Nova enciclopédia

Saiba como foi produzida e como você pode utilizar melhor a plataforma virtual inédita que reúne milhares de informações sobre o adventismo

Márcio Tonetti

Muitos são do tempo em que os extensos volumes das enciclopédias eram a principal ferramenta de pesquisa. Elas não perderam importância, mas precisaram se reinventar. Foi o que aconteceu com a Enciclopédia Adventista do Sétimo Dia, publicada pela primeira vez em 1966 e revisada 30 anos depois.

Agora, além da nova versão impressa que ainda será lançada, esse compêndio histórico do adventismo também poderá ser explorado virtualmente e atualizado com mais frequência, o que faz dele uma espécie de “Wikipédia”. A seguir, você confere algumas informações que podem ­ajudá-lo a explorar esse rico e imenso acervo.

1. VERSÃO INÉDITA

Quando a primeira enciclopédia foi publicada, em meados do século 20, a Igreja Adventista era bem diferente em termos numéricos, geográficos, culturais e institucionais. Hoje, por exemplo, o adventismo é muito mais global. Da América do Norte, Austrália e Europa, a igreja se expandiu consideravelmente para a América Latina, África e Ásia. Havia, portanto, a necessidade de um novo banco de informações que refletisse o crescimento e as transformações das últimas cinco décadas.

2. MUDANÇA DE CONCEITO

Nas versões anteriores, a Enciclopédia Adventista era composta de verbetes. Ou seja, ela se parecia mais com um “dicionário” por trazer definições breves de cada item, personagem ou tema. Em vez disso, o material lançado no dia 1º de julho reúne artigos. Assim, o pesquisador vai se deparar com uma riqueza muito maior de detalhes, conceitos e informações. Por ir além de uma simples ­atualização de informações, o projeto atual pode ser considerado inédito.

3. ACERVO MULTIMÍDIA

Dos 10 mil artigos que serão disponibilizados até 2022, mais de 2 mil já podem ser acessados. Sendo um projeto multimídia, além de textos sobre personagens, instituições, eventos e crenças adventistas, a plataforma virtual concentra mais de 3,5 mil fotos e uma pequena, mas crescente, coleção de vídeos. Uma das vantagens, aliás, é a facilidade de atualização constante desse material e acréscimo de novos conteúdos.

4. BUSCAS

Alguns recursos ajudam os usuários a se localizarem nesse imenso acervo. Além de uma lista, organizada por ordem alfabética, dos mais de 880 autores, o campo de pesquisa oferece a opção de utilizar filtros por região (Divisões) e categoria (biografia, unidade administrativa, país, instituição, tema, ministério denominacional, ­periódico, entre outras). Para fazer esse tipo de peneiramento, basta clicar na opção de busca avançada.

5. IDIOMA

Apesar da facilidade de acesso à plataforma digital, a nova enciclopédia adventista está disponível, por enquanto, apenas em inglês, o que limita, por outro lado, seu alcance. Contudo, já há planos de traduzi-la para o português, espanhol e outros idiomas.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

Fontes: David Trim, diretor do Escritório de Arquivos, Estatística e Pesquisa da sede mundial adventista; Carlos Flávio Teixeira, professor da Faculdade de Teologia do Unasp e um dos editores da nova Enciclopédia no contexto sul-americano; site encyclopedia.adventist.org; e portal adventistas.org

(Publicado na seção Guia da Revista Adventista de agosto de 2020)

Veja também

O poder da influência

O fenômeno dos influenciadores chegou às igrejas. Isso é bom ou ruim?

  • krieger

    Acessei a plataforma virtual e contem mesmo informações que me impressionam sobre o adventismo. Parabéns!