Centro de acolhimento

2 minutos de leitura

Projeto da ADRA atende famílias que vão a Barretos (SP) em busca de apoio na luta contra o câncer

Suellen Timm

Nova ala irá ampliar ainda mais a capacidade do projeto, que já atende cerca de 200 famílias por mês. Foto: Nucom APO

Há três anos, Rubens Michel Heintze viajou do Mato Grosso para Barretos, interior de São Paulo, para acompanhar a esposa em alguns exames no Hospital do Amor, conhecido centro de tratamento contra o câncer fundado em 1967. Porém, o tratamento prologado fez com que o casal precisasse deixar a família e o trabalho, sem saber quando poderiam voltar para casa.

Assim como Rubens e a esposa, anualmente centenas de famílias de outras cidades, estados e até países mudam temporariamente para Barretos em busca de tratamento contra o câncer. Por isso, a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) mantém uma unidade de atendimento para essas famílias que estão longe de casa.

Além da doação de roupas, alimentos e calçados, a proposta do Centro Adventista de Apoio à Família (CAAF) é oferecer diferentes formas de acolhimento. O Espaço Dia, por exemplo, é um ambiente que atende pessoas de municípíos vizinhos. Depois de receber o tratamento no hospital, esses pacientes e seus acompanhantes têm onde ficar enquanto aguardam a chegada do transporte público (geralmente ambulâncias) que os leva de volta para casa no fim do dia. Nesse ambiente são disponibilizados serviços como acompanhamento social, psicológico e espiritual, salas de TV, biblioteca, espaço cultural e laboratório de informática.

A unidade também conta com salas em que são oferecidos mais de 40 cursos e oficinas que atendem desde crianças até adultos com aulas de educação física, artesanato, culinária, estética, informática, línguas, música e atividades recreativas. Segundo Estela Reis, coordenadora de projetos da ADRA na região oeste do território paulista, os cursos têm o objetivo de ajudar as pessoas que mudam temporariamente para a cidade a se distraírem da rotina hospitalar e aproveitar o tempo para aprender algo novo, além da possibilidade de transformar esse aprendizado em uma fonte de renda.

Rubens é um dos que frequentam as atividades oferecidas pela unidade. Para ele, o CAAF tem contribuído até mesmo para a sua saúde emocional, por ter a oportunidade de conversar com as pessoas e conhecê-las. Semelhantemente, Elielma Silva, que também mudou com a família para a região em busca de tratamento, conta que se sentia muito sozinha em um ambiente hospitalar de muita tristeza e que, no CAAF, teve a oportunidade de pensar em outras coisas.

Com a pandemia, a unidade teve que adaptar seus serviços. Michelle Tiba, professora voluntária há cerca de cinco anos, conta que, ao encontrar alguns alunos durante o período de isolamento social, eles falavam de como sentiam falta do convívio que o CAAF proporcionava. Por isso, recentemente a unidade passou a oferecer aulas remotas.

A ADRA agora trabalha para concluir o último espaço que será dedicado a oferecer hospedagem para pacientes e acompanhantes. Rubens acredita que esse novo ambiente será extremamente útil, já que, além de se preocupar com a doença, as pessoas precisam se preocupar também em encontrar um local para ficar.

Assim, o CAAF tem buscado arrecadar doações para concluir o projeto da nova ala. A estrutura terá 51 quartos, além de um complexo com auditório, biblioteca, brinquedoteca, cozinha, lavanderia, refeitório e sala de informática. No site oficial da unidade é possível conhecer mais sobre o projeto e saber como apoiar a iniciativa: http://caaf.org.br.

SUELLEN TIMM é jornalista e trabalha como assessora de comunicação
da Igreja Adventista na região oeste do Estado de São Paulo

(Notícia publicada na edição de agosto de 2021 da Revista Adventista)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Indicação governamental

Presidente da Universidade do Norte do Caribe é nomeado membro da Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia da Jamaica.