Um parque e um campo de batalha por almas

Relatório apresentado por Paul Ratsara, presidente reeleito da Divisão Sul-Africana Oceano Índico, no dia 5, destacou o investimento em canais de TV e o amparo aos portadores de AIDS

1007relatorio-SID-Victoria Falls

Em meio à beleza africana de tirar o fôlego, que inclui a cachoeira Victoria Falls, vive um povo que anseia por se conectar com Deus, seu Criador. Crédito: Pixabay.

A Divisão Sul-Africana Oceano Índico abriga desertos cheios de bancos de areia e verdejantes florestas tropicais. Você irá testemunhar a maior cachoeira única do mundo se seguir o sinuoso rio Zambeza pelo sul da África até chegar a Victoria Falls, onde um arco-íris perpétuo cria uma maravilha espetacular do mundo.

1007relatorio-SID-outdoor

O serviço à comunidade “Refeições sobre Rodas” inspira esperança e compartilha amor com cada uma das milhões de refeições servidas por ano. Crédito: SID

Você sentirá o ar da África ao fazer um safári em Botsuana ou Malaui, ou se optar por uma aventura nas últimas florestas tropicais intocadas de Madagascar.

Quando respirar o ar fresco no topo da Table Mountain na África do Sul, exclamará: “No princípio criou Deus os céus e a terra!” Em meio a tanta beleza de tirar o fôlego, vive um povo que anseia por se conectar com Deus, seu Criador.

Essa é a África: um parque e um campo de batalha por almas.

Os principais instrumentos de Deus nesse conflito cósmico são os 3.346.372 membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia na Divisão Sul-Africana Oceano Índico. Confira algumas de suas histórias.

Participação total

Rima tem seis anos de idade e prega diligentemente o evangelho em Madagascar há dois anos. Armado com a Bíblia, abençoado por uma boa memória e incentivado pela mãe, Rima fala com autoridade ao pregar a Palavra. A Divisão Sul-Africana Oceano Índico oferece seminários regulares de pregação infantil, dando às crianças a oportunidade de aperfeiçoar seu chamado e de serem equipadas com habilidades homiléticas.

Aos 113 anos de idade, Jato Mailose Sibanda é o desbravador ativo e pregador adventista mais velho do mundo. Crédito: SID

Aos 113 anos de idade, Jato Mailose Sibanda é o desbravador ativo e pregador adventista mais velho do mundo. Crédito: SID

As crianças pregadoras são um fenômeno crescente na Divisão, mas membros de todas as idades compartilham Jesus. Três anos atrás, Jato Mailose Sibanda provavelmente era o centenário mais ativo do continente. Embora tenha diminuído um pouco o ritmo, aos 113 anos de idade, Sibanda é hoje o pregador adventista e desbravador ativo mais velho do mundo. Defensor da alimentação vegetariana, de exercícios regulares, de uma atitude positiva e da confiança constante na Palavra de Deus, ele inspira um compromisso mais firme com as três mensagens angélicas no coração de jovens e velhos. A obra de espalhar o evangelho depende dos membros leigos. A Divisão conta com apenas 1.552 pastores para 9.992 igrejas e 13.068 grupos.

Membros leigos tomam a iniciativa

O número de membros da igreja tem crescido rapidamente na Divisão à medida que os membros leigos tomam a iniciativa.

Muitos fatores contribuíram para o crescimento, mas o uso de pequenos grupos demonstrou ser o mais eficaz. Mais de 31 mil pessoas foram batizadas em apenas oito meses após milhares de pequenos grupos de estudos bíblicos serem organizados em Angola. Mais de 3 mil pessoas foram batizadas em um só sábado em Madagascar. Todos os novos membros se transformam imediatamente em ganhadores de almas, ao participarem do programa “Pescadores de Homens”, que os capacita a se tornarem discípulos que levam outros a Jesus.

Entre os novos ganhadores de almas se encontra N. K. Kerk, ex-pastor ordenado da Igreja Reformada Holandesa e hoje um evangelista adventista. Sua decisão de aceitar plenamente as verdades bíblicas conforme ensinadas pela Igreja Adventista testifica do poder da Palavra de Deus e da influência persuasiva do Espírito Santo.

Os membros de nossa igreja colocam em prática a declaração da cofundadora da Igreja Adventista, Ellen White, em Caminho a Cristo, p. 90: “Não há nada mais apropriado para fortalecer o intelecto do que o estudo das Escrituras”. Por esse motivo, a Divisão aderiu por completo ao programa Reavivados por Sua Palavra, plano de leitura diário da Bíblia formulado pela Associação Geral.

Os jovens são especialmente ativos em compartilhar Jesus. Mais de mil jovens de todo o mundo se dirigiram à África do Sul e se transformaram nas mãos e nos pés de Cristo durante o Impacto África do Sul, prelúdio organizado pela Divisão ao terceiro Congresso Internacional de Jovens. O coração das pessoas derrete quando vê os jovens auxiliando os necessitados, preparando alimento para os pobres, alimentando os famintos e consolando os idosos.

É o método de Cristo de encontrar as pessoas em seu ponto de necessidade que motiva os grupos de jovens voluntários e autossustentados a se organizar em equipes missionárias dentro do próprio país e em outras terras. Usando seus dons e talentos para a glória de Deus, os jovens inspiram outros rapazes e moças a se renderem a Cristo, por meio do dom da música em ruas, aeroportos, estádios e eventos especiais.

O crescimento nas iniciativas e na participação em toda a Divisão está ligado ao esforço consistente de seus líderes em lançar a visão e formar a liderança. Organizamos um congresso anual de líderes que coloca os membros da igreja em contato com um grupo internacional de líderes tementes a Deus, que os ajudam a garantir que seu trabalho servirá para cumprir a missão da igreja. Em nível básico, o treinamento é contínuo em todos os ministérios. Homens e mulheres cheios do Espírito estão treinando e sendo treinados para servir a Deus.

Rima tem seis anos de idade e pregou diligentemente o evangelho ao longo dos últimos dois anos. Crédito: SID

Rima tem seis anos de idade e pregou diligentemente o evangelho ao longo dos últimos dois anos. Crédito: SID

Historicamente, a educação adventista tem sido o canal usado pelos pioneiros da igreja a fim de espalhar o evangelho. A tradição continua na Divisão Sul-Africana Oceano Índico. Com 149 escolas de ensino médio, 249 escolas de ensino fundamental e 12 instituições de ensino superior, o espírito da educação adventista está vivo e passa muito bem. À medida que os jovens se formam em nossas instituições e entram no mercado de trabalho, os governos e empresários reconhecem a contribuição singular da educação adventista para melhorar as comunidades locais, aumentando ainda mais a credibilidade da igreja.

Igrejas, TV e HIV

Enquanto a igreja cresce nesta região, a necessidade de mais templos também aumenta. Muito devemos aos voluntários da Maranata Internacional e de outros ministérios parceiros, como Lightbearers International [Portadores de Luz Internacional] e Remnant Publications [Editora Remanescente], pelo investimento consistente no crescimento da Divisão. A Maranata concluiu 3.995 projetos, incluindo 2.797 igrejas.

Contamos com 3.955 colportores-evangelistas compartilhando Jesus por meio da página impressa. De livros a mídias digitais, a Divisão tem usado todos os meios para espalhar o evangelho. Nosso centro de mídia, localizado na Cidade do Cabo, África do Sul, produz vários programas criativos para o canal de televisão Hope Channel, a fim de atender as necessidades espirituais de pessoas que só podem ser alcançadas por meio da tecnologia moderna.

Desde 1o de janeiro de 2015, o Hope Channel Zâmbia transmite 24 horas por dia, levando esperança e bênçãos aos habitantes do país e a outros por meio de mensagens bíblicas poderosas e de músicas inspiradoras. O Hope Channel Malaui foi inaugurado oficialmente em 15 de fevereiro de 2015 e também veicula programação ininterrupta.

Em vilas de difícil acesso em Madagascar, Zâmbia, Malaui, Moçambique e Namíbia, a Rádio Adventista Mundial faz uma diferença significativa por meio da doação de equipamentos manuais ou movidos a energia solar.

Durante esse quinquênio, a África perdeu um de seus grandes líderes, Nelson Mandela. Reconhecemos e prestamos nossa homenagem ao papel que ele desempenhou na luta pela democracia na África do Sul. Ao mesmo tempo, nós, como igreja, valorizamos muito um aspecto fundamental da democracia — a liberdade religiosa — e temos sido proativos em engajar líderes nacionais e políticos de todos os países de nosso território. Em Botsuana, Haskins Nkaigwa, prefeito de Gaborone, recentemente reconheceu a importância da mensagem adventista de saúde após participar de um seminário sobre o assunto.

Fazemos campanhas regulares contra o abuso a mulheres e crianças, mostrando que a igreja está comprometida com a proteção e o bem-estar dos vulneráveis. Nossos amigos e vizinhos olham para os adventistas como modelos de não estigmatização dos portadores do HIV e aplaudem nossa posição bíblica de abstinência sexual antes do casamento. Os adventistas portadores da AIDS estão abrindo caminho, encorajando outros a descobrir sua condição por meio de exames, a fim de poderem receber tratamento e melhorar a qualidade de vida.

Cremos que todos — não importa quem são, o que fazem e de onde vêm — merecem a oportunidade de ter uma vida realizada e significativa. É isso que nós, cristãos, fomos chamados para fazer. Por isso, ninguém fica de fora do alcance da ADRA na Divisão. Desde 1964, o serviço à comunidade “Refeições sobre Rodas” inspira esperança e compartilha amor a cada refeição servida. Alcançando destituídos, idosos vulneráveis e crianças, a agência da igreja opera 512 centros voluntários de serviço em todo o sul da África. Milhões de refeições são servidas por ano.

A Divisão Sul-Africana e Oceano Índico é um território tocado pelo dedo de Deus com cenários de tirar o fôlego e fenômenos naturais inacreditáveis. Mas a Igreja Adventista do Sétimo Dia nessa região tem demonstrado de maneira consistente que as joias mais preciosas da África não são as cachoeiras, os diamantes, ou a natureza, mas, sim, as pessoas, pelas quais Cristo morreu. [Fonte: Adventist Review / Tradução: Cecília Eller Nascimento]

Votação sobre ordenação de mulheres ao ministério pastoral repercute num dos jornais mais lidos dos EUA

Decisão da assembleia mundial da igreja de não autorizar as divisões a ordenar mulheres ao ministério pastoral foi abordada pelo The Washington Post

washington-post-homeA decisão tomada ontem pela assembleia mundial adventista de não autorizar as 13 divisões da igreja a ordenar mulheres ao ministério pastoral em suas regiões repercutiu no site de um dos jornais mais lidos pelos norte-americanos: o The Washington Post.

O porta-voz da igreja em nível mundial, Garrett Caldwell, foi um dos entrevistados pela reportagem. Caldwell procurou contextualizar a discussão sobre o assunto e disse que não é possível prever quais serão os desdobramentos da decisão.

Buscando uma opinião externa, o veículo de comunicação também ouviu a editora Bonnie Dwyer, da revista norte-americana Spectrum, publicação independente de tendência progressista. Ela opinou sobre os possíveis impactos do voto tomado pela igreja especialmente nos lugares em que começam a surgir movimentos favoráveis à ordenação de mulheres ao ministério pastoral.

O jornal destacou o fato de a votação ter sido o tema mais importante e intenso da agenda do evento que acontece a cada cinco anos e considerou que o assunto é tratado de uma perspectiva mais conservadora pela igreja no Hemisfério Sul.

Outro ponto levantado pelo periódico foi o pedido feito pela liderança mundial adventista para que a igreja se mantivesse unida a despeito das diferentes opiniões manifestadas sobre o assunto. A matéria chega a citar trechos do discurso feito pelo presidente da Associação Geral, pastor Ted Wilson, após a votação.

A reportagem é assinada pela repórter Michelle Boorstein, que escreve sobre religião no The Washington Post. [Márcio Tonetti, equipe RA]

Cenáculo moderno

Vinte anos depois, editor da CPB relembra cobertura que fez da assembleia de Utrecht, na Holanda

assembleia-de-utrecht-interna

Centro de Convenções Jaarbeurs, em Utrecht, na Holanda, onde foi realizada a assembleia mundial da igreja em 1995. Imagem: acervo RA

Em 1995, pela primeira vez, minha esposa e eu tivemos o privilégio de participar, como delegados (eu, também como repórter da Revista Adventista), da 56ª Sessão da Associação Geral, realizada em Utrecht, cidade conhecida como o “coração da Holanda”. Destacado centro comercial e turístico do país, nela se encontram as marcas de um rico passado histórico e de um presente dinâmico.

Participar de uma assembleia mundial da Igreja Adventista é, realmente, uma experiência inesquecível. O fato de nos encontrarmos em meio a uma riquíssima diversidade de culturas, etnias e idiomas, contudo identificados pelas mesmas crenças, os mesmos ideais espirituais e missionários, a mesma bendita esperança de ver Jesus face a face, contribui para que logo nos sintamos uma família – a família de Deus. Agora, tendo a oportunidade de assistir a mais um evento dessa natureza, emergem as lembranças de 20 anos atrás.

Que lembranças guardo de Utrecht? De início, foi inevitável a associação daquele encontro do povo remanescente, durante dez dias, com outro que também aconteceu reunindo os primeiros cristãos, durante dez dias, muito tempo atrás em Jerusalém. Acaso, a unidade característica do primeiro encontro em Jerusalém seria a marca do encontro em Utrecht? O lema da assembleia – “Unidos em Cristo” – era convidativo a esse ideal. Conforme disse o Dr. Benjamin Reaves, então diretor do Colégio Oakwood, em sua mensagem devocional de abertura, o lema era “um insistente imperativo missionário para a igreja. Ele deve ser o sinal pelo qual o mundo possa nos distinguir. Através de nossa união, devemos atrair pessoas a Cristo. Não é suficiente a união teológica, doutrinária e de crenças. Importa que estejamos unidos no amor”.

A pauta das discussões continha temas controvertidos, mas foram debatidos no espírito do lema da assembleia. Senti que o Espírito Santo a tudo dirigia. Ideias eram às vezes apresentadas com muita ênfase, defendidas com ampla liberdade para expressão, mas tudo sob uma atmosfera de respeito cristão. Havia a clara determinação de todos no sentido de que a igreja não fosse desviada de sua rota missionária. Vinte anos mais perto da vinda de Jesus Cristo, não podemos esperar nem desejar menos do que isso.

Ainda me lembro de Meropi Gijka, digno exemplo de fé mantida sob circunstâncias dificílimas. Ela foi alcançada na Albânia, onde floresceu o modelo comunista mais agressivo. Meropi se converteu no início dos anos 1940, graças ao trabalho do pastor Daniel Lewis, e viveu secretamente a fé durante 50 anos em que a religião organizada foi proibida naquele país. Descoberta em 1990 pelo pastor David Currie, entregou-lhe os dízimos guardados durante aquele tempo e, finalmente, pôde ser batizada. Aos 92 anos, ela estava em Utrecht numa cadeira de rodas.

Além de Meropi, estiveram na Holanda mais dois exemplos, entre outros, de que não há barreiras ideológicas nem geográficas para o evangelho de Cristo: Sovanna Puth, primeira adventista batizada no Camboja, depois de 30 anos, e Davaahuu Barbaatar, primeira adventista batizada na Mongólia.

Ouvi o voluntário Fitz Henry, ex-presidiário e, como ele mesmo se definia, “engenheiro profissional, mas pregador por vocação”. Havia levado ao batismo 15.100 pessoas em dez anos, realizando campanhas evangelísticas na América Central.

Testemunhei o vigoroso envolvimento missionário dos jovens, de todas as partes. Ações comunitárias, música, dramatizações e muito mais eram recursos utilizados já naquele tempo com objetivos evangelísticos. E com expressivos resultados.

Estou certo, porém, de que as conquistas relatadas em Utrecht foram nada mais que o prelúdio da grande sinfonia hoje apresentada. A igreja tem feito incomparavelmente mais. Porém, ainda estamos em um mundo cujas transformações acabam afetando a igreja. Por quanto tempo mais? De quantos “dez dias” necessitaremos para reviver a experiência daqueles primeiros “dez dias” do cenáculo em Jerusalém?

Zinaldo Santos é pastor, jornalista e editor da revista Ministério. Zinaldo está em San Antonio, Texas

O grande coro no metrô

Editor testemunhou espírito de unidade e respeito pela opinião alheia em duas assembleias mundiais

assembleia-de-Toronto-canada-2000-home

Cerca de 60 mil adventistas de 150 países marcaram presença na assembleia mundial de Toronto, no Canadá, em 2000. Imagem: acervo RA

Participar de uma assembleia mundial da igreja é, no mínimo, uma experiência memorável. Tive a oportunidade de estar em duas delas: Toronto (2000) e St. Louis (2005). No Canadá, participei como delegado. Cerca de 60 mil adventistas estiveram presentes. Sob o tema “Quase no lar”, a programação foi transmitida em 40 línguas, para mais de 150 países. Jan Paulsen foi reeleito como presidente mundial naquela ocasião.

Durante dez dias, os delegados se reuniram para discutir uma extensa pauta dos mais variados assuntos, nomear líderes e planejar os programas da igreja para o quinquênio seguinte. Como delegado, chamou-me a atenção o respeito pelas opiniões divergentes. Com esse espírito, tudo foi analisado e depois votado.

A apresentação dos relatórios igualmente me impressionou. Lembro-me do relatório do pastor Paulsen, presidente mundial reeleito, quando disse: “Levamos 100 anos para chegar ao primeiro milhão de membros. E só precisamos de um ano para adicionar o último milhão. Louvado seja Deus!” Ele fez referência ao ano de 1999, quando a igreja batizou 1.090.848 pessoas. Lembro-me também do pastor Ralph Thompson, destacando o fato que 91,6% dos adventistas viviam fora da América do Norte.

Em St. Louis, em 2005, na 58ª Assembleia da Associação Geral, 2 mil delegados e cerca de 30 mil participantes representaram 14 milhões de adventistas espalhados por 203 países. Foi impressionante observar a diversidade de vestimentas. Certa tarde, minha família e eu nos deparamos com um grupo de mães africanas. Minha filha correu ao encontro delas. Ela ficou encantada ao ver aquelas mulheres carregando seus bebês “presos às costas”, envoltos em pano, acomodados em sua capulana. Tivemos que tirar muitas fotos!

Entre as várias decisões tomadas, uma merece destaque: o acréscimo da crença fundamental número 11, sob o título “Crescimento em Cristo”, passando a igreja a ter 28 capítulos no livro Nisto Cremos. Houve ainda a escolha de Ella Simmons, primeira mulher eleita vice-presidente da Associação Geral.

O espírito de unidade, as mensagens devocionais e a qualidade da música são lembranças daquela assembleia. Após o culto da última sexta-feira, quando estávamos na estação do metrô, um adventista começou a cantar “Oh! Que Esperança”. De repente, numa espécie de “flash mob”, milhares de vozes se uniram a ele como um grande coral, expressando o mesmo sentimento. Aquele louvor ecoou pelas galerias da estação impressionando a população local. Jamais me esqueci daquele momento, quando então, unidos, expressamos nossa esperança no grande dia da redenção final.

Márcio Nastrini é pastor de longa experiência ministerial, editor associado das revistas Ancião e Ministério, além de editor da lição da Escola Sabatina dos Jovens

No país das vuvuzelas

Pastor explica os desafios da missão na África do Sul, país marcado pela segregação racial e culturalmente semelhante ao Brasil

vuvuzelas-creditos-da-imagem-DundasEntre os continentes, a África é o segundo maior em território e em população. É lá que vivem mais de um bilhão de pessoas e cerca de 7 milhões de adventistas, ou 38% dos membros da igreja ao redor do mundo. Adventistas africanos são encontrados em megacidades, povoados e aldeias das três regiões administrativas (Divisões) africanas: com sedes no sul, leste e oeste do continente.

A diversidade da região é impressionante: 2 mil línguas são faladas por 3 mil grupos étnicos. Esse mosaico cultural é uma poderosa influência sobre a forma como os princípios bíblicos são compreendidos e praticados. Como consequência, a proclamação da mensagem adventista de forma clara, significativa e contextualmente relevante para cada grupo étnico torna-se um enorme desafio para missionários, pastores, professores, teólogos e servidores da igreja.

O contexto do país

0707missao-dioi-homeHá quase cinco anos sou missionário na África do Sul. Um país lindíssimo situado no extremo sul do continente e conhecido por sua diversidade de culturas, idiomas e crenças religiosas. A constituição sul-africana reconhece onze línguas como oficiais. Duas delas são de origem europeia: o africâner, um idioma que se originou principalmente a partir do neerlandês (holandês), que é falado pela maioria dos brancos e mestiços sul-africanos; e o inglês, que é a língua mais falada na vida pública e comercial.

Lá, as pessoas são calorosas e se orgulham de sua história, resultado das relações multiétnicas frequentemente conflituosas, mas também da riqueza resultante da mistura entre as culturas europeia, indiana e africana.

Quando se fala em missionários na África do Sul, sabe-se que o primeiro a pisar no cabo da Boa Esperança foi George Schmidt, em 1737; seguido por centenas de outros corajosos, como os aclamados Robert Moffat, em 1820, e David Livingstone, em 1841. Mas as atividades missionárias nesse país começaram bem antes. Em 1486, o rei de Portugal, D. João II, passou o comando de uma expedição marítima a Bartolomeu Dias. A missão era estabelecer relações pacíficas com um lendário rei cristão africano, conhecido como Prester John. Ele tinha ordens também de explorar o litoral da África e encontrar uma rota para as Índias.

O contexto da igreja

O adventismo chegou à África do Sul em julho de 1887, por meio de duas famílias missionárias: C. L. Boyd e D. A. Robinson. Alguns anos antes, William Hunt, um mineiro norte-americano adventista, distribuiu alguns folhetos para Pieter Wessels e George Van Druten, que se impressionaram com a verdade sobre o sábado. A primeira igreja adventista foi organizada por Boyd, em Beaconsfield, Kimberley.

Infelizmente, o apartheid ou o segregacionismo racial e sua influência sobre a Igreja Adventista ainda é e talvez será uma realidade na África do Sul por alguns anos. O apartheid é uma palavra do idioma africâner que significa separação. Foi o nome dado ao sistema político que vigorou no país de 1948 a 1990. Assim como a santificação não é obra de um momento, de uma hora, de um dia, mas de toda a vida, a igualdade racial na África do Sul é um processo que pode durar certo tempo. Afinal, pessoas traumatizadas não são curadas de um dia para outro. Apesar da forte influência segregacionista, a igreja tem crescido e conta com 160 mil membros.

O contexto do meu ministério

Fui com minha família para a África do Sul a fim de servir como pastor em um distrito multicultural de fala portuguesa e inglesa em Johanesburgo, formado por grupos étnicos de Portugal, Angola, Moçambique, Zimbábue, Malaui e Congo. Um dos desafios do ministério em um distrito multicultural é proclamar o evangelho de maneira adequada ao cotidiano do imigrante e, ao mesmo tempo, permanecer fiel aos fundamentos bíblicos e eternos de Deus. Isso ocorre porque as formas tomam significados distintos em cada contexto cultural e o missionário deve estar atento a essas diferenças e ser criterioso para não se deixar influenciar por tradições contrárias à vontade divina.

Um outro desafio é a comunicação verbal e corporal. Nas primeiras semanas de trabalho, cometi uma gafe cultural ao cumprimentar os irmãos à porta da igreja. As mulheres portuguesas são cumprimentadas sempre com dois beijos na face, enquanto que os zimbabuanos apertam as mãos girando-as e deslizando-as até soltá-las lentamente. Em certo sábado, ao me despedir dos membros à porta, tentei dar dois beijinhos nas irmãs zimbabuanas, que se sentiram incomodas; e, em outra ocasião, apertei as mãos das irmãs portuguesas à maneira dos zimbabuanos. Isso causou desconforto para alguns e foi motivo de chacota para outros. Desde então, faço o meu melhor para respeitar essas formas de saudação.

Por sua vez, temos recebidos muitas bênçãos. Uma delas foi o modo como essa congregação adventista de zimbabuanos foi formada. Boa parte desses irmãos eram pentecostais e liderados pelo pastor John Jabulani. Porém, ao Jabulani ouvir sobre a mensagem do advento, espontaneamente trocou a placa da antiga igreja e convidou os fiéis a abraçar a nova fé. Hoje, a congregação tem 250 pessoas e continua crescendo. Amparado por doações, em dezembro, o pastor Jabulani deve concluir seus estudos em Teologia no seminário adventista do Zimbábue.

Como brasileiro, sinto-me feliz e realizado nesse ministério multiétnico. Nossa cultura tem muita influência africana, o que facilita a adaptação dos missionários brasileiros no continente. Por causa das semelhanças culturais, entendo as necessidades, temores e alegrias dos nossos irmãos africanos e também daqueles de formação mais ocidentalizada. Assim, posso servi-los da maneira mais apropriada.

Oro para que muitos jovens do nosso Brasil continuem sonhando e se preparando para servir a Deus por alguns meses ou anos na África. E para que novos missionários ofereçam um pouco de si para as pessoas queridas desse continente com tanta diversidade, que tem enormes desafios e que necessita urgentemente do amor de Jesus. [Créditos da imagem: Dundas]

Dioi Cruz é pastor há cinco anos em Johanesburgo, na África do Sul.

Mensagem viva de saúde

Participantes da assembleia mundial da igreja organizam corrida para impactar San Antonio com a mensagem de saúde

corrida em San Antonio-3

Mais de 2,5 mil pessoas participaram de uma corrida organizada pela Igreja Adventista em San Antonio no início da manhã do último domingo, dia 6. O evento buscou chamar a atenção da comunidade para a importância do estilo de vida saudável. Segundo a coordenadora do evento e responsável pelo departamento de Saúde da igreja na América do Norte, Kátia Reinert, a população local sofre com problemas de obesidade, diabetes e outras doenças crônicas. Por isso, a iniciativa foi uma mensagem viva de saúde transmitida pelos adventistas à cidade sede da 60ª assembleia da Associação Geral. [Fotos: Leônidas Guedes]

VEJA OUTRAS IMAGENS

 

Divisões não poderão autorizar a ordenação de mulheres ao ministério pastoral

Decisão foi tomada pela assembleia mundial da igreja hoje à noite em San Antonio, no Texas (EUA)

Diante da falha registrada nessa semana no sistema eletrônico, votação foi realizada com cédulas.  Foto: Adventist Review

Votação foi realizada com cédulas de papel. Foto: Adventist Review

As 13 divisões da igreja adventista espalhadas pelo mundo não poderão autorizar a ordenação de mulheres ao ministério pastoral. O voto foi tomado nesta quarta-feira, 8 de julho, na assembleia que reúne líderes mundiais da igreja na cidade de San Antonio, Texas (EUA). Dos 2.363 delegados, 1.381 (58,4%) votaram “não” e 977 (41,3%) “sim”. Houve cinco abstenções.

O assunto vem sendo discutido pela igreja há alguns anos. Em 1990, quando ocorreu a primeira votação, 76% decidiram pela não ordenação das mulheres. Num segundo momento decisivo, durante a assembleia de Utrecht, na Holanda, 69% também se manifestaram contrários.

Cinco anos depois, na sessão da Associação Geral de Atlanta, em 2010, a pauta veio à tona novamente, acompanhada de uma solicitação para que o assunto fosse reapresentado. Durante dois anos, teólogos de todo o mundo formaram um comitê para tratar do assunto. As conclusões obtidas a partir do estudo aprofundado do tema resultaram numa declaração de consenso sobre a teologia adventista da ordenação (leia o documento abaixo).

Vice-presidente da Igreja Adventista, Mike Ryan, preside o Concílio Anual na terça-feira, dia 14 de outubro, enquanto delegados votaram quase unânimes para colocar um item na agenda da Assembleia da Associação Geral do ano que vem perguntando se as Divisões regionais podem permitir que as mulheres sejam ordenadas como ministros (ou ministras). O voto foi de 243 a 44, com três abstenções (Foto: Viviene Martinelli).

Vice-presidente da Igreja Adventista, Mike Ryan, preside o Concílio Anual realizado em outubro de 2014, quando foi decido que o assunto da ordenação das mulheres ao ministério pastoral seria tratado na assembleia de San Antonio. A proposta. Foto: Viviene Martinelli.

Em outubro de 2014, o Concílio Anual da Associação Geral da Igreja Adventista, em Silver Spring, Maryland (EUA), decidiu inserir o item na agenda da 60ª assembleia. A proposta de se promover uma terceira votação sobre o tema recebeu 243 votos favoráveis e 44 contra (houve três abstenções).

Ponto em questão

A pergunta em questão na tarde de hoje foi se as divisões (ou escritórios administrativos da Igreja Adventista) devem permitir que as mulheres sejam ordenadas como pastoras. Por ser o item mais sensível da agenda da 60ª assembleia da igreja, o presidente mundial dos adventistas, Ted Wilson, apelou aos delegados para que buscassem a Deus em oração antes de manifestar sua decisão nas urnas.

Sem perder esse espírito, ao longo de toda a tarde, enquanto dezenas de delegados manifestavam publicamente diferentes opiniões a respeito do tema, a reunião administrativa foi interrompida pelo presidente da mesa, pastor Michael Ryan, para momentos de oração.

Após a decisão, em um discurso solene, o líder mundial dos adventistas reiterou que a votação nesta assembleia não encerra com vencedores ou perdedores. Segundo ele, mais do que nunca a igreja precisa seguir unida e com o foco na missão. [Márcio Tonetti, equipe RA]


 

DECLARAÇÃO CONSENSUAL SOBRE A TEOLOGIA ADVENTISTA DA ORDENAÇÃO

VOTADO o recebimento e o endosso do documento “Declaração Consensual sobre a Teologia Adventista da Ordenação”, que afirma o seguinte:

Em um mundo alienado de Deus, a igreja é composta por aqueles que Deus reconciliou consigo mesmo e uns com os outros. Por meio da obra salvadora de Cristo, seus membros estão unidos em missão pela fé mediante o batismo (Ef 4:4-6), tornando-se um sacerdócio real, cuja missão é “anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1Pe 2:9). Os cristãos recebem o ministério da reconciliação (2Co 5:18-20), chamados e capacitados pelo poder do Espírito e pelos dons que Ele derrama sobre cada um para cumprir a comissão evangélica (Mt 28:18-20).

Embora todos os cristãos sejam chamados para usar seus dons espirituais no ministério, as Escrituras identificam algumas posições específicas de liderança que eram acompanhadas da ratificação pública pela igreja de que tais pessoas atendiam os requisitos bíblicos (Nm 11:16, 17; At 6:1-6; 13:1-3; 14:23; 1Tm 3:1-12; Tt 1:5-9). Revela-se que vários desses endossos envolviam a “imposição de mãos”.

As versões da Bíblia em inglês usam a palavra ordenar para traduzir muitas palavras diferentes em grego e hebraico que exprimem a ideia básica de selecionar ou nomear, descrevendo a colocação de tais pessoas em seus respectivos ofícios. Ao longo da história cristã, o termo ordenação adquiriu significados que vão além do que as palavras originalmente subentendiam. Levando em conta esse contexto, os adventistas do sétimo dia entendem que ordenação, no sentido bíblico, é a ação da igreja de reconhecer publicamente aqueles a quem o Senhor chamou e capacitou para o ministério na igreja local e global.

Além da função única dos apóstolos, o Novo Testamento identifica as seguintes categorias de líderes ordenados: os presbíteros e presbíteros-chefes (At 14:23; 20:17, 28; 1Tm 3:2-7; 4:14; 2Tm 4:1-5; 1Pe 5:1) e os diáconos (Fp 1:1; 1Tm 3:8-10). Ao passo que a maioria dos presbíteros e diáconos ministrava em contextos locais, alguns presbíteros eram itinerantes e supervisionavam um território maior, formado por várias congregações, função que pode refletir o ministério de indivíduos como Timóteo e Tito (1Tm 1:3, 4; Tt 1:5).

Por meio do ato da ordenação, a igreja confere autoridade representativa sobre indivíduos para a obra específica de ministério à qual são nomeados (At 6:1-3; 13:1-3; 1Tm; Tt 2:15). Tais papéis podem incluir: representar a igreja, proclamar o evangelho, ministrar a Ceia do Senhor e o batismo, plantar e organizar igrejas, guiar os membros e cuidar deles, opor-se a falsos ensinos e prover serviço geral para a congregação (cf. At 6:3; 20:28, 29; 1Tm 3:2, 4, 5; 2Tm 1:13, 14; 2:2; 4:5; Tt 1:5, 9). Embora a ordenação contribua para a ordem da igreja, ela não confere qualidades especiais aos indivíduos ordenados, nem introduz uma hierarquia monárquica na comunidade da fé. Os exemplos bíblicos de ordenação incluem a concessão de um mandato, a imposição de mãos, jejum e oração e a entrega das pessoas separadas à graça de Deus (Dt 3:28; At 6:6; 14:26; 15:40).

Os indivíduos ordenados dedicam seus talentos ao Senhor e à sua igreja em serviço vitalício. O modelo básico de ordenação foi a nomeação dos doze apóstolos (Mt 10:1-4; Mc 3:13-19; Lc 6:12-16) e o modelo supremo de ministério cristão é a vida e a obra de nosso Senhor, que não veio para ser servido, mas, sim, para servir (Mc 10:45; Lc 22:25-27; Jo 13:1-17). [Tradução: Cecília Eller Nascimento]


 

Veja também

VÍDEO: O pastor e jornalista Diogo Cavalcanti comenta a decisão direto de San Antonio

Do outro lado do mundo

60% das igrejas de Sidney são étnicas, o que dificulta o evangelismo da amizade numa sociedade altamente secular

sydney-home

Créditos da imagem: adventist.org.au

O trabalho em outro pais é sempre desafiador e gratificante ao mesmo tempo. O desafio é natural pelo fato de se tratar de terras estrangeiras. A cultura, a língua local e o significado da religião na dinâmica dessa outra sociedade formam, sem dúvida, um cenário que exige preparo e adaptação do missionário.

Na Austrália, não é diferente. Especialmente em Sydney, a maior cidade do país, multicultural e com 4,2 milhões de habitantes. Lá, o hinduísmo, xintoísmo, islamismo e cristianismo convivem lado a lado na Austrália, um país historicamente novo (200 anos desde seu descobrimento pelos ingleses no fim do século 18), cuja população é formada, na maioria, por imigrantes da Europa, Índia, China, Japão, Oriente Médio e Leste Europeu.

Ali, portanto, religião é considerada assunto de fórum íntimo e nunca levado à esfera pública, a fim de que se mantenha um convívio pacífico. A pregação do evangelho encontra uma barreira muito grande, já que a distribuição pública de folhetos, livros ou outros materiais de cunho religioso é proibida e só pode ocorrer mediante a autorização da prefeitura.

Além do aspecto cultural-religioso, a condição socioeconômica também não favorece a evangelização. Sendo um país rico e desenvolvido, muitas pessoas têm boa qualidade e vivem um estilo de vida consumista, secularizado, materialista e existencialista. No entanto, o ser humano é ser humano em qualquer lugar do mundo. Suas necessidades mais profundas por uma vida com significado e transcendência, são universais.

E é no serviço desinteressado, por meio da amizade e na prática diária das virtudes cristãs, que temos encontrado muitas oportunidades para compartilhar Jesus. Sou pastor de uma igreja de fala portuguesa e outra de fala inglesa. A primeira tem uma dinâmica muito parecida com a do Brasil e de Portugal. Enquanto a segunda é mais desafiadora, porque acolhe 15 nacionalidades e falantes de dez idiomas. A ausência de uma cultura uniforme torna muito difícil o visitante se identificar incialmente com a igreja, prejudicando assim o evangelismo da amizade. O ponto é que 60% das igrejas de Sidney são étnicas.

Porém, Deus tem abençoado ricamente nosso trabalho nesses anos no Sul do Pacífico. Seguimos humildemente na confiança de que ele ainda tem muitas bênçãos e oportunidades para a igreja nessa região.

André Vieira é pastor em Sidney, Austrália.

Celebrando a missão

Assembleia é marcada por sermões e testemunhos sobre a razão de ser da igreja

sermao de sabado foi proferido pelo pastor GT Ng

Em grande parte, foi o amor pela missão que nos tornou quem somos, uma igreja global e unida. Essa mesma paixão é nossa razão de ser e nossa segurança para o futuro. Num dos dias mais festivos da cultura norte-americana, 4 de julho, Dia da Independência, as delegações festejaram a missão no primeiro sábado da assembleia mundial. Começando por um devocional sobre cristianismo prático, passando pela primeira lição do trimestre que tem como tema os missionários da Bíblia, até os primeiros relatórios das divisões, os olhares se voltaram para a missão.

pastor mark finley na assembleiaA celebração da missão já havia começado na sexta-feira à noite, com o pastor Mark Finley. Em sua mensagem “Por que evangelismo?” analisou a necessidade de a igreja manter acesa a chama da missão, refletindo sobre o interesse de Deus pelo mundo. Falou sobre a vontade divina de que “todos cheguem ao arrependimento e ao pleno conhecimento da verdade” (1Tm 2:4). Ele não quer que ninguém pereça (2Pe 3:9). “Você se preocupa com sua salvação?”, Finley perguntou ao auditório. Reafirmou em seguida que “Deus está muito mais interessado em nossa salvação do que nós mesmos”. Ele também se interessa pelos que estão longe do Pai, pois também os ama e quer salvá-los por nosso intermédio. Não podemos ficar indiferentes, não podemos nos acomodar, insistia o pastor Finley.

Numa sequência de frases eletrizantes e cheias de apelo, Finley abriu seu coração para a igreja mundial reunida ali. Falou de seu pai. “Nos últimos anos passei por momentos muito difíceis na família. Perdi meus pais. Quando fazia minhas séries evangelísticas pelo mundo, sempre ligava para meu pai e dizia: ‘Pai, estou em Copenhague, pai, estou em Tóquio, pai, estou em Moscou. E sempre meu pai me respondia: ‘Estou orando por você, filho’. Meu pai tinha um amor tão desinteressado que se esquecia de si mesmo e orava por mim. É possível que, mesmo ao fechar os olhos na morte, seu último pensamento tenha se concentrado no filho.” Então, afirmou que, se seu pai o amava assim, Deus nos ama muito mais. “Somos compelidos pela graça de Cristo. Não podemos ficar em igrejas confortáveis, não podemos nos entreter uns aos outros. Temos que agir pela salvação das pessoas ao nosso redor.”

Embora sentíssemos sua dor ao falar da perda de seus pais, foi o amor à igreja que fez seus sentimentos virem à tona. Com voz embargada e olhos marejados, fez um tocante apelo à assembleia da igreja mundial para que se unisse pela missão e para a missão. A ideia é que precisamos de unidade para termos missão e, sem o foco na missão, perdemos a unidade.

Transformação e ação

As demais mensagens e encontros só falaram de ação. No devocional de abertura, Sikhu Hlatshwayo, natural do Zimbábue e residente nos Estados Unidos há dez anos, falou sobre a importância de não nos contentarmos com um conhecimento teórico. “Não basta saber que, na Bíblia, o casamento é uma união por toda a vida, sem saber se a Palavra ensina a ter um casamento feliz.” “No evangelismo”, Sikhu disse, “podemos nos distrair com a busca por melhores métodos, enquanto Deus está buscando pessoas melhores.” Mais à frente, comentou: “Não estamos esperando a segunda vinda, mas Jesus”. O foco não está no pensamento abstrato, mas num relacionamento verdadeiro com Deus. Seu apelo foi: descubra como seu conhecimento pode mudar quem você é.

Na Escola Sabatina, dirigida por três apresentadores, com a participação ocasional de professores e crianças, acompanhados de testemunhos em vídeos, discutiu-se o significado e a importância dos missionários – algo mais do que oportuno. O pastor Ted Wilson fez um apelo ao fortalecimento da frequência à Escola Sabatina, dizendo que “quando adultos não vão para a Escola Sabatina, os filhos também não vão. Ele conclamou os líderes de todos os níveis da igreja a reavivar esse ministério”.

Larry Evans apela para que se dê mais atenção à comunidade surda.

Larry Evans apela para que se dê mais atenção à comunidade surda.

O pastor Larry R. Evans, coordenador do Ministério Internacional aos Surdos, falou do trabalho por esse grupo específico, que representa aproximadamente 70 milhões de pessoas ao redor do mundo. Evans contou a história de uma surda que lhe confidenciou em lágrimas que, pessoas de outras denominações haviam dito para ela que os surdos são pessoas endemoniadas cujos espíritos malignos precisam ser expelidos. Ela ficou feliz quando o pastor Evans pregou para ela e outros surdos, que eles que tinham sido criados à imagem de Deus. Aquela mensagem inclusiva trouxe alegria para o coração dela: “Não sou a minha deficiência, tenho uma identidade pessoal, também tenho dons!”

Outro belo testemunho foi sobre o pastor Norman Ferris e sua esposa Ruby, que serviram como missionários nos anos 1940, nas Ilhas Salomão. Entre muitas de suas histórias de amor altruísta, certa vez, Ruby se deparou com duas crianças com malária. Então, as carregou por 10 km para que recebessem atendimento médico. De volta à ilha, décadas depois, em 1999, encontrou uma igreja estabelecida com mais de 1.800 adventistas em dezenas de igrejas.

Também foi relatado o tocante ministério aos leprosos na ilha chinesa de Dongguan, uma colônia de vítimas de hanseníase. Voluntários como a brasileira Sabrina Quadros, vão à ilha para limpar ferimentos e cuidar dos moradores, muitos deles abandonados pela família.

Sem perder o foco

Foi então que o sermão do secretário reeleito da Associação Geral, o cingapuriano G.T. Ng, trouxe uma reflexão sobre a relação entre identidade e missão. “Pensem como grupo, como igreja. Quem vocês são?” – perguntou Ng. Ele pregou que a identidade da igreja só pode ser definida a partir da identidade de Deus. A partir de então, fez um estudo de Daniel 10, em paralelo com Apocalipse 10, 12 e 14, capítulos em que encontrou a identidade da igreja, seu passado e sua mensagem, e concluiu: ”Quero fazer um apelo especial a todos nós. O tempo em que vivemos é um tempo extraordinário. Não temos muitos anos, possivelmente. Um amigo disse outro dia: ‘Se você nunca foi a uma assembleia mundial não deixe de ir a essa, pois não sabemos se será a última’. O mundo está ecologicamente, politicamente e socialmente falido. Não há esperança. Estamos em tempo emprestado”, avaliou.

“Nesta manhã, Deus está nos chamando a um compromisso maior com a missão”, apelou Ng. Sou responsável por mim e por minha esposa, para revolucionar nossas vidas. Precisamos orar pelas pessoas que estão nos blocos religiosos que não conhecemos. Você está disposto a dedicar uma parte importante de suas economias para ajudar a missão, para enviar missionários? Logo não teremos oportunidade de fazer isso, pois o dinheiro desaparecerá. Temos que nos entregar à missão”, enfatizou. Ele também expôs sua preocupação de que “ao discutir coisas que não são importantes, podemos perder de vista a missão da igreja”.

Novidades

Nas reuniões da tarde, com foco na missão, foram apresentadas as novidades nas missões mundiais, destacando ações e centros de influência nas áreas urbanas. Nos prédios de Manila, capital das Filipinas, existem quiosques onde são feitas avaliações de saúde; em Copenhague, capital da Dinamarca, existe uma loja de produtos de segunda mão que funciona como um centro de influência. Berit Elkjaher, uma das líderes do centro, diz que o projeto uniu a igreja, com pessoas de todas as idades, e foi além, atraindo voluntários da comunidade: “Um terço dos voluntários não é adventista. Eles vêm e perguntam se podem ajudar. Ficamos amigos de muitas pessoas e fazemos um trabalho que o pastor não poderia fazer, devido a suas ocupações.”

Outro projeto simples e inovador, o The Sabbath Sofa (“O Sofá do Sábado”), iniciado em Londres, dá a oportunidade de se falar sobre o sábado. Jovens colocam um grande e confortável sofá branco numa passagem de pedestres, com a placa: “Está cansado? Sente-se.” Ao se sentarem, um jovem num estilo cool as cumprimenta e pergunta: “Do que você está cansado(a)?”, e as pessoas abrem seu coração. O jovem então comenta: “Vamos supor que se você pudesse tomar 24 horas de sua vida, do por do sol de sexta ao por do sol de sábado, como seria a sua vida? Vários respondem naturalmente: “Seria incrível!” A partir de então, inicia-se um contato que pode levar pessoas a conhecer a mensagem do descanso sabático. O projeto tem forte presença na internet, especialmente, nas redes sociais e foi realizado na cidade de San Antonio, durante a assembleia mundial.

Há também mensageiros no mundo islâmico. Em países onde é proibido e criminalizado o ato de falar de Cristo ou ler a Bíblia, jovens têm sido encorajados a partir para esses países a fim de estudarem ali. Eles vão para universidades e fazem amizade com os colegas. Quando surge uma oportunidade de compartilhar sua fé, o fazem, como os antigos valdenses faziam. Perguntada sobre qual era sua maior prioridade na faculdade (os estudos ou a missão), uma jovem não identificada por motivo de segurança, disse que sua prioridade era ser missionária. O interlocutor, então, lhe disse, sorrindo: “Então você é como uma agente secreta?”

Histórias fecharam a programação, entre elas, a de um pastor chinês que escreveu sua própria Bíblia por memória, na prisão, e a de um jovem piloto de avião missionário, que assumiu o posto deixado por seu pai, que morreu no cumprimento do dever.

Muitos adventistas hoje demonstram ter o mesmo compromisso pela missão que os pioneiros das missões, mas é preciso que esse espírito contagie ainda mais a igreja global. Missão não é uma tarefa, mera obrigação, mas uma razão de viver, um estilo de vida, que não faz parte da vida cristã, mas é ela própria. Num momento em que as sociedades urbanas em todo o mundo passam por um rápido processo de secularização, a igreja é desafiada a reafirmar sua identidade e cumprir sua missão de todas as formas possíveis. Seu maior tempo e suas melhores energias devem ser canalizadas e dedicadas a isso. Unidos a Cristo e sua missão, estaremos unidos uns aos outros.

Diogo Cavalcanti, enviado especial da Revista Adventista para San Antonio, é pastor, jornalista e editor de livros na CPB

Carência do evangelho

Após 100 anos de presença adventista em Bangladesh, a pregação do evangelho ainda é pouco expressiva no país com a maior densidade demográfica do mundo

Bangladesh---ADRA-home

Créditos da imagem: ADRA Bangladesh

Apenar de mais de um milhão de adventistas viverem no território da Divisão do Pacífico Sul-Asiático da Igreja Adventista, a população dessa geografia é de quase um bilhão de pessoas. Neste contexto está Bangladesh, país com a maior densidade demográfica do mundo, se não forem levados em conta cidades-estado e nações com menos de 10 milhões de habitantes. São quase 160 milhões de pessoas numa área um pouco maior do que o Amapá, o que significa mil pessoas dividindo o mesmo quilômetro quadrado (no Brasil, são 23 habitantes/km2).

A pobreza é outra característica do país: 43% da população vivem com menos de 1,25 dólar por dia. Segundo dados de 2013, a renda per capita é de 1.044 dólares, enquanto a média mundial é de quase 8 mil. No Índice Global da Fome, Bangladesh está entre os dez piores países, sendo a falta de diversidade na dieta um dos principais problemas. A nação também está entre os cinco países com maiores chances de sofrer desastres naturais. Todos os anos, enchentes, ciclones e maremotos arrasam cidades e matam milhares de pessoas.

Mesmo com esse cenário, a Igreja Adventista está há mais de 100 anos em Bangladesh. No entanto, os desafios ainda são enormes. Sendo realista, a igreja tem pouco menos de 10 mil membros ativos, mesmo que conste com mais de 30 mil na secretaria. Se faltam adventistas, não faltam alegria e música por aqui.

Com mais de 92% da população adepta ao islamismo, menos de 1% de cristãos e muitas restrições à pregação do evangelho, o adventismo enfrenta obstáculos para crescer. Por causa da renda per capita tão baixa, a igreja não consegue sequer manter três ou quatro pastores que se formam a cada ano. Bangladesh possui quatro Missões e uma União, mas sobrevive com subsídios da Divisão local, Associação Geral e doações esporádicas de estrangeiros.

Os adventistas representam apenas 0,019% da população bengali: são supostos 30.115 membros distribuídos em 129 igrejas. A grande maioria dos membros não conhece muito da Bíblia. Na luta diária pela sobrevivência, investem pouco tempo à oração e estudo da Palavra, que são fundamentais para o crescimento sadio da fé cristã.

landerson

Por meio de projetos sociais e na área de saúde, a ADRA Bangladesh tem ajudado a mudar a vida da população. No Índice Global da Fome, o país está entre os dez piores. A falta de diversidade na dieta é um dos principais problemas. Foto: arquivo pessoal / Landerson Serpa

O país faz parte da Janela 10/40, região em vivem 66% da população mundial, e que corresponde a 33% da área do planeta, compreendendo 62 países. Bangladesh, cujo governo insiste em dizer que é laico, está na lista das 50 nações mais intolerantes aos cristãos, o que torna muito difícil a vida dessa minoria.

No campo das possibilidades, a educação tem sido uma das principais frentes de atuação da igreja em Bangladesh. Com um total de 150 escolas, incluindo sete internatos, a igreja trabalha bastante para ajudar a comunidade local, atendendo 9.085 alunos. Mas os desafios são grandes. Apenas um internato consegue se manter por conta própria. O mesmo ocorre com as 13 escolas nas cidades, apenas uma não representa prejuízos financeiros para a igreja. As outras 137 escolas são as chamadas village school (escolas de vilas), que não possuem prédios próprios e as aulas são ministradas nas casas dos pastores.

A Igreja Adventista tem um papel muito importante a exercer nesse país: ser luz em meio às trevas. Por isso, cada adventista de Bangladesh deve se apegar ainda mais a Cristo, e permitir que ele o transforme diariamente a fim de que a missão de Deus avance nesse país desafiador. Ore por Bangladesh e pela Janela 10/40.

Landerson Serpa Santana é pastor e trabalha para a ADRA Bangladesh (com colaboração de Ketlin Brito e Kevin Dantas)