A luta contra o ebola continua

3 minutos de leitura
ADRA oferece apoio diante de novo surto da doença na República Democrática do Congo 
Kimi-Roux James
Imagem do surto de ebola em 2014-2015 na África Ocidental, o maior já registrado, mostra a equipe da ADRA no processo de desinfecção de ambulâncias e utensílios domésticos de pacientes com a doença. A ADRA continua oferecendo apoio e assistência às pessoas afetadas pela doença, dessa vez na República Democrática do Congo. Foto: ADRA

Há um ano, um novo surto de ebola, o segundo maior da história, atinge a República Democrática do Congo. Desde 1976, quando o vírus foi descoberto pela primeira vez, o país africano já enfrentou dez grandes crises provocadas pela doença.

Diante desse cenário, a ADRA (Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais) tem buscado oferecer apoio às autoridades locais e comunidades atingidas. Presente no país desde 1984, a agência humanitária adventista tem dado atenção especial à população mais vulnerável, especialmente crianças e mulheres que enfrentam necessidades extremas por causa da epidemia.

Visão geral da crise

Em julho, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que o surto de ebola na República Democrática do Congo é uma emergência internacional de saúde pública e que uma rede de assistência humanitária adicional é necessária para conter o vírus.

Desde agosto de 2018, mais de 1,7 mil mortes foram confirmadas. Estima-se que 2,5 mil pessoas tenham sido infectadas e outras 17 mil estejam em contato com o vírus. De acordo com a OMS, a vacinação ajuda a minimizar a propagação e exposição da doença, mas devido ao conflito em curso e à resistência da comunidade, em parte devido à pobreza, desinformação, práticas culturais e marginalização, o surto tem representado um desafio para os funcionários da linha de frente em sua luta para conter a doença.

A resposta da ADRA

A ADRA tem pequenas filiais em 17 províncias do país, sendo seis delas em Kivu do Norte e Ituri. A agência humanitária adventista está buscando construir relacionamentos e estabelecer parcerias a fim de buscar novos meios para ajudar a frear a disseminação da doença. Recentemente, foram realizados convênios com outras organizações humanitárias e autoridades locais para implementar um programa alimentar que procura ajudar as comunidades mais afetadas pela epidemia. “Nossa principal prioridade é trabalhar com líderes comunitários para que nos ajudem a construir confiança e participar das comunidades. Queremos preencher qualquer lacuna de atenção para que possamos oferecer ajuda humanitária”, declara Mário Oliveira, diretor de resposta a emergências da ADRA.

Atualmente, a agência humanitária adventista gerencia um programa de alimentação para crianças com o apoio do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em Katwa, Butembo, Beni, Mabalako e Oicha, na província de Kivu do Norte. “O principal objetivo dessa resposta de emergência é reduzir o risco de desnutrição entre crianças e jovens com até 26 anos de idade, mulheres grávidas e lactantes que foram afetadas pelo vírus ebola”, conta Oliveira.

O projeto inclui o estabelecimento de locais de amamentação nos centros de tratamento e centros de saúde para crianças de até dois anos. O projeto visa principalmente atender crianças que são privadas de leite materno quando a mãe fica doente e tem que ser hospitalizada.

A iniciativa também prevê a aquisição dos itens necessários para amamentar os bebês; alimentação de emergência de bebês e crianças pequenas; treinamento de assistentes psicossociais e nutricionais, incluindo integrantes da equipe da ADRA, e o treinamento de enfermeiros profissionais para transmitir informações sobre controle de infecção e métodos de prevenção para pacientes em áreas de risco. A ADRA informou que também está trabalhando para conscientizar as comunidades quanto às formas de prevenir o contato com o vírus ebola.

A agência humanitária da igreja já beneficiou mais de 170 mil pessoas por meio de atividades de prevenção e mobilização comunitária. No entanto, Mário Oliveira observa que há muito trabalho a ser feito para conter o vírus. “Esperamos que esse surto de ebola seja contido antes que a situação piore e se estenda além das fronteiras da República Democrática do Congo”, ele ressalta. [Kimi-Roux James, da equipe da ADRA]

Última atualização em 5 de setembro de 2019 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Perfil pastoral

Pesquisa mostra quem são os pastores que lideram as congregações adventistas na América do Sul.