Declaração reafirma a confiança na Bíblia como revelação infalível e universal da vontade de Deus

Documento votado nesta segunda, dia 6, ressalta a relevância da Bíblia para qualquer tempo e cultura

declaracao-Biblia-homeAlém de eleições e ajustes no Manual da Igreja e nas crenças fundamentais dos adventistas, os quase 2.600 delegados que se reúnem em San Antonio, Texas, desde o dia 2, votaram hoje à tarde um documento que reafirma a confiança da igreja na Bíblia como revelação de Deus.

Basicamente, a declaração trata de quatro pontos: (1) reconhecimento de que a Bíblia é a infalível expressão da vontade de Deus; (2) reafirmação de que as Escrituras oferecem orientação para os dilemas intelectuais e éticos da atualidade, como a tentativa de redefinição do casamento; (3) reconhecimento de que a Bíblia tem relevância para qualquer tempo e cultura; e (4) compromisso de estimular o estudo diário das Escrituras, especialmente entre os novos conversos e mais jovens.

Até o próximo sábado, dia 11, os delegados estarão envolvidos em outros debates e decisões administrativas, doutrinárias e de aplicação prática para a denominação. Leia a seguir a declaração na íntegra.

RESOLUÇÃO SOBRE A BÍBLIA SAGRADA

Nós, delegados da assembleia da Associação Geral em San Antonio, Texas, reafirmamos nosso compromisso com a autoridade da Bíblia como a revelação infalível de Deus e de sua vontade. Nela, Deus revelou seu plano para redimir o mundo mediante a encarnação, vida, morte, ressurreição, ascensão e mediação de Jesus Cristo. Por ser um registro fidedigno dos atos de Deus na história desde a criação até a nova criação, repleto de instruções doutrinárias e éticas, as Escrituras moldam a experiência intelectual e prática dos cristãos.

Reconhecemos que as Escrituras oferecem uma perspectiva divina para avaliar os desafios intelectuais e éticos do mundo contemporâneo. Considerando as redefinições atuais de instituições estabelecidas por Deus, como o casamento, por exemplo, o compromisso com a revelação escrita de Deus permanece mais necessário do que nunca. Somente a cosmovisão bíblica de um Deus amoroso que batalha para redimir a criação do pecado e do mal provê uma estrutura coerente para a compreensão da realidade e para a obediência à lei de Deus.

Reafirmamos que, em meio à desesperança e ao relativismo do mundo contemporâneo, a Bíblia apresenta uma mensagem de esperança e certeza que transcende tempo e cultura. As Escrituras dão a certeza de que, em Jesus, nossos pecados foram perdoados e a morte foi derrotada. As Escrituras também anunciam que ele logo voltará para dar fim ao pecado e recriar o mundo. Enquanto aguardamos a consumação de todas as coisas, a Bíblia nos chama a ter uma vida santa e a nos tornar arautos do evangelho eterno, aproveitando cada oportunidade e todos os recursos para anunciar as boas-novas por palavras e ações.

Considerando a importância das Escrituras, os benefícios de seu estudo para a igreja e os desafios impostos pelo mundo contemporâneo, os delegados da Associação Geral, em assembleia, apelam a todos os adventistas do sétimo dia que leiam e estudem a Bíblia todos os dias, em atitude de oração. Além disso, por causa dos desafios especiais enfrentados por novos conversos e jovens, insistimos para que cada cristão busque maneiras de compartilhar a Bíblia com esses grupos de maneira especial e promova a confiança deles na autoridade das Escrituras. Também apelamos aos pastores e pregadores que baseiem seus sermões no texto bíblico e transformem cada sermão em uma oportunidade para exaltar a autoridade e a relevância da Palavra de Deus.

Que mostremos a beleza, o amor e a graça de nosso Senhor Jesus Cristo revelada nas Escrituras. Que nossos pensamentos e ações estejam de acordo com a esperança bíblica do breve retorno de Jesus, nosso Senhor. [Wendel Lima, equipe RA]

Pastor Magdiel Pérez será o assessor especial do presidente mundial da igreja

O ex-secretário da Divisão Sul-Americana foi eleito para a função pela assembleia mundial da igreja na última segunda-feira, dia 6

Há cinco anos e meio servindo como secretário da sede da igreja para oito países da América do Sul, o pastor chileno Magdiel Perez deixa o cargo para atuar como assessor especial do presidente mundial dos adventistas, pastor Ted Wilson. Ele foi eleito para a nova função na última segunda-feira, 6 de julho, pela assembleia mundial da igreja, em San Antonio, Texas (EUA). Pérez assume o posto deixado por Orville Parchment, que se aposentou recentemente.

Magdiel Pérez, que tem 50 anos e também trabalhou na Divisão Sul-Americana durante um ano e meio como assessor da presidência, também possui cidadania australiana. Ele é casado com Susan, com quem teve três filhos.

Em entrevista à Revista Adventista, Pérez falou sobre quais serão suas atribuições na Associação Geral e fez um balanço da secretaria da igreja durante a sua gestão.

Tempo de agir

Relatório de Guillermo Biaggi, então presidente da Divisão Euro-Asiática, no dia 5, emocionou o público com histórias de fidelidade no leste europeu e na Rússia

 

As atividades evangelísticas da Divisão Euroasiática são projetadas para alcançar o máximo possível de pessoas. Crédito: departamento de comunicação da ESD

As atividades evangelísticas da Divisão Euro-Asiática são projetadas para alcançar o máximo possível de pessoas. Crédito: departamento de comunicação da ESD

O território da Divisão Euro-Asiática (Euro-Asian Division — ESD) da Associação Geral abrange uma área imensa, formada por onze fusos horários, treze países e uma população de 330 milhões de habitantes, os quais representam mais de duzentos grupos étnicos, professam o cristianismo, o islamismo, o budismo, o paganismo, o ateísmo e cuja maioria é influenciada por uma cosmovisão secularizada.

Evangelismo 7-7-7

A iniciativa 7-7-7 da igreja mundial, que conclamou os membros a se unirem em oração pela manhã e pela noite se tornou uma grande bênção. Em nossa Divisão, foi o ponto de partida para cada membro:

  • Dedicar pelo menos sete minutos por dia ao estudo da Bíblia.
  • Dedicar pelo menos sete minutos por dia para compartilhar as boas-novas.
  • Interceder diante de Deus por pelo menos sete pessoas.
  • Encontrar sete motivos por dia para agradecer a Deus.

O dia 15 de maio de 2013 foi a data de início de um período de “777 Dias de Evangelismo Contínuo”, que durou até a abertura desta assembleia mundial.

A fim de incentivar o maior número possível de missionários, a igreja organizou e realizou diversos congressos para pastores, anciãos e jovens, atraindo mais de 2 mil participantes em cada um deles. Programas de missão urbana começaram em duas capitais, Kiev e Moscou, a fim de abranger eventualmente todas as nove Uniões e 33 Associações, Missões e Postos Missionários.

Em outubro de 2013, foi inaugurada uma escola de evangelismo em Kiev para capacitar pastores, instrutores bíblicos e médicos missionários. O programa “Um Ano em Missão” facilitou o treinamento de equipes de jovens missionários. O conhecimento adquirido foi colocado em prática. Missionários compartilharam as boas-novas em ruas, praças, shopping centers e outros locais públicos.

Houve um tempo em que o território da Divisão Euroasiática era considerado um dos mais inacessíveis para a pregação do evangelho. Mas “a palavra de Deus não está presa” (2Tm 2:9). No fim da década de 1980, o Senhor abriu o Kremlin em Moscou. O evangelista Mark Finley pregou as três mensagens angélicas ali, resultando em milhares de batismos. Hoje, novamente o Senhor oferece oportunidades únicas. Em Kiev, na Ucrânia, e em Moscou, na Rússia, o canal de televisão Hope Channel conseguiu licença governamental, abrindo caminho para alcançar milhões de espectadores em potencial.

 

Jovens da Divisão Euroasiática estão envolvidos em atividades variadas de divulgação da mensagem, como evangelismo público e serviço à comunidade. Crédito: departamento de comunicação da ESD

Jovens da Divisão Euroasiática estão envolvidos em atividades variadas de divulgação da mensagem, como evangelismo público e serviço à comunidade. Crédito: departamento de comunicação da ESD

De criminoso a testemunha do Senhor

Sete dos treze países da ESD são dominados pelo Islã e pertencem à Janela 10/40. Não é seguro pregar o evangelho ali, nem mesmo dentro de igrejas. Pregadores e missionários adventistas já foram expulsos muitas vezes desses países. Diante de tais circunstâncias, o testemunho pessoal é o método mais apropriado de evangelismo, sobretudo quando sai dos lábios de pessoas nativas.

Malik Ashirov, líder de um grupo do Cazaquistão, pertence à etnia uigur. Ele professa abertamente o cristianismo. Apesar de ser relativamente jovem, já passou mais de 15 anos da vida na prisão. Enquanto cumpria uma de suas penas, ouviu um pastor adventista falar sobre Jesus.

No dia 9 de agosto de 2000, guardas tiraram Ashirov de sua cela e ele foi solto em sistema de liberdade condicional. Seus companheiros de prisão e os guardas testemunharam o batismo dele, algo que nunca haviam visto antes.

O Senhor mudou a vida de Ashirov. Depois de sair da prisão, ele se casou e teve uma filha e um filho. As pessoas o veem muitas vezes com a Bíblia na mão. O testemunho cristão se transformou em seu propósito de vida.

Ventos de intolerância

Em seis países da Divisão, a maioria das pessoas pertence à Igreja Ortodoxa. As igrejas protestantes costumam ser consideradas estrangeiras, ao passo que a Igreja Ortodoxa dominante cria uma série de problemas. Em alguns países, a lei permite que os cristãos adorem ou preguem o evangelho somente em prédios dedicados para esse fim. Por isso, ter casas de oração é nossa única chance de testemunhar. Graças aos esforços de membros e pastores, com o apoio da igreja mundial, dezenas de novas capelas e centros de influência foram construídos.

Recentemente, membros e pastores da República da Bielorrússia realizaram algo que parecia impossível. Em apenas 45 dias de trabalho, eles construíram com as próprias mãos um prédio de quatro andares como centro de influência na cidade de Minsk. As paredes do novo edifício foram erguidas bem diante de nossos olhos, um testemunho de fidelidade e dedicação à obra.

Educação adventista do sétimo dia

Temos 25 escolas que oferecem educação cristã na Divisão Euroasiática.

Até pouco tempo atrás, nossa igreja não tinha permissão para administrar as próprias escolas. Mas assim que tivemos essa possibilidade, percebemos que nos faltavam as premissas necessárias para as atividades de ensino e aprendizagem. Com tantas pessoas que desejavam estudar em escolas da igreja, não perdemos tempo. Em resposta a esse desafio, os administradores das Associações Ucraniana Ocidental e de Bujovinskaya, da União Ucraniana, tomaram uma decisão incomum: desocuparam seus escritórios em Lvov e Chernovtsy a fim de acomodar salas de aula ali.

Ventos de guerra

Enquanto nos regozijávamos com nosso sucesso na pregação do evangelho na Ucrânia, ninguém previa a série de acontecimentos políticos que levaria a uma guerra com centenas de milhares de refugiados e migrantes forçados, com belas cidades e povoados transformados em ruínas.

A fim de aliviar o sofrimento e levar consolo aos sofredores, os adventistas da Ucrânia deram início à campanha “Anjo Oriental”. O objetivo do projeto é conseguir alimento e remédios para os necessitados, feridos e aflitos, bem como contribuir com a restauração de construções danificadas pela guerra. Pastores e membros criaram equipes de reforma e saíram para trabalhar no leste da Ucrânia.

Ao mesmo tempo, nossos membros da Rússia cuidaram daqueles que fugiram dos horrores da guerra. Refugiados eram instalados dentro das igrejas e em apartamentos particulares. Foram organizados programas de doação de refeições e alimentos, seguindo este preceito divino: “Partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado” (Is 58:7).

A igreja continua seu ministério em regiões assoladas pela guerra. Vez após vez, granadas explodem perto de casas de oração, causando morte e destruição. Mas assim que o ruído das armas silencia, ouve-se novamente o som de hinos e das orações. Os templos adventistas são literalmente ilhas de esperança dentro deste mundo louco e cruel.

Embora algumas igrejas tenham sido danificadas, até hoje, nenhum membro da igreja foi morto dentro das zonas de conflito. Louvamos ao Senhor e expressamos profunda gratidão aos líderes da igreja, a todas as Divisões e, em especial, às Divisões Interamericana e Intereuropeia, que nos apoiaram e estenderam uma mão ajudadora.

 

Os meios de transporte na Divisão Euro-Asiática são tão variados quanto sua população. Crédito: departamento de comunicação da ESD

Os meios de transporte na Divisão Euro-Asiática são tão variados quanto sua população. Crédito: departamento de comunicação da ESD

Jovens envolvidos na missão

Além de sua função direta, o ministério social da igreja ajuda os jovens adventistas a enxergar a própria missão e a colocar em prática suas virtudes.

Os jovens tomam a iniciativa de projetos sociais em lanchonetes que funcionam como igrejas, organizando concertos de caridade e ações governamentais, prestando auxílio aos idosos e enfermos, fazendo assim novos amigos para Jesus e fortalecendo a própria fé.

Isso também se evidencia pela energia dos jovens que competiram no evento “O Mundo da Bíblia”, que foi organizado em todos os níveis administrativos, desde as Associações até a Divisão. A vencedora, com maior conhecimento das Sagradas Escrituras, foi Tatyana Krashevskaya, da Ucrânia.

Nova tradução da Bíblia para o russo

A Bíblia não consiste apenas em uma fonte de conhecimento — é também a Palavra da Vida. A fim de levar a mensagem das Escrituras ao máximo possível de pessoas, o Instituto de Tradução da Bíblia, sediado em nosso Seminário Teológico Zaokski, foi criado na Divisão sob a liderança de Mikhail Petrovich Kulakov [autor do livro Ainda que Caiam os Céus], há mais de vinte anos. Hoje, a gigantesca tarefa de traduzir a Bíblia para o russo contemporâneo foi concluída e milhares de exemplares foram impressos.

Literatura distribuída como “folhas de outono”

Outro projeto foi a distribuição do livro missionário O Grande Conflito, de Ellen G. White. Mikhail Oskola, aluno do último ano do ensino médio, foi um dos muitos que participaram desse projeto. Em um ano, ele distribuiu mais de 5 mil livros! Foi entregue um total de 1,9 milhão de exemplares de O Grande Conflito na Divisão Euroasiática, na maioria dos casos, a versão completa.

Ao longo dos últimos cinco anos, cerca de 100 milhões de exemplares impressos se tornaram ferramentas para a proclamação das boas-novas.

Nosso Senhor disse a seus discípulos: “Mas recebereis poder […] e serão minhas testemunhas […] até os confins da Terra” (At 1:8). A península de Kamchatka pode ser considerada um dos “confins da Terra”. Essa terra de vulcões e gêiseres é cercada por mares gelados. Menos de 300 mil pessoas habitam as três cidades e os vários vilarejos. Mas o Senhor não se esquece deles e também envia seus mensageiros para lá.

Duas colportores-evangelistas, Yulia e Taisia, tinham o antigo sonho de visitar esse rincão da Rússia ainda não alcançado por missionários, a fim de testemunhar do amor de Cristo e de seu breve retorno. Confiando nas promessas divinas e buscando direcionamento em oração, elas pegaram a estrada. Levaram pouca bagagem, com exceção das caixas de livros que carregaram em uma minivan. Essas missionárias percorreram longas distâncias — a pé, de ônibus ou de carona — durante um ano e meio. No fim do outono, a maioria dos livros já havia sido distribuída.

Yulia e Taisia estavam em Kozyrevsk, uma vila de pescadores que fica a cerca de 500 km da cidade mais próxima. A vila tem apenas cerca de mil moradores. Para a surpresa delas, encontraram um grupo de pessoas sedentas pela verdade. Depois de terminarem o trabalho e partirem da vila, Yulia e Taisia receberam uma carta dos novos amigos, pedindo que voltassem. Embora o inverno já tivesse chegado, essas duas mulheres pegaram a estrada de novo. Em meio a precipitações e tempestades de neve, elas precisaram caminhar na neve, que chegava a bater no meio das pernas. No entanto, o compromisso de espalhar a Palavra de Deus superava qualquer obstáculo. Vindos de todas as partes da vila, aqueles que desejavam estudar a Palavra de Deus se reuniam em uma pequena casa na qual as duas mulheres estavam ficando. Depois de um tempo, convidaram um pastor. Cinco pessoas foram batizadas. Assim um grupo adventista foi plantado em uma pequena vila de pescadores.

Em muitas dessas regiões remotas, desconectadas da civilização, as pessoas não têm acesso à televisão por satélite, internet ou até mesmo à energia elétrica. Os povos nativos — aleutians, komis, evenkis, khantys, mansis, nenets, chukchis e outros — também necessitam ouvir a mensagem salvadora do Jesus que pode mudar a vida deles para melhor e transformá-los em parte da família global de Deus. Orem por nós!

Chegou o tempo de agir

Agradecemos e louvamos a Deus pelo caminho que trilhamos até aqui. Com fé em seu breve retorno, estamos indo para o alto, através e além, a fim de alcançar os habitantes de vilarejos remotos e das grandes cidades. Os habitantes do extremo norte e da Sibéria, do Cáucaso e do Afeganistão, da Ásia Central e do Extremo Oriente estão aguardando os mensageiros de Deus. A fim de cumprir essa missão, a igreja tem buscado o poder do Espírito de Deus mediante oração fervorosa e compromisso inabalável. Chegou o tempo de agir. [Fonte: Adventist ReviewTradução: Cecília Eller Nascimento]

Novo diretor mundial de Publicações da Igreja Adventista é brasileiro

Pastor Almir Marroni foi eleito para a função no final da tarde desta terça-feira

Eleito pela assembleia mundial da igreja em San Antonio, Texas (EUA), no final da tarde de hoje, o pastor Almir Marroni deixa a função de vice-presidente dos adventistas sul-americanos para assumir o departamento de Publicações da sede mundial. Ele irá substituir o pastor Howard Faigao.

O jornalista Diogo Cavalcanti, enviado especial da Revista Adventista à assembleia em San Antonio, conversou com o novo líder mundial de Publicações logo após a decisão. Confira o áudio da entrevista:

Trajetória

Marroni, que também atua como coordenador da área de Espírito de Profecia, dedicou boa parte de seu ministério para o departamento de Publicações na União Sul-Brasileira e na Divisão Sul-Americana. Desde 2011 ele atuava com um dos vice-presidentes da igreja para oito países da América do Sul. Almir Marroni é natural de Londrina (PR). Casado com Williane Marroni, que é responsável pelo Ministério da Mulher na América do Sul, eles têm duas filhas.

Na tarde de hoje também foram votados outros líderes mundiais. Confira a lista:

Delbert Pearman – tesoureiro associado

Mike Lekic – diretor associado de Educação

Hudson Kibuuka – diretor associado de Educação

John Wesley Taylor – diretor associado de Educação

Julian Melgosa – diretor associado de Educação

Ramon Canals – diretor associado do Ministério Pessoal e Escola Sabatina

Nelu Burcea – diretor associado de Liberdade Religiosa e Relações Públicas

Dwayne Leslie – diretor associado de Liberdade Religiosa e Relações Públicas

Raquel Arrais – diretora associada do Ministério da Mulher

Saustin Mfune – diretor associado do Ministério da Criança

Jonas Arrais – secretário ministerial associado

Robert Costa – secretário ministerial associado

Derek Morris – secretário ministerial associado

Willie Hucks Jr. – secretário ministerial associado

Anthony Kent – secretário ministerial asso

Assembleia vota documento que reafirma a confiança dos adventistas nos escritos de Ellen White

Documento foi votado pela assembleia mundial da igreja em San Antonio, Texas (EUA).

adventistas-votam-pequenas-alteracoes-de-redacao-nas-crencas-fundamentais

Alterações na redação das crenças fundamentais dos adventistas foram votadas no início da tarde desta terça-feira, 7 de julho. Foto: Leônidas Guedes

Há dez dias do centenário da morte de Ellen G. White, co-fundadora da Igreja Adventista, os 2.570 delegados que representam os 18,5 milhões de adventistas votaram um documento em que reafirmam a confiança da denominação nos escritos da mensageira do Senhor. A decisão foi tomada nesta tarde, dia 7, em San Antonio, no Texas (EUA).

Basicamente, a declaração trata de cinco pontos: (1) reconhecimento de que esse dom é um presente de Deus para seu povo; (2) alegria de ver esse material traduzido e divulgado ao redor do mundo; (3) convicção de que esses escritos foram divinamente inspirados e de que têm valor normativo para a igreja hoje; (4) compromisso de estudá-los e; (5) incentivo para que novas estratégias sejam elaboradas para ampliar o acesso a esse legado, dentro e fora da igreja.

Até o próximo sábado, dia 11, os delegados estarão envolvidos em outros debates e decisões administrativas, doutrinárias e de aplicação prática para a denominação. Leia a seguir a declaração na íntegra.

DECLARAÇÃO DE CONFIANÇA NOS ESCRITOS DE ELLEN G. WHITE

Nós, delegados da assembleia da Associação Geral de 2015 em San Antonio, Texas, expressamos profunda gratidão a Deus pela presença contínua dos diversos dons espirituais em meio a seu povo (1Co 12:4-11; Ef 4:11-14), sobretudo pela orientação profética que recebemos por meio da vida e do ministério de Ellen G. White (1827—1915).

No ano do centenário de sua morte, alegramo-nos porque seus escritos foram disponibilizados ao redor do planeta em muitos idiomas e em vários formatos impressos e eletrônicos.

Reafirmamos nossa convicção de que seus escritos são inspirados por Deus, verdadeiramente cristocêntricos e fundamentados na Bíblia. Em lugar de substituir as Escrituras, eles exaltam seu caráter normativo e corrigem interpretações imprecisas derivadas de tradições, da razão humana, de experiências pessoais e da cultura moderna.

Comprometemo-nos com o estudo dos escritos de Ellen G. White em atitude de oração e com o coração disposto a seguir os conselhos e as instruções ali encontrados. Seja em oração, em família, em pequenos grupos, em sala de aula ou na igreja, o estudo combinado da Bíblia e de seus escritos proporciona uma experiência transformadora e edificadora da fé.

Incentivamos o desenvolvimento continuado de estratégias tanto mundiais quanto locais para promover a circulação de seus escritos dentro e fora da igreja. O estudo de tais escritos consiste em um meio poderoso de fortalecimento e preparo do povo de Deus para a vinda gloriosa de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. [Reportagem: Wendel Lima, equipe RA / Tradução: Cecília Eller Nascimento]

Em mais um dia de eleições, assembleia define líderes da Associação Geral e divisões

A assembleia mundial da igreja nomeou nesta segunda-feira, 6 de julho, os líderes que atuarão como vice-presidentes da Associação Geral. Uma das mudanças mais significativas foi a redução do número de líderes para a função. Em vez de 9, agora serão apenas 6 vice-presidentes, seguindo o modelo que era adotado pela igreja até 1990. O que justifica a mudança, segundo explicou o pastor Ted Wilson, é ao fato de que algumas instituições não mais estarão sob supervisão da Associação Geral. No quadro de diretores de departamentos houve poucas alterações. Dos 12 departamentais votados até agora, apenas dois são novos na função: Ganoune Diop, que substitui John Graz, e Duane Mckey, que substitui Jonathan Kuntaraff.

Além dos nomes votados para essas funções, o plenário da assembleia também nomeou um brasileiro e um chileno para a equipe da Associação Geral: Gerson Santos, como secretário associado, e Magdiel Perez, atual secretário da Divisão Sul-Americana, que exercerá a função de assessor especial do presidente da Associação Geral.

A agenda do dia contemplou ainda a definição dos presidentes das 13 divisões. Seis deles permanecem no cargo. Entre os reeleitos está o presidente da Divisão Sul-Americana, pastor Erton Köhler (confira aqui a entrevista concedida à Revista Adventista após a reeleição).

Confira abaixo a relação dos líderes eleitos nesta segunda-feira:

Vice-presidentes da Associação Geral

os-6-vice-presidentes-no-palco-da-assembleia

Número de vice-presidentes caiu de 9 para 6. Mudança se deve ao fato de que algumas instituições não mais estarão vinculadas à Associação Geral. Foto: Adventist Review

Artur Stele (reeleito)

Abner De Los Santos

Ella Simmons (reeleita)

Geoffrey Gabriel Mbwana (reeleito)

Guillermo Biaggi

Thomas Lemon

Diretores de departamentos da Associação Geral

os 12 diretores de departamentos eleitos

Até agora foram eleitos 12 dos 15 diretores de departamentos. Foto: Adventist Review

Ministério de Capelania – Mario Ceballos (reeleito)

Ministério da Criança – Linda Mei Lin Koh (reeleita)

Comunicação – Williams Costa Jr. (reeleito)

Educação – Lisa Beardsley-Hardy (reeleita)

Ministério da Família – Willie Oliver (diretor) e Elaine Oliver (diretora associada) – reeleitos

Ministério da Saúde – Peter Landless (reeleito)

Associação Ministerial – Jerry Page (secretário) e Janet Page (secretária associada) – reeleitos

Relações Públicas e Liberdade Religiosa – Ganoune Diop (substitui John Graz)

Ministério Pessoal – Duane Mckey (substitui Jonathan Kuntaraff)

Ministério da Mulher – Heather-Dawn Small (reeleita)

Ministério Jovem – Gilbert Cangy (reeleito)

Auditoria – Paul Douglas (reeleito)

 

Presidentes das divisões

os-13-presidentes das divisoes no palco da assembleia

Dos 13 presidentes de divisões, 6 foram reeleitos. O pastor Erton Köhler foi um deles. Foto: Adventist Review

Divisão Centro-Leste Africana – Blasious Ruguri (reeleito)

Divisão Euro-Asiática – Michael Kaminski

Divisão Interamericana – Israel Leito (reeleito)

Divisão Norte-Americana – Daniel Jackson (reeleito)

Divisão do Pacífico Norte-Asiático – Jairyong Lee (reeleito)

Divisão Sul-Americana – Erton Kohler (reeleito)

Divisão do Sul do Pacífico – Glenn Townend

Divisão Sul-Africana Oceano Índico – Paul Ratsara (reeleito)

Divisão do Pacífico Sul-Asiático – Leonardo Asoy

Divisão Intereuropeia – Mario Brito

Divisão Centro-Oeste Africana – Elie Weick-Dido

Divisão Sul-Asiática – Ezras Lakra

Divisão Transeuropeia – Raafat Kamal (reeleito)


CONFIRA O QUADRO GERAL DE ELEIÇÕES DA ASSEMBLEIA

Pastor Erton Köhler é reeleito presidente da Igreja Adventista na América do Sul

O enviado especial da Revista Adventista à assembleia mundial da igreja nos Estados Unidos, Diogo Cavalcanti, conversou com o pastor Erton Köhler. O líder dos adventistas sul-americanos, que foi reeleito na tarde desta segunda-feira, 6 de julho, falou sobre alguns dos seus sonhos e projetos para os próximos cinco anos de gestão. Confira o áudio da entrevista:

Trajetória

O pastor Erton Köhler preside a igreja em oito países da América do Sul desde 2006. Natural de Caxias do Sul (RS), Köhler tem 47 anos e faz parte da terceira geração de pastores na família. É formado em Teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp) e possui mestrado em Teologia Pastoral pela mesma instituição. Foi pastor distrital em São Paulo de 1990 a 1994. Liderou o Ministério Jovem na Associação Sul-Rio-grandense de 1995 a 1998. De 1998 a 2002, foi líder do Ministério Jovem na União Nordeste Brasileira. Ainda no segundo semestre de 2002 foi secretário na Associação Sul-Rio-grandense. Em 2003, foi transferido para a Divisão Sul-Americana como líder do Ministério Jovem. Ficou nesta função até o final de 2006. É casado com a enfermeira Adriene Marques Köhler e tem dois filhos, Matheus e Mariana. [Com informações de Felipe Lemos]

Deus é fiel, suas promessas são certas

Leia o relatório financeiro apresentado pelo ex-tesoureiro mundial da igreja, Robert Lemon, referente aos últimos cinco anos

Foto: ANN

Segundo Roberto Lemon, que deixa o cargo para se aposentar, a igreja tem priorizado investimentos na chamada Janela 10/40. Foto: ANN

Desde que Wayne Hooper escreveu a letra e a melodia da música tema da assembleia da Associação Geral de 1962, “Oh! Que Esperança!” se tornou o hino favorito dos adventistas. Já tivemos outras músicas temas das assembleias mundiais ao longo dos anos, mas essa passou a fazer parte de todas das quais participei. A esperança no breve retorno de Jesus é o profundo anseio de todo cristão verdadeiro.

“Oh! Que esperança! Vibra em nosso ser. Pois aguardamos o Senhor. Fé possuímos que Jesus nos dá. Fé nas promessas que nos fez. Eis que o tempo logo vem e as nações aqui e além, bem alerta, vão cantar: Aleluia! Cristo é rei! Oh! Que esperança! Vibra em nosso ser. Pois aguardamos o Senhor.”

Desde seus primórdios, a Igreja Adventista do Sétimo Dia prega o breve retorno de Cristo. Nossa esperança não diminuiu. Estamos cinco anos mais perto do que quando nos encontramos em Atlanta para a assembleia da Associação Geral de 2010. Aqueles que são pais já devem ter ouvido os filhos perguntarem: “Já estamos chegando em casa?”. Nós, filhos de Deus, somos impacientes e, com frequência, perguntamos: “Já estamos chegando em casa?”

A resposta de Jesus se encontra na última parte de João 14:3: “Voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver” (NVI).

Deus é fiel, ele provê para sua igreja

Em nosso relatório para a assembleia da Associação Geral de 2010, louvamos ao Senhor por sua condução e observamos que, “depois de superar um dos períodos financeiros mais tumultuados dos últimos 75 anos, conseguimos ver com clareza a orientação divina e nos alegramos pela fidelidade de seus filhos”.

Este quinquênio foi de recuperação econômica, mas ainda vivemos neste mundo de incertezas. Mais uma vez, louvamos ao Senhor por ter abençoado e provido para sua igreja de maneira maravilhosa.

Dízimos e ofertas

Ao longo dos últimos cinco anos, os dízimos anuais ao redor do mundo cresceram 31%, de 1,85 bilhões de dólares em 2009 para 2,43 bilhões em 2014. As ofertas missionárias mundiais aumentaram 38% no último quinquênio, passando de 64,2 milhões de dólares em 2009 para 88,9 milhões em 2014. Em 2010, relatamos que, no período de 1975 a 2005, as ofertas missionárias mundiais, depois de permanecerem praticamente estáticas em torno de mais ou menos 50 milhões de dólares por ano, haviam alcançado 64 milhões em 2009, um aumento de 28%. Durante o mesmo período, 1975 a 2009, os dízimos cresceram de 398 milhões de dólares para 1,85 bilhões, um aumento de 365%. Neste quinquênio também testemunhamos um aumento substancial em ofertas missionárias das sedes administrativas (divisões) fora da América do Norte. No fim de 2014, as ofertas missionárias mundiais ultrapassaram 88,9 milhões de dólares. Louvamos ao Senhor por essa bênção! Nos últimos anos, tem havido uma mudança no padrão de doação, mais voltado para projetos, que têm estimulado o interesse em missões e sido uma bênção para essas áreas. Somos gratos a Deus por isso!

Mas um dos desafios de depender demais da doação para projetos é que a atenção dada a eles costuma ser curta. Quando surgem novas áreas de interesse, o apoio muda a ênfase, frequentemente deixando a organização local (quando há uma) sozinha para dar continuidade ao evangelismo sem recursos suficientes. Há casos em que se perde quase todo o progresso feito. A necessidade de um programa forte de ofertas missionárias que possa sustentar grandes iniciativas de longo prazo é cada vez mais importante ao nos concentrarmos na Janela 10/40. O aumento recente na doação de ofertas missionárias é de importância vital.

Dízimos extraordinários

Ao relembrarmos o grande tumulto financeiro de 2008 e 2009, só podemos louvar a Deus por sua bênção especial na forma de um grande total de dízimos extraordinários recebidos em 2007. Deus sabia que haveria necessidades especiais e proveu para elas sem nem mesmo pedirmos. Ele abençoou a fidelidade dos envolvidos e permitiu que novas iniciativas fossem empreendidas mesmo durante esse período econômico difícil.

A maioria dos recursos foi destinada às diversas iniciativas e projetos, muitos deles focalizando a Janela 10/40. Eles serão usados durante cinco a dez anos para espalhar o evangelho. O restante ainda não utilizado será empregado após a avaliação da viabilidade de longo prazo de tais iniciativas e projetos, sobretudo na Janela 10/40.

Uma vez que o total extraordinário de dízimos dificultaria a comparação com as informações financeiras de anos passados e futuros, estamos registrando esses dízimos e as despesas relacionadas a ele em separado das operações regulares, muito embora os números estejam combinados nas declarações financeiras auditadas.

grafico2

 

Entradas, gastos e patrimônio líquido da Associação Geral

Durante o quinquênio, o fundo operacional da Associação Geral (excluindo os dízimos extraordinários e recursos direcionados pelo doador) teve uma renda total (entrada e ganhos) de 1,075 bilhão de dólares e a despesa total de 999 milhões. O patrimônio líquido total do fundo operacional regular da Associação Geral (excluindo os dízimos extraordinários e recursos direcionados pelo doador) teve um aumento de 162 milhões de dólares para 246 milhões, e o capital de giro (excluindo os dízimos extraordinários), em 31 de dezembro de 2014, totalizava 224 milhões de dólares, 104% do montante recomendado nos Regulamentos Eclesiástico-Administrativos da Associação Geral.

Investimentos

A Associação Geral detém fundos e investe neles para uma série de propósitos. A comissão diretiva criou uma política que recomenda um nível mínimo de capital de giro. Esse montante corresponde a 45% da renda operacional irrestrita de um ano, ajudando a controlar oscilações temporárias na economia. Também auxilia a custear as necessidades de fluxo de caixa para verbas, salários e outras despesas mensais do orçamento, que devem ser pagas ao longo do ano, muito embora só recebamos a maior parte dos recursos no fim do ano.

A Associação Geral investe recursos alocados e restritos, delimitados pelos doadores e pela comissão diretiva, em projetos e iniciativas. Muitos deles se estendem ao longo de vários anos ou necessitam de tempo para ser concluídos. Além disso, a Associação Geral conta com fundo de doações, fundo de dízimos extraordinários, fundo de depreciação e fundos de crédito, acordos de renda vitalícia, doações de caridade, anuidades, etc., que necessitam de investimentos. Os fundos da Associação Geral costumam ser usados no ano em que são recebidos, mas alguns precisam ser mantidos por um tempo a fim de honrar alguns compromissos. O investimento em fundos da Associação Geral é feito de maneira conservadora.

Em janeiro de 2008, cerca de 87% dos fundos da Associação Geral correspondiam a investimentos de renda fixa (títulos e investimentos semelhantes) e 13% em ações. O declínio dos mercados financeiros em 2008 cobrou seu preço nos investimentos da Associação Geral, mas graças ao Senhor, entre 2008 e 2009, o retorno total dos investimentos (renda proveniente de lucros, dividendos etc., bem como os ganhos e as perdas acima ou abaixo do mercado em investimentos) da combinação de todos os fundos alcançou 4,4%.

Isso significa um aumento médio de cerca de 2,2% ao ano. Provavelmente o impacto mais duradouro da recessão tenha sido a mudança no nível dos lucros que indivíduos e organizações podem esperar dos investimentos. Em muitas partes do mundo, os investimentos (sem incluir as ações) costumavam proporcionar retorno de 5 a 7% com regularidade. Os números agora estão mais próximos de 1 a 3%. Isso exerceu grande impacto sobre os lucros em cima do capital de giro, aposentadoria e outros fundos.

 

grafico3

Efeito da flutuação da taxa de câmbio

As mudanças na taxa de câmbio sempre foram um desafio para organizações que trabalham com moedas diferentes. É difícil mostrar um retrato fiel dos dízimos e das ofertas ao redor do mundo, pois é possível que um aumento na moeda local apareça como diminuição quando convertido para dólares norte-americanos. É claro que os desafios não se limitam aos relatórios, mas também ao montante recebido de fato.

O orçamento da Associação Geral tem por base em dólares norte-americanos e suas verbas e compromissos financeiros são feitos principalmente nessa moeda. Ao planejar o orçamento do ano seguinte, precisamos presumir que as taxas de câmbio permanecerão relativamente estáveis. No entanto, se os dólares norte-americanos se fortalecem em relação a outras moedas importantes, isso significa que entrarão menos dólares na Associação Geral, mas aumentará o montante em moeda local para as organizações que receberem suas verbas em dólares norte-americanos.

Como as flutuações na economia nem sempre estão em harmonia com os momentos de recebimento de renda e de gastos, existe a necessidade de manter determinado nível de recursos à mão o tempo inteiro. Tais fundos são chamados de capital de giro. Dependendo da natureza da organização, a porcentagem da renda operacional anual necessária para operar com tranquilidade varia. Em 2002, 75% da renda recebida pela Associação Geral ainda provinha da Divisão Norte-Americana e cerca de 25% eram provenientes das outras Divisões, os quais eram sujeitos às flutuações nas taxas de câmbio. Em 2014, mais de 50% dos dízimos e das ofertas recebidos pela Associação Geral vieram de outras moedas que não o dólar norte-americano, estando sujeitos às flutuações.

O montante equivalente a 20% da renda anual irrestrita era considerado um nível adequado de capital de giro para a Associação Geral, mas a volatilidade muito maior da economia e das taxas de câmbio levou a Associação Geral a aumentar aos poucos essa porcentagem, chegando a 45% atualmente. Essa porcentagem está programada para aumentar 1% por ano até chegar a 50%. Isso permite à Associação Geral manter recursos suficientes para custear seus compromissos orçamentários mesmo com flutuações em suas entradas no curto prazo. Seria muito prejudicial para o trabalho ao redor do mundo se a Associação Geral precisasse cortar verbas no meio do ano depois que as divisões já fizeram compromissos contando com os recursos enviados pelo orçamento da Associação Geral.

O dólar norte-americano se fortaleceu substancialmente em 2014, até março de 2015, em relação a muitas das principais moedas do mundo. Isso reduziu o montante de dólares que entra na Associação Geral e, além de ter afetado 2014, terá um grande impacto sobre 2015 e é possível que posteriormente também. Apenas para colocar essa realidade em perspectiva, as seis moedas a seguir representam quase 70% das entradas da Associação Geral provenientes de fora dos Estados Unidos. Ao lado de cada uma delas, encontra-se listado o declínio percentual do valor da moeda em relação do dólar norte-americano entre janeiro de 2014 e março de 2015.

info-relatorio-tesouraria-4

Operações da AG durante 2014

Durante 2014, os dízimos e as ofertas missionárias que chegaram à Associação Geral foram 0,7% menores em comparação com o ano anterior, por causa da diminuição de 0,5% de dízimos da Divisão Norte-Americana. Esse decréscimo fez parte do ajuste programado de 8 para 6% de dízimos brutos. A despeito disso, a Associação Geral teve um aumento nos fundos operacionais (excetuando os dízimos extraordinários e os fundos direcionados pelo doador) de 7,8 milhões de dólares. Esse aumento foi resultado do funcionamento abaixo do orçamento previsto em várias das áreas principais e de ter sido levado em conta o decréscimo programado ao planejar o orçamento de 2014.

Durante o quinquênio

A Associação Geral continua a direcionar mais recursos para os territórios da Janela 10/40. As recomendações da Comissão de Revisão de Verbas de 2009 para o realinhamento das verbas e recursos missionários interdivisões foram colocadas em prática, dando mais ênfase à obra na região da Janela 10/40.

A Associação Geral começou a transição de um ajuste da porcentagem de dízimos da Divisão Norte-Americana para o orçamento da Associação Geral, envolvendo uma redução de 8 para 6% ao longo de determinado período. O índice atual de contribuição da Divisão Norte-Americana é de 7%, em comparação com 2% das outras divisões.

O canal de televisão Hope Channel foi estabelecido como uma instituição separada da Associação Geral em 2012. Antes disso, era um centro de custos dentro das declarações financeiras da Associação Geral.

A fim de atender com mais eficiência os aspectos de seleção, recursos humanos e logística dos missionários de status interdivisão, uma série de funções antes abordadas em separado pela secretaria e tesouraria foi combinada em uma área hoje conhecida como Recursos e Serviços Pessoais Internacionais.

A Associação Geral mantém o compromisso de reduzir ao mínimo o crescimento de sua equipe de funcionários a fim de permitir que o crescimento ocorra nos campos. Embora o total de membros tenha aumentado de 8,8 milhões em 1995 para 18,5 milhões em 2014, o número de funcionários da Associação Geral cresceu apenas de 282 para 288.

Deus é fiel, ele prometeu voltar

A serva do Senhor, Ellen White, escreveu: “Passando em revista nossa história, percorrendo todos os passos de nosso progresso até ao estado atual, posso dizer: ‘Louvado seja Deus!’ Quando vejo o que Deus tem executado, encho-me de admiração por Cristo e de confiança nEle como dirigente. Nada temos a recear quanto ao futuro, a não ser que nos esqueçamos do caminho pelo qual Deus nos tem conduzido” (Vida e Ensinos, p. 204).

Que emoção ela deve ter sentido ao ver como o Senhor nos tem conduzido. Nós também podemos dizer “louvado seja Deus” ao ver “o que Deus tem executado”. Sim, estamos chegando ao lar. Nossa oração é a mesma de João, o revelador: “Amém. Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22:20, NVI). [Fonte: Adventist Review / Tradução: Cecília Eller Nascimento]

Igreja Adventista já é a quinta maior comunidade cristã do mundo

Relatório do secretário-executivo mostrou avanços, mas também desafios da igreja no mundo

Igreja-Adventista-é-a-quinta-maior-comunidade-crista-do-mundo-diz-secretario-executivo-da-organizacao

Não foi só em termos econômicos que alguns países emergentes do Hemisfério Sul passaram a exercer maior protagonismo no cenário mundial nos últimos anos. O chamado Sul Global também assumiu um papel de destaque no contexto da Igreja Adventista pelo fato de concentrar a maior parte dos membros da denominação. Atualmente, 92% dos 18,5 milhões de adventistas vivem nessa parte do globo. Em 1960, o quadro era praticamente o oposto. Para se ter uma ideia, hoje a África reúne 38% do total de adventistas e a América Latinha, 32%. Os dados que mostram essa inversão histórica fizeram parte do relatório apresentado pelo secretário-executivo da sede mundial da organização, G. T. Ng, nesta sexta-feira, 3, durante a assembleia mundial que acontece em San Antonio, Texas (EUA).

T. Ng, que foi reeleito para continuar na função por mais cinco anos, apresentou estatísticas que mostram um avanço significativo da igreja no número de batismos. Hoje, de acordo com o secretário-executivo, a Igreja Adventista é a quinta maior comunidade cristã do mundo se for levada em conta a sua unidade mundial e o fato de que outras denominações, embora com maior número de membros, não possuem abrangência global ou são fragmentadas.

No ano passado, 1,6 milhão de novos membros foram batizados ou passaram a fazer parte da igreja por profissão de fé, o equivalente a 3.200 novos batismos por dia ou 2,2 batismos por segundo. Outro número recorde foi o plantio de 2.446 igrejas, uma congregação a cada 3 horas e 58 minutos. Esse crescimento chamou a atenção da mais prestigiada publicação evangélica norte-americana, a Christianity Today, que destacou o fato de, em 2014, mais de um milhão de fiéis terem se tornado adventistas pelo décimo ano consecutivo.

Se a Igreja Adventista fosse uma vila, essa seria a proporção de membros por região do mundo.

Se a Igreja Adventista fosse uma vila, essa seria a proporção de membros por região do mundo.

No entanto, a liderança da igreja vê as estatísticas com ponderação. Afinal, o número de membros em algumas partes do mundo tem estagnado ou entrado em declínio. Essa realidade é mais acentuada nos países ricos, fortemente influenciados pelo materialismo e o secularismo.

Conforme mostrou David Trim, responsável pela área de estatísticas da Igreja Adventista, em relatório apresentado na assembleia mundial, embora tenha havido crescimento, esse incremento foi lento nos últimos cinco anos. Na opinião dele, não está havendo uma crise de crescimento global, mas os dados emitem um sinal de alerta. Por isso, de acordo com Trim, a igreja está tentando criar mecanismos mais sofisticados para obter diagnósticos que retratem com maior precisão a realidade da organização no mundo.

Não por acaso, G. T. Ng foi reeleito por unanimidade. Sua capacidade analítica, que lhe permite enxergar além dos números, tem ajudado a igreja a lidar com esses desafios. “Sua longa experiência como professor mostra a capacidade analítica que ele tem para questões difíceis e sua prontidão para enfrentar situações positivas e negativas”, avalia Lowell Cooper, vice-presidente da Associação Geral. “A liderança de Ng tem aumentado a consciência da igreja global quanto às oportunidades e desafios da missão”, acrescenta Cooper. Essa opinião também é compartilhada por Geoffrey Mbwana, outro vice-presidente da sede mundial adventista. “Muito além da manutenção e análise de estatísticas, ele tomou medidas concretas para abordar as questões da missão”, analisa. Nos próximos cinco anos, G. T. Ng contará com o apoio de Myron Iseminger, cujo nome também foi votado na última sexta-feira para atuar como secretário associado. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações de Felipe Lemos, da ASN, e Stephen Chavez, da Adventist Review]


LEIA TAMBÉM

Leia o relatório apresentado pelo secretário-executivo da igreja mundial na assembleia

A igreja diante do espelho

Missão incompleta