Tempo de agir

Relatório de Guillermo Biaggi, então presidente da Divisão Euro-Asiática, no dia 5, emocionou o público com histórias de fidelidade no leste europeu e na Rússia

 

As atividades evangelísticas da Divisão Euroasiática são projetadas para alcançar o máximo possível de pessoas. Crédito: departamento de comunicação da ESD

As atividades evangelísticas da Divisão Euro-Asiática são projetadas para alcançar o máximo possível de pessoas. Crédito: departamento de comunicação da ESD

O território da Divisão Euro-Asiática (Euro-Asian Division — ESD) da Associação Geral abrange uma área imensa, formada por onze fusos horários, treze países e uma população de 330 milhões de habitantes, os quais representam mais de duzentos grupos étnicos, professam o cristianismo, o islamismo, o budismo, o paganismo, o ateísmo e cuja maioria é influenciada por uma cosmovisão secularizada.

Evangelismo 7-7-7

A iniciativa 7-7-7 da igreja mundial, que conclamou os membros a se unirem em oração pela manhã e pela noite se tornou uma grande bênção. Em nossa Divisão, foi o ponto de partida para cada membro:

  • Dedicar pelo menos sete minutos por dia ao estudo da Bíblia.
  • Dedicar pelo menos sete minutos por dia para compartilhar as boas-novas.
  • Interceder diante de Deus por pelo menos sete pessoas.
  • Encontrar sete motivos por dia para agradecer a Deus.

O dia 15 de maio de 2013 foi a data de início de um período de “777 Dias de Evangelismo Contínuo”, que durou até a abertura desta assembleia mundial.

A fim de incentivar o maior número possível de missionários, a igreja organizou e realizou diversos congressos para pastores, anciãos e jovens, atraindo mais de 2 mil participantes em cada um deles. Programas de missão urbana começaram em duas capitais, Kiev e Moscou, a fim de abranger eventualmente todas as nove Uniões e 33 Associações, Missões e Postos Missionários.

Em outubro de 2013, foi inaugurada uma escola de evangelismo em Kiev para capacitar pastores, instrutores bíblicos e médicos missionários. O programa “Um Ano em Missão” facilitou o treinamento de equipes de jovens missionários. O conhecimento adquirido foi colocado em prática. Missionários compartilharam as boas-novas em ruas, praças, shopping centers e outros locais públicos.

Houve um tempo em que o território da Divisão Euroasiática era considerado um dos mais inacessíveis para a pregação do evangelho. Mas “a palavra de Deus não está presa” (2Tm 2:9). No fim da década de 1980, o Senhor abriu o Kremlin em Moscou. O evangelista Mark Finley pregou as três mensagens angélicas ali, resultando em milhares de batismos. Hoje, novamente o Senhor oferece oportunidades únicas. Em Kiev, na Ucrânia, e em Moscou, na Rússia, o canal de televisão Hope Channel conseguiu licença governamental, abrindo caminho para alcançar milhões de espectadores em potencial.

 

Jovens da Divisão Euroasiática estão envolvidos em atividades variadas de divulgação da mensagem, como evangelismo público e serviço à comunidade. Crédito: departamento de comunicação da ESD

Jovens da Divisão Euroasiática estão envolvidos em atividades variadas de divulgação da mensagem, como evangelismo público e serviço à comunidade. Crédito: departamento de comunicação da ESD

De criminoso a testemunha do Senhor

Sete dos treze países da ESD são dominados pelo Islã e pertencem à Janela 10/40. Não é seguro pregar o evangelho ali, nem mesmo dentro de igrejas. Pregadores e missionários adventistas já foram expulsos muitas vezes desses países. Diante de tais circunstâncias, o testemunho pessoal é o método mais apropriado de evangelismo, sobretudo quando sai dos lábios de pessoas nativas.

Malik Ashirov, líder de um grupo do Cazaquistão, pertence à etnia uigur. Ele professa abertamente o cristianismo. Apesar de ser relativamente jovem, já passou mais de 15 anos da vida na prisão. Enquanto cumpria uma de suas penas, ouviu um pastor adventista falar sobre Jesus.

No dia 9 de agosto de 2000, guardas tiraram Ashirov de sua cela e ele foi solto em sistema de liberdade condicional. Seus companheiros de prisão e os guardas testemunharam o batismo dele, algo que nunca haviam visto antes.

O Senhor mudou a vida de Ashirov. Depois de sair da prisão, ele se casou e teve uma filha e um filho. As pessoas o veem muitas vezes com a Bíblia na mão. O testemunho cristão se transformou em seu propósito de vida.

Ventos de intolerância

Em seis países da Divisão, a maioria das pessoas pertence à Igreja Ortodoxa. As igrejas protestantes costumam ser consideradas estrangeiras, ao passo que a Igreja Ortodoxa dominante cria uma série de problemas. Em alguns países, a lei permite que os cristãos adorem ou preguem o evangelho somente em prédios dedicados para esse fim. Por isso, ter casas de oração é nossa única chance de testemunhar. Graças aos esforços de membros e pastores, com o apoio da igreja mundial, dezenas de novas capelas e centros de influência foram construídos.

Recentemente, membros e pastores da República da Bielorrússia realizaram algo que parecia impossível. Em apenas 45 dias de trabalho, eles construíram com as próprias mãos um prédio de quatro andares como centro de influência na cidade de Minsk. As paredes do novo edifício foram erguidas bem diante de nossos olhos, um testemunho de fidelidade e dedicação à obra.

Educação adventista do sétimo dia

Temos 25 escolas que oferecem educação cristã na Divisão Euroasiática.

Até pouco tempo atrás, nossa igreja não tinha permissão para administrar as próprias escolas. Mas assim que tivemos essa possibilidade, percebemos que nos faltavam as premissas necessárias para as atividades de ensino e aprendizagem. Com tantas pessoas que desejavam estudar em escolas da igreja, não perdemos tempo. Em resposta a esse desafio, os administradores das Associações Ucraniana Ocidental e de Bujovinskaya, da União Ucraniana, tomaram uma decisão incomum: desocuparam seus escritórios em Lvov e Chernovtsy a fim de acomodar salas de aula ali.

Ventos de guerra

Enquanto nos regozijávamos com nosso sucesso na pregação do evangelho na Ucrânia, ninguém previa a série de acontecimentos políticos que levaria a uma guerra com centenas de milhares de refugiados e migrantes forçados, com belas cidades e povoados transformados em ruínas.

A fim de aliviar o sofrimento e levar consolo aos sofredores, os adventistas da Ucrânia deram início à campanha “Anjo Oriental”. O objetivo do projeto é conseguir alimento e remédios para os necessitados, feridos e aflitos, bem como contribuir com a restauração de construções danificadas pela guerra. Pastores e membros criaram equipes de reforma e saíram para trabalhar no leste da Ucrânia.

Ao mesmo tempo, nossos membros da Rússia cuidaram daqueles que fugiram dos horrores da guerra. Refugiados eram instalados dentro das igrejas e em apartamentos particulares. Foram organizados programas de doação de refeições e alimentos, seguindo este preceito divino: “Partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado” (Is 58:7).

A igreja continua seu ministério em regiões assoladas pela guerra. Vez após vez, granadas explodem perto de casas de oração, causando morte e destruição. Mas assim que o ruído das armas silencia, ouve-se novamente o som de hinos e das orações. Os templos adventistas são literalmente ilhas de esperança dentro deste mundo louco e cruel.

Embora algumas igrejas tenham sido danificadas, até hoje, nenhum membro da igreja foi morto dentro das zonas de conflito. Louvamos ao Senhor e expressamos profunda gratidão aos líderes da igreja, a todas as Divisões e, em especial, às Divisões Interamericana e Intereuropeia, que nos apoiaram e estenderam uma mão ajudadora.

 

Os meios de transporte na Divisão Euro-Asiática são tão variados quanto sua população. Crédito: departamento de comunicação da ESD

Os meios de transporte na Divisão Euro-Asiática são tão variados quanto sua população. Crédito: departamento de comunicação da ESD

Jovens envolvidos na missão

Além de sua função direta, o ministério social da igreja ajuda os jovens adventistas a enxergar a própria missão e a colocar em prática suas virtudes.

Os jovens tomam a iniciativa de projetos sociais em lanchonetes que funcionam como igrejas, organizando concertos de caridade e ações governamentais, prestando auxílio aos idosos e enfermos, fazendo assim novos amigos para Jesus e fortalecendo a própria fé.

Isso também se evidencia pela energia dos jovens que competiram no evento “O Mundo da Bíblia”, que foi organizado em todos os níveis administrativos, desde as Associações até a Divisão. A vencedora, com maior conhecimento das Sagradas Escrituras, foi Tatyana Krashevskaya, da Ucrânia.

Nova tradução da Bíblia para o russo

A Bíblia não consiste apenas em uma fonte de conhecimento — é também a Palavra da Vida. A fim de levar a mensagem das Escrituras ao máximo possível de pessoas, o Instituto de Tradução da Bíblia, sediado em nosso Seminário Teológico Zaokski, foi criado na Divisão sob a liderança de Mikhail Petrovich Kulakov [autor do livro Ainda que Caiam os Céus], há mais de vinte anos. Hoje, a gigantesca tarefa de traduzir a Bíblia para o russo contemporâneo foi concluída e milhares de exemplares foram impressos.

Literatura distribuída como “folhas de outono”

Outro projeto foi a distribuição do livro missionário O Grande Conflito, de Ellen G. White. Mikhail Oskola, aluno do último ano do ensino médio, foi um dos muitos que participaram desse projeto. Em um ano, ele distribuiu mais de 5 mil livros! Foi entregue um total de 1,9 milhão de exemplares de O Grande Conflito na Divisão Euroasiática, na maioria dos casos, a versão completa.

Ao longo dos últimos cinco anos, cerca de 100 milhões de exemplares impressos se tornaram ferramentas para a proclamação das boas-novas.

Nosso Senhor disse a seus discípulos: “Mas recebereis poder […] e serão minhas testemunhas […] até os confins da Terra” (At 1:8). A península de Kamchatka pode ser considerada um dos “confins da Terra”. Essa terra de vulcões e gêiseres é cercada por mares gelados. Menos de 300 mil pessoas habitam as três cidades e os vários vilarejos. Mas o Senhor não se esquece deles e também envia seus mensageiros para lá.

Duas colportores-evangelistas, Yulia e Taisia, tinham o antigo sonho de visitar esse rincão da Rússia ainda não alcançado por missionários, a fim de testemunhar do amor de Cristo e de seu breve retorno. Confiando nas promessas divinas e buscando direcionamento em oração, elas pegaram a estrada. Levaram pouca bagagem, com exceção das caixas de livros que carregaram em uma minivan. Essas missionárias percorreram longas distâncias — a pé, de ônibus ou de carona — durante um ano e meio. No fim do outono, a maioria dos livros já havia sido distribuída.

Yulia e Taisia estavam em Kozyrevsk, uma vila de pescadores que fica a cerca de 500 km da cidade mais próxima. A vila tem apenas cerca de mil moradores. Para a surpresa delas, encontraram um grupo de pessoas sedentas pela verdade. Depois de terminarem o trabalho e partirem da vila, Yulia e Taisia receberam uma carta dos novos amigos, pedindo que voltassem. Embora o inverno já tivesse chegado, essas duas mulheres pegaram a estrada de novo. Em meio a precipitações e tempestades de neve, elas precisaram caminhar na neve, que chegava a bater no meio das pernas. No entanto, o compromisso de espalhar a Palavra de Deus superava qualquer obstáculo. Vindos de todas as partes da vila, aqueles que desejavam estudar a Palavra de Deus se reuniam em uma pequena casa na qual as duas mulheres estavam ficando. Depois de um tempo, convidaram um pastor. Cinco pessoas foram batizadas. Assim um grupo adventista foi plantado em uma pequena vila de pescadores.

Em muitas dessas regiões remotas, desconectadas da civilização, as pessoas não têm acesso à televisão por satélite, internet ou até mesmo à energia elétrica. Os povos nativos — aleutians, komis, evenkis, khantys, mansis, nenets, chukchis e outros — também necessitam ouvir a mensagem salvadora do Jesus que pode mudar a vida deles para melhor e transformá-los em parte da família global de Deus. Orem por nós!

Chegou o tempo de agir

Agradecemos e louvamos a Deus pelo caminho que trilhamos até aqui. Com fé em seu breve retorno, estamos indo para o alto, através e além, a fim de alcançar os habitantes de vilarejos remotos e das grandes cidades. Os habitantes do extremo norte e da Sibéria, do Cáucaso e do Afeganistão, da Ásia Central e do Extremo Oriente estão aguardando os mensageiros de Deus. A fim de cumprir essa missão, a igreja tem buscado o poder do Espírito de Deus mediante oração fervorosa e compromisso inabalável. Chegou o tempo de agir. [Fonte: Adventist ReviewTradução: Cecília Eller Nascimento]