Atenção

A travessia

3 minutos de leitura
Os esforços de um pastor brasileiro para alcançar comunidades de difícil acesso na Bolívia
SÉRGIO VASSALLO
Foto: Adobe Stock

Em agosto de 2018, eu e minha esposa, Liliane, chegamos a Sucre, capital constitucional da Bolívia, com a missão de pastorear o distrito Sucre Norte. A população local é formada por pessoas que falam o castelhano, na área urbana, e o quéchua, na área rural.

O território do meu distrito é muito desafiador, em virtude das longas distâncias a ser percorridas, das mudanças climáticas imprevisíveis e dos acessos precários. Entretanto, para mim, o maior desafio era entender o idioma quéchua. Como poderia me comunicar bem com os irmãos da igreja?

Diante das lutas, comecei a orar com minha esposa, pedindo a Deus que providenciasse os meios necessários para cumprir a missão que nos foi confiada. Foi então que conheci David Aguilar, ancião de uma de minhas igrejas. Pedi-lhe que me ajudasse como guia e intérprete, o que me foi muito especial. Entendi que Deus tem respostas para cada dificuldade e que não há barreiras para Ele.

Com a ajuda de David, comecei a visitar as igrejas da área rural. Em nossa primeira jornada, saímos em uma motocicleta e percorremos 93 km por uma estrada totalmente esburacada. Na segunda viagem, não pudemos usar a estrada, em virtude das fortes chuvas. Assim, viajamos a pé por seis horas e tivemos que cruzar o rio Pilcomayo. As vitórias em meio às dificuldades e as manifestações da providência divina fortaleceram nosso trabalho com as comunidades rurais.

Contudo, a viagem mais marcante foi a que fiz à igreja de Media Luna, a congregação mais distante e de difícil acesso do distrito. Começamos a jornada e paramos em Oronkota, uma de minhas igrejas na área rural. Descobrimos ali que não havia trilha para Media Luna. A única maneira de chegar ao lugar era margeando vales e colinas e cruzando rios que, naquela época do ano, transbordavam por causa das chuvas. Os irmãos de Oronkota, prevendo que eu não aguentaria a caminhada, olharam meus calçados e disseram: “Estes sapatos não são adequados para o caminho pedregoso.”

Às 10 da manhã, começamos a caminhar. Enquanto cruzávamos as poucas aldeias do trajeto, os moradores se mostravam incrédulos e diziam em quéchua: “Seu pastor, por ser ‘gringo’, nunca chegará a Media Luna.” Apesar da falta de estímulo, continuamos a viagem. Graças a Deus, as águas do rio haviam baixado; assim, conseguimos cruzá-lo sem dificuldades.

No entanto, quando veio a noite, e com ela o frio e a fome, confesso que me perguntei: “Isso realmente é necessário? Eu poderia fazer essa viagem em maio, depois das chuvas.” Foi então que me veio à memória as palavras de um pastor experiente: “Um pastor deve estar onde estão suas ovelhas.” Isso me fez refletir, em silêncio: “Os irmãos de Media Luna estão esperando seu pastor”. O Espírito Santo me animou a continuar. Eu sabia que minha esposa orava para que eu alcançasse nossos irmãos da área rural com a mensagem de esperança.

De repente, fome e cansaço desapareceram. O relógio marcava quase meia-noite quando David me disse: “Chegamos a Media Luna!” Depois de 14 horas de caminhada, estávamos exaustos, mas felizes. A face de meus irmãos refletia alegria e motivação, porque seu pastor estava com eles. Fiquei ali alguns dias para visitar as pessoas, batizar novos membros e pregar no sábado. Essa foi uma experiência da qual jamais me esquecerei.

Ao regressar, fizemos o mesmo caminho. Dessa vez, saímos às 5 horas da manhã e demoramos 10 horas para chegar a Oronkota. Permaneci com eles por uma semana, trabalhando por aquela igreja. Um detalhe, porém, não passou despercebido: enquanto os visitava, usava o sapato que eles diziam ser inadequado para caminhar a Media Luna. Nosso Deus é um Deus de milagres!

Essa experiência me ensinou que devemos ter a mesma paixão demonstrada por Jesus Cristo, nosso Salvador. Somos a extensão de Suas mãos na Terra para levar salvação e esperança aos que sofrem, seja no campo ou na cidade. Assim como Ele deixou tudo, devemos deixar em muitas ocasiões nossa zona de conforto para cumprir a missão. Exerçamos nosso ministério com essa mesma motivação.

SÉRGIO VASSALLO é pastor em Sucre, na Bolívia

(Este relato foi publicado originalmente na edição de maio-junho de 2019 da revista Ministério)

Última atualização em 30 de julho de 2019 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.