Atendimento aos refugiados

1 minuto de leitura

Líderes da igreja e da ADRA discutem como melhorar resposta à crise migratória na Europa

Adventist-ADRA-migrant-Slovenia-Jan21-1

Líderes da ADRA internacional e da igreja na Europa se reuniram nos dias 18 e 19 de janeiro em Zagreb, capital da Croácia, para discutir como a denominação pode oferecer uma resposta mais efetiva à crise migratória. Os participantes da Cúpula Europeia Para Refugiados, como foi chamado o evento, concordaram em criar uma coordenadoria regional para a assistência a esse público em todo o continente.

Segundo Jasna Barberic, alta comissária da Agência de Refugiados das Nações Unidas, que também participou da reunião, mais de 1 milhão de pessoas entraram na Europa no ano passado, fugindo de conflitos na Síria, no Iraque e no Afeganistão. Ao lembrar também que aproximadamente 4 mil pessoas já morreram tentando atravessar o Mediterrâneo, ela ressaltou: “A nossa maior e mais urgente prioridade é salvar vidas”.

A partir deste ano, a ADRA pretende reforçar o envio de equipes para atuar em parceria com as igrejas locais em vários países. A ideia é que os templos adventistas sirvam de suporte para os refugiados que pedem asilo no território europeu.

Algumas comunidades adventistas da Alemanha, por exemplo, já têm fornecido alimentos, abrigo e aulas de idiomas para imigrantes. Porém, a igreja vê a necessidade de uma resposta mais abrangente. Conforme foi discutido na cúpula, isso exigirá um trabalho de orientação que mostre aos fiéis como lidar com os imigrantes.

Adventist-ADRA-migrant-summit-Jan21Buscando suprir essa necessidade, a igreja pretende investir na produção e distribuição de materiais educativos para os membros. Conforme apresentado no evento, comunidades adventistas da Noruega já vem dado o exemplo nesse quesito. Por meio de uma parceria entre os departamentos de Saúde e Educação da sede administrativa adventista local, foram oferecidos treinamentos para as igrejas, o que mostra a importância da integração de esforços para alcançar esse objetivo.

Entre os desafios considerados pela cúpula diante da crescente onda migratória está a necessidade de mais voluntários para ajudar no atendimento aos refugiados. Outra preocupação é a falta de recursos. Maja Ahac, que tem coordenado o trabalho da ADRA com refugiados em trânsito na Eslovênia, observou, por exemplo, que o dinheiro para financiar o projeto está se exaurindo. “Nossos recursos devem durar somente até o fim de março”, informou. Diante disso, os participantes do evento enfatizaram a necessidade de ações emergenciais para incentivar doações e angariar verbas. [Daniela Fernandes / Com informações e fotos de Victor Hulbert, da Divisão Transeuropeia, e da Adventist Review]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Perfil pastoral

Pesquisa mostra quem são os pastores que lideram as congregações adventistas na América do Sul.