Atenção

Batalha invisível

3 minutos de leitura

Simpósio realizado na Andrews University trata sobre as implicações da batalha espiritual no contexto da missão

Simpósio-na-Andrews-University-trata-sobre-as-implicações-da-batalha-espiritual-no-contexto-da-missão-foto-2

Não é necessário um olhar muito profundo para perceber que a sociedade contemporânea, ao mesmo tempo que parece rejeitar a religião na sua forma tradicional, consome estranhamente altas doses de conteúdos que, explicita ou implicitamente, promovem o sobrenatural. Explorado há milhares de anos em diversas sociedades e culturas, o conceito de guerra espiritual (bem x mal) continua atual como nunca e é geralmente apresentado de maneiras distorcidas, se afastando da compreensão cristã sobre o tema.

Com a proposta de debater e especialmente preparar missionários para lidar com os efeitos da batalha invisível que afeta não apenas a igreja, mas a comunidade na qual ela está inserida, o departamento de missão do Seminário de Teologia da Andrews University, localizado no estado de Michigan (EUA), realizou uma conferência sobre “Guerra Espiritual e o oculto nas Escrituras, história e sociedade contemporânea”. As apresentações de trabalhos sobre o tema, seguidas de sessões de perguntas e respostas, começaram na noite de quinta-feira, 24 de setembro, e foram encerradas no fim da tarde de sábado, dia 26.

O primeiro trabalho, apresentado por Jírí Moskala, decano do seminário, tratou de “Mágica e ocultismo no Antigo Testamento: pressuposições, respostas e a atitude de Deus”. Gordon Doss falou sobre o animismo, o oculto e a missão. Já Robert Johnston abordou as práticas de exorcismo no Novo Testamento. Alexa Sharma, que é o nome usado por uma americana em serviço na Índia, testemunhou sobre o real desafio da batalha espiritual no campo missionário. Por sua vez, Michée Badé apresentou uma abordagem prática para a libertação de pessoas sob domínio espiritual e Ranko Stefanovic analisou as atividades demoníacas do fim dos tempos que estão presentes no livro do Apocalipse. Cristian Dumitrescu expôs o histórico da guerra espiritual e das manifestações do oculto ao longo da história da igreja. Bruce Bauer apresentou estudo com conclusões para a seguinte pergunta: devemos nos envolver no diálogo com os demônios? Apesar das justificativas de quem vê utilidade na prática, Bauer concluiu que não. Mark Coleman analisou a perspectiva da escritora Ellen G. White sobre a guerra espiritual e o oculto, e o casal Loren e Ann Hammel tratou de outra questão bastante sensível: doenças mentais e demonização.

A partir do relato bíblico da atuação de Jesus diante do endemoniado geraseno (Mc 5:1-20), Conrad Vine extraiu algumas lições preciosas na manhã do sábado. À tarde, Boubakar Sanou apresentou um estudo sobre dinâmica social e práticas de ocultismo, seguido por Constance Gane que fechou o ciclo de palestras falando da adoração aos demônios no Antigo Testamento. Respondendo a uma pergunta do público, a doutora Gane afirmou que é possível reconhecer as mesmas figuras malignas de milhares de anos em certos games, músicas, esculturas e até em estampas de camisetas. O grande perigo, segundo ela, “é quando reconhecemos esses símbolos e mesmo assim continuamos venerando-os”.

Simpósio-na-Andrews-University-trata-sobre-as-implicações-da-batalha-espiritual-no-contexto-da-missão-foto-1A última atividade dos três dias de conferência foi um painel conduzido por Wagner Kuhn, brasileiro e doutor em Missão que mediou as opiniões de Bruce Moyer, Tom Shepherd e Hyveth Williams. Considerando a realidade sobrenatural e a atuação de espíritos do mal, a doutora Williams foi bastante direta: “Nós sabemos que eles existem. É preciso ser mais tolo que qualquer coisa para não acreditar nisso”. Por outro lado, ela alerta que “alguns acreditam mais no poder dos demônios do que no poder de Jesus e por isso passam mais tempo pregando sobre o poder do mal do que a respeito do poder de Deus”. Bruce Moyer, outro participante do debate, destacou que “a mídia tende a nos dessensibilizar, mas o que nós vemos agora é só o começo. As coisas vão ficar muito piores perto do fim e o problema é que os jovens não ficam com medo, mas sim excitados com tudo isso e nós precisamos ajudá-los a se conectar com Jesus”.

O pastor Jolivê Chaves, que está cursando o programa de PhD em Missão na Andrews, esteve entre as centenas de pessoas que tiveram a oportunidade de acompanhar o evento. Com base em Efésios 6:12, ele afirma que “a igreja precisa investir mais no tema da ‘batalha espiritual’, pois, como Paulo disse, essa é a nossa real e grande batalha”. No entanto, ela acredita que o tema não deveria ficar restrito ao ambiente acadêmico. “Precisamos instruir os pastores e líderes sobre como lidar com esse assunto e como ajudar cada membro a se apoderar do poder libertador de Deus usando as armas espirituais”, reforça.

Além de mediar o debate, Wagner Kuhn, que é um missionário experiente e foi um dos organizadores do evento, também deixou uma mensagem de alerta: “A guerra espiritual se torna mais intensa à medida que nos aproximamos da volta de Jesus. Cada missionário e cada obreiro precisam estar cientes que em diferentes lugares, em diferentes contextos, Satanás também muda suas táticas para enganar e destruir”. Ele finaliza com o que considera ser a única receita capaz de proteger contra as ações do mal: ”Nosso constante apego e estudo das Escrituras e a dependência da proteção e auxílio divinos são indispensáveis aonde quer que estejamos, quer em nosso próprio país, quer no campo missionário”. [Créditos das imagens: Lisandro Staut]

LISANDRO STAUT é jornalista e está cursando mestrado em Teologia na Andrews University

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.