Desfecho inesperado

6 minutos de leitura

O que fez do adventismo o maior movimento protestante doutrinariamente unificado ao redor do mundo

Bruno de Azevedo Lourenço

A chamada “rocha da ascensão”, localizada perto da casa de William Miller, em Hampton, Nova York (EUA)

“Nossas expectativas foram elevadas e esperamos pela vinda de nosso Senhor até que o relógio apontou meia-noite. O dia se passou, e nosso desapontamento se tornou uma certeza. Nossas maiores esperanças e expectativas foram destroçadas e um espírito deprimente tomou conta de nós como nunca antes. Parecia que a perda de todos os amigos terrenos não poderia se comparar com essa dor. Nós choramos e choramos até o dia amanhecer” (Review and Herald, 23/6/1921, p. 4-5). Foi assim que Hiram Edson definiu a tristeza daquele grupo. Sermões e mais sermões sobre a segunda vinda de Cristo haviam sido proferidos. O 22 de outubro de 1844 havia chegado, mas o dia terminou e Ele não veio.

Um grupo que passou por um desapontamento tão grande como esse simplesmente poderia enfraquecer até a completa extinção. No entanto, a menor porção daquele pesaroso movimento perseverou e tornou-se uma igreja com mais de 20 milhões de membros. Qual foi o segredo para um desfecho tão inesperado? Embora pareça não fazer sentido à primeira vista, a mensagem do sábado estudada por José Bates, a doutrina do santuário e as três mensagens angélicas tiveram um papel primordial nesse processo.

Reerguendo-se

Logo após o grande desapontamento, a grande maioria dos mais de 200 mil mileritas abandonou a fé ou continuou estudando para marcar novas datas para o retorno de Cristo. Porém, um pequeno grupo enxugou as lágrimas e retornou para as Escrituras a fim de entender o que de fato aconteceu e para buscar mais revelações divinas. A descoberta da centralidade da doutrina do santuário em correlação às três mensagens angélicas de Apocalipse 14 foi uma das principais chaves para o próximo passo. Inicialmente, eles criam que o cumprimento da mensagem do primeiro anjo teve início em 1798 com a pregação da volta de Jesus (Ap 14:6-7). Por sua vez, relacionavam a segunda mensagem a 1844, com a proclamação do Clamor da Meia-Noite e o chamado para sair de Babilônia (14:8). E acreditavam que a terceira mensagem enfatizava a santidade e validade dos mandamentos de Deus (14:9-12).

Em 1845, muitas pessoas começaram a guardar o sábado devido à influência dos batistas do sétimo dia. Pouco tempo depois, José Bates começou a pregar mais enfaticamente sobre a importância desse dia, afirmando que este mandamento precisaria ser restaurado para que então Jesus pudesse retornar (Gerard P. Damsteegt, Foundations of the Seventh-day Adventist Message and Mission [Grand Rapids: Eerdmans, 1977], p. 136-142). A princípio Ellen G. White não entendeu o motivo de enfatizar tanto o quarto mandamento em relação aos outros nove (Testemunhos Para a Igreja [Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2021), v. 1, p. 72, 73). Mas, depois de ter acesso a um folheto escrito por Bates em 1846, Ellen e Tiago White aceitaram esta verdade. O trio, então, começou a pregar com maior ênfase sobre a santidade do sábado. Naquele momento, Deus usou José Bates para protagonizar uma das mais cruciais descobertas da história da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Bates teve um insight enquanto dedicava-se a um estudo mais profundo a respeito do significado da terceira mensagem angélica: o sábado estava inteiramente ligado à mensagem do terceiro anjo. Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário, e sobrevieram relâmpagos, vozes, trovões, terremoto e grande saraivada” (Apocalipse 11:19). Ele percebeu que os Dez Mandamentos tinham um papel especial naquele período e, assim, conectou o sétimo dia com a mensagem do terceiro anjo. Alguns meses depois, Ellen White teve uma visão em que Deus a levou para um passeio no santuário celestial. Quando o véu que havia entre os dois compartimentos foi levantado, ela contemplou a Arca do Concerto. Dentro da arca ela reparou num detalhe interessante: “Vi os Dez Mandamentos nelas [nas tábuas] escritos com o dedo de Deus. […] Mas o quarto, o mandamento do sábado, brilhava mais que os outros; pois o sábado foi separado para ser guardado em honra do santo nome de Deus. O santo sábado tinha aparência gloriosa – um halo de glória o circundava. Vi que o mandamento do sábado não fora pregado na cruz. Se tivesse sido, os outros nove mandamentos também o teriam, e estaríamos na liberdade de transgredi-los a todos, bem como o quarto mandamento. Vi que Deus não havia mudado o sábado, pois Ele jamais muda” (Ellen G. White, Primeiros Escritos [Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1991], p. 32-33).

A sugestão de Bates de conectar os três temas foi confirmada com a visão de Ellen White. Logo, a última mensagem de exortação e salvação deveria incluir a restauração do sábado como o dia genuíno de descanso, o único mandamento esquecido pela grande maioria dos cristãos.

A conexão entre o sábado, o santuário e as três mensagens angélicas deu a eles uma identidade profética. Logo após o grande desapontamento profetizado em Apocalipse 10:8-10, Jesus afirma que eles ainda precisariam profetizar “a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis” (v. 11). As mesmas palavras são usadas para introduzir as três mensagens angélicas em Apocalipse 14:6-12, deixando claro o que Ele esperava deles. Ademais, as palavras usadas pelo primeiro anjo em sua mensagem para adorar “aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” também não são novas nas Escrituras. “Essa linguagem faz uma alusão inequívoca ao mandamento do SÁBADO, com referência à CRIAÇÃO (Êx 20:8-11), indicando, portanto, que o sétimo dia tem relevância especial na proclamação do evangelho no tempo do fim. […] As admoestações a ‘temer’ e ‘adorar’ neste versículo se encaixam diretamente no contexto imediato mais amplo de guardar os mandamentos de Deus (ver Ap 12:17; 14:12), com referências óbvias ao decálogo” (Bíblia de Estudo Andrews, p. 1667; nota sobre Apocalipse 14:7).             Os pioneiros adventistas do sétimo dia não criam nestes preceitos apenas porque eles estavam embasados na Bíblia e, por isso, deveriam ser pregados. Ia muito além disso. Eles encontraram a si mesmos naquela profecia. Perceberam Deus delegando a eles a missão de espalhar uma mensagem específica à sua geração. Inicialmente, a crença de José Bates na santidade do sétimo dia apresentada em seu livro The Seventh-day Sabbath: A Perpetual Sign refletia essencialmente o que os batistas do sétimo dia criam: que o sábado era o dia correto a ser guardado e que o dia de guarda nunca deveria ter sido mudado. Porém, a crença nesse dia foi fortalecida pela mensagem profética de que Deus restauraria este selo entre Ele e Seu povo. Tiago White declarou: “Nossa experiência adventista passada, presente posição e trabalho futuro estão demarcados em Apocalipse 14 da forma mais clara que a pena profética poderia escrever” (James White to Brother Bowles, 8 de novembro de 1849 [Silver Spring, MD: Ellen G. White Estate]). A identidade profética resultou em urgência de pregar aquela mensagem ao mundo. Um espírito missionário envolveu seu coração, e daquele momento em diante nenhuma barreira seria grande demais para aquele valente grupo. O pequeno grupo passou por um grande desapontamento, mas agora estava revigorado para espalhar o evangelho a todo o mundo.

Missão urgente

Crédito da imagem: Adobe Stock

A diferença que esta identidade profética e chamado à pregação provocou no movimento adventista do sétimo dia se torna mais clara quando comparada a outros grupos similares daquele período. Os batistas do sétimo dia tiveram um crescimento de aproximadamente 6 mil membros na década de 1840 para 50 mil na década de 2010, e estão representados em 22 países. Por outro lado, de acordo com o primeiro censo realizado pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, o número de membros adventistas totalizava 3,5 mil em 1863. Em 2020, este número já se aproximava de 22 milhões de adventistas, espalhados por 213 dos 235 países e regiões do mundo reconhecidos pela ONU (para ver os dados, clique aqui).

Como Clyde Hewitt afirmou: “O menor dos braços do grupo milerita [Adventistas do Sétimo Dia e Cristãos do Advento] foi o que se tornaria de longe o maior” (George R. Knight, If I Were The Devil [Hagerstown, MD: Review and Herald, 2010], p. 142). A diferença no crescimento entre essas denominações foi a compreensão profética desta mensagem como parte de um plano maior, com um chamado urgente a que fosse pregada por todo o mundo. O adventismo sabatista compreendeu que a guarda do sábado não era um meio para a salvação, mas era parte de uma identidade profética a ser compartilhada com “muitos povos, nações, línguas e reis” (Apocalipse 10:11; veja também Mateus 28:18-20; Apocalipse 5:9-10; 7:9).

O adventismo do sétimo dia é o maior movimento protestante doutrinariamente unificado ao redor do mundo. Por quê? Porque cremos que Deus tem uma mensagem profética a ser pregada e que ninguém está pregando. Esta mensagem deu ao Seu povo liberalidade ao doar seu dinheiro e sua própria vida em favor da pregação do evangelho. Como membros e herdeiros de tão grande legado, precisamos levar avante esta mensagem que nos conferiu uma identidade e uma missão. Devemos ir e pregar a “cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Apocalipse 14:6). A missão está em nosso DNA, e esse foi claramente o segredo para o crescimento do adventismo no mundo. Agora a tocha da verdade está em nossas mãos e podemos ouvir uma voz do Céu apelando direta e claramente: Pregue! Pregue!

BRUNO DE AZEVEDO LOURENÇO, mestre em Divindade pela Universidade Andrews, é pastor na Igreja Adventista Highland View, em Hagerstown, Maryland (EUA)

OUÇA TAMBÉM

Última atualização em 25 de outubro de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Líder mundial adventista visita presidente das Filipinas

1 minuto de leitura Em sua primeira viagem internacional desde o início da pandemia, o …