Casa de refúgio

2 minutos de leitura

Conheça o espaço mantido pela ADRA na Romênia para proteger crianças da violência doméstica

Equipe da ADRA e da Adventist Review

Em pouco mais de uma década, o centro de acolhimento da ADRA na Romênia abrigou mais de mil vítimas de violência doméstica

Campanhas como as que foram promovidas recentemente pela rede de comunicação Cheil Centrade (bityli.com/CskBa) mostram que a violência doméstica é um problema bastante presente na sociedade romena. Isso levou a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) a criar um espaço que servisse de abrigo especialmente para crianças que sofrem abusos nesse país do leste europeu.

Ionel (nome fictício para proteger sua identidade), menino de sete anos de idade, é uma das crianças atendidas pelo Centro de Acolhimento de Emergência para Vítimas de Violência Doméstica – Casa ADRA. Ele foi para o abrigo acompanhado da mãe e da irmã mais nova por causa do comportamento violento do pai, viciado em álcool e em jogos de azar.

Quando Ionel chegou à Casa ADRA, comia apenas macarrão, fazia alguns sons e respondia às perguntas com “sim” ou “não”. A falta de alimentação adequada, a negligência paterna e o ambiente abusivo deixaram marcas em seu desenvolvimento. Por isso, assim que chegou ao centro de acolhimento, o menino recebeu apoio dos membros da equipe, que trabalharam por vários meses no desenvolvimento cognitivo, emocional e social dele e para diversificar sua alimentação. Felizmente, ele está se recuperando e progredindo a cada dia.

“Ionel é uma criança adorável, inteligente, ansioso pela atenção e carinho das pessoas ao seu redor. Ele fez um grande progresso. Hoje vem sozinho com o caderno ao meu escritório para me mostrar o que escreveu. Agora ele conhece os números e as letras e é capaz de formular frases curtas. Estou feliz por seus resultados, embora saiba que seja necessário apoio contínuo para que o menino possa se integrar à escola”, relata Mariana Ro?, psicóloga da ADRA.

A mãe de Ionel teve que sair de casa com os dois filhos pequenos levando apenas alguns documentos em um saco de lixo, a fim de que o agressor não suspeitasse que eles estavam fugindo. “Como profissional, minha satisfação é poder contribuir para que eles se sintam melhor. Fico motivada todos os dias ao ver que famílias como de Ionel podem superar a provação pela qual passaram”, ressalta a psicóloga.

Entre 2009 e 2021, o Centro de Acolhimento de Emergência para Vítimas de Violência Doméstica da ADRA na Romênia atendeu mais de 3,5 mil pessoas. Dessas, 1.015 ficaram alojadas nas instalações da agência humanitária. O projeto da ADRA Romênia visa buscar a reintegração social das vítimas de violência doméstica por meio de abrigo, aconselhamento social e psicológico, assistência médica de emergência, alimentação e encaminhamento jurídico.

De acordo com os líderes da ADRA no país, o trabalho que vem sendo realizado pelo centro de apoio adventista tem ajudado a transformar a vida de muitas famílias, pois lá elas encontram o caminho para viver livres da violência física, verbal, econômica, mental, sexual e religiosa. Além disso, essas pessoas têm contato com os valores cristãos e aprendem a viver de maneira mais saudável. 

(Notícia publicada originalmente na edição de março de 2022 da Revista Adventista / Adventist World)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Perfil pastoral

Pesquisa mostra quem são os pastores que lideram as congregações adventistas na América do Sul.