, até março de 2015, em relação a muitas das principais moedas do mundo. Isso reduziu o montante de dólares que entra na Associação Geral e, além de ter afetado 2014, terá um grande impacto sobre 2015 e é possível que posteriormente também. Apenas para colocar essa realidade em perspectiva, as seis moedas a seguir representam quase 70% das entradas da Associação Geral provenientes de fora dos Estados Unidos. Ao lado de cada uma delas, encontra-se listado o declínio percentual do valor da moeda em relação do dólar norte-americano entre janeiro de 2014 e março de 2015.

info-relatorio-tesouraria-4

Operações da AG durante 2014

Durante 2014, os dízimos e as ofertas missionárias que chegaram à Associação Geral foram 0,7% menores em comparação com o ano anterior, por causa da diminuição de 0,5% de dízimos da Divisão Norte-Americana. Esse decréscimo fez parte do ajuste programado de 8 para 6% de dízimos brutos. A despeito disso, a Associação Geral teve um aumento nos fundos operacionais (excetuando os dízimos extraordinários e os fundos direcionados pelo doador) de 7,8 milhões de dólares. Esse aumento foi resultado do funcionamento abaixo do orçamento previsto em várias das áreas principais e de ter sido levado em conta o decréscimo programado ao planejar o orçamento de 2014.

Durante o quinquênio

A Associação Geral continua a direcionar mais recursos para os territórios da Janela 10/40. As recomendações da Comissão de Revisão de Verbas de 2009 para o realinhamento das verbas e recursos missionários interdivisões foram colocadas em prática, dando mais ênfase à obra na região da Janela 10/40.

A Associação Geral começou a transição de um ajuste da porcentagem de dízimos da Divisão Norte-Americana para o orçamento da Associação Geral, envolvendo uma redução de 8 para 6% ao longo de determinado período. O índice atual de contribuição da Divisão Norte-Americana é de 7%, em comparação com 2% das outras divisões.

O canal de televisão Hope Channel foi estabelecido como uma instituição separada da Associação Geral em 2012. Antes disso, era um centro de custos dentro das declarações financeiras da Associação Geral.

A fim de atender com mais eficiência os aspectos de seleção, recursos humanos e logística dos missionários de status interdivisão, uma série de funções antes abordadas em separado pela secretaria e tesouraria foi combinada em uma área hoje conhecida como Recursos e Serviços Pessoais Internacionais.

A Associação Geral mantém o compromisso de reduzir ao mínimo o crescimento de sua equipe de funcionários a fim de permitir que o crescimento ocorra nos campos. Embora o total de membros tenha aumentado de 8,8 milhões em 1995 para 18,5 milhões em 2014, o número de funcionários da Associação Geral cresceu apenas de 282 para 288.

Deus é fiel, ele prometeu voltar

A serva do Senhor, Ellen White, escreveu: “Passando em revista nossa história, percorrendo todos os passos de nosso progresso até ao estado atual, posso dizer: ‘Louvado seja Deus!’ Quando vejo o que Deus tem executado, encho-me de admiração por Cristo e de confiança nEle como dirigente. Nada temos a recear quanto ao futuro, a não ser que nos esqueçamos do caminho pelo qual Deus nos tem conduzido” (Vida e Ensinos, p. 204).

Que emoção ela deve ter sentido ao ver como o Senhor nos tem conduzido. Nós também podemos dizer “louvado seja Deus” ao ver “o que Deus tem executado”. Sim, estamos chegando ao lar. Nossa oração é a mesma de João, o revelador: “Amém. Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22:20, NVI). [Fonte: Adventist Review / Tradução: Cecília Eller Nascimento]

Cinco anos na Ucrânia

Nas terras geladas do leste europeu, pioneiro da TV adventista conta como Deus derreteu corações

jonatanEm 2008, fui surpreendido com um convite para trabalhar na Divisão Euro-Asiática da Igreja Adventista. Confesso que nunca havia pensado em trabalhar fora do Brasil. Foi por isso que nos reunimos em família e, depois de orarmos, disse para minha esposa: “se aceitarmos esse chamado, vamos ver e viver coisas que nunca imaginamos e ter uma experiência única.”

Aceitamos o desafio, e no dia 17 de novembro de 2009 chegamos em Kiev, capital da Ucrânia. Embora tenha procurado me informar sobre o país, não sabia muita coisa sobre a região. Assim que chegamos, passamos a trabalhar para transmitir ao vivo uma grande série evangelística a partir da Moldávia. Seria a primeira transmissão ao vivo de uma igreja evangélica naquele país.

Para começar, já foi uma aventura apenas levar os equipamentos da Ucrânia para a Moldávia. Em certa noite, debaixo de muita neve, chegamos à pequena cidade da fronteira, onde um grupo de irmãos nos esperava. Após orarmos juntos, colocamos cada equipamento em pequenas sacolas para que fossem transportados para o outro lado.

O pastor que me acompanhava e eu, só recebemos o carimbo em nossos passaportes quando já passava das 22 horas. Em território moldávio, continuamos nossa viagem debaixo de forte nevasca. O vidro do carro congelava e mesmo com o aquecimento interno do veículo, a temperatura era muito baixa.

Não havia nenhum carro transitando pela estrada, apenas o nosso. Foi por isso que passei a imaginar o que aconteceria se nosso veículo quebrasse e ficássemos ali no caminho, ao relento, com 18 graus negativos. Perto da meia-noite, paramos em um posto de gasolina, que estava fechado e totalmente às escuras. Logo chegou outro carro e parou à nossa frente. Eram nossos irmãos adventistas que haviam trazido todos os equipamentos.

Fizemos a transferência do material de um carro para outro, oramos novamente e seguimos viagem. Chegamos em Chisinau, capital do país, já depois das 2 horas da madrugada. Aquela seria a primeira vez que enfrentaria um frio tão intenso.

A cada noite da série evangelística, o pastor Peter Kulakov pregou com muito vigor e milhares de pessoas acompanharam suas mensagens na Moldávia e em países como a Ucrânia, Rússia, Bielorrússia, Geórgia, Armênia. Cerca de 3 mil pessoas foram batizadas como resultado desse esforço evangelístico.

jonatan2Confesso que não poderia imaginar como o canal adventista (Hope Channel) cresceria naquela região. Poucos anos depois, a igreja decidiu fazer um pedido oficial para ter uma emissora de TV na Ucrânia. Isso seria algo inédito no país. Nenhuma igreja, nem evangélica, pentecostal, protestante, católica ou ortodoxa tinha essa concessão.

O pastor Veiceslav Demyen foi escolhido para representar a denominação diante de 16 parlamentares. Ele precisava convencê-los de aprovar o pedido da igreja. Ele fez o seu melhor, mas parece que a desconfiança comunista em relação à religião iria prevalecer.

Até que um parlamentar disse: “assisti a um seminário, no passado, em um dos colégios adventistas e foi excelente. Na verdade, acho que eles deveriam fazer um desses seminários aqui no parlamento. Por esse motivo, eu voto favoravelmente ao canal.”

O depoimento dele providencialmente mudou a mente de alguns parlamentares e o grupo decidiu autorizar uma nova defesa para a instalação de um canal religioso no país. O fato é que Deus abençoou de tal forma que o funcionamento da emissora foi autorizado e hoje está no ar via satélite, internet e tevês a cabo, alcançando milhões de pessoas. No tempo em que trabalhei na Divisão Euro-Asiática ainda pude ver outro milagre: a autorização de um canal adventista na Rússia.

Sinto-me feliz e realizado por ver como Deus tem abençoado o trabalho missionário por meio da televisão nessa região. Muitas são as histórias de conversão através desse ministério. Uma delas foi o batismo de dois artistas de TV na Ucrânia: Kiril Andrev e Iuri Sossa. Eles se interessaram pela mensagem adventista e começaram a estudar a Bíblia. Andrev e Sossa deixaram o trabalho na emissora comercial para servir no canal adventista.

Depois de cinco anos trabalhando na Divisão Euro-Asiática, recebi o chamado para iniciar o mesmo ministério na Divisão Centro-Leste Africana, em Nairóbi, no Quênia. As três regiões administrativas da Igreja Adventista na África (divisões) estão trabalhando em conjunto para produzir programas em inglês, francês e outras línguas faladas no continente. O nome desse novo canal é Hope Channel Africa e já estamos trabalhando a todo vapor para que mais e mais pessoas tenham esperança na breve volta de Jesus.

Jonatan Conceição é pastor e foi missionário na Ucrânia até 2014. Desde o início do ano, ele está trabalhando na África

O voo da fé

Relatório apresentado por Blasious Ruguri, presidente da Divisão Centro-Leste Africana, no dia 5, mostra profissionalização da igreja numa das regiões em que o adventismo mais cresce

Alunos do ensino fundamental em uma escola adventista no Quênia. Crédito: departamento de comunicação da ECD. Foto: Adventist Review

Alunos do ensino fundamental em uma escola adventista no Quênia. Crédito: departamento de comunicação da ECD

Levantando-se das cinzas da guerra, da pobreza e do analfabetismo em admirável progresso e serviço cristão, uma grande história de missão continua a acontecer nessa região da igreja mundial. A Divisão Centro-Leste Africana (East-Central Africa Division — ECD), a mais nova da Igreja Adventista mundial, mesmo com imensos desafios a vencer, está entre as que crescem com maior rapidez.

O território tem uma população de mais de 350 milhões de habitantes, mas um total de membros de pouco mais de três milhões. Há muito trabalho a ser feito. Do ponto de vista humano, parece uma tarefa impossível. Contudo, além da fachada de aparente derrota e dos infindáveis desafios de um planeta assolado pelo pecado, os últimos cinco anos presenciaram o triunfo da missão nessa região como nunca antes. Desde o início do quinquênio, o projeto de Reavivamento e Reforma assumiu o palco central à medida que os líderes da igreja apresentaram um ambicioso plano estratégico que envolve tanto as iniciativas da igreja mundial quanto programas novos e ousados destinados a atender as necessidades e a realidade missionária local.

Mudança de imagem

Nós, cristãos, somos chamados não só para ser luz, mas também sal. Enquanto buscamos, vivemos e comunicamos a verdade encontrada em Jesus Cristo, reconhecemos que, sem visibilidade e sem encontrar as pessoas onde elas estão, fazemos pouco progresso. Nossa influência afeta o modo de transmitir a mensagem de esperança.

Por esse motivo, nossa sede criou um plano para tornar a igreja visível em suas comunidades. Essa ambiciosa iniciativa de branding incluiu a construção de novas estruturas e instalações, mas não se limitou a isso. Ela conta igualmente com o processo de conquista de pessoas, cuidado, cura e pregação. Isso se traduziu na fundação de novos templos e prédios administrativos, novos hospitais e novas estruturas em nossas instituições.

Temos a alegria de relatar progresso nessas áreas. Algumas se destacaram mais do que outras, porém todas tiveram avanços. Ainda superando a maré do genocídio, a União de Ruanda fez um progresso tremendo nesse aspecto.

A Universidade Adventista da África Central, em Kigali, Ruanda, concluiu importantes projetos, a começar por um auditório com capacidade para 2.500 pessoas sentadas, um moderníssimo prédio de Ciência e Tecnologia, e novos dormitórios, que estão em construção. Missões e associações locais construíram novos escritórios. Escolas e instituições da igreja se destacam como os melhores prédios nas áreas em que estão localizadas em todas as partes de Ruanda. Agradecemos a Deus por esse tamanho progresso.

De 2010 a 2015, foram fundadas 224 escolas adventistas. Mil professores foram acrescentados ao longo do mesmo período e 50 mil alunos. Em todo o território, templos modernos começaram a ser construídos, substituindo as antigas estruturas que serviam como casas de adoração. Nossos hospitais e instituições de saúde também passaram por reformas admiráveis. Estão sendo erguidos novos hospitais em Mwanza (Tanzânia), Bujumbura (Burundi) e Nairóbi (Quênia). Muitas outras instalações de saúde estão sendo construídas em nossa geografia, como a Clínica Adventista de Ruanda e o Centro de Esperança e Estilo de Vida em Kasese, Uganda.

Outros projetos notáveis concluídos incluem:

  • Auditório na Universidade Bugema, com capacidade para 5 mil pessoas sentadas.
  • Auditório multiuso e novo dormitório feminino na Universidade de Arusha.
  • Policlínica e dormitórios masculino e feminino na Universidade Adventista de Lukanga.
  • Estúdio com Centro de Mídia Adventista no campus Advent Hill.
  • Escritório da União-Missão Sul da Tanzânia.
  • Novo escritório da União e casa de hóspedes em Juba, Sudão do Sul (projeto).

info-relatorio-da-Divisão-Centro-Leste-Africana-foto-homeA Igreja Adventista nessa Divisão tem dado passos para conscientizar o público a respeito de sua existência e missão. Seguindo o programa do Dia Mundial do Jovem Adventista, liderado pelo Ministério Jovem, a visibilidade da igreja aumentou tremendamente nos dois últimos anos por meio de atos diversos de bondade e interação com a comunidade.

Foram organizadas atividades deliberadas para impactar a comunidade, incluindo serviço comunitário, doação de sangue, distribuição de literatura, serviços médicos, assistência em desastres, centros de resgate de crianças e muitas outras.

As iniciativas para aumentar a visibilidade da Divisão também foram impulsionadas com as visitas ao nosso território do presidente da Associação Geral, Ted Wilson. Elas despertaram a consciência acerca da existência da igreja nos países e nas cidades que ele visitou. Durante essas visitas, Wilson se reuniu com os presidentes de Burundi, Quênia, Ruanda e Tanzânia.

Foi investido mais de 1,5 milhão de dólares na capacitação de mais de 500 servidores em universidades locais. Entre eles, mais de 300 se graduaram na Universidade Adventista da África, no Kênia. Recursos dos “dízimos extraordinários” da Associação Geral auxiliaram na formação educacional de mais de 200 servidores da República Democrática do Congo, Burundi e Sudão do Sul, onde temos o menor número de pastores com diploma em Teologia.

Voando pela fé

O cerne das iniciativas da Divisão ao longo dos últimos cinco anos foi resumido no slogan “Destinados a voar”. Todos os ministérios e todas as instituições da Divisão concentraram seus esforços em cumprir a missão com agilidade, excelência e ousadia. Passamos a compreender esse conceito de missão como um voo de fé. Lançando mão dos métodos essenciais de pregação, ensino, cura e discipulado, cada programa e iniciativa foram projetados para alcançar resultados relevantes e significativos. Todos os departamentos e ministérios trabalharam em favor desse objetivo.

O Ministério da Mulher é um exemplo de programa de grande alcance evangelístico e, ao mesmo tempo, de cuidado que revolucionou nossa maneira de cumprir a missão daqui para frente nessa região. O tempo não é suficiente para relatar quanto foi feito nesse sentido.

O Ministério de Publicações continua prosperando, com um número de colportores-evangelistas que cresce a cada dia, todos eles concentrados em levar esperança a cada lar. A saúde e a educação têm sido, na maioria dos casos, portas de entrada bem-sucedidas. E as histórias de êxito são numerosas.

Líderes da Igreja Adventista se reúnem com o presidente de Ruanda. Crédito: departamento de comunicação da ECD

Líderes da Igreja Adventista se reúnem com o presidente de Ruanda. Crédito: departamento de comunicação da ECD

O total de membros da Divisão aumentou de 2.648.530, em 2010, para 3.046.313, em 31 de dezembro de 2014. As notáveis campanhas evangelísticas realizadas incluem:

Evento por via satélite “Chamas do Evangelho”. Com o apoio do ministério de comunicação e mídia em 2012, a Divisão realizou seu quarto evento via satélite com pregações de Blasious Ruguri, presidente da sede. A série evangelística intitulada “Chamas do Evangelho” foi gravada em Uganda e transmitida pelo canal de televisão Hope Channel.

Missão Urbana. Em 2013, mais uma grande campanha de missão urbana foi realizada em Kinshasa, República Democrática do Congo. Kinshasa é uma das cidades da Divisão com menos membros da igreja. A campanha, realizada por administradores e líderes de ministérios da Divisão, foi realizada em 14 pontos e resultou no batismo de 1.523 pessoas. Após o lançamento do projeto “Kinshasa para Cristo”, cada uma das doze Uniões identificou uma cidade para receber essa iniciativa e milhares de batismos ocorreram como resultado. O número total de membros continua a crescer.

Semanas e seminários de mordomia realizados anualmente em toda a Divisão são iniciativas que têm ajudado os membros a se transformarem em mordomos fiéis. O Ministério da Mordomia Cristã foi aperfeiçoado e, pela primeira vez, a Divisão conseguiu enviar à sede mundial um relatório dessa área. O percentual de membros dizimistas subiu de 19,5% em 2011 para 49% em dezembro de 2014. O alvo estratégico é alcançar 70% no fim de 2015.

Ministérios especiais

Ministério de surdos. Desde 2010, 503 surdos foram batizados. Cerca de 1.509 surdos frequentam a igreja regularmente na União Leste do Quênia. Um acampamento especial foi realizado em agosto de 2014. Cinco pastores surdos estão estudando Teologia na Universidade do Leste da África, em Baraton, e dez pregadores surdos leigos recebem um estipêndio mensal.

Programas de capelania. O ministério nas prisões do Quênia, da República Democrática do Congo, de Uganda e de Juba, no Sudão do Sul, tem obtido bons resultados missionários. No Quênia, 4.560 detentos foram batizados. Os membros adoram a Deus em 39 congregações dentro das prisões. Dez igrejas foram construídas e terrenos para outras vinte foram concedidos pelo governo à igreja.

Em Uganda, o ministério está pegando fogo em cidades como Amolatar, Jinja, Ishaka, Kasese e Kampala. O governo convidou a igreja para estender o ministério aos encarcerados a outras prisões do país. Em algumas delas, a denominação doou equipamentos de satélite para permitir aos detentos que assistam aos programas da igreja.

O cuidado dispensado aos estudantes das universidades públicas nunca foi tão bom, sobretudo no Quênia, onde o governo continua a remunerar capelães escolhidos pela igreja. Em alguns campi de universidades seculares, os administradores doaram terra para a construção de locais de adoração.

Ministério aos portadores do HIV/AIDS. As Uniões nomearam coordenadores para as vítimas de HIV/AIDS. Vários grupos de apoio aos portadores dessa doença foram organizados. Foram criadas associações de adventistas com HIV/AIDS e algumas estão registradas como organizações comunitárias, que oferecem uma série de programas.

Como parte dos esforços para transformar a própria comunidade em um local melhor para se viver, adventistas pintam uma delegacia na Tanzânia. Crédito: departamento de comunicação da ECD

Como parte dos esforços para transformar a própria comunidade em um local melhor para se viver, adventistas pintam uma delegacia na Tanzânia. Crédito: departamento de comunicação da ECD

Resultados

Neste quinquênio, a igreja na Divisão vivenciou o seguinte:

Os membros da igreja cresceram espiritualmente graças ao envolvimento comunitário em atos de compaixão e bondade. Muitas pessoas foram levadas a Cristo, reavivando a esperança.

O público geral se tornou mais ciente da presença da Igreja Adventista em seu meio e está procurando conhecê-la melhor. A mudança de percepção é vista com clareza em várias partes do território da Divisão.

Em uma área com mais de 350 milhões de habitantes, a igreja tem avançado com mensagens de esperança pelos meios de comunicação. A presença da igreja se faz sentir em lugares distantes e de difícil acesso. Vidas são positivamente transformadas todos os dias.

Sentimos alegria por pertencer a essa família global da fé e assumimos nossa posição com paixão e humildade. O processo de levar pessoas a Cristo — por meio do cuidado, ensino, da pregação e do discipulado — deve continuar enquanto aguardamos ansiosos a vinda de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Até esse dia chegar, lutaremos para nos unir na missão de preparar o mundo para o grande dia de reunião de todos os povos neste território da igreja mundial. [Fonte: Adventist Review / Tradução: Cecília Eller Nascimento]

Assista também à apresentação do relatório no vídeo abaixo

Avanço na África

O crescimento e as dificuldades da igreja no continente que concentra 38% dos adventistas

assembleia-San-Antonio-2015-02.07-creditos-leonidas-guedes-5

Continente tem 7 milhões de adventistas. Foto: Leônidas Guedes

Como ilustrou o secretário-executivo da sede mundial da igreja, G. T. Ng, se o povo adventista ao redor do mundo formasse uma vila com cem pessoas, 38 delas seriam da África. A força do continente no contexto do adventismo pode ser verificada em outro dado recente. Há poucos meses, a Zâmbia entrou para o seleto grupo de países com mais de um milhão de adventistas (para saber mais sobre o assunto, clique aqui). Com 14,5 milhões de habitantes, a nação do sudeste africano só fica atrás do Brasil, Índia e Estados Unidos.

A comemoração pelo crescimento da igreja na Zâmbia, felizmente não se restringe ao país, é uma tendência em todo o continente, abaixo do deserto do Saara. Em maio, por exemplo, 30 mil pessoas foram batizadas numa grande campanha evangelística no Zimbábue (leia mais aqui), que integrou pregação pública com atendimento gratuito de saúde. O país é vizinho da Zâmbia e já caminha a passos largos para chegar a um milhão de adventistas.

Dividida em três grandes áreas administrativas (divisões), a igreja hoje na África tem 7 milhões de adventistas. E conforme afirmou o pastor Paul Ratsara, presidente da Divisão Sul-Africana Oceano Índico, os líderes têm trabalhado para que na África evangelismo não seja apenas um evento, mas um estilo de vida.

No entanto, pregar o evangelho por lá não é tão fácil quanto possa parecer. Embora os números sejam animadores, a igreja tem enfrentado grandes dificuldades em alguns lugares. Segundo o pastor Osni Fernandes, missionário por seis anos nas ilhas de Cabo Verde, a liderança local muitas vezes é carente de treinamento e material para realizar o trabalho. São muitos os casos em que faltam Bíblias, lições, livros de Ellen White, hinários e folhetos. A igreja africana também reflete a pobreza do continente. De acordo com a revista Global Finance, dos 50 países mais pobres do mundo, 42 estão na África.

Além do mais, o continente africano é um dos mais culturalmente diversos do planeta. Conforme informa o pastor Gilberto Araújo, vice-presidente da Divisão Sul-Africana Oceano Índico e missionário há 28 anos, existem mais de 600 culturas apenas no território dessa divisão que é formada por 20 países. Em regiões como essas, “crescer de forma harmoniosa, mantendo a unidade na fé e na doutrina” é particularmente desafiador.

Mas nem sempre o missionário é chamado para trabalhar diretamente com evangelismo na África, alguns, como pastor brasileiro Matson Santana e sua família, vão para lá a fim de atuar em ministérios de promoção do bem-estar integral. No caso da família Santana, ao trabalharem no Egito com pessoas que possuem deficiências físicas, sensoriais e mentais, eles conseguiram transpor barreiras religiosas, políticas e socioculturais para compartilhar a fé.

Outra realidade do trabalho da África e de qualquer campo missionário transcultural, é que a missão ocorre em mão dupla. Ou seja, ao mesmo tempo em que o missionário procura transformar pessoas e culturas, ele também é impactado. “Conviver com eles e ver de perto o entusiasmo das pessoas, apesar dos muitos problemas que enfrentam”, confessa o pastor Osni, “tem sido uma experiência marcante e positiva em meu ministério”. Aprendizado semelhante tem experimentado o pastor Gilberto Araújo: “posso dizer que esse trabalho me ajudou a manter meu primeiro amor, conservou minha paixão pela salvação de pessoas, ampliou a visão sobre meu campo missionário e tem me ensinado a conviver com pessoas de outras culturas e a desejar estar pronto para o breve retorno de Cristo.”

Glauber Araújo é filho de missionários, cresceu na África e trabalha como editor de livros na CPB. É pastor e mestre em Ciências da Religião


LEIA TAMBÉM

A igreja diante do espelho

Igreja Adventista já é a quinta maior comunidade cristã do mundo

O cântico dos salvos

Editor aposentado relembra a assembleia mundial de Toronto, em 2000

0407ra-agosto-2000

Enviado especial à 57ª assembleia mundial, Rubem Scheffel relatou nas páginas da Revista Adventista suas impressões sobre o evento que reuniu 60 mil adventistas em Toronto, no Canadá. Imagem: arquivo RA

Quinze anos se passaram desde que tive a oportunidade de participar da 57ª Assembleia da Associação Geral, realizada nos dias 29 de junho a 8 de julho de 2000, em Toronto, Canadá. A grande expectativa quanto ao que aconteceria na virada do ano 2000 já havia ficado para trás, mas ainda existia certa tensão no mundo por causa dos prognósticos catastrofistas dos sensacionalistas de plantão.

O tema da assembleia, “Quase no lar”, refletia a convicção de que a volta de Jesus estava às portas, e de que logo estaríamos no Céu. Um dos devocionais, intitulado “O lar perfeito”, focalizou o que Deus está preparando para nós e realçou a esperança de estar lá em breve e para sempre.

Cerca de 60 mil adventistas de mais de 200 países compareceram às reuniões, nas quais foram eleitos líderes para a sede mundial, como o presidente Jan Paulsen, e para a sede sul-americana da igreja, como o presidente Ruy Nagel. Foram apresentados relatórios e debatidos temas de interesse na ocasião, tais como algumas mudanças no Manual da Igreja referentes ao divórcio e novo casamento; e a preocupação com a infraestrutura da igreja, que havia recebido mais de um milhão de novos membros em apenas um ano.

Um dos destaques da cerimônia de abertura, dirigida pelo pastor Léo Ranzolin, então vice-presidente da Associação Geral, é que ele veio acompanhado da representante da rainha da Inglaterra para a província de Ontário, Hillary Weston, a qual fez uma saudação à Igreja Adventista, elogiando seu comprometimento com a educação e a saúde pública. Outras autoridades compareceram ao evento, como o governador de Papua-Nova Guiné, o adventista Silas Atopare, e o prefeito de Toronto, Mel Lastman.

No programa sobre Missão Global, apresentado no sábado à tarde, um audiovisual mostrou como adventistas dedicados estavam levando pessoas até Cristo em lugares difíceis como a Índia e a Mongólia. A programação também mencionou o trabalho no Brasil, dando-lhe destaque como o país com maior número de adventistas do mundo.

Espalhadas pela cidade de Toronto havia 350 estátuas de alces, com mais de dois metros de altura. A colunista de um dos jornais escreveu que havia semelhanças entre os alces e os adventistas, pois ambos são vegetarianos, e têm características distintas.

Vários jornais de Toronto deram destaque ao encontro, considerando-o “a maior convenção já realizada na cidade”. Mas para mim, nada se comparou a ver e ouvir 60 mil adventistas cantando com entusiasmo “Oh, que esperança, vibra em nosso ser”, o que me faz imaginar como será maravilhoso participar da grande multidão de remidos que cantará o cântico de Moisés e do Cordeiro no lar dos salvos (Ap 15:3).

Rubem Scheffel é o autor do livro Com a Eternidade no Coração (Meditações Diárias de 2010) e trabalhou por décadas como editor de revistas e livros na CPB

Igreja Adventista já é a quinta maior comunidade cristã do mundo

Relatório do secretário-executivo mostrou avanços, mas também desafios da igreja no mundo

Igreja-Adventista-é-a-quinta-maior-comunidade-crista-do-mundo-diz-secretario-executivo-da-organizacao

Não foi só em termos econômicos que alguns países emergentes do Hemisfério Sul passaram a exercer maior protagonismo no cenário mundial nos últimos anos. O chamado Sul Global também assumiu um papel de destaque no contexto da Igreja Adventista pelo fato de concentrar a maior parte dos membros da denominação. Atualmente, 92% dos 18,5 milhões de adventistas vivem nessa parte do globo. Em 1960, o quadro era praticamente o oposto. Para se ter uma ideia, hoje a África reúne 38% do total de adventistas e a América Latinha, 32%. Os dados que mostram essa inversão histórica fizeram parte do relatório apresentado pelo secretário-executivo da sede mundial da organização, G. T. Ng, nesta sexta-feira, 3, durante a assembleia mundial que acontece em San Antonio, Texas (EUA).

T. Ng, que foi reeleito para continuar na função por mais cinco anos, apresentou estatísticas que mostram um avanço significativo da igreja no número de batismos. Hoje, de acordo com o secretário-executivo, a Igreja Adventista é a quinta maior comunidade cristã do mundo se for levada em conta a sua unidade mundial e o fato de que outras denominações, embora com maior número de membros, não possuem abrangência global ou são fragmentadas.

No ano passado, 1,6 milhão de novos membros foram batizados ou passaram a fazer parte da igreja por profissão de fé, o equivalente a 3.200 novos batismos por dia ou 2,2 batismos por segundo. Outro número recorde foi o plantio de 2.446 igrejas, uma congregação a cada 3 horas e 58 minutos. Esse crescimento chamou a atenção da mais prestigiada publicação evangélica norte-americana, a Christianity Today, que destacou o fato de, em 2014, mais de um milhão de fiéis terem se tornado adventistas pelo décimo ano consecutivo.

Se a Igreja Adventista fosse uma vila, essa seria a proporção de membros por região do mundo.

Se a Igreja Adventista fosse uma vila, essa seria a proporção de membros por região do mundo.

No entanto, a liderança da igreja vê as estatísticas com ponderação. Afinal, o número de membros em algumas partes do mundo tem estagnado ou entrado em declínio. Essa realidade é mais acentuada nos países ricos, fortemente influenciados pelo materialismo e o secularismo.

Conforme mostrou David Trim, responsável pela área de estatísticas da Igreja Adventista, em relatório apresentado na assembleia mundial, embora tenha havido crescimento, esse incremento foi lento nos últimos cinco anos. Na opinião dele, não está havendo uma crise de crescimento global, mas os dados emitem um sinal de alerta. Por isso, de acordo com Trim, a igreja está tentando criar mecanismos mais sofisticados para obter diagnósticos que retratem com maior precisão a realidade da organização no mundo.

Não por acaso, G. T. Ng foi reeleito por unanimidade. Sua capacidade analítica, que lhe permite enxergar além dos números, tem ajudado a igreja a lidar com esses desafios. “Sua longa experiência como professor mostra a capacidade analítica que ele tem para questões difíceis e sua prontidão para enfrentar situações positivas e negativas”, avalia Lowell Cooper, vice-presidente da Associação Geral. “A liderança de Ng tem aumentado a consciência da igreja global quanto às oportunidades e desafios da missão”, acrescenta Cooper. Essa opinião também é compartilhada por Geoffrey Mbwana, outro vice-presidente da sede mundial adventista. “Muito além da manutenção e análise de estatísticas, ele tomou medidas concretas para abordar as questões da missão”, analisa. Nos próximos cinco anos, G. T. Ng contará com o apoio de Myron Iseminger, cujo nome também foi votado na última sexta-feira para atuar como secretário associado. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações de Felipe Lemos, da ASN, e Stephen Chavez, da Adventist Review]


LEIA TAMBÉM

Leia o relatório apresentado pelo secretário-executivo da igreja mundial na assembleia

A igreja diante do espelho

Missão incompleta

Direto do Líbano

Pastor brasileiro dá um panorama do trabalho da igreja no Oriente Médio

guntherA União Norte-Africana Oriente Médio é uma das maiores regiões administrativas da Igreja Adventista em termos de território, área maior do que os Estados Unidos ou a Europa. É formada por 20 países e se estende do Marrocos, no extremo oeste da África, até o Qatar, no Golfo Pérsico. Esse vasta geografia, onde vivem mais de 500 milhões de pessoas, é o berço do cristianismo, mas atualmente a religião predominante ali é o islamismo. A região tem 55 centros urbanos com mais de 1 milhão de habitantes, e na maioria deles não há presença adventista.

É interessante viver numa região muito diferente da nossa realidade na América do Sul. As diferenças religiosas e de costumes são oportunidades para conhecer, compreender, apreciar e adaptar-se. Porém, os desafios são imensos. Alguns países de maioria muçulmana toleram a presença de cristãos, enquanto outros são mais fechados e dificultam a presença deles. Sendo assim, a igreja trabalha levando em consideração a situação de cada nação, encontrando meios para cumprir a grande comissão deixada por Jesus, uma motivação forte e urgente para levar a mensagem de esperança para todos.

Embora o número de adventistas na região seja ínfimo comparado com o de habitantes (1 adventista para cada 170 mil), a denominação considera que o testemunho pessoal é uma forma para cumprir a missão e apressar a volta de Jesus. Se não podemos plantar igrejas, podemos “plantar” missionários. Nessa região, também utilizamos os meios de comunicação como a internet, rádio e televisão para alcançar milhões de pessoas.

Alguns países como o Líbano, cuja população é praticamente dividida entre muçulmanos e cristãos, existe liberdade religiosa. Por essa razão, entre outras, em Beirute está a sede da igreja para a região. É onde também está situada a Universidade Adventista do Oriente Médio, que atende as necessidades de formação profissional em áreas de interesse da igreja e da comunidade em geral. Ali fica também a TV Al Waad, canal adventista cujo nome em árabe significa “promessa”.

No Egito, a denominação está presente há décadas, com uma sede de associação, uma fábrica de alimentos, um centro de influência na área de saúde e um internato que oferece o Ensino Médio, o Nile Union Academy. Por sua vez, outros países são mais restritivos, não permitindo que denominações religiosas preguem para a população local. É possível ministrar para os membros da própria igreja, mas distribuir literatura, dar estudos bíblicos ou realizar reuniões de pequenos grupos é considerado uma contravenção. Nesses contextos, uma das melhores maneiras de testemunhar é por meio de feiras de saúde.

Talvez você se pergunte: “o que posso fazer, mesmo à distância, pelas milhões de pessoas que vivem no Oriente Médio e Norte da África, que pouco ou nada sabem sobre a vida, ministério, morte, ressurreição e breve volta de Jesus?” Sugiro algumas atitudes: ore pela igreja, seus servidores e por sua missão na região; diariamente entregue sua vida a Jesus e testemunhe de seu amor; e se coloque à disposição de Deus para, talvez, servi-lo nesta região do mundo.

Günther Wallauer é coordenador de projetos na União Norte-Africana e Oriente Médio e vive em Beirute, no Líbano

Os próximos cinco anos

A escolha de Ted Wilson reflete a tendência conservadora da maior parte da igreja mundial

Na reunião de trabalho de sexta-feira, dia 3 de julho, a única do dia, por ser véspera do sábado, foram aprovados seis itens da agenda: a limitação do número de delegados aos que já estavam próximos aos microfones; o relatório da secretaria, apresentado por G. T. Ng (leia o texto “A igreja diante do espelho” aqui) e a não utilização de votos secretos para a eleição de oficiais apontados pela Comissão de Nomeações, pois os dispositivos eletrônicos de votação não funcionaram como se esperava. As áreas de algumas Divisões sofriam com a falha, possivelmente por interferência do sinal de wi-fi do ginásio Alamodome. Além disso, alguns delegados pareciam não utilizá-lo adequadamente. Havia diferença até entre o número de aparelhos e o de votantes exposto na tela.

chamada-home-Primeiro-dia-da-assembleia-mundial-é-marcado-pela-busca-da-unidadeO último item foi um dos mais importantes, a aprovação do nome indicado pela Comissão de Nomeações para a presidência da Associação Geral, Ted N. C. Wilson. Aliás, quando Ted foi nomeado, Nancy, a esposa, foi encontrada na sala de oração da assembleia. Nos plenários, após 37 minutos de discussões, procedeu-se à votação. O presidente reeleito teve o apoio de 90% dos delegados. Após isso, o pastor Ted Wilson e a esposa Nancy se apresentaram na plataforma, sendo aplaudidos em pé pelos delegados e pela multidão nas arquibancadas.

O pastor Ted Wilson se dirigiu ao público reunido, com as seguintes palavras: “É com um respeito muito acatado e com humildade que nós dois estamos diante de vocês, diante de Deus, e aceitamos essa responsabilidade.” Em seguida, apresentou a tônica de sua nova gestão: (1) ênfase maior em Cristo e sua justiça; (2) ênfase na fidelidade dos membros; (3) o envolvimento de cada membro da igreja na missão. Na coletiva de imprensa, concedida pouco depois, afirmou que sua maior prioridade seria a terceira.

Em entrevista à Adventist Review, Nancy afirmou: “Sinto o mesmo que naquele dia há cinco anos. (…) Estou contente porque temos o Senhor para nos apoiar. É seu poder, sua força, sua igreja.” O pastor Ted Wilson compartilhou: “É um convite extremamente desafiador, para o qual ninguém se sente preparado. Ninguém pode exercer essa função a não ser pela condução direta e guia do Senhor.”

A ênfase de Wilson na humildade e na dependência de Deus não é exagerada nem apenas gentil. Diante dos enormes desafios ao cumprimento da missão da igreja e à perda de membros, assim como as dificuldades tanto internas quanto externas, o presidente mundial da Igreja Adventista precisará mais do que nunca da sabedoria do alto. A igreja votou pela continuidade, pelos valores mais tradicionais do adventismo e em rejeição às tendências progressistas e às pressões sociais que afetam todo o mundo religioso, incluindo a igreja reunida em San Antonio.

Diogo Cavalcanti é pastor, jornalista e editor de livros na CPB. Ele é o enviado especial da Revista Adventista para a assembleia mundial em San Antonio

Uma mensagem de esperança

Relatório mostra as estratégias usadas pela igreja para o evangelismo no território da Divisão Norte-Americana

O campori internacional de desbravadores em Oshkosh, Wisconsin, em agosto de 2014, deu aos desbravadores e seus líderes oportunidades de crescimento espiritual e social. Foto: Brayant Taylor

O campori internacional de desbravadores em Oshkosh, Wisconsin, em agosto de 2014, deu aos desbravadores e seus líderes oportunidades de crescimento espiritual e social. Foto: Brayant Taylor

A Divisão Norte-Americana (DNA), que abrange os Estados Unidos, Canadá, Bermudas, Guam e Micronésia, é uma das regiões mais diversificadas da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Sua população de 350 milhões de habitantes possui representação de quase todos os grupos étnicos do planeta. Tal realidade apresenta a maravilhosa oportunidade de alcançar diversos grupos de pessoas, mas é também um desafio imenso para uma das mais novas Divisões da igreja mundial. Atualmente, cerca de 1,2 milhão de adventistas participam de 5.400 igrejas e grupos. Essas congregações são lideradas por 3.200 pastores que cuidam, lideram, educam e evangelizam não só as igrejas locais, mas também as comunidades em volta delas.

A Igreja Adventista é conhecida na América do Norte por seu sistema educacional e pelas 1.200 instituições de ensino (da pré-escola à universidade) que administra. Também atende a saúde de suas comunidades locais por meio do sistema adventista de saúde, que estende o ministério da cura a mais de 17 milhões de pessoas por ano. Ao longo dos últimos cinco anos, mais de 193 mil pessoas foram batizadas na Divisão Norte-Americana.

Liderança

A Igreja Adventista do Sétimo Dia foi fundada na América do Norte em 1863 e sua primeira atividade missionária se concentrou ali. No entanto, a região só foi oficialmente organizada como Divisão em 1985, quando Charles E. Bradford foi nomeado seu primeiro presidente.

Em 2010, na 59ª assembleia da Associação Geral, uma nova equipe foi eleita para liderar a Divisão Norte-Americana e seus mais de um milhão de membros no cumprimento da missão da igreja. Os novos líderes logo compreenderam a tarefa de criar novas abordagens para cumprir a comissão evangélica. Foi desenvolvido um plano evangélico intitulado REACH North America [ALCANCE a América do Norte]. Sua missão é alcançar não só América do Norte, mas o mundo inteiro, com a mensagem distintiva e cristocêntrica de esperança e integralidade da Igreja Adventista do Sétimo Dia. O objetivo era que o programa ALCANCE se tornasse parte da cultura da igreja e um estilo de vida.

Os líderes e administradores da Divisão Norte-Americana se reuniram em Virgínia, em 2014, para pensar em formas de enxugar as estruturas administrativas da igreja a fim de melhorar a efetividade e a eficiência. Foto: Adventist Review

Os líderes e administradores da Divisão Norte-Americana se reuniram em Virgínia, em 2014, para pensar em formas de enxugar as estruturas administrativas da igreja a fim de melhorar a efetividade e a eficiência. Foto: Adventist Review

Blocos construtores

Depois que esse plano foi desenvolvido e comunicado a todas as esferas da Divisão, metas chaves, conhecidas como “blocos construtores”, foram desenvolvidas para prover foco na missão e uma base para a disseminação da mensagem de esperança e integralidade. Essas iniciativas se concentraram em seis áreas chaves:

A Comunidade Adventista de Ensino — Alcançar as pessoas por meio de uso de ensino e capacitação online é o objetivo da comunidade adventista de ensino. Milhões de pessoas fazem cursos virtuais de educação, recreação e desenvolvimento de carreira. O objetivo desse bloco construtor é usar os diversos recursos criados por muitas instituições de ensino e centros de recursos da igreja, apresentando-os em uma plataforma online que pode ser acessada por membros e outros. As igrejas locais podem usar tais recursos para ajudar a alcançar as comunidades locais e proporcionar treinamento. Os membros podem usá-los para fortalecer as próprias habilidades.

Vida de Jovem — Essa iniciativa envolve encontrar novas formas de incorporar os jovens adultos à vida da igreja. Somente 30% dos jovens permanecem na igreja depois de terminar a faculdade ou universidade. Ao ser encontradas maneiras inclusivas de torná-los parte do ministério da igreja, os jovens se transformarão em parte integral da vida e do evangelismo da Divisão Norte-Americana.

Grupos de Imigrantes e Refugiados — A cada três membros da igreja na Divisão Norte-Americana, uma pessoa pertence a um grupo de imigrantes ou refugiados. Tal realidade consiste em um desafio e uma oportunidade tremenda de alcançar o mundo por meio dos vários grupos étnicos que vêm viver por aqui. Atualmente, os imigrantes e refugiados são um dos segmentos da igreja na América do Norte que mais cresce.

Mulheres no ministério pastoral — O aumento do número de mulheres em posições pastorais é parte importante e estratégica das metas gerais da Divisão. As pastoras desempenham papéis vitais no evangelismo e no cuidado com os membros da igreja. Hoje somente 107 pastoras atuam na Divisão e grande parte do grupo de pastores se aposentará em breve. O objetivo é dobrar, ao longo dos próximos cinco anos, o número de pastoras empregadas pela igreja.

Mídias sociais — O uso das mídias sociais mudou a forma de comunicação da igreja, não só com seus membros, mas também com o mundo em geral. À medida que a sociedade se torna mais secular, novos métodos evangelísticos devem ser utilizados para alcançar segmentos populacionais que nunca pisariam em uma igreja adventista tradicional.

Evangelismo transformacional — Na Divisão Norte-Americana, mais de cinquenta regiões urbanas abrigam uma população de no mínimo um milhão de habitantes. Proporcionalmente falando, as áreas urbanas são os pontos de menor sucesso da igreja no que se refere ao evangelismo e alcance de pessoas. Novos métodos devem ser desenvolvimentos para alcançar a população sempre crescente das cidades.

A Divisão Norte-Americana enfrenta hoje desafios que não poderíamos imaginar em gerações anteriores. Deus nos dará a graça e o poder para realizar grandes coisas na implementação dessas iniciativas.

Tais iniciativas são singulares por ajudarem a derrubar os nichos que tipicamente se formam quando departamentos e ministérios se concentram apenas em suas respectivas áreas de especialidade. Quando objetivos em comum exigem que ministérios diferentes trabalhem juntos em prol do mesmo resultado, grandes coisas podem acontecer pelo Senhor.

Um exemplo disso é a igreja de Paradise Valley em San Diego, Califórnia. Ela está localizada perto do antigo Paradise Valley Hospital, que foi fechado vários anos atrás após uma recessão na economia local. O pastor Will James abriu um ministério de refugiados na igreja. Programas de alimentação, aulas de inglês como segunda língua e uma loja de artigos usados provê a ajuda tão necessária à população de imigrantes que cresce com rapidez. Hoje a igreja conta com a representação de mais de sessenta grupos culturais e o número de membros cresceu. Atualmente está planejando maneiras de alcançar os mais de trezentos mil membros da comunidade árabe que imigraram para a região. Esse projeto bem-sucedido mostra como as iniciativas para grupos de refugiados e imigrantes, bem como o evangelismo transformacional, podem desempenhar um papel chave na vida da igreja e atender as necessidades da comunidade local, ao mesmo tempo em que alcança a grande população urbana com novos métodos de evangelismo.

Saúde e Evangelismo

É possível que os programas de alcance à comunidade de maior sucesso na Divisão Norte-Americana tenham sido os eventos Bridges to Health [Pontes para a saúde] e Your Best Pathway to Health [Seu melhor caminho para a saúde] realizados respectivamente em San Francisco e Oakland, Califórnia, em 2014, e em San Antonio, Texas, em 2015. Tais eventos foram parcerias entre as Indústrias e Serviços de Leigos Adventistas [Adventist-laymen’s Services and Industries — ASI], Divisão Norte-Americana e Sistema de Saúde Adventista. Tais projetos proporcionaram cerca de 24 milhões de dólares de cuidados médicos gratuitos a mais de oito mil pessoas durante um período de cinco dias. Os projetos foram liderados pela Doutora Lela Lewis, presidente da ASI na União do Pacífico, que sonhava em ministrar às necessidades físicas e espirituais dos pobres e das pessoas sem seguro médico que vivem nas grandes cidades. Mais projetos estão sendo planejados para o futuro próximo e o objetivo é expandir as áreas regionais, a fim de que mais pessoas sejam alcançadas.

Novo território

Profissionais adventistas de saúde de toda a América do Norte foram ao Alamodome, em San Antonio, a fim de prover cuidados gratuitos de saúde a milhares de pessoas que participaram do evento de dois dias denominado Seu Melhor Caminho para a Saúde. Créditos: Kenn Dixon Photography, SWRGC Communications

Profissionais adventistas de saúde de toda a América do Norte foram ao Alamodome, em San Antonio, a fim de prover cuidados gratuitos de saúde a milhares de pessoas que participaram do evento de dois dias denominado Seu Melhor Caminho para a Saúde. Créditos: Kenn Dixon Photography, SWRGC Communications

Outro desafio singular da Divisão foi a transferência da Missão Guam-Micronésia (MGM) para o território administrativo norte-americano. Essa oportunidade missionária notável traz um campo missionário estrangeiro diretamente para dentro do território da Divisão e proporciona um novo vislumbre dos desafios e das oportunidades que a missão enfrenta. A MGM conta com mais de 5 mil membros e 21 igrejas. Também dá emprego na área letiva para muitos estudantes missionários nas diversas escolas missionárias localizadas nas ilhas. A igreja opera ainda um hospital e uma clínica de saúde a fim de atender as necessidades médicas dos moradores. Esse método direto de contato é vital para alcançar as culturas diversas que formam a Missão.

Ministérios nos meios de comunicação

Em 2013, a Divisão Norte-Americana tomou várias decisões importantes acerca de como administraria seus ministérios nos meios de comunicação. O centro de mídia adventista em Simi Valley, Califórnia, foi fechado e os ministérios que ali funcionavam foram realocados. Isso deu aos ministérios a oportunidade de evoluir suas abordagens a fim de atender as necessidades de seu público, que passa por um rápido processo de mudança. It Is Written [Está Escrito], dirigido por John Bradshaw, mudou para Chattanooga, Tennessee. Faith for Today [Fé para Hoje], com Mike e Gail Tucker, La Voz de la Esperanza [A Voz da Esperança], liderado por Omar Greive e Jesus 101, dirigido por Elizabeth Talbot, se mudaram para escritórios em Riverside, Califórnia. Breath of Life [Fôlego de Vida], sob a direção de Carlton Byrd, permaneceu no campus da Oakwood University, e o programa Voice of Prophecy [A Voz da Profecia], com a nova equipe de liderança formada por Shawn e Jean Boonstra, passou a ser produzido em Loveland, Colorado.

A despeito dessas transições, os esforços evangelísticos dos ministérios nos meios de comunicação continuaram fortes, com grandes eventos realizados em Edmonton, Alberta, Canadá, por John Bradshaw; em Huntsville, Alabama, por Carlton Byrd; em Minneapolis, Minnesota, por Shawn Boonstra; na cidade de Nova York, por Omar Grieve; em Atlanta, Geórgia, por Mike e Gail Tucker com a série Mad About Marriage [Loucos pelo Casamento]; e por Elizabeth Talbot, com seu foco na capacitação de pessoas para conduzir outros a Jesus.

Impressões e publicações

Outra mudança foi a transferência de controle administrativo da casa publicadora Pacific Press, localizada em Nampa, Idaho. Anteriormente, a Pacific Press era controlada e operada pela Associação Geral, junto com a Review and Herald Publishing Association (RHPA) em Hagerstown, Maryland. Em junho de 2014, os membros da diretoria da RHPA votaram cessar as operações de impressão em Hagerstown e autorizaram um plano para transferir os bens para a Pacific Press, que passaria a ser controlada e operada pela Divisão Norte-Americana a fim de atender melhor às necessidades de publicações da Divisão.

Oakwood University

Uma das últimas mudanças na Divisão Norte-Americana ocorreu no fim de 2014, quando o colegiado da Oakwood University votou a transferência de suas operações da Associação Geral para a Divisão Norte-Americana. Isso transforma a Oakwood University na única instituição adventista de ensino superior que a Divisão possui e administra. As Uniões Associações locais cuidam de todas as outras instituições de ensino superior. Oakwood possui uma rica história educacional dentro da igreja e a Divisão está empolgada em relação às possibilidades que ela proporcionará no treinamento missionário de futuros pastores e líderes da igreja.

Oportunidades missionárias

Os membros da Divisão Norte-Americana são um microcosmo das populações mais amplas que vivem na América do Norte e a chamam de lar. Por isso, as oportunidades missionárias são vastas . Deus nos mostrará o caminho enquanto lutamos para alcançar as pessoas da América do Norte com uma mensagem de cura, esperança e integralidade.

 Daniel R. Jackson é presidente da Divisão Norte-Americana

[Fonte: Adventist Review / Tradução: Cecília Eller Nascimento]