Acesso gratuito

Plataforma digital da editora da Igreja Adventista disponibiliza na íntegra edições de revistas que tratam da pandemia de coronavírus
MÁRCIO TONETTI

Nas últimas semanas, diversas plataformas passaram a disponibilizar gratuitamente conteúdos que antes tinham acesso restrito. Para ampliar as opções de entretenimento de quem está em quarentena, operadoras de TV por assinatura liberaram mais canais para seus clientes e o catálogo de alguns serviços de streaming ficou aberto ao público na internet, com opões de filmes, séries, documentários, entre outras produções audiovisuais, para todas as faixas etárias.

Porém, um serviço ainda mais relevante tem sido prestado pela imprensa. Depois que o jornal norte-americano The New York Times criou uma seção específica sobre a pandemia de coronavírus, com artigos abertos a todos os leitores, outros periódicos e veículos especializados decidiram fazer o mesmo. “Acreditamos que nosso jornalismo pode ajudar as pessoas a tomar decisões com base em boas informações em tempos incertos”, ressaltou o jornal canadense Globe and Mail, ao divulgar proposta similar.

No Brasil, segundo reportagem publicada no site da Folha de S. Paulo no dia 16 de março, ao menos 12 jornais brasileiros já haviam liberado o acesso a análises de especialistas e recomendações de órgãos de saúde nacionais e internacionais sobre a COVID-19.

“Dezenas de jornais associados à Associação Nacional de Jornais (ANJ) em todas as regiões do Brasil concentraram os esforços de suas redações na produção de material especial sobre a pandemia do novo coronavírus (COVID-19) e liberaram o acesso gratuito de não assinantes a coberturas com informações relevantes sobre a crise de saúde global em seus sites e aplicativos”, anunciou o site da ANJ.

Um dos principais objetivos de medidas como essas têm sido contribuir para que a população receba notícias confiáveis em um momento de crise na saúde pública global. Assim, essas iniciativas têm ajudado a combater a “infodemia” de informações falsas que se espalha pelas redes sociais. Com esse mesmo propósito, além do site criado pela igreja que reúne informações oficiais, orientações e dados sobre a pandemia, a editora da denominação também disponibilizou, antecipada e gratuitamente, a edição de abril das principais revistas produzidas pela Casa Publicadora Brasileira que deram destaque ao tema do momento.

No caso do periódico Vida e Saúde, o principal tema em questão é o que está por trás do vírus que parou o mundo. Na matéria de capa, por exemplo, a bióloga Liziane Nunes Conrad Costa, mestranda em Biociências e Saúde, explica por que o novo coronavírus representa “a ponta de um ‘iceberg’ de irresponsabilidade de desrespeito pelas leis naturais”. Além disso, o artigo escrito por ela traz uma linha do tempo dos vírus que deixaram a saúde pública em estado de emergência nas últimas duas décadas, e fala de seis atitudes humanas que favorecem o desenvolvimento de doenças.

Já a Revista Adventista de abril discute o problema de uma perspectiva religiosa. Na matéria principal, o pastor Glauber Araújo, que tem estudado o assunto no doutorado em Teologia na Universidad Adventista del Plata (UAP), apresenta uma tentativa de explicação teológica para catástrofes como a que tem atingido a população mundial. “Este cenário preocupante tem levado alguns fiéis a procurar entender o porquê desses eventos e o papel que isso poderia desempenhar no cumprimento das profecias sobre o fim. Como adventistas do sétimo dia, temos um grande interesse em eventos de proporções globais e de significado escatológico”, ele afirma num trecho do artigo. Mas será que essa pandemia é um dos sinais dos tempos? Ou devemos interpretar a COVID-19 como um castigo de Deus? “Considerando que somos um movimento profético que constantemente busca se manter atento ao cumprimento da profecia, é de suma importância analisarmos como a Bíblia descreve esses fenômenos e que explicação ela dá para sua ocorrência, antes que cheguemos a conclusões precipitadas ou alarmistas”, sugere o pastor Araújo.

Além de colocar à disposição dos membros da igreja informações relevantes sobre a pandemia que se espalha pelo globo, a editora também disponibilizou para download a edição das revistas Nosso Amiguinho e Nosso Amiguinho Júnior, que reúnem diversas sugestões de atividades para as crianças fazerem no período em que as aulas estiverem suspensas, além de trabalhar o tema da superação de desafios. Tendo em vista também os desafios logísticos que surgiram por conta da pandemia, o que tem impossibilitado a chegada de materiais na versão impressa, a CPB também está disponibilizando semanalmente, durante o período de quarentena, todas as Lições da Escola Sabatina em PDF (para ter acesso, clique aqui).

“Nos últimos anos, a CPB tem oferecido uma série de materiais gratuitamente em nossos sites, incluindo todo o acervo da Revista Adventista. Porém, considerando o momento crítico pelo qual estamos passando, ela intensificou a disponibilização de revistas em formato digital. Qualquer um pode ler essas publicações sem custo”, realça o pastor Marcos De Benedicto, editor-chefe da CPB.

Ele acredita que o diferencial desses materiais, em relação ao que a imprensa em geral tem oferecido, é proporcionar um “toque de esperança”. “Se a pessoa ficar o tempo todo acompanhando a cobertura da mídia, talvez fique um pouco depressiva ou até mesmo entre em pânico. Nesse contexto, a boa literatura ajuda a levar informação confiável e a melhorar o estado de espírito”, conclui o pastor De Benedicto.

Para fazer o download desses materiais na íntegra e gratuitamente, clique aqui.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista (com colaboração de Camila Torres)

Veja também

O poder da influência

O fenômeno dos influenciadores chegou às igrejas. Isso é bom ou ruim?

  • leonara gomes dos santos

    Grata por disponibilizarem esses materiais. A sugestão é que continuem a postar esse material importante para enviarmos aos nossos amigos e contatos.

  • Agradecemos pela sua sugestão, Leonara! Podemos discutir a viabilidade técnica de fazer algo nesse formato. Márcio Tonetti, editor associado