Atenção

Decodificando o universo

4 minutos de leitura
Cientista adventista que participou da descoberta das ondas gravitacionais explica a importância da pesquisa e o que ela revela sobre o Criador
Lisandro Staut
Pesquisadora da Universidade Andrews participou da descoberta que está mexendo com a comunidade científica. Foto: Tony Wittkowski
Pesquisadora da Universidade Andrews participou da descoberta que mexeu com a comunidade científica. Foto: Tony Wittkowski

A primeira detecção das ondas gravitacionais, uma descoberta que promete abrir uma nova era na astronomia, foi anunciada com repercussão mundial no dia 11 de fevereiro. Mas o que pouca gente sabe é que uma cientista criacionista e adventista trabalha há 15 anos nessa pesquisa. Tiffany Summerscales é professora associada de Física na Universidade Andrews (EUA), onde concluiu sua graduação em 1999. Ela entrou para a equipe de mais de mil pesquisadores do LIGO enquanto estudava o doutorado na Universidade Estadual da Pensilvânia. “Para mim, aprender mais a respeito do universo é muito inspirador, pois ele contém ecos da grandeza de Deus”, disse a cientista em entrevista à Adventist Review. No fim de semana passado, ela compartilhou um pouco do significado da descoberta com colegas e a alunos da universidade adventista na qual trabalha, na pequena cidade de Berrien Springs, em Michigan (EUA). O jornalista Lisandro Staut conferiu a apresentação e fez uma rápida entrevista com a pesquisadora.

Como foi compartilhar as conclusões desse estudo com na universidade em que estudou e onde trabalha hoje?

Foi muito bom poder contar para meus alunos e colegas de trabalho o que aconteceu, porque estou bem animada com o projeto e venho trabalhando nele há muito tempo. É maravilhoso ver todo esse esforço se materializando.

Como essa descoberta se relaciona com sua fé?

Essa descoberta mostra realmente que a criação não é só grande e vasta, mas também surpreendente. Quando você simplesmente olha para as estrelas, não consegue imagina que existem buracos negros, coisas grandes e eventos poderosos ocorrendo no espaço. Pois bem, essas ondas gravitacionais nos possibilitam ter uma nova visão sobre o Universo e um novo vislumbre sobre o Criador. Deus também é maravilhoso e surpreendente!

Por que escolheu a Física como área de trabalho? Era um sonho de criança?

Sempre gostei muito de aprender sobre a natureza. Adoro observar os pássaros e gosto de Ciências. No Ensino Médio, minha matéria escolar preferida era Matemática. Eu sabia que queria estudar Ciências, mas também gostava muito de matemática. Por isso, escolhi a Física, pois é a ciência que mais utiliza a matemática. Quando passei pela Universidade Andrews como estudante (1995-1999), tive a oportunidade de estudar todas as áreas da Física. Meu assunto preferido era a teoria da relatividade, porque era surpreendente e muitos dos resultados se mostravam imprevisíveis. Mas também tive a oportunidade de pesquisar com a doutora Margarita Mattingly, que foi minha orientadora e trouxe a colaboração da física de alta energia. Logo descobri que realmente gostava de estudar física em grupo, trabalhando assim com diferentes pessoas. Então, na pós-graduação, quando ouvi falar do LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) achei que seria a combinação perfeita para mim: um projeto que trabalha com a teoria da relatividade e em grupo, com pesquisadores do mundo todo.

Conforme você conhece mais sobre o Universo, sente que suas crenças religiosas são desafiadas ou reforçadas? 

Penso que o Universo mostra coisas sobre as quais eu já havia pensado acerca de Deus. Que ele é grande, por exemplo. Acredito que alguns conflitos podem surgir se acharmos que já sabemos tudo o que ele tem feito e como tem feito. Porém, temos que estar dispostos a abrir a mente para as surpresas, porque Deus é muito maior do que todos os nossos pensamentos a respeito dele.

Qual é a importância dessa descoberta para a ciência?

É muito importante porque nos trará uma nova maneira de olhar para o Universo. Nós não sabemos ainda todas as implicações dela. Temos apenas alguma ideia dos objetos que queremos estudar com as ondas gravitacionais, como buracos negros e explosões de supernovas. Quando Galileu virou seu telescópio pela primeira vez para o céu e começou a ver a lua e suas crateras, ele entendeu apenas que estava vendo coisas novas. De lá para cá, usando telescópios, temos sido capazes de descobrir muito mais do que ele imaginava. Temos a mesma expectativa agora: descobrir muitas coisas que nem suspeitamos que existem.

Há muito dinheiro e pessoas envolvidas no projeto LIGO? Qual retorno é esperado para esse esforço?

No que estamos mais interessados é nessa nova forma de estudar a Astronomia e explorar o Universo. A pesquisa também é importante para compreender a teoria da relatividade de Einstein. Sabemos que ele previu essas ondas gravitacionais. Porém, ainda temos muita dificuldade para aplicar a teoria dele a fim de prever o que acontece quando a gravidade é muito forte, como nas proximidades de um buraco negro. Ainda não temos muita certeza de como as coisas funcionam lá. Por isso, esse estudo nos ajudará a avançar na pesquisa da Astrofísica e da própria Física Básica, ao entender melhor como a gravidade funciona.

Obviamente, existem pessoas que já questionam qual será o resultado prático ou tecnológico de tanto investimento. Esses benefícios já existem porque as empresas que desenvolveram as tecnologias para o LIGO já estão aperfeiçoando seus equipamentos. Além disso, os alunos apaixonados pela teoria da relatividade que participam conosco da pesquisa, desenvolveram novas técnicas durante o processo e foram contratados por diferentes empresas, como SpaceX e Google.

Hoje temos esses recursos para tentar verificar se Einstein estava certo. Mas o que ele tinha em mãos há cem anos para formular a teoria da relatividade?

Einstein era um teórico e matemático. Suas ferramentas, em grande parte, eram os cálculos e as coisas que imaginava. Foi o que ele chamou de experimentos mentais. Ele conhecia algumas contradições que existiam na Física daquela época, e tentou resolvê-las fazendo perguntas como “e se a velocidade da luz fosse o aspecto mais importante de uma constante? O que isso implicaria?”. Ele mesmo não fez muitos experimentos, mas desenvolveu cálculos para suas hipóteses. Depois que Einstein divulgou a teoria da relatividade geral, outros pesquisadores fizeram experimentos com base em seus cálculos e comprovavam o que a teoria afirmava.

Qual é sua parte na pesquisa do LIGO e como os alunos da Universidade Andrews estão envolvidos nisso?

Os alunos e eu trabalhamos, principalmente, com projetos que envolvem análise de dados. Fazemos parte do time que analisa os algoritmos dos computadores que retiram os dados dos detectores, procuramos pelo sinal e tentamos extrair as propriedades dele, como de qual local do céu veio a onda gravitacional, sua potência e forma. Isso é uma das coisas que fazemos. Estamos envolvidos também em outra frente de trabalho: a educação e divulgação. Hoje, eu tenho um aluno que está elaborando um jogo de computador para ajudar as crianças a compreender melhor a gravidade e os buracos negros, chama-se Chickens and Space. A ideia é a criança fazer buracos com as galinhas e a aprender sobre a gravidade. É muito bonitinho. Nosso grupo já trabalhou também na legendagem de alguns vídeos educativos do LIGO. E isso se torna mais fácil na Universidade Andrews, porque nosso campus tem grande diversidade cultural, com pessoas do mundo todo.

LISANDRO STAUT é jornalista e cursa o mestrado em Teologia na Universidade Andrews (EUA)

[Tradução: Lidiane Pinheiro de Souza]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.