Socorro às vítimas das enchentes na Bahia

5 minutos de leitura

Como a agência humanitária adventista e as igrejas locais se mobilizaram para atender às famílias desabrigadas

Equipe da ADRA Brasil e Heron Santana

Fotos: ADRA Brasil

Desde a última terça-feira (7), chuvas torrenciais e o rompimento de uma barragem no interior de Minas Gerais contribuíram para problemas generalizados no extremo sul da Bahia. Um ciclone extratropical ocorrido na quinta-feira (9) ampliou as consequências do mau tempo, levando o governo estadual a decretar estado de calamidade pública.

Com o apoio da igreja, representantes da ADRA (Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais) chegaram `a região na sexta-feira (10) para avaliar os danos provocados pelas enchentes que atingiram pelo menos 30 municípios e iniciar as primeiras medidas de resposta emergencial.

De acordo com o diretor regional da ADRA Bahia, Leonardo Mendes, a primeira medida foi a distribuição de água potável para os moradores. Esse trabalho foi feito em parceria com a prefeitura de Jucuruçu, um dos municípios mais afetados, devido ao transbordamento de rios. No dia 12 de dezembro, 43 mil litros de água potável foram direcionados para a localidade. A ADRA Internacional também está captando recursos que serão destinados às necessidades mais imediatas.

Além disso, uma campanha da ADRA Brasil está mobilizando doadores interessados em ajudar a socorrer as famílias de municípios como Medeiros Neto, Guaratinga, Itamarajú, Jucuruçú, Vereda, Prado, Teixeira de Freitas e Eunápolis. Juntas, tais cidades registram uma população total de aproximadamente 430 mil habitantes.

COMO AJUDAR

Para quem deseja contribuir, a ADRA Brasil disponibiliza dois meios para receber doações:

CONTA CORRENTE

Banco Santander – 033

Agência: 1181

Conta: 13.001729-4

CNPJ: 01.467.063/0001-15

PIX

Chave: sos@adra.org.br

Os núcleos da ADRA em Eunápolis (rua África, bairro Dinah Borges) e em
Itabuna (rua São Francisco, bairro de Fátima) também estão abertos para
receber donativos que serão direcionados, em suas respectivas regiões, às
pessoas em situação de vulnerabilidade por conta das chuvas.

Apoio das igrejas locais

Templo central de Jucuruçu foi tomado pela enchente que devastou a cidade. Foto: Gilton Oliveira

As congregações adventistas dessa região vivem realidades distintas. Em alguns lugares, igrejas foram inundadas por conta de rompimento de barragens. Em outras localidades, os templos abriram as portas para servir de abrigo para famílias que perderam suas casas. Na emergência, igrejas são base de apoio para arrecadação e distribuição de alimentos, roupas e outros suprimentos. Além de serem pontos de mobilização de voluntários da Ação Solidária Adventista, que agem para acolher a população.

A Igreja Central de Jucuruçu foi tomada pela enchente. O nível da água subiu até a metade da altura do templo, entrando na parte interna e provocando destruição de equipamentos. “A igreja está sem condições de abrigar e cuidar das pessoas, e a casa pastoral virou um centro de armazenamento e distribuição de donativos”, afirma Gilton Oliveira, que é pastor no município de 10 mil habitantes. As igrejas de Pau D’Alho e Coqueiro também sofreram as consequências da inundação, porém ainda estão sendo avaliados.

Parte interna da Igreja de Nova Alegria, povoado de Itamaraju. Água inundou o templo, que ainda assim serve de abrigo para guardar colchões de pessoas que ficaram desabrigadas. Foto: Divulgação

Em Nova Alegria, povoado do município de Itamaraju, o estrago no templo foi semelhante. Depois que a água baixou, a lama tomou conta do espaço interno. Ainda assim, muitos moradores desabrigados usaram o prédio para salvar colchões e outros pertences.

Em meio ao desespero, os templos são lugares de conforto e acolhimento. A igreja da Califórnia, em Jucuruçu, abriu as portas para acolher desabrigados. Duas famílias que perderam as casas passaram a pernoitar no templo. O espaço é usado para arrecadar alimentos e roupas.

Voluntários preparam alimentos na Igreja Adventista de Fátima. Ação Solidária Adventista chegou a distribuir 700 refeições por dia na cidade. Foto: Jessé Boaventura

Voluntários do departamento de ação solidária ocuparam as dependências da Igreja Adventista de Fátima, em Itamaraju, ponto de distribuição de refeições. Desde quarta-feira, 8 de dezembro, eles distribuem, em média, 700 marmitas diárias, entre almoço e jantar. Os voluntários também arrecadaram e distribuíram 5 mil peças de roupas e cestas básicas para 200 famílias. As ações dessa igreja já beneficiaram mais de 3 mil pessoas.

“Cerca de 30 voluntários, de todas as idades, trabalham na arrecadação de alimentos, roupas e dinheiro, bem como na preparação de comida e na distribuição desses donativos. O trabalho começa às 8h da manhã e termina às 20h. Os voluntários não vão para casa durante o dia, almoçam na igreja mesmo”, relata Jessé Boaventura, pastor local.

A Igreja Adventista de Fátima tem servido de espaço para coleta de roupas, alimentos e outros donativos, além de cozinha para o preparo de refeições. Foto: Jessé Boaventura

Boaventura explica que a experiência dos voluntários da Ação Solidária Adventista fez a diferença. O trabalho solidário já é realizado há bastante tempo na comunidade, de maneira planejada. E a cidade reconhece este serviço. “A distribuição desse grande volume de alimentos é possível graças às doações feitas por pessoas da comunidade e empresários da cidade”, pontua, mostrando a importância de igrejas com ação solidária ativa.

A mobilização solidária da Igreja Adventista do Sétimo Dia está fazendo a diferença também em outros municípios afetados pela enchente. Parte das doações tem vindo do projeto Mutirão de Natal, conforme lembra o pastor Cleiton Motta, presidente da sede administrativa adventista para a região sul do estado. Trata-se de uma campanha tradicional realizada nesta época do ano em favor da segurança alimentar.

O templo de Nova Califórnia acolheu temporariamente 2 famílias desabrigadas. Foto: Divulgação

Em todo esse território, igrejas se mobilizaram para socorrer as famílias afetadas.

  • Canavieiras: voluntários arrecadaram, montaram e distribuíram 25 cestas básicas para famílias afetadas.
  • Itabuna e Ilhéus: foi promovida uma campanha de arrecadação de alimentos para atender as 170 famílias desabrigadas.
  • Eunápolis: voluntários levaram água para a delegacia da cidade, que conta com 14 pessoas encarceradas. O município ficou sem abastecimento.
  • Porto Seguro: a igreja do distrito Parque Ecológico providenciou um caminhão carregado de doações, cujo destino foi Itamaraju e Jucuruçu.
  • Linhares, Espírito Santo: a igreja enviou 150 cestas básicas para Jucuruçu, além de roupas.

VEJA +

Última atualização em 16 de dezembro de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Da Redação

Da Redação
Equipe da Revista Adventista

Veja Também

Reconhecimento

1 minuto de leitura Crédito da imagem: Reprodução da revista Time Um menino adventista de …