Retorno para os Arautos

Maestro Jader Santos aceita novo convite para ser diretor musical do quarteto

Jader Santos retorna para o quarteto Arautos do Rei
Jader Santos já integrou o quarteto Arautos do Rei em duas ocasiões: de 1984 a 1990 e de 1993 a 2001. Foto: arquivo pessoal
Depois de trabalhar como professor de música no Unasp, campus Engenheiro Coelho, onde dirigiu o 7mus, um quinteto masculino de jovens, o maestro Jader Santos aceitou o convite para retornar ao grupo. Ele substitui o maestro Ricardo Martins na direção musical dos Arautos.

Jader Santos começou a sua história no quarteto em 1983, quando se tornou pianista do grupo. O músico é considerado um dos responsáveis por moldar o estilo do quarteto brasileiro, dando-lhe uma personalidade própria. Durante os 15 anos em que exerceu esse ministério, “ele rompeu com a tradição de copiar fielmente tudo o que A Voz da Profecia norte-americana produzia”, conforme escreveu Quelen Priscila da Cruz, autora de uma reportagem sobre o perfil do músico que foi publicada na edição de junho de 2015 da Revista Adventista (leia o texto na íntegra aqui).

Outro fato destacado por ela foi o desejo de Jader Santos de aproximar o público jovem do quarteto, sem perder a linha tradicional do grupo. “Pouco a pouco, o pianista conduziu o quarteto para um estilo mais dinâmico e, ao mesmo tempo, profundamente sacro”, relata.

Voltar a fazer história nos Arautos foi uma oportunidade que surgiu inesperadamente, segundo relatou o músico em sua pagina no Facebook. “Foi exatamente assim: Ontem eu dormi e hoje acordei um ‘Arauto'”, expressou. “Muitos perguntariam: de novo? Eu mesmo me fiz essa pergunta uma centena de vezes. Desde quando fui um desbravador tenho aprendido que devo ser ‘amigo de todos, servo de Deus … e devo ir aonde Deus mandar’.

Lembrando quando aceitou pela primeira vez o chamado para atuar no quarteto, aos 21 anos de idade, “sem saber quase nada da vida”, segundo ele, Jader disse que aceitou o novo chamado “com uma visão bem mais realista dos desafios” que o aguardam. “Terei a responsabilidade de levar em frente essa tocha já erguida por muitos verdadeiros heróis. Fazer música é relativamente simples, o difícil é ser um proclamador e súdito musical ‘do Rei’. Como nunca antes, precisarei das preces e do apoio de todos vocês”, ressaltou na rede social.

Ele concluiu a mensagem aos internautas afirmando: “Hoje desperto e abro os olhos para um Novo Tempo. Que ele seja de paz e de salvação para muitos, inclusive para a minha casa. Como meu amigo, maestro Ricardo Martins, recentemente me lembrou: Chegou a hora. De novo”.

LEIA TAMBÉM

Ano de mudanças

Quarteto Arautos do Rei tem novo barítono

Veja também

Vida em outro planeta

Nossa morada definitiva será em algum lugar distante de todo barulho que se faz aqui deste lado do Universo.