Mundo em revista

Um resumo dos fatos que marcaram a semana na imprensa adventista nacional e internacional
Márcio Tonetti e Wendel Lima

O que os brasileiros mais querem fazer no período pós-quarentena? Segundo noticiou o canal CNN Brasil, cuidar da “alma” e da “estética” devem ser as duas principais prioridades. Pelo menos foi o que apontou um levantamento do Instituto Ideia Big Data, realizado via aplicativo nos dias 21 e 22 de abril com 1.667 brasileiros acima de 18 anos.

De acordo com a pesquisa, frequentar a igreja é a primeira coisa que eles disseram que vão fazer assim que forem retomadas as atividades que haviam sido suspensas para frear a propagação do novo coronavírus. Em segundo lugar, eles pretendem ir aos salões de beleza ou barbearias.

Um terço dos entrevistados disse que frequentaria os templos de sua denominação na mesma semana em que fossem retomados os cultos religiosos. Outros 14% voltariam aos templos em até 15 dias e 22% esperariam um mês. Em uma entrevista à CNN Brasil, o filósofo Luiz Felipe Pondé considerou que “o momento da epidemia é muito rico para o mercado religioso e para a busca sincera de significado”, uma vez que, segundo ele, perdas de vários tipos geralmente levam pessoas à conversão religiosa.

REABERTURA DE IGREJAS

Com a flexibilização da quarentena, templos adventistas de Santa Catarina se adaptam às normas de segurança para voltar a ter cultos presenciais. Foto: Daniel Gonçalves

Em algumas regiões do Brasil, as igrejas já começam a se adaptar para atender essa demanda. Com pouco mais de 2 mil casos confirmados e 46 mortes, o Estado de Santa Catarina é um dos que já permitiram a reabertura de igrejas. Desde o último sábado, conforme publicou a Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN), a maioria dos templos da denominação na região centro-sul do estado voltou a abrir as portas. No entanto, cada congregação está seguindo rigidamente os protocolos estabelecidos pelos órgãos governamentais e as diretrizes recomendadas pela sede administrativa da denominação no continente. Isso inclui uso de máscaras, distanciamento de pelo menos um metro e meio entre as pessoas, disponibilização de álcool em gel, janelas abertas e uso de, no máximo, 30% da capacidade do espaço. Também se evitou a presença de idosos e outros grupos de risco nesse primeiro momento.

Do outro lado do Atlântico, em um dos países mais castigados pela pandemia do novo coronavírus, a reabertura das congregações adventistas será gradual. É o que mostra o comunicado publicado no dia 30 de abril. Segundo informou o pastor Óscar López, presidente da Igreja Adventista na Espanha, o retorno aos cultos presenciais deve ocorrer em três fases e seguirá o protocolo indicado pelas autoridades de cada região. Na primeira etapa, a partir de 10 de maio, os templos poderão ter um terço de sua capacidade preenchido a cada culto. Na segunda fase, em 24 de maio, essa taxa de ocupação das igrejas poderá subir para 50% e, na última etapa, prevista para dia 7 de junho, não há restrição oficial para o número de pessoas reunidas.

Contudo, em todas essas etapas, cuidados como oferecer mais de um culto por sábado, manter distância de 2 metros de uma pessoa para a outra e higienizar o templo entre um serviço de adoração e outro, deverão ser observados. Além disso, as cidades que apresentam ainda altos índices de morte e contaminação pela Covid-19 terão que postergar sua reabertura para as fases posteriores.

Falando sobre o cenário dos Estados Unidos, que até hoje tinham mais de um milhão de casos confirmados e mais de 63 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins (EUA), um cientista político da Eastern Illinois University escreveu que as igrejas não devem ser as primeiras a reabrir com a flexibilização da quarentena. Lá, governadores de alguns estados manifestaram a intenção de começar a reabrir o comércio nos próximos dias. No entanto, em um artigo publicado no site da revista Christianity Today, Ryan P. Burge ponderou que a demografia de muitas congregações dos EUA faz dos santuários um lugar arriscado para a retomada das reuniões. Citando dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças norte-americano, ele enfatizou que a retomada dos cultos presenciais nesse momento poderia levar muitos grupos de risco para as igrejas, já que metade dos evangélicos nos EUA tem pelo menos 55 anos, seguidos por 47,1% dos católicos.

FÁBRICAS DE ALIMENTOS

Doação feita pela indústria adventista de alimentos da Argentina. Crédito: Granix

Mesmo com templos ainda fechados na maioria dos lugares, a igreja e suas instituições continuam trabalhando para suprir necessidades. No continente sul-americano, a indústria adventista de alimentos da Argentina, Granix, doou cerca de 55 toneladas de produtos ao longo de abril para atender pessoas em situação de vulnerabilidade social nas maiores cidades do país, como Buenos Aires, Córdoba, Rosario, Santa Fe e Mendoza. Além da distribuição externa de alimentos, a empresa adventista incentivou seus funcionários a doar kits com produtos da Granix para pessoas do convívio deles que também estão precisando (clique aqui para saber mais). Nos próximos dias, a indústria da igreja, que é uma das marcas mais conhecidas no setor alimentício da Argentina, também participará da campanha nacional #SeamosUno, uma mobilização de entidades religiosas, sociais, públicas e privadas, que visa arrecadar 1 milhão de cestas básicas.

Desenvolvidos por profissionais do Hospital e da Universidade Adventista del Plata, aparelhos ajudam na desinfecção dos ambientes. Foto: SAP

A 400 km da capital Buenos Aires, a boa notícia vem do Hospital Adventista Del Plata, que fica ao lado da universidade com mesmo nome, na pequena cidade de Libertador San Martin. Ali, o departamento de eletromedicina desenvolveu dois aparelhos que emitem raios ultravioleta, a fim de ajudar na desinfecção dos ambientes (clique aqui para ler a reportagem completa). Desenvolvido por um time de quatro engenheiros e um técnico, um dos aparelhos foi projetado para ser usado em salas vazias e, o outro, para ser operado por um funcionário. Os raios UV são prejudiciais para a pele e olhos humanos, mas têm o poder de eliminar vírus e bactérias do ambiente. A Argentina se destacou por decretar logo cedo uma quarentena nacional e é um dos países sul-americanos que menos registra casos: pouco mais de 4 mil, com 214 mortes.

Na Universidade Adventista Montemorelos, no México, as ações se concentraram na produção de máscaras de tecido e protetores faciais gerados a partir de impressoras 3D. Os acessórios, fabricados com o apoio de uma equipe de mais de 70 servidores, foram distribuídos para profissionais que atuam em hospitais da região (leia mais aqui).

No Peru, um dos gestos de solidariedade partiu da indústria alimentícia Unión. Os funcionários da empresa adventista trabalharam duro para que cinco caminhões cheios de pães deixassem a planta da fábrica em Ñaña, na região metropolitana de Lima, em direção ao Colégio Adventista de Miraflores, na capital peruana. Ali, a ADRA Peru organizou a distribuição da doação de 20 mil pães, priorizando a assistência de trabalhadores essenciais, como policiais e profissionais de saúde, além da população mais vulnerável (leia a reportagem aqui). Nesse tempo de pandemia, a empresa Unión mudou seu slogan de “Saudáveis por natureza” para “Juntos sairemos desta”. O Peru, até dia 29, registrava quase 34 mil casos confirmados e cerca de mil mortes por Covid-19.

No Chile, a ajuda de cestas básicas tem vindo de igrejas e colégios adventistas. O esforço conjunto já resultou na entrega de 895 dos 1.200 kits de alimentos que se espera arrecadar para atender moradores da região metropolitana de Santiago (veja mais detalhes aqui e aqui).

Doação de sangue realizada no Chile. Foto: Comunicaciones Iglesia UNACh

Também na capital chilena existem ministérios adventistas atendendo moradores em situação de rua e colégios adventistas oferecendo aconselhamento on-line nesse período de quarentena. Mais ao sul do país, a igreja do campus da Universidade Adventista do Chile organizou uma campanha de doação de sangue, da qual 32 voluntários participaram. O país contabiliza quase 15 mil casos de novo coronavírus e pouco mais de duzentas mortes.

No Equador, onde já foram registrados quase 25 mil casos de Covid-19 e cerca de 900 mortes, pastores e membros da igreja se organizaram para distribuir cestas básicas para mais de 1.400 famílias de Guayaquil, no sul do país (leia a reportagem aqui).

MAPA DA ATUAÇÃO DA ADRA

Mapa mostra a resposta da ADRA à pandemia ao redor do mundo. Imagem: ADRA

Quem deseja acompanhar a resposta global da agência humanitária adventista, agora tem à disposição uma nova ferramenta. ADRA internacional disponibilizou em seu site um mapa com dados atualizados em tempo real, o que também permite aos doadores ver o impacto e o destino dos recursos. A plataforma mostra que, até agora, 356 mil pessoas de 37 países estão sendo apoiadas pela agência humanitária. Entre as várias ações, a ADRA já forneceu quase 45 mil equipamentos de proteção individual, incluindo máscaras N95, roupas de proteção e luvas para a Loma Linda University Health, na Califórnia (EUA). Em parceria com o Departamento de Saúde do Camboja, na África, também proveu instalações sanitárias para melhorar as condições de locais de quarentena. Já no Quênia, a entidade estabeleceu estações públicas de lavagem de mãos para proteger comunidades vulneráveis.

No dia 29, o escritório sul-americano da ADRA também divulgou um relatório detalhado da assistência que vem sendo prestada em oito países do continente, onde cerca de 188,5 mil pessoas já foram assistidas. Dos 39 projetos, 20 são novos e 19 foram adaptados para responder à Covid-19. Veja a seguir as principais ações e os países beneficiados.

Com o objetivo de arrecadar alimentos que serão destinados para três mil famílias cadastradas pela ADRA Brasil, a agência humanitária e a Rede Novo Tempo de Comunicação transmitirão, neste sábado, às 16h, uma live com a participação dos cantores Jeferson Pillar, Dilson e Débora e Pedro Valença. A programação ao vivo será divulgada por meio do canal do YouTube da Gravadora Novo Tempo, que recentemente atingiu a marca de 1 milhão de inscritos. Por causa desse número de seguidores, a transmissão entrará no circuito oficial de lives pela plataforma de vídeos, o que dará uma exposição muito maior à campanha.

AÇÕES ON-LINE

A demanda por conteúdo em tempos de quarentena tem levado a igreja a fortalecer a produção de conteúdo na internet. Nos Estados Unidos, o site do It Is Written (Está Escrito) sofreu ataque de um outro tipo de “vírus” na noite da abertura de uma série evangelística virtual que será realizada ao longo de um mês, mas se recuperou rapidamente do ataque cibernético e, conforme noticiou a Adventist Review, 67 mil pessoas se cadastraram para participar da série “Revelation Today: Hope Awakens”, ministrada pelo pastor John Bradshaw.

Pensando em oferecer conteúdo religioso para os adolescentes, um pastor brasileiro criou o Teencast, podcast que apresenta semanalmente uma síntese da Lição da Escola Sabatina para esse público. Em menos de um mês, como mostrou uma matéria publicada na Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN), já foram produzidos 200 episódios.

Outra novidade é o recém-lançado adventplay.tv, a “Netflix adventista” lançada pela igreja na França. A plataforma, que já reúne mais de 500 vídeos, é coordenada pelo centro de mídia adventista da Suíça é funcionará nos moldes do feliz7play.com, site que oferece conteúdos cristãos gratuitos em português. Com bons conteúdos na internet e ações nas ruas, a igreja tem procurado atender as diferentes necessidades das pessoas em tempos de pandemia.

FOTOS DA SEMANA

MÁRCIO TONETTI E WENDEL LIMA são editores associados da Revista Adventista (com reportagem de Ángela Arias, Carlos Suarez, Daniel Gonçalves, Felipe Lemos, Fernanda Silva, Geraldine Flores, Kenny Rivas, Kimberly Luste Maran, Laura Marrero, Luis Contreras, Renata Paes, Rosmery Sánchez Calleja, Stephanie Passos, Wagner Cantori e Victor Hulbert)

Veja também

Hora do voto

Qual deve ser a postura dos adventistas em relação à política e às eleições?