Atenção

Bom investimento

2 minutos de leitura

Fórum discute como a liberdade religiosa no mundo corporativo favorece os negócios

congresso nos Estados Unidos sobre liberdade religiosa e os negócios
Dwayne Leslie (ao centro): diretor associado de relações públicas e liberdade religiosa da igreja mundial foi um dos palestrantes dos evento realizado nos Estados Unidos. Foto: reprodução Adventist Review

Empresas que respeitam a liberdade de crença de seus funcionários têm mais chances de crescer. Essa foi a ênfase de um congresso realizado no dia 12 de janeiro em Washington, capital norte-americana, com o título “Religious freedom and business: a way forward” (Liberdade religiosa e negócios: um caminho a seguir). Na opinião de Brian Grim, presidente da Fundação de Liberdade Religiosa e Negócios, entidade que organizou o evento, as companhias que agem dessa forma criam um clima mais favorável à inovação, o que é um fator determinante para o sucesso empresarial. “A liberdade de ser quem você é, onde você estiver, é uma das grandes fontes de inovação”, ele afirmou.

O advogado Dwayne Leslie, diretor associado de relações públicas e liberdade religiosa da Igreja Adventista mundial, foi um dos palestrantes convidados para o evento. Ele disse que tem incentivado as empresas a respeitar as crenças religiosas de seus empregados porque, além de ser uma atitude politicamente correta, ela também contribui para o crescimento delas.

No entanto, ele observou que ainda é muito comum no mundo corporativo a crença de que “se adequar às necessidades religiosas dos funcionários contribui para um ambiente de trabalho menos eficiente”. Em sua palestra, o advogado lembrou o caso da jovem Samantha Elauf, que não teria sido aceita para trabalhar em uma das lojas da marca de roupas Abercrombie & Fitch por usar véu. Em junho de 2015, os juízes da Suprema Corte dos Estados Unidos decidiram a favor da jovem muçulmana. Ao mencionar o caso que repercutiu na imprensa internacional, Leslie chamou a atenção para o fato de que sentenças judiciais como essa podem alimentar o conflito entre os interesses comerciais e a liberdade religiosa.

Na opinião de Dwayne Leslie, embora a adequação das empresas às crenças de seus servidores exija certo esforço, tal postura é benéfica sob todos os aspectos. “Vemos que proteger essas liberdades fundamentais resulta em uma corporação mais estável e com uma força de trabalho mais forte, diversificada e produtiva. É bom para os trabalhadores, bom para os negócios, bom para o país e é bom para a causa dos direitos humanos e da liberdade religiosa”, frisou.

Para ele, o primeiro passo para mudar a mentalidade das empresas e a relação entre patrões e funcionários é fortalecer a comunicação entre eles. [Daniela Fernandes / com informações da Adventist Review]

LEIA TAMBÉM

Liberdade ameaçada

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Museu reaberto

Antiga casa de Ellen White na Austrália é reaberta para visitantes.