Retorno para os Arautos

Maestro Jader Santos aceita novo convite para ser diretor musical do quarteto

Jader Santos retorna para o quarteto Arautos do Rei
Jader Santos já integrou o quarteto Arautos do Rei em duas ocasiões: de 1984 a 1990 e de 1993 a 2001. Foto: arquivo pessoal
Depois de trabalhar como professor de música no Unasp, campus Engenheiro Coelho, onde dirigiu o 7mus, um quinteto masculino de jovens, o maestro Jader Santos aceitou o convite para retornar ao grupo. Ele substitui o maestro Ricardo Martins na direção musical dos Arautos.

Jader Santos começou a sua história no quarteto em 1983, quando se tornou pianista do grupo. O músico é considerado um dos responsáveis por moldar o estilo do quarteto brasileiro, dando-lhe uma personalidade própria. Durante os 15 anos em que exerceu esse ministério, “ele rompeu com a tradição de copiar fielmente tudo o que A Voz da Profecia norte-americana produzia”, conforme escreveu Quelen Priscila da Cruz, autora de uma reportagem sobre o perfil do músico que foi publicada na edição de junho de 2015 da Revista Adventista (leia o texto na íntegra aqui).

Outro fato destacado por ela foi o desejo de Jader Santos de aproximar o público jovem do quarteto, sem perder a linha tradicional do grupo. “Pouco a pouco, o pianista conduziu o quarteto para um estilo mais dinâmico e, ao mesmo tempo, profundamente sacro”, relata.

Voltar a fazer história nos Arautos foi uma oportunidade que surgiu inesperadamente, segundo relatou o músico em sua pagina no Facebook. “Foi exatamente assim: Ontem eu dormi e hoje acordei um ‘Arauto'”, expressou. “Muitos perguntariam: de novo? Eu mesmo me fiz essa pergunta uma centena de vezes. Desde quando fui um desbravador tenho aprendido que devo ser ‘amigo de todos, servo de Deus … e devo ir aonde Deus mandar’.

Lembrando quando aceitou pela primeira vez o chamado para atuar no quarteto, aos 21 anos de idade, “sem saber quase nada da vida”, segundo ele, Jader disse que aceitou o novo chamado “com uma visão bem mais realista dos desafios” que o aguardam. “Terei a responsabilidade de levar em frente essa tocha já erguida por muitos verdadeiros heróis. Fazer música é relativamente simples, o difícil é ser um proclamador e súdito musical ‘do Rei’. Como nunca antes, precisarei das preces e do apoio de todos vocês”, ressaltou na rede social.

Ele concluiu a mensagem aos internautas afirmando: “Hoje desperto e abro os olhos para um Novo Tempo. Que ele seja de paz e de salvação para muitos, inclusive para a minha casa. Como meu amigo, maestro Ricardo Martins, recentemente me lembrou: Chegou a hora. De novo”.

LEIA TAMBÉM

Ano de mudanças

Quarteto Arautos do Rei tem novo barítono

Check Also

Tragédia-da-Chapecoense---slider

Tragédia da Chapecoense

Adventistas demonstram solidariedade aos familiares das vítimas da tragédia da Chapecoense e transmitem esperança para milhares de torcedores durante velório coletivo.