Quem mexeu em nossas doutrinas?

Teólogo explica a necessidade de periodicamente a igreja revisar sua declaração de crenças

Mudanças editoriais nas crenças adventistas, que estão sendo votadas pela assembleia em San Antonio, foram propostas durante o Concílio Anual realizado nos Estados Unidos no ano passado. Foto: Ansel Oliver

Mudanças editoriais nas crenças adventistas, discutidas na assembleia em San Antonio, foram propostas durante o Concílio Anual realizado na sede mundial da igreja no ano passado. Foto: Ansel Oliver

Um dos importantes itens da agenda da assembleia mundial em San Antonio (EUA) é a revisão da declaração de crenças fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia, cuja publicação em português se intitula Nisto Cremos. Algumas das 28 crenças fundamentais que figuram nesse livro foram objeto de discussão na manhã e tarde de hoje, dia 6. As revisões mais importantes, porém, ocorreram em duas crenças: “A Criação” (nº 6) e “Matrimônio e Família” (nº 23).

É possível que você, se for um adventista, tenha se incomodado com a ideia de que a assembleia poderia estar votando a “mudança das doutrinas da igreja”. Embora essa inquietação seja justificável num primeiro momento, ao você entender como se dá esse processo, poderá constatar a seriedade com que a Igreja Adventista lida com as verdades bíblicas e confirmar sua confiança na Palavra de Deus. Para tanto, é preciso responder a duas perguntas: (1) o que é uma crença?; e (2) o que é uma declaração de crenças? Espero, ao fim desse artigo, ter explicado também se uma crença e uma declaração de crença podem mudar.

Pode uma crença mudar?

No contexto cristão, crença pode ser definida como a convicção ou compreensão acerca da realidade, a partir das “lentes” oferecidas pela Bíblia. Nesse sentido, doutrinas se referem à uma determinada realidade descrita pela Bíblia, como o conceito que temos sobre Deus, a criação, o grande conflito e a lei. É importante também fazer uma distinção entre a realidade em si e a compreensão acerca dela. A primeira é sempre mais profunda e abrangente do que a segunda. Ou seja, na medida em que estudamos as Escrituras, nós adquirimos uma compreensão cada vez mais ampla das verdades bíblicas, mas a realidade delas ainda vai muito além da nossa compreensão. Por isso, dizemos que nosso entendimento é parcial e progressivo.

Ao ler a Bíblia, é possível perceber como Deus lida com esse processo de progressão cognitiva dos seres humanos na compreensão de realidades espirituais, um processo tanto do desenvolvimento de indivíduos, quanto de um desenvolvimento histórico. Jesus, por exemplo, não informou os discípulos acerca de coisas que eles ainda não podiam “suportar” ou entender (Jo 16:12). Nova luz viria com o tempo por influência do Espírito Santo (Jo 16:13). Num contexto mais amplo, histórico, temos o exemplo das profecias dadas para Daniel, que seriam compreendias apenas em certa época (Dn 8:26-27; 12:4, 8-9). Desse modo, o próprio Daniel não foi capaz de entender plenamente o significado da revelação que ele recebeu. Nesse caso, é possível falar não apenas de uma revelação progressiva, mas também de uma compreensão progressiva (o conhecimento profético se multiplicaria no tempo do fim de acordo com Daniel 12:4) acerca das realidades espirituais.

Portanto, uma crença não se refere a um “produto final” ou credo imutável. Elas tratam de realidades cuja a compreensão humana ainda não esgotou. Isso significaria que uma crença pode ser revisada? Sim, na medida em que haja uma compreensão mais ampla das realidades espirituais, derivada do estudo das Escrituras. Note que uma compreensão mais ampla não requer a rejeição do conhecimento prévio. Antes, a ampliação pressupõe a presença de um conhecimento anterior que passa a se conectar com outras ideias que dão mais profundidade a esse conhecimento. Pense, por exemplo, na ampliação que Jesus ofereceu da compreensão da lei mosaica no sermão da montanha (Mt 5:21-48). Essa ampliação não contraria a revelação do Antigo Testamento, mas demonstra que sua aplicação é bem mais abrangente que a compreensão oferecida pelos líderes religiosos daquela época.

Pode uma declaração de crença mudar?

No entanto, existe outro elemento que precisa ser considerado. A declaração ou expressão de crenças. Uma crença pode ser expressada em diferente formas, ênfases ou estilos. Se existe distinção entre a realidade crida e a crença, o mesmo ocorre entre a crença e sua expressão. Um quadro geral da sequência dessas distinções seria: (1) realidade – (2) crença – (3) declaração. Em outras palavras, a crença não é a compreensão final e definitiva da realidade, assim como a declaração não é a expressão final e definitiva da crença. As limitações de uma declaração de crença estão relacionadas ao caráter dinâmico da linguagem, ou seja, as palavras e expressões ganham novo sentido com o tempo.

E se uma declaração de crença não é clara e inteligível, acaba distorcendo a mensagem original ou não comunicando nada. Logo, ela perde sua utilidade, pois acaba não sendo compreendida pelos membros (público interno), nem pelos que não são adventistas (público externo), mas desejam conhecer as doutrinas da igreja por meio de uma fonte confiável e oficial. Para quem pesquisa com seriedade o que acreditamos, um material como esse pode ajudar a minimizar ou a evitar a má compreensão sobre nossas crenças.

Tendo em vista a importante função de uma declaração de crenças, a editora adventista de Battle Creek, Michigan, publicou em 1872 uma “sinopse de nossa fé” em 25 proposições. Revisado e ampliado para 28 proposições, esse documento apareceu no Yearbook denominacional em 1889. Uma declaração de 22 doutrinas fundamentais foi impressa no Yearbook de 1931. E em 1980, a assembleia mundial em Dallas votou um sumário mais abrangente de 27 crenças fundamentais. Esse sumário corresponde ao texto atual do Nisto Cremos, com a adição da crença “Crescendo em Cristo”, aprovada em St. Louis, em 2005 (veja a introdução do Nisto Cremos).

Em realidade, essas revisões da expressão do pensamento doutrinário adventista em 1872, 1889, 1931, 1980 e 2005 não representam uma mudança na crença, mas ajustes na declaração que resume e sistematiza o que acreditamos. Essas mudanças vão desde ajustes editoriais até a inclusão de uma ou mais crenças, que em sua essência não eram novas para a igreja.

A denominação entende que revisões das declarações de crença podem ser esperadas “numa assembleia da Associação Geral, quando a igreja é levada pelo Espírito Santo a uma compreensão mais completa da verdade bíblica ou encontra melhor linguagem para expressar os ensinos da Santa Palavra de Deus.” (Nisto Cremos, p. 4, grifos acrescentados). Perceba que essa citação contempla dois tipos de revisão: da crença (no caso de uma compreensão mais ampla) e da expressão ou declaração da crença (no caso de uma linguagem mais adequada).

Em geral, as revisões adotadas se referem mais ao segundo tipo, como foi o caso das revisões aprovadas hoje em San Antonio. A igreja não mudou sua compreensão doutrinária. Contudo, na sociedade atual, visões seculares com respeito à origem do universo e à natureza do matrimônio têm penetrado vários círculos religiosos, que passam a utilizar uma linguagem doutrinária mais geral (e até mesmo ambígua) para acomodar essas visões. Em absoluto contraste a essa tendência, a sugestão de revisão da declaração das crenças fundamentais 6 e 23 teve o objetivo de imprimir uma linguagem mais clara e explícita que reflita de forma inequívoca a compreensão bíblica adventista: de que a semana da criação foi real/literal e de que o matrimônio é entre homem e mulher. Portanto, em vez de se tratar de mudança de conteúdo, a revisão foi um ajuste de redação a fim de tornar mais claro o que a igreja sempre acreditou.

Adriani Milli é professor de Teologia no Unasp e aluno do Ph.D. em Teologia Sistemática na Universidade Andrews (EUA)

Assembleia elege secretários e tesoureiros associados da sede mundial da igreja

Saiba quais foram os líderes nomeados pela assembleia neste domingo

No terceiro dia da assembleia mundial da igreja foram definidos os líderes associados que atuarão na secretaria e tesouraria da Associação Geral nos próximos cinco anos. Com exceção de Raymond Wahlen, que irá deixar a função de tesoureiro assistente e assumirá o posto de tesoureiro associado, todos os demais continuam na função. Veja abaixo a relação dos líderes nomeados pela assembleia neste domingo:

info-eleicoes.05

O glorioso clímax da história: a promessa do retorno de Cristo

Todo pensamento e toda atividade de nossa vida devem ser definidos por esse clímax da história humana que está prestes a acontecer

imagem-devocional-02.07-creditos-Adventist-Review

De todas as promessas de Jesus, a expressa em João 14:1-3 é a mais pessoal, consoladora e segura. “Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim. Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar. E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver”.[i]

O que Jesus está dizendo aqui? Basicamente o seguinte: “Eu sei que vocês confiam em Deus; sei que também confiam em Mim. Mas quando pararem de me ver, deixarão de confiar? Continuo conduzindo-os até o destino final. Levem Minha Palavra a sério. Eu virei mais uma vez e nós ficaremos juntos”.

Um Senhor digno de confiança

Será que confiamos nas palavras de Jesus, mesmo quando Ele não está fisicamente conosco? Ou temos um pouco de Tomé dentro de nós? No relato da ressurreição de Jesus, Tomé buscou uma base mais racional para uma história tão extraordinária: “Eu estou bem, meu coração está bem, minha fé está bem, está tudo bem. Mas estou com um problema: a menos que eu sinta Suas feridas com minhas mãos, simplesmente não consigo crer”. Uma semana depois, Jesus lhe deu essa oportunidade. O Cristo ressurreto desafiou o discípulo duvidoso: “Toque-me e veja”. E foi isso que Tomé fez. Sentiu as feridas de Jesus e se rendeu: “Senhor meu e Deus meu” (João 20:28).

A resposta de Jesus tem relevância eterna para a jornada da fé: “Porque você me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram” (versículo 29). As palavras de Jesus são tão boas quanto Sua presença. Mesmo enquanto esperamos, Suas palavras “virei outra vez” falam com uma certeza que não admite nem dúvida, nem zombaria.

O evangelho de João relata um episódio emocionante no capítulo 4. Em Cafarnaum, o filho de um nobre estava doente. O oficial ouvira que Jesus estava novamente em Caná, onde havia realizado Seu primeiro milagre em um casamento.

Mas Jesus não se limita apenas a Caná. Ele é universal, uma pessoa para todas as pessoas. É o Salvador do mundo. Sua palavra ordena a vida. Por isso, o nobre de Cafarnaum se apressou para viajar cerca de 36 quilômetros na direção sudoeste até Caná, a fim de encontrar Jesus e lhe dizer que seu filho estava “à beira da morte” (João 4:47). “Vem até minha casa, Jesus”, ele suplicou. “Resgata meu filho das garras da morte. Tu podes curá-lo. Confio em Ti”.


Todo pensamento e toda atividade de nossa vida devem ser definidos por esse clímax da história humana que está prestes a acontecer


A resposta do Salvador é surpreendente: “Pode ir. O seu filho continuará vivo” (versículo 50). Jesus parece dizer: “Eu não preciso ir com você. Você tem Minha Palavra. Confie em Mim. Minha palavra é tão boa quanto Minha presença”.

O nobre confiou nas palavras de Jesus e só voltou para casa no dia seguinte. Quando finalmente chegou, “seus servos vieram ao seu encontro com notícias de que o menino estava vivo” (versículo 51). O homem descobriu que a cura havia ocorrido justamente no momento em que Jesus falara. A palavra de Cristo nunca falha — seja em Caná, Cafarnaum, Betesda, Jerusalém, San Antonio ou Londres — Sua palavra é tão boa quanto Sua presença.

E foi esse Jesus quem disse: “Voltarei” (João 14:3).

Suas promessas são dignas de confiança

Confiar em Jesus é se apoiar em algo real e concreto. “Na casa de meu Pai”, esse é o lar! Ele estava indo para casa e se ofereceu para partilhar esse lar com aqueles que depositam fé e confiança nEle. Seu retorno deve nos mover da fé e do acreditar a uma experiência real e concreta. Quando Ele voltar, não dirá “Toque-me e veja”, mas, sim, “Entre na alegria de Seu Senhor. Habite comigo na casa de Meu Pai. Essa é sua herança preparada desde a fundação do mundo” (cf. Mateus 25:21, 34). A promessa de viver na casa de Deus é tão real quanto a experiência de Tomé de tocar o lado ferido de Jesus.

Quando Cristo falou sobre uma casa no céu, não estava se referindo a sua beleza, amplidão ou caráter desejável. Ele falou sobre a casa de Seu Pai. Essa casa é diferente de todas as outras. Trata-se de um local construído pelo amor. É o lugar onde podemos ser as pessoas que Deus nos criou para ser, onde podemos voltar para o lar, tirar os sapatos e relaxar.

Essa é a casa que Jesus prometeu. Somos aceitos e amados ali; e pertencemos a esse lugar. Jesus diz: A casa de Meu Pai é a sua casa também. O seio eterno de Deus se torna nosso lugar de descanso eterno, onde podemos nos apoiar, celebrar nossa alegria duradoura e bradar em triunfo: “Nunca mais haverá separação entre Ele e nós”. Estamos no lar afinal!

Jesus usou imagens familiares de Sua época para ilustrar Seu retorno, a saber, viagens e um casamento. Quando as autoridades viajavam, as pessoas eram enviadas à frente para fazer todos os preparativos para o restante do grupo. Jesus faz isso por nós. Ele vai à frente a fim de preparar um lugar para podermos viajar até nossa casa. Enquanto aguardamos Seu retorno, ele pede que preparemos um lugar para Jesus no coração das pessoas ao nosso redor, a fim de que elas também possam fazer a viagem.

Em Israel, quando um jovem queria se casar, ele pedia aprovação a seu pai. Somente quando era construída uma extensão na casa, o pai concordava que o casamento prosseguisse e a noiva fosse levada para casa. Nosso Pai celeste quer que Jesus Cristo, Seu Filho, nos leve para o lar.

Como chegar lá?

Mas como chegaremos lá? A resposta é a mesma: confiança em Jesus. Ele é “o caminho, a verdade e a vida” (João 14:6). Ninguém chega até o Pai, ou a Sua casa, a não ser por meio dEle. Não importa quem somos — homens ou mulheres, negros ou brancos, jovens ou velhos, ricos ou pobres, saudáveis ou doentes. O que importa de fato é que vamos para a Casa do Pai por intermédio de Jesus e há lugar para todos ali.

Enquanto a Guerra do Vietnã assolava a região, um soldado voltou para casa. Assim que pousou nos Estados Unidos, ele ligou para os pais. Sua mãe atendeu o telefone e ficou muito feliz por ouvir a voz do filho. Empolgada, exclamou:

— Estou feliz porque você conseguiu, filho. Esse é o melhor presente de Natal que poderíamos receber! Venha logo. Seu quarto estará preparado.

A voz do outro lado da linha assumiu um tom hesitante, que mal passava de um sussurro:

— Mas mãe…

— Sim?

Mais uma vez, a voz se encheu de cautela:

— Trouxe um amigo comigo. Posso levá-lo para a festa de Natal?

— Claro que pode! Seu amigo é nosso amigo também.

O filho continuou a explicar:

— Mas mãe, esse meu amigo está muito ferido. O rosto se encontra totalmente desfigurado. Na guerra, ele perdeu um olho, um braço e as duas pernas. A aparência dele é esquisita. Não é algo belo de se ver e ele pode precisar de um pouco de ajuda.

O silêncio pairou do outro lado da linha. Depois daquilo que pareceu uma eternidade, a mãe finalmente disse:

— Filho, por que você não o deixa em um hotel e simplesmente vem para casa? Não há lugar para ele na festa.

O filho nunca chegou à celebração. A mãe foi sozinha para as festividades da véspera de Natal. Por volta das quatro da manhã, quando chegou em casa, o telefone tocou. Ela atendeu rapidamente e ouviu a voz de um policial:

— Senhora, encontramos o corpo de um veterano do Vietnã em um quarto de hotel; ao que tudo indica, suicidou-se. Ele tinha o rosto desfigurado; havia perdido um olho, um braço e as duas pernas. Pelos documentos, acreditamos ser seu filho.

A casa de nosso Pai é radicalmente diferente. A chegada ao lar que Jesus foi preparar será um acontecimento alegre. Ninguém notará as cicatrizes no rosto de uma pessoa, nem as deficiências no corpo de outra. O mortal se revestirá de imortalidade. O próprio Cristo será nossa perfeição e Ele nos conduzirá à casa de Seu Pai.

O que podemos fazer?

O que podemos fazer em antecipação a esse momento que logo chegará?

Somos desafiados a viver na expectativa da vinda de Jesus. Cada pensamento e atividade de nossa vida devem ser definidos por esse clímax iminente da história humana. É Jesus quem voltará como o Senhor da glória. O mesmo Jesus que venceu a batalha contra o pecado logo descerá nas nuvens do céu para nos levar para casa. É por isso que Paulo aconselha: “Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas” (Colossenses 3:2). Nosso lar está no alto.

Com esse foco, somos chamados a conduzir a vida em vigilante expectativa e testemunho. O conselho apostólico é: “O fim de todas as coisas está próximo”. “Portanto, sejam criteriosos e estejam alertas; dediquem-se à oração” (1Pedro 4:7). A espera pelo lar do alto pode ser desacreditada como se fosse um sonho utópico, mas para aqueles que creem nas palavras de Jesus, o evento de Sua segunda vinda é tão histórico quanto o primeiro. Jesus voltará na história, no tempo e no espaço.

Tal acontecimento demanda confiança sem reservas nAquele que fez a promessa. “Confie em Mim”, podemos ouvi-lo dizer. “Eu voltarei para levar você à casa de Meu Pai”.

Viver com tal confiança é nosso desafio hoje. “Comportemo-nos com decência”, Paulo nos conclama, considerando a aproximação da aurora (Romanos 13:13). Podemos viver em meio à escuridão, mas, pelos olhos da fé, devemos manter em vista a aurora que se aproxima e viver de modo que não sejamos pegos desprevenidos. A segunda vinda deve nos deixar despertos e sóbrios (1Tessalonicenses 5:6) e precisa nos levar a um autoexame, a fim de fazermos a seguinte reflexão: “que tipo de pessoa é necessário que você seja? Viva de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda” (2Pedro 3:11, 12).

No fim das contas, é isso que importa. Enquanto esperamos, enquanto aguardamos, estamos vivendo de maneira responsável e amorosa, refletindo prontamente o caráter e a missão do Senhor que logo vem? O conselho de Ellen White é oportuno: “Vigiem pelo Senhor com mais fervor do que eles vigiam pela alvorada. Esperem no Senhor. Andem em Seus caminhos. Declarem Sua verdade. Ele muito se agrada quando Seus servos falam da fé… Ele trabalha por vocês e com vocês” (Carta 66, 1901, em Manuscript Releases, vol. 10, p. 388). [Tradução: Cecília Eller Nascimento]

Janos Kovacs-Biro é natural da Hungria e atua como diretor da Associação Ministerial e dos departamentos de Evangelismo e Ministério Pessoal da Divisão Transeuropeia em Saint Albans, Inglaterra.

Mensagem apresentada na quinta-feira, 2 de julho de 2015, na 60ª assembleia da Associação Geral, em San Antonio, Texas (EUA)

[i] Todas as citações bíblicas foram extraídas da Nova Versão Internacional.

ASSISTA TAMBÉM AO VÍDEO DA PREGAÇÃO

Líderes da igreja definem novo diretor financeiro da sede mundial

Juan Prestol-Puesán assumirá a função no lugar do pastor Robert Lemon

Créditos da imagem: Leônidas Guedes

Nascido na República Dominicana, Juan Prestol-Puesán possui vasta experiência como tesoureiro em vários níveis administrativos da igreja. Foto: Leônidas Guedes

A tarefa de administrar os recursos financeiros da igreja no mundo foi confiada a um novo líder. O nome de Juan Prestol-Puesán foi indicado pela Comissão de Nomeações e aprovado na tarde de sexta-feita, 3, pelos delegados da assembleia mundial que acontece em San Antonio, no Texas (EUA). Prestol-Puesán vai assumir a função no lugar do pastor Robert Lemon, que irá se aposentar.

Nascido na República Dominicana, o pastor Prestol-Puesán possui vasta experiência como tesoureiro em diversos níveis administrativos da organização adventista. Além de ter exercido essa função nas divisões Euro Asiática e Norte-Americana, ele trabalhou nos últimos anos como vice-tesoureiro da sede administrativa mundial da igreja.

Cenário desafiador

Juan Prestol-Puesán assume o cargo num contexto de volatilidade dos mercados financeiros ao redor do mundo, o que torna ainda mais desafiadora a missão de gerenciar os fundos da igreja. No entanto, conforme ele acredita, embora as alterações nas taxas de juros, as variações cambiais e as mundanças na economia mundial possam trazer surpresas, a igreja deve seguir confiante em Deus e com o foco na missão. “Temos que confiar no Senhor e, como gestores, trabalhar de maneira cuidadosa e atenta”, enfatizou o novo diretor financeiro em entrevista à Adventist Review.

Outro grande desafio, na opinião dele, são as mudanças demográficas. “A nova geração tem dúvidas sobre como a igreja opera. Não só como a igreja utiliza seus recursos, mas sobre como a igreja vai envolvê-los no ministério”, observou Prestol-Puesán. Por isso, ele disse que irá se comprometer em ouvir esse público. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações da Adventist Review]

A beleza da diversidade

Ele liderou a igreja sul-americana por 15 anos e testemunhou nove assembleias mundiais

0407o-que-vi-detroit1

Acervo: Revista Adventista

A primeira delas foi a que mais me impressionou: em Detroit, 1965. Na ocasião, eu era o líder do ministério jovem e do departamento de educação da antiga União Sul-Brasileira. Viajei para lá como delegado da igreja e muito me impressionou a organização do evento e o grande número de adventistas presentes. Nos dois fins de semana, a programação foi emocionante. São nesses períodos que mais pessoas, especialmente dos Estados Unidos e do Canadá, marcam presença no evento. Muito me emocionou ouvir aquele grande coro internacional entoar “Oh que esperança vibra em nosso ser!”

Algo comum a todas as demais assembleias das quais participei, foi ter ouvido mensagens inspiradoras nos momentos devocionais. E muito me tocaram as belas apresentações musicais interpretadas por membros de diferentes partes do mundo. Esse colorido das nações é ainda mais vistoso nos relatórios das sedes continentais (divisões) e no desfile das nações, na última noite. São momentos em que a gente percebe a mão poderosa de Deus conduzindo seu povo e somos motivados e desafiados para a missão.

Visitar as centenas de estandes das instituições é algo muito interessante também, porque nos dá uma noção da abrangência mundial das atividades da igreja. Louvo a Deus por tudo que testemunhei desde a primeira assembleia e agradeço a ele por fazer parte da sua igreja neste tempo e constatar como o Espírito Santo dirige seu povo.

João Wolff foi líder dos adventistas sul-americanos por 15 anos. Hoje, aposentado, reside em Curitiba (PR)

A mão de Deus ao leme

Ele já participou de dez assembleias mundiais e viu a igreja atravessar muitas intempéries

Desde 1962, com exceção do encontro em Detroit (1966), tive o grande privilégio de assistir a dez assembleias mundiais da Igreja Adventista. Em San Antonio, no Texas, estou acompanhando esse evento pela 11ª vez. Foram reuniões que marcaram meu ministério e me inspiraram a servir o Mestre.

Os pontos altos das assembleias são os relatórios, o desfile das nações, os sermões, a diversidade da música e as celebrações de fins de semana que reúnem de 65 mil a 75 mil adventistas. A multidão sai deslumbrada com o crescimento da igreja e inspirada para servir em suas igrejas e comunidades.

o-que-vi-na-assembleia-1970-foto-1

Assembleia foi tema de reportagem especial da edição de outubro de 1970 da Revista Adventista. Evento reuniu mais de 33 mil adventistas. Imagem: Acervo RA

A mais especial para mim, sem dúvida, foi a de 1970, em Atlantic City. Nos cinco anos anteriores à reunião, eu havia atuado como líder do Ministério Jovem em duas sedes administrativas da igreja: Associação Paraná-Santa Catarina e na União Sul-Brasileira. Participando numa caravana com 50 adventistas liderada pelo Dr. Wilson Rossi, fui como delegado para os Estados Unidos. Lá, em Nova Jersey, a pedido do pastor Oswaldo Azevedo, ajudei como tradutor dos brasileiros na comissão de nomeações.

Naquela reunião, testemunhei a eleição de vários líderes e o primeiro choque foi ver o pastor Moysés Nigri ser eleito como um dos vice-presidentes da sede mundial. Porém, a maior surpresa ainda estava para vir. Quando a comissão passou a eleger os líderes de ministérios, o pastor Charles Griffing, um missionário norte-americano, levantou-se e indicou meu nome para uma função. Ele brincou dizendo que havia sugerido meu nome para que um dia pudesse contar para meus netos que havia sido escolhido. Resultado: fui eleito diretor associado do Ministério Jovem. Dali para frente, passei por oito eleições e reeleições em 33 anos de serviço na sede mundial. Foi a primeira vez que a igreja escolheu brasileiros para trabalhar em seu nível administrativo mais alto.

o-que-vi-na-assembleia-1975-foto-2

Capa da edição de agosto de 1975 da Revista Adventista. Imagem: acervo RA

De 1975, lembro-me da iniciativa do pastor Robert H. Pierson, líder mundial dos adventistas na época, de internacionalizar a liderança da igreja. Naquele ano, pela primeira vez a assembleia ocorreu fora dos Estados Unidos: em Viena, na Áustria. Lá, tivemos que preparar equipes para as traduções e coube a mim a responsabilidade de trabalhar com 25 pastores de fala alemã. Essa foi a única vez em que a reunião foi bilíngue. Hoje, os delegados acompanham o programa em inglês munidos de rádios para a captação da tradução simultânea.

Não me esquecerei também da assembleia de Dallas (Texas), em 1980. Ali fui surpreendido novamente com outra eleição: então para ser o diretor mundial do Ministério Jovem, algo novamente inédito para um brasileiro. Na ocasião, tive que conversar com o pastor Neal C. Wilson, nos bastidores, para indicar para ele qual seria a minha equipe, a fim de que os nomes fossem aprovados pela comissão de nomeações. Atualmente, apenas os diretores de ministérios são escolhidos na assembleia, enquanto os associados eleitos no concílio anual. Tradicionalmente realizada em julho, naquele ano, pela primeira vez a assembleia ocorreu em abril.

Em 1990, na cidade de Indianápolis (Indiana), houve algo inusitado. É imprescindível que o presidente da Associação Geral seja eleito ou reeleito na primeira sexta-feira das reuniões, a fim de que ele lidere os votos sobre os demais itens da agenda. Como um dos secretários associados da sede mundial na época, eu conversava sobre a inclusão das novas uniões na hora do almoço com o pastor George Brown, então presidente da Divisão Interamericana. Então ele foi chamado para se apresentar para a comissão de nomeações. Comentei com meus colegas que eu já sabia que ele seria o novo presidente mundial. No entanto, para surpresa geral, ele não aceitou e foi assim que, quase ao pôr do sol, o pastor Robert Folkenberg foi eleito. Naquela mesma assembleia fui escolhido como um dos vice-presidentes, seguindo os passos de outros dois grandes líderes brasileiros: Moysés Nigri e Enoch de Oliveira.

Por sua vez, em 1995, na Holanda, a igreja discutiu o mesmo tema que tem gerado polêmica na assembleia de San Antonio: a ordenação de mulheres. Recordo dos delegados formando enormes filas para falar no microfone contra e em favor da questão. O mesmo ocorrerá agora em San Antonio, mas tenho certeza de que não haverá divisão da igreja. Ao longo dessas décadas, tive um vislumbre de como o Senhor esteve ao leme dirigindo seu povo através das intempéries. Seja na crise teológica com Desmond Ford, em 1980, ou na polêmica sobre a ordenação de mulheres, em 1995, os delegados, guiados pelo Espírito Santo, conseguiram encontrar uma solução e o mesmo ocorrerá no Texas. Deus intervirá para que a igreja continue seguindo o espírito da primeira assembleia, de 1863, levando adiante a pregação sobre a volta de Cristo em glória e majestade.

Léo Ranzolin foi vice-presidente mundial da igreja e hoje, aposentado, reside em Estero, na Flórida (EUA)

Pela 1ª vez, agenda detalhada da assembleia está aberta ao público

Informações disponibilizadas na internet pela primeira vez na história das assembleias oferecem aos membros da igreja em geral a oportunidade de compreender melhor como são tomadas as decisões em nível mundial

Informações antes restritas os delegados das assembleias mundiais da igreja foram disponibilizadas neste ano ao público por meio do site oficial do evento.

Informações antes restritas os delegados das assembleias mundiais da igreja foram disponibilizadas neste ano ao público por meio do site oficial do evento.

A 60ª Assembleia da Associação Geral traz uma série de novidades: votação eletrônica, um aplicativo para dispositivos móveis, um livro digital para os delegados e ainda a oportunidade de o público em geral ter acesso à agenda da programação antes do evento.

Normalmente, a Secretaria da Associação Geral define a agenda e fornece as informações somente para os delegados. Mas, pela primeira vez na história das assembleias, os detalhes das reuniões de negócios da igreja mundial foram disponibilizados com antecedência na internet para todo o público.

“Até então, somente os delegados tinham acesso a essas informações. Mas neste ano decidimos disponibilizá-las em um website, oferecendo aos participantes a oportunidade de compreender melhor o processo”, afirma Myron Iseminger, secretário associado da Associação Geral.

material foi publicado em PDF no site oficial da assembleia e traz informações de como são eleitos os líderes para cada região do mundo, bem como a respeito das alterações que devem ocorrer no texto de algumas crenças fundamentais e regulamentos do Manual da Igreja.

Ao acessar o site, os internautas têm acesso também ao que vai acontecer em cada um dos dez dias de programação e os horários dessas atividades. Com exceção dos sábados, o início das atividades acontecerá às 8h (10h no horário de Brasília) com o momento devocional, que será seguido de duas reuniões de negócios (a primeira das 9h30 às 12h e a segunda, das 14h às 17h, horário local). Já a programação da noite, com início previsto para as 18h30 (20h30 no horário de Brasília), inclui concerto musical, apresentação de relatórios das divisões e termina com uma reflexão bíblica.

Abaixo, disponibilizamos um resumo do calendário de atividades, que poderá sofrer alterações caso as discussões sobre alguns itens da agenda durem mais tempo do que o previsto.

Quinta-feira – 2/7

Janos Kovacs-Biro, secretário da Associação Ministerial na Divisão Transeuropeia, abre o primeiro dia de atividades com o devocional “Clímax glorioso da história: a promessa do retorno de Jesus”.

A abertura oficial do evento será marcada pela exibição do curta-metragem O que poderia ter sido, cujo objetivo é motivar a liderança da igreja a buscar o Espírito Santo para que a pregação do evangelho seja concluída.

Seguindo a praxe, também será feita a leitura de regulamentos, que abre as sessões de negócios da assembleia. Após esse momento de formalidades, os delegados devem votar uma resolução sobre a Bíblia Sagrada e uma declaração de confiança nos escritos de Ellen G. White.

O item principal da agenda concentra-se na missão da igreja. Os delegados receberão oficialmente 35 novas uniões, que foram abertas desde a última assembleia, em 2010. Trata-se de um número recorde. Em 2010, foram adicionadas 22 novas uniões.

“O elevado número de novas uniões é sem precedentes na história da Igreja Adventista do Sétimo Dia”, disse G.T. Ng, secretário-executivo da Associação Geral. Para ele, isso é “um reflexo da igreja crescendo com velocidade vertiginosa em todo o mundo, particularmente na América Latina e no continente Africano.”

Após o almoço, será formada a comissão de nomeações para a escolha da liderança da Associação Geral, começando pelo presidente da sede mundial. No período da noite, o pastor Ted Wilson apresentará o relatório de sua gestão.

Sexta-feira – 3/7

O devocional da manhã será apresentado por Sikhu Hlatshwayo, uma missionária do Zimbábue nos Estados Unidos. Ela vai falar sobre “Os sinais da segunda vinda de Jesus”.

A sessão de negócios começa com o relatório do secretário da Associação Geral, G. T. Ng. Na sequência, David Trim apresentará o relatório estatístico e o tesoureiro da sede mundial, Robert E. Lemon, dará uma visão geral do estado financeiro da igreja.

Ainda no período da manhã, a comissão de nomeações pode interromper a sessão para anunciar o presidente da AG para o próximo quinquênio. É possível também que secretário e tesoureiro sejam definidos no período da tarde, repetindo o que aconteceu na assembleia de 2010.

Nesse dia, a sessão de negócios deve encerrar mais cedo, por volta das 16h (18h no horário de Brasília), em preparação para o sábado.

Sábado – 4/7

O pregador do sábado é o secretário da Associação Geral, G. T. Ng, que vai falar sobre “A Igreja em missão”. Durante a programação da manhã, os participantes do evento serão convidados a participar de um programa com essa ênfase no período da tarde.

A programação da noite será voltada para a apresentação dos relatórios da Divisão Norte-Americana e da União Norte-Africana Oriente Médio.

Domingo – 5/7

Neale Schofield, CEO da Rede Adventista de Mídia na Austrália, será o orador do culto matutino. O tema do devocional é “O evento surpreendente: a maneira do retorno de Jesus”.

Durante as reuniões de negócios devem ser votadas mudanças editoriais no Manual da Igreja, abrangendo questões como os casos extraconjugais. Os delegados vão considerar a possibilidade de incluir detalhes e definições específicas relativas à conduta sexual. (Leia mais sobre as mudanças propostas)

Também no domingo, serão votadas alterações técnicas feitas na Constituição e Estatuto Social da Associação Geral.

A expectativa é de que nesse dia sejam eleitos os vice-presidentes da sede mundial e associados.

No período da noite acontecerá a apresentação de relatórios das divisões Centro-Leste Africana e Euro Asiática.

Segunda-feira – 6/7

Shian W. O’Connor, presidente da Associação das Ilhas Cayman, no território da Divisão Inter-Americana, dirigirá o devocional da manhã com o tema “Fiel no tempo do fim: preparação para a segunda vinda de Jesus”.

Ao longo de toda a segunda-feira, os delegados devem focalizar a nova redação de algumas das 28 crenças fundamentais dos adventistas. O objetivo é tornar o texto mais claro. Entre essas propostas está a adição da frase “a recente criação de seis dias” na declaração sobre a “Criação”.

Leia mais sobre as atualizações editoriais nas 28 crenças fundamentais dos adventistas (material em inglês)

Veja também a nova proposta de redação das 28 crenças fundamentais (material em inglês)

A comissão de nomeações estará em recesso durante a discussão sobre as crenças fundamentais. Mas é possível que haja eleições de departamentais da AG e presidentes, secretários e tesoureiros de divisões.

À noite, as divisões Intereuropeia e Interamericana apresentarão seus relatórios.

Terça-feira – 7/7

Mathilde Frey, ex-professora de exegese do Antigo Testamento e línguas bíblicas no seminário do Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados (AIIAS), nas Filipinas, será a oradora do culto da manhã. Seu sermão é intitulado “Nunca esquecidos: a promessa do Consolador, que antecede o retorno de Cristo”.

As sessões de negócios devem se encarregar de formalizações legais ao longo de todo o dia.

A previsão é de que nessa data também ocorra a nomeação da maioria dos líderes de departamentos da sede mundial.

Nesse dia, a Divisão Sul-Americana e a Divisão do Pacífico Norte-Asiático apresentarão seus relatórios durante a programação da noite.

Quarta-feira, 8/7

O devocional da manhã, intitulado “O movimento adventista e o retorno de Jesus”, será conduzido por Alain Coralie, secretário adjunto da Divisão Centro-Leste Africana.

A pauta principal do dia será a ordenação de mulheres. Os delegados decidirão se as divisões terão autonomia para ordenar mulheres ao ministério em seus respectivos territórios.

A comissão de nomeações entrará em recesso na ocasião.

A programação da noite contempla a apresentação de relatórios das divisões Sul-Africana-Oceano Índico, Pacífico Sul e Pacífico Sul-Asiático.

Quinta-feira – 9/7

Taj Pacleb, evangelista na Califórnia (EUA), falará sobre o tema “A todo mundo: a proclamação do evangelho antes da vinda de Jesus”.

Serão tratados itens pendentes da agenda e nomeados os auditores e integrantes da comissão ministerial da Associação Geral.

À noite haverá a apresentação dos relatórios das divisões Sul-Asiática, Transeuropeia e Centro-Oeste Africana.

Sexta-feira – 10/7

No penúltimo dia de programação, o devocional será feito por Ron Smith, presidente da União Sul na Divisão Norte-Americana. Ele apresentará o tema “Finalmente em casa: a alegria e plenitude do retorno de Cristo”.

Além de tratar itens pendentes, estão previstos momentos dedicados para a oração.

Sábado – 11/7

Quem proferirá o sermão do último dia da 60ª assembleia será o presidente eleito para os próximos cinco anos.

A ideia é de que, no sábado também seja arrecadada uma oferta especial com o objetivo de financiar projetos de missão em todo o mundo.

Aliás, a missão será o foco desta assembleia do início ao fim. O encerramento, que será no sábado à noite e consiste num dos momentos mais aguardados de uma assembleia, deve passar por mudanças nesse ano para se ajustar mais a essa visão. No lugar do tradicional “Desfile das Nações”, em que as diversas delegações entravam representando as diferentes culturas, o programa irá resgatar a história dos primeiros adventistas batizados em cada país e lembrar os desafios para a pregação do evangelho nas várias regiões do globo. [Equipe RA, da redação / Com informações de Andrew McChesney, da Adventist Review]